UMA HISTÓRIA COMO TANTAS OUTRAS


Jéssica e Thiago tinham 16 anos, e eram amigos desde sempre. Vizinhos de rua, estudavam no mesmo colégio e compartilhavam as mesmas amizades. Seus gostos também eram semelhantes. Depois das aulas, era normal assistirem a filmes, conversando sobre eles logo a seguir, animados, mesmo quando não concordavam sobre algo.

Quando Jéssica perdeu o pai, devido a um derrame, foi nos braços de Thiago que ela chorou. Ele ficou a seu lado durante o enterro, e, nas semanas seguintes, fez ainda mais parte de sua vida, sempre tentando animá-la.

No dia que Thiago quebrou a perna jogando futebol, Jéssica foi com ele no hospital. Ela foi a primeira a assinar seu gesso e, todos os dias, quando iam para a aula, ela o ajudava a subir no ônibus, compartilhando o ombro para servir de apoio.

Houve um dia em que Jéssica foi ao dentista retirar seu aparelho. Thiago foi junto e, quando ela apareceu de dentes livres, ele sorriu e disse que ela havia conseguido ficar ainda mais bonita. Jéssica abraçou Thiago e soltou um grito de alegria. Os dois saíram do consultório rindo, brincando um com o outro, e foram direto ao shopping comprar pipoca. Na vez que Thiago pegou dengue e ficou muito doente, Jéssica fez questão de ficar a seu lado, de noite, revezando com os pais dele, preocupada que a febre subisse demais. Ela o ajuda a se alimentar e nunca deixava o copo vazio de líquido. Ela dizia que ele tinha que se hidratar bastante, que só assim seu corpo conseguiria vencer a doença. Quando Thiago melhorou, eles se uniram aos amigos do bairro e fizeram uma busca em todas as casas, procurando por focos do mosquito.

E, assim, os dois viveram e compartilharam muitos momentos, alguns importantes, outros engraçados, outros dramáticos, mas, sempre, como amigos.


Mas chegou o dia em que vez Jéssica se apaixonou por um garoto do colégio, de uma outra sala, um ano mais velho. Foi a primeira vez que Thiago sentiu ciúme dela. E foi nesse momento que ele descobriu que o amor da amizade havia se transformado em um outro tipo de amor.

Mesmo assim, ele não se intrometeu, nem reclamou quando ela começou a namorar e parou de sair com ele, porque o namorado não queria que ela tivesse amizades masculinas. Thiago passou a ir sozinho para o colégio, enquanto Jéssica ia com o namorado. Eles passaram a conversar apenas na sala de aula e, de noite, pelo celular.

Então, Thiago decidiu que precisava lutar pelo amor de Jéssica. Decidiu que iria contar para ela sobre seus sentimentos. Ela precisava saber que ele a amava. Criou esperanças de que, quando ela soubesse, devido a todos os anos que eles compartilharam uma vida, ela também descobriria que o amava.

Mas não foi assim. Ao contrário de suas esperanças, Jéssica não disse nada. Apenas pediu para que ele se afastasse, que ela amava o namorado e que eles eram apenas amigos. Apenas. Foi isso que mais feriu seus sentimentos. Apenas. Thiago amava Jéssica o suficiente para atender seu pedido. Desejou que ela fosse feliz e se afastou.

No fim do ano, na festa de formatura, incentivada pelo namorado, Jéssica exagerou na bebida. O namorado ria enquanto ela dava vexame, e exagerava nos beijos e uso das mãos em partes do corpo, uma vez que Jéssica parecia não ter consciência do que acontecia ao redor. Thiago pegou Jéssica pelo braço e a afastou do namorado, dizendo que ela estava bêbada e que ele a iria levar para casa. Mas o namorado não deixou, e Jéssica mandou que Thiago se afastasse, que cuidasse da própria vida. Revoltado, Thiago abandonou a festa.

No ano seguinte, o pai de Thiago foi contratado por uma grande empresa, e, poucas semanas depois, eles se mudaram do bairro e do colégio. A última cena que ficou na memória do rapaz, foi a de Jéssica, na porta da casa dela, olhando para ele sem demonstrar qualquer emoção por estarem se separando. Ela nem sequer o abraçou como despedida.


Apesar da dor que sentia e da distância física, Thiago, pelas redes sociais, continuou acompanhando a vida de Jéssica. Não podia mais fazer parte dela, mas ainda se importava o suficiente para torcer por sua felicidade.

Com o passar dos meses, ele foi diminuindo a busca por notícias. Foi compreendendo que a sua vida não dependia da de ninguém e que nem sempre podemos ficar junto de quem amamos. E muito menos que a pessoa que amamos tem que nos amar de volta. Ele se focou nos estudos, entrou na faculdade, fez várias novas amizades, encontrou uma garota que era o contrário dele, em tudo, e que por isso mesmo o desafiava a cada dia. Começaram a namorar. Quando se formaram, casaram, arrumaram trabalhos nas respectivas profissões, compraram uma casa e tiveram uma linda menina.

Anos mais tarde, por acaso, Thiago encontrou Jéssica no shopping. Os dois se abraçaram e fizeram as perguntas de praxe. Sentaram-se em um dos bancos do corredor, e Thiago contou sobre sua esposa, sobre a filha e em como se sentia completo e feliz. Jéssica ouviu tudo e também contou que era mãe de um menino, apesar de não ter se casado, que não chegou a se formar na faculdade, porque precisou cuidar do filho, mas que ele já estava maior e que, em breve, tentaria volta a estudar. Thiago a incentivou a fazer isso. Os dois trocaram números de celular e prometeram combinar um dia para reunir as famílias.

Quando Thiago foi embora, Jéssica ficou mais um tempo sentada no banco. Lembrou-se da dor que sentiu quando o namorado a abandonou ao descobrir que ela estava grávida, da desilusão por ter que trancar a matrícula na faculdade, uma vez que sua mãe não tinha como sustentá-la e cuidar no neto ao mesmo tempo, das noites em que chorou por diversos motivos e que não encontrou nenhuma pessoa com quem desabafar. Olhando Thiago se afastar, sentiu que o vazio que a acompanhou pelos últimos anos, não era por causa do afastamento das pessoas que a machucaram, mas, sim, pelo não que ela disse a Thiago quando ele se declarou para ela.

Jéssica olhou para o celular, para o número de Thiago, sorriu e salvou na agenda. Era tarde demais para ter seu amor, mas talvez não fosse tarde demais para recuperar sua amizade.

Tags:

Compartilhe este post:

Carlos H. Barros

Tenho várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamento o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco ;>) -, e não saber desenhar O.O

19 COMENTÁRIOS

  1. Ual que história fascinante! Adorei o enrendo, super criativo e envolvente ♥ Pior que na vida, isso é bem comum e as vezes, perdemos a oportunidade de sermos felizes com a pessoa certa pela cegueira que temos por outras pessoas, que pensamos que é mas não são.
    Quero muito saber o que acontece com a Jéssica depois de tanta tribulações =)

    ResponderExcluir
  2. Ain, Carl.. eu fã de romances ;-; ler essas coisas, sorrir ao ler, e mesmo tendo exemplos, tantas histórias, tantos casos.. ainda pecamos em muitas das nossas decisões. Amizade é a melhor coisa do mundo! E Jéssica aprendeu do jeito mais difícil.

    ResponderExcluir
  3. Gostei, poderia discorrer mais sobre eles, daria muita história, romances que acontecem o tempo todo com pessoas que podem estar passando por nós discretamente e nós nem imaginamos! Tantas jéssicas e tantos Thiagos na vida né? Eu sou um modelo de personagem caótico e comum no meio de muitas vidas que nem imaginam meu enredo! Escreve mais!

    ResponderExcluir
  4. adorei o texto!! realmente é uma história qt tantas outras, mas vc conseguiu descrever de uma forma tão linda!! é isso que um bom artista faz transforma algo do dia a dia em uma história maravilhosa!
    vc está de parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Nossa! Que história envolvente, me emocionou muito, me cativou! Estou maravilhada!.
    E o pior que é bastante comum histórias assim na vida :/

    ResponderExcluir
  6. Oii Carlos! Amei o texto, história muito bonita, vocês aqui no blog estão de parabéns é cada texto mais perfeito que o outro, vocês com certeza nasceram com o dom para serem grandes escritores, obrigada por compartilhar uma história tão bonita apesar de não ser verdadeira ;/

    ResponderExcluir
  7. Uuual Carlos! Que história triste, linda e real!
    MTos de nós deparamos sempre com cenas como está no dia-a-dia, principalmente qdos e trata de amore amizade tão forte assim...
    Ameeeei!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  8. Nossa, que história linda!
    Amei a escrita do texto. Simples, objetiva e dinâmica. Não consegui parar de ler até chegar ao final. Parabéns pela sua escrita e criatividade :)

    ResponderExcluir
  9. Amei ler esta historia, apesar de não ser muito fim de romances eu quis saber o que acontecerei no final.

    ResponderExcluir
  10. Oi.
    Que linda história, triste, mas bem real e tocante. Uma determinada escolha, uma certa palavra, e o destino de duas pessoas podem mudar por completo. Amor, amizade, solidão, indiferença, esperanças...muitos sentimentos envolvidos. Parabéns pela história! Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Oi :)
    Gostei bastante da sua história, me fez querer ler até o fim. Você tem uma escrita muito bom e que te prende na leitura, você devia escrever um livro.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já escrevi... e foi publicado! kkkkkkkkkkkk

      Excluir
  12. Nossa, gostei do texto, o final é triste, queria que eles ficassem juntos, mas essa é a realidade, nem sempre é o que queremos. Essa historia acontece muito na vida real, em que as mulheres preferem pessoas que fazem elas de besta. Acredito que Jéssica aprendeu a lição (Bem feio! hahaa).

    ResponderExcluir
  13. Ai, que triste. Deu um nó na garganta aqui. E me fez lembrar dos amigos que tive na infância, com que cresci e que por fim acabei me afastando. Isso dói, como isso dói. O abandono e o fato de não ter aquela pessoa do seu lado nos momentos difíceis, com quem desabafar e que realmente se importa com você. Amizades são importantes e quando você acaba perdendo alguém que sempre considerou muito? É uma droga =/

    ResponderExcluir
  14. É a história da vida de muitas pessoas, sempre se esquecendo de quem realmente te dá valor, mas também, como ressaltou, amar alguém não significa que será correspondido. Ela amava outra pessoa e o coração não escolhe quem amar.

    O inverso dessa história também é válido, com mulheres que não são correspondidas com relação ao amor que sentem por um amigo. Na vida real provavelmente eles se falariam mais algumas vezes até o assunto morrer e os dois se separarem novamente. Uma pena.

    ResponderExcluir
  15. Uau! Gostei bastante da história, muito envolvente! Me lembrou um pouco Simplesmente Acontece!
    Essa história nos faz pensar bastante na vida e nas nossas escolhas!

    ResponderExcluir
  16. Oi!
    Simplesmente adorei essa historia, ela consegui me prender e fiquei o tempo todo curiosa para descobrir o que ia acontece com o Thiago e a Jéssica e como essa é uma historia comum vivida por tantos amigos mas cada um com um final diferente !!

    ResponderExcluir
  17. Primeiro, amei a primeira foto. Sempre fazia esse tipo de coisa quando tinha cabelão hahaha. Segundo, até me arrepiei aqui. Infelizmente esse tipo de coisa é muito comum em amizades e amores. As pessoas se afastarem e depois se verem sem ninguém e coisa e tal. Apesar do Thiago estar bem na vida e mesmo a Jéssica não estar tão mal....Ainda assim eu fiquei triste.

    ResponderExcluir
  18. Amo romances e o seu foi muito bem escrito. Infelizmente histórias como essas tem virado rotina, onde sempre alguém acaba se ferindo.

    ResponderExcluir