CAPITOLINA


Editora SEGUINTE
2015
191 páginas

SINOPSE: A revista on-line Capitolina surgiu em 2014 como uma alternativa à mídia tradicional voltada ao público feminino adolescente. Sua proposta é criar um conteúdo colaborativo, inclusivo e livre de preconceitos, abordando temas como relacionamentos, feminismo, cinema, moda, games, viagens e muito mais. Esta edição reúne os melhores textos publicados em um ano de revista, além de vários artigos inéditos e atividades interativas, para que cada leitora também ajude a construir o livro. As jovens vão encontrar conselhos, dicas, reflexões, muito apoio e, principalmente, a sensação de que não estão sozinhas.

A revista digital, CAPITOLINA, é diferente de todo tipo de conteúdo dito como feminino que você poderá encontrar. O livro, que carrega o mesmo nome, nos mostra contos, reportagens, dicas e ideias de decoração. Mas com uma diferença: tanto a revista, quanto o livro, são formados majoritariamente de guerreiras, que lutam por seus ideais e por seus direitos. Ótima leitura pra quem acredita ou pra quem pretende abraçar o feminismo.

A obra conseguiu atingir tanto sucesso quanto sua versão digital. Com reportagens informativas e instrutivas, ela demonstra como as mulheres são seres humanos como qualquer um, e não um objeto hiper sexualizado e idealizado pelos ideais machistas da sociedade. Para mim, foi um enorme baque conhecer uma composição tão bem trabalhada.

"Não tenho uma personalidade fixa, tem muitos eus dentro de mim , às vezes ao mesmo tempo, às vezes se alternando."

Trazendo as melhores colunas já lançadas no 1º ano de revista, além de conteúdo escrito especialmente para esta edição impressa, é uma conquista para toda a equipe. Escrito por 41 autoras de todos os cantos do Brasil, quebram tabus e mostram os mais diferentes tipos de pensamento. A escrita de cada uma das autoras nos inspira. Textos coesos e produzidos, limpos e diretos.

Ainda contam com uma equipe de 23 artistas, que mostraram todo seu talento nos desenhos espalhados pelas páginas. Com artes belíssimas e bem simples, é um prato cheio pra quem gosta de arte e ilustração. E ainda traz matérias que falam da visibilidade sobre as mulheres na arte e sobre o tão fantástico mundo das cores.

Voltado para o público feminino adolescente, o livro é muito abrangente: de identidade de gênero, a feminismo; de aceitação do corpo, a arte; passando ainda por games, músicas, filmes, contos. E ainda, no final de quase todas as reportagens, há uma atividade para ser realizada. Tem até uma receita de bolo!

Dois artigos do trabalho me marcaram bastante: “foi você o sonho bonito que sonhei” e “identidade de gênero: uma introdução”. No primeiro, vemos que, por muitos anos, sonhamos e idealizamos a pessoa perfeita, o príncipe encantado, que chegará cavalgando um cavalo branco e nos amará incondicionalmente à primeira vista. Mas que nunca ocorre dessa forma, já que somos todos humanos, com qualidades e defeitos.

“Depois que a ficha cai, tudo fica mais fácil. Você para de procurar a pessoa perfeita e passa a se indagar sobre a pessoa que é imperfeitamente perfeita para você.”

Já o segundo, fala sobre uma questão bem mais polêmica e profunda: a aceitação do gênero. É dito que pessoas que nascem com determinado órgão, são masculinos ou femininos. A verdade é que as pessoas devem escolher e se sentir à vontade para escolher o que elas são. Se a pessoa nasceu com órgãos "femininos", mas se identifica com o gênero masculino, ela deve ter todo o direito de se adequar ao gênero que foi por ela escolhido.

É um ótimo livro! Ele mostra um pouco sobre o mundo feminista e nos ensina sobre ele.  Mostra que nós sempre teremos umas às outras, e que essa irmandade é mais antiga do que o próprio conceito de homem e mulher. E ainda mostra que o lugar da mulher é onde ela quiser, e se esse lugar for a cozinha, é por escolha própria, sem ser a mando de ninguém. Além de  abrir os olhos para quem possui algum preconceito, seja ele o racismo, a LGBTfobia, a gordofobia, ou o machismo.

Compartilhe este post:

Mylane Damasceno

Além de ser amante da literatura, amo blogar. Gosto de atualidades ou de algo mais retrô. Leio de economia à literatura, de Rick Riordan a José de Alencar. Me emociono facilmente com filmes e livros, e tenho vontade de fotografar quase tudo que vejo. Sou fã de dias chuvosos e músicas calmas.

8 COMENTÁRIOS

  1. Adorei a Resenha, simplesmente adorei o tema tratado - bem atual - e nos mostra o quanto é importante enfatizar que mulher não é o sexo frágil da sociedade em que vive, que ela tem seus ideais, sua escolhas e o que bem mais quiser se lutar para isso. Como ainda não li o livro não posso dizer mais sobre ele, mas tenho certeza que algum dia lerei e lembrarei dessa resenha tão boa.

    ResponderExcluir
  2. Adorei a resenha, principalmente porque o assunto se trata de nós mulheres. Se essa resenha foi perfeita, imagina o livro? O quão perfeito será?

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia essa revista, e olha, vou te dizer, graças a vocês pude conhecer esse trabalho maravilhoso da Capitolina.

    ResponderExcluir
  4. A resenha ficou maravilhosa como sempre. Sempre arrasando na escolha de trechos e tudo mais! Espero poder conhecer logo esse livro incrível!

    ResponderExcluir
  5. Poxa... Muito obrigada por me apresentar a revista s2

    ResponderExcluir
  6. Poxa... Muito obrigada por me apresentar a revista s2

    ResponderExcluir
  7. Adorei a ideia dessa revista, a mulher merecer ser valorizada!

    ResponderExcluir
  8. É incrível como em pleno séc. XXI as mulheres ainda sofrem preconceitos em vários aspectos. É MUITO importante a divulgação desse tipo de trabalho. Obrigada pela resenha.
    Instagram @kianidemonti

    ResponderExcluir