NÓS


David NICHOLLS
Editora INTRÍNSECA
2015
384 páginas

SINOPSE: Certa noite, Douglas Petersen, um bioquímico de 54 anos apaixonado pela profissão, por organização e limpeza, é acordado por Connie, sua esposa há 25 anos, e ela lhe diz que quer o divórcio. O momento não poderia ser pior. Com o objetivo de estimular os talentos artísticos do filho, Albie, que acabou de entrar para a faculdade de fotografia, Connie planejou uma viagem de um mês pela Europa, uma chance de conhecerem em família as grandes obras de arte do continente. Ela imagina se não seria o caso de desistirem da viagem. Douglas, porém, está secretamente convencido de que as férias vão reacender o romance no casamento e, quem sabe, também fortalecer os laços entre ele e o filho. Com uma narrativa que intercala a odisseia da família pela Europa — das ruas de Amsterdã aos famosos museus de Paris, dos cafés de Veneza às praias da Barcelona — com flashbacks que revelam como Douglas e Connie se conheceram, se apaixonaram, superaram as dificuldades e, enfim, iniciaram a queda rumo ao fim do casamento, Nós é, acima de tudo, uma irresistível reflexão sobre a meia-idade, a criação dos filhos e sobre como sanar os danos que o tempo provoca nos relacionamentos. Sensível e divertido, com a sagacidade e a inteligência dos outros livros do autor, o romance analisa a intrincada relação entre razão e emoção.

Obviamente, só quis ler este livro por um motivo: eu adorei a experiência de ter lido UM DIA, apesar da vontade de esfregar a cara do autor no asfalto, por causa do final trágico que todos nós conhecemos. Muito provavelmente, o fato de eu gostar tanto do David Nicholls, se dá às histórias reais que ele cria, e com NÓS não foi diferente. 


Douglas é um bioquímico de 54 anos, que leva uma vida calma e metódica junto com sua esposa, Connie, e seu filho ligeiramente problemático — ao menos para ele —, Albie, chamado carinhosamente de Ovo. Douglas esperava ter essa vida monótona até o dia da sua morte, mas eis que em um dia super aleatório, sua esposa o acorda no meio da noite para dar uma notícia, que claramente mudará a sua vida: ela quer se divorciar.


O problema maior é que os três têm uma viagem marcada de um mês pela Europa. Como tudo já estava planejado e pago, Connie acha absurdo desperdiçar essa chance e resolve acertar a separação na volta. É claro que Douglas vê nessa viagem uma oportunidade de reatar o seu casamento e, de quebra, se aproximar do filho, que lhe parece um perfeito estranho. Mas é aquele ditado, né? Nem tudo são flores...


A narrativa de Nós é aquela nossa velha conhecida e que o sr. Nicholls adora: ela mescla passado e presente, então, além de praticamente viajarmos para a Europa com a família, sabemos os detalhes de como Connie e Douglas se conheceram e de como o relacionamento deles começou. 



Ah, vale lembrar que se você espera uma história de ação, pode passar longe desse livro. Sim, o que temos aqui é exatamente a narração de uma vida, que, como a nossa, é monótona — só para constar nos registros por aí, que não é ruim, muito pelo contrário —, a maior parte do tempo. 


Vou dizer uma coisa: desde o começo do livro, eu detestei a Connie, porém não a culpo por sua decisão. Infelizmente, a maioria dos casamentos acaba caindo na monotonia, e digamos que Douglas não é um cara fácil de se lidar, justamente pelo fato de ser extremamente metódico e racional. Mas sério, principalmente quando o Ovo entra em questão, Connie se torna insuportável de uma forma que eu não consigo explicar. Sim, eu sou super a favor da gente correr atrás dos nossos sonhos, mas, às vezes, precisamos de um choque de realidade, justamente o que Douglas insistia em mostrar para o filho. 


Eu fico impressionada com a forma com que David Nicholls consegue criar personagens tão reais, gente como a gente, e inseri-los em uma história, que pode muito bem acontecer com qualquer um que esteja lendo. Acompanhar a vida desses três foi super interessante, e, não posso negar, até mesmo divertido. Eu acabei me decepcionando um pouquinho com o final, mas ele foi escrito de uma forma tão madura que, por Deus, é impossível não gostar dele. 

Compartilhe este post:

Ana Clara

Nasci em uma cidade do interior de Minas Gerais, chamada São Domingos do Prata. Já rodei todos os cantos do estado, até que surgiu a oportunidade de eu vir estudar em Diamantina. Amante de livros desde pequena - devo agradecer à minha mãe por isso -, sonho em ter uma biblioteca pessoal.

11 COMENTÁRIOS

  1. Olá Ana!
    Não li nenhum livro do autor ainda, mas quero muito ler Um Dia e Nós com certeza também. Fiquei super curiosa para saber o desfecho dessa história. A sua resenha me despertou a curiosidade de conhecer o trabalho do autor.

    ResponderExcluir
  2. eu ainda não tive coragem de ler o Um dia.
    mas apesar de não ser o meu tipo de livro, eu fiquei encantada com a forma que você disse que ele escreveu a história. eu adoro esse tipo de narrativa que muda do passado para o presente
    mas por enquanto eu vou deixar passar

    ResponderExcluir
  3. Oi Ana! Nossa gostei mto da obra, não conhecia o autor, já qro mto conhecer mais de perto, já ouvi fla do Um dia e pelo visto é bem bacana tbm, em breve qro conferir!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Oi :)
    A premissa desse livro não me interessou, não faz meu tipo de leitura então não fiquei com vontade de lê-lo. Porém achei a capa bem linda e a edição parece estar bem legal também.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. OOi! A edição foi muito bem planejada, como a capa e as ilustrações no interior do livro, porém ao ler a resenha percebi que não é um livro em que tenho interesse, valeu!!

    ResponderExcluir
  6. Aaaaaaah não. Não, não, não. Tenho trauma desse autor! Adorei a escrita dele, a forma como mescla o passado e o presente, os personagens cativantes e irritantes que é capaz de criar. Adorei mesmo. Mas puts... Tenho trauma de "Um Dia". Não senti vontade de arrastar a cara do David no asfalto, não. Senti foi vontade de arrastar ele todo!
    A sinopse desse livro parece encaminhar a leitura pro mesmo final (na minha opinião) decepcionante, e pelo que tu disse, isso se confirma. Não leio nem que me paguem! (Mentira, nesse caso eu leio sim)

    Mas, a propósito, adorei a resenha!
    Beijitos <3

    ResponderExcluir
  7. Também amo autores que tratam a trama com realidade, nunca li Um dia mas sempre comentam sobre esse final trágico,esse autor é bem conhecido pela maneira que consegue mostrar o passado sem deixar o livro massante e confuso, o enredo eu achei bem simples, mas acho que ele conseguiria desenvolver durante os capítulos, e por isso quero ler, a capa é linda e gostei do autor criar histórias que poderiam acontecer com qualquer um.

    ResponderExcluir
  8. Oi Ana, tudo bem?
    Apesar de ter adorado a capa e a sua resenha, esse definitivamente não é o meu tipo de livro rsrs.
    Gosto de livros de ação, aventura, ficção, livros muito parecidos com a realidade não me prendem muito, acho que porque leio justamente como uma rota de fuga da realidade, e quando um livro só retrata situações vividas na vida real, principalmente as dramáticas, não consigo me interessar.
    A premissa é realmente interessante, e para quem gosta do gênero parece ser um livro cheio de lições, mas realmente não é para mim rs.

    Beijos,
    Ana | Blog Entre Páginas
    www.entrepaginas.com.br
    Participe do SORTEIO DE 1 ANO do Blog!

    ResponderExcluir
  9. Oi tudo bem? Realmente o David sempre arrasa nos livros, os personagens que ele cria são incríveis. Adorei a resenha, ♥ Beijos.

    ResponderExcluir

  10. Eu amei a resenha <3 Esse livro tem temas que eu amo: romance, fotografia, viagens!
    Ainda não li algum livro do David Nicholls, mas quem sabe esse possa ser o primeiro...

    ResponderExcluir
  11. Nunca li David Nicholls apesar de falaram que os livros dele são ótimos, será que começo a ler por esse?

    ResponderExcluir