MOSQUITOLÂNDIA


David ARNOLD
Editora INTRÍNSECA
2015
352 páginas

SINOPSE: “Meu nome é Mary Iris Malone, e eu não estou nada bem.” Após o inesperado divórcio dos pais, Mim Malone é arrastada de sua casa em Ohio para o árido Mississippi, onde passa a morar com o pai e a madrasta e a ser medicada contra a própria vontade. Porém, antes mesmo de a poeira da mudança baixar, ela descobre que a mãe está doente. Mim foge de sua nova vida e embarca em um ônibus com destino a seu verdadeiro lugar, o lar de sua mãe, e acaba encontrando alguns companheiros de viagem muito interessantes pelo caminho. Quando a jornada de mais de mil quilômetros toma rumos inesperados, ela precisa confrontar os próprios demô- nios e redefinir seus conceitos de amor, lealdade e sanidade. Com uma narrativa caleidoscópica e inesquecível, Mosquitolândia é uma odisseia contemporânea, uma história sobre as dificuldades do dia a dia e o que fazemos para enfrentá-las.

MOSQUITOLÂNCIA é um jovem adulto diferente. Com uma protagonista adolescente que não está nada bem e que narra sua história em primeira pessoa, não parece ter grandes atrativos dentre outras obras do mesmo estilo. Entretanto, assuntos sérios como divórcio dos pais, autodescoberta e psicose são apresentados sob uma nova perspectiva. 

Mary Iris Malone (Mim) mudou-se de Ohio para o Mississipi, porque seus pais se divorciaram. Desde criança, sempre apresentou sinais de psicose e depressão: adorava brincar e falar sozinha e beirava a antissociabilidade. Seu jeito diferente rendeu várias discussões entre seus pais, que tiveram o casamento desgastado e finalizado de forma pacífica, mas dolorosa. Ao chegar na nova casa onde moraria com seu pai e sua madrasta, o comportamento escolar de Mim vai de mal a pior, e não demora para que seus responsáveis sejam convocados pelo diretor. No dia da esperada reunião, Mim descobre que sua mãe está doente e foge imediatamente para reencontrá-la. 

"Desvios não são desprovidos de propósitos"

Nesta segunda fase do livro, a narrativa é mais agitada, pois novos personagens vão aparecendo. Impressionei-me com a variedade deles: a senhora idosa, o homem estranho que traja poncho, o rapaz bonito da cadeira 17C do ônibus. Todos rendem diálogos inusitados e aumentam a quantidade de situações que Mim tem que resolver até o final da viagem. Obviamente, aumentam também as passagens engraçadas e tristes, que expressam toda a emoção da garota. Fiquei particularmente apaixonada por Walt e Beck, sendo estes que passam mais tempo com a protagonista. 

Além dos personagens apaixonantes, a ambientação é impecável, apesar de o enredo se passar em lugares simples. O interior do ônibus, o posto de gasolina, o restaurante e hotel de beira de estrada ganham novas cores quando descritos com eufemismo e imaginação. Sem dúvidas, a austeridade dos espaços dão a neutralidade necessária para que os sentimentos dos personagens possam fluir em primeiro plano. 

Mim é uma excelente narradora. Além de descrever bem os ambientes e as pessoas, ela escreve cartas e conta histórias relativas ao seu passado nos momentos mais tensos do relato. Nessas cartas, seu jeito espirituoso e depressivo entra em ação, levando-me a chorar e sorrir incessantemente. São textos inteligentes, maduros, engraçados e com despedidas bacanas.

"Estou mundialmente entregue"

Mesmo a viagem sendo o foco dos acontecimentos, o livro não é composto apenas da road trip. Mas aos que desejam ler algo sobre o assunto indico MOSQUITOLÂNDIA. Também o indico aos que gostam que boas analogias. As analogias de Mim são repletas de alusões ao cinema, à música e a quadros famosos. 

Aliando a linda diagramação ao conteúdo inspirador e reflexivo, MOSQUITOLÂNDIA é um dos meus favoritos de 2015. 


Compartilhe este post:

Mylane Damasceno

Além de ser amante da literatura, amo blogar. Gosto de atualidades ou de algo mais retrô. Leio de economia à literatura, de Rick Riordan a José de Alencar. Me emociono facilmente com filmes e livros, e tenho vontade de fotografar quase tudo que vejo. Sou fã de dias chuvosos e músicas calmas.

2 COMENTÁRIOS

  1. A curiosidade por esse livro cresce ainda mais, amei a resenha.

    ResponderExcluir
  2. Quero muito ler esse. Me parece muito profundo e interessante, adorei!

    ResponderExcluir