PENADINHO: VIDA


Paulo GRUMBIM e Cristina EIKO
Editora PANINI COMICS
2015
82 páginas

SINOPSE: Sétimo título do selo Graphic MSP, em que quadrinhistas convidados reinterpretam os clássicos personagens de Mauricio de Sousa, em seus próprios estilos. Os responsáveis pela releitura, desta vez, são Paulo Crumbim e Cristina Eiko, que construíram uma trama que mescla aventura, humor, romance e suspense, com desenhos lindos. Na trama, Alminha vai reencarnar. E Penadinho nunca teve coragem de dizer que ela é o amor da sua... morte! Pra piorar, a fantasminha sumiu e precisa ser encontrada até o amanhecer, quando a Dona Cegonha a levará. Os autores reimaginam os personagens criados por Mauricio de Sousa de forma terna, apaixonante e divertida. O texto de quarta capa da edição é assinado pelo roteirista e diretor Luiz Bolognesi, do ótimo Uma História de Amor e Fúria. Além disso, o álbum traz esboços, a biografia de Crumbim e Eiko e uma matéria com a primeira aparição dos personagens nas tiras de jornais e revistas.

Para mim, PENADINHO sempre teve um fascínio especial dentro do universo da TURMA DA MÔNICA. Por ser fã de histórias de terror, a turminha do cemitério, junto com as cores mais sóbrias e, por vezes, escuras, puxavam mais meu interesse do que os planos infalíveis do Cebolinha para pegar o Sansão.

Dois anos atrás, quando começaram a publicar os álbuns escritos e desenhados por convidados de Maurício de Souza, fiquei animado ao saber que Penadinho seria um desses personagens reinventados. E ansioso. Esperava que criassem algo que correspondesse à atmosfera sombria dos quadrinhos originais.


Felizmente, Paulo Crumbim e Cristina Eiko foram muito além de minhas expectativas. Tanto na parte do roteiro, como na parte gráfica. Seguindo a linha dos clássicos de terror, eles uniram o romance ao suspense, acrescentaram alguns novos personagens e criaram uma sequência de perseguição que transmite urgência e causa ansiedade para se chegar à conclusão. Isso sem mencionar o medo dos dois personagens principais, Penadinho e Alminha, não ficarem juntos no final, que, não por acaso, é muito lindo!


O carisma dos personagens clássicos foi mantido, inclusive o humor entre suas desavenças, próprias de amigos de longa data. As cores são sempre escuras ou, no máximo, sóbrias, jogando com sombras nos rostos e com cenários de uma única cor, mudando apenas a tonalidade. Isso destaca os personagens, sem tornar os quadrinhos pobres. É uma técnica belíssima e muito eficiente.

Apesar de serem personagens de terror (um fantasma, um monstro, um vampiro, uma múmia e um lobisomem), todos apresentam a mesma personalidade inocente, sem perder a nobreza e a seriedade nos momentos em que precisam entrar em ação para se salvarem, ou salvarem seus amigos.


O vilão da história não traça nenhum plano mirabolante, mas, mesmo assim, e talvez por isso, não decepciona. Ele assusta na medida certa e a forma como é derrotado não desaponta, apesar da facilidade. Ao contrário do normal, ele não esperava ser confrontado. Não havia nenhum oponente conhecido para suas artimanhas. Então é compreensível o quanto ele estava despreparado para enfrentar a turminha do cemitério.


Os dois capangas dele são personagens curiosos e os mais assustadores da história. Isso, porque não possuem uma linha de caráter, por serem estúpidos, burros mesmo. Assim, o que fazem, fazem sem pensar, sem pesarem as consequências, e isso é sempre assustador, porque não há o que dialogar, não existe forma de convencimento, a não ser que se apresente para eles um interesse diferente que os desmotive a continuar. Achei a presença dos dois, ameaçadora.


Por fim, somos presenteados com algumas páginas que demonstram como foi a criação de PENADINHO: VIDA. Não é muita coisa, mas é o suficiente para entender a complexidade existente em se criar uma pequena peça de arte.

Compartilhe este post:

Carl

Tenho várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamento o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco ;>) -, e não saber desenhar O.O

1 COMENTÁRIOS