UMA CANÇÃO DE NINAR


SINOPSE: Remy não acredita no amor. Sempre que um cara com quem está saindo se aproxima demais, ela se afasta, antes que fique sério ou ela se machuque. Tanta desilusão não é para menos: ela cresceu assistindo os fracassos dos relacionamentos de sua mãe, que já vai para o quinto casamento. Então como Dexter consegue fazer a garota quebrar esse padrão, se envolvendo pra valer? Ele é tudo que ela odeia: impulsivo, desajeitado e, o pior de tudo, membro de uma banda, como o pai de Remy — que abandonou a família antes do nascimento da filha, deixando para trás apenas uma música de sucesso sobre ela. Remy queria apenas viver um último namoro de verão antes de partir para a faculdade, mas parece estar começando a entender aquele sentimento irracional de que falam as canções de amor - Sarah DESSEN - Editora SEGUINTE - 2016 - 352 páginas.

Em UMA CANÇÃO DE NINAR, a narrativa é em primeira pessoa, sob a visão da jovem centrada Remy. Com o ensino médio concluído, ela está prestes a ir para a Universidade de Stanford. A obra descreve os três meses de verão vividos pela jovem antes de se mudar e entrar em Stanford. Nunca passou pela cabeça de Remy que, nesse curto espaço de tempo, fosse se aventurar ao lado de um músico.


Desde jovem, Remy sempre se orgulhou de ter o controle total nos seus relacionamentos amorosos. Ela, se via que um guri estava muito animado e precipitado, tratava logo de romper e partir para outra, sem pensar nos sentimentos do guri. A regra suprema era não se apegar. Por crescer presenciando os casamentos fracassados da mãe, é claro que sua visão sobre o amor tornou-se conturbada, fria e metódica. Uma das regras que ela se orgulhava muito, era a de que: não ficava com músicos.

Ao nascer, Remy teve uma música em sua homenagem intitulada Canção de Ninar, feita por seu pai, músico, que nunca chegou a conhecer. Cresceu odiando a única música que fez sucesso na carreira do falecido pai, pelo simples fato de possuir uma estrofe que lhe magoava profundamente:

Juntando a canção ao histórico de relacionamentos da mãe, não era de se admirar que Remy tivesse uma visão tão realista sobre o amor e tentasse evitá-lo, ou tentar identificá-lo, sempre que possível. Mas eis que aparece Dexter e transforma todas as certezas que Remy tinha em incertezas.


Dexter, logo de cara, chega dizendo que eles vão ficar juntos, e, nesse ponto, fiquei bastante irritado com o personagem, pela maneira adotada para a abordagem. Ninguém deveria invadir o espaço de alguém sem antes pedir permissão. Assim, os dois se conhecem a contragosto, com Remy torcendo para nunca mais ver a cara dele.

Em outra ocasião, que o destino parece uni-los, Dexter toca no jantar de casamento (o quinto!), da mãe de Remy, e eis que é outra chance dele demonstrar o quanto a química entre os dois é forte. Remy desiste de tentar se afastar do guri e, em outra ocasião, ela, porre, o beija e... Violá. Os dois estão juntos, vivendo um romance de verão.

No decorrer do enredo, presenciamos Remy se questionar sobre o que é o amor e abrir lentamente o seu coração, mesmo negando veemente.

Ela tem três amigas: Lissa, Jess e Chloe. Juntas, formam um quarteto unido para tudo, e esse tipo de amizade me deixou extremamente admirado. Não é sempre que vemos amizades em tão grande número durarem por tantos anos.


Os personagens secundários são bem descritos, tanto que desejei capítulos direcionados somente a eles, pena que não teve. Bárbara, mãe de Remy, foi uma personagem que me cativou e estressou. Ela é escritora, e isso me deixou tão animado que a vontade de sentar e escrever um livro bateu forte. Ela é uma romântica de carteirinha, logo me identifiquei. Definitivamente é uma mulher para ser admirada, mesmo falhando na criação de Remy e Chris, decidindo dedicar-se aos seus romances best-sellers enquanto os dois cresciam. Já Chris é um personagem que, por não ter muita importância, não me apegou, mas que me deixou feliz por ver o quanto ele é parceiro com Remy.

Alguns outros personagens me desagradaram bastante, como por exemplo a Jennifer, o Ted e o Don.

Não tem como colocar a obra num gráfico e definir os pontos altos e baixos no decorrer do enredo, pois o mesmo flui continuamente em estado morno. O que torna UMA CANÇÃO DE NINAR inesquecível é a variedade de momentos que expressam a realidade e os questionamentos a cerca do amor. Aqui não é trabalhado um amor idealizado, como são no cinema, mas como ele o é no cotidiano da realidade. É assustadoramente fácil se apegar e se identificar durante as 352 páginas.

O trabalho editorial do livro é lindo. A imagem da capa representa um local que, infelizmente, não tem muita importância no enredo. As páginas são amareladas e o tamanho das letras é grande, permitindo uma leitura rápida. Os capítulos são medianos. Sarah Dessen possui uma escrita muito simples e fluída, que encanta e instiga o leitor a devorar o enredo. Definitivamente, entrou para o meu hall de escritores favoritos!


Indico o livro para aqueles que curtem um romance leve, sem muita turbulência e que aborde a questão do amor sobre uma perspectiva realista.

Compartilhe este post:

Bruno Marukesu

Um guri que é apaixonado pela 7ª Arte. Desde cedo procurou abrigo nos livros e de lá não saiu mais. Quando está em momentos de dificuldade os livros são o seu porto seguro. Atualmente, ele vive em vários fandons. Tornou-se seriador, é bookaholic, dorameiro em hiatus, kpopper desatualizado. Ah, e que é apaixonado por pandas, zumbis, lasanha, pizza e farofa.

23 COMENTÁRIOS

  1. Oi, Bruno. Minha primeira experiência com a narrativa da Sarah não foi a das melhores, mas eu vejo tantas indicações dos livros que dela que adoraria ler outro e mudar de opinião. Amei as fotos!
    Abraço, Leitora Encantada

    ResponderExcluir
  2. Oi tudo bem? Eu comprei esse livro recentemente, mas ainda não li, eu sempre vejo comentários negativos sobre a narrativa da Sarah, e por conta disso eu ainda não iniciei a leitura, mas gostei muito da resenha.
    Um beijo.

    https://apenasumaamanteliteraria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Acho a capa muito bonita, e fico um pouco triste de saber que a capa não representa um lugar importante no livro, gosto quando os detalhes se encaixam de maneira bem redondinha. Também fiquei bem interessada em ler o livro e conhecer mais um pouco sobre esse refrão que tanto magoa a personagem principal do livro!

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bom?
    Gostei da resenha, ainda não li nenhum livro da autora, mas tenho visto muitos elogios, o livro parece ser bem gostoso de se ler, gosto de romances leves, e achei super bacana a autora, procurar abordar o amor de uma forma mais realista, e que triste a mãe da Remy se importar mais com os livros que tem que escrever do que com os filhos, pretendo dar uma chance a leitura.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  5. Amei a resenha, fiquei com muita vontade de ler. Nunca tinha ouvido falar na autora, mas andei pesquisando e tem uma galera falando muito bem (tanto dela, quanto do livro).. Com certeza vai entrar na lista de livros para comprar no black friday! haha

    ResponderExcluir
  6. Oii Bruno! Estou louca pra ler esse livro, achei bem bacana o enredo, espero gostar bastante qdo conhecer mais de perto os detalhes da história...
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Dessa escritora eu tenho a vontade de ler seu primwiro livro publicado pela mesma editora, mas essa também entrou na lista porque parece ser um bom livro para ter lições boas mas não ter aquela leitura pesada. Obrigada pela resenha.

    ResponderExcluir
  8. Oi bruno lol já quero ler adoro romance assim, realista e meio fofos, a capa não gostei sei lá, sem sal, acho tão legal quando o livro trás essas lições mais realista sobre se apaixonar

    ResponderExcluir
  9. Oi Bruno! Eu não fiquei muito interessada porque achei um daqueles livros bem normais, sem nada muito criativo e parado e como não sou fã de romances deve ser por isso que não gostei, mas para quem gosta do gênero com certeza vai se identificar, valeeu!

    ResponderExcluir
  10. Oi Bruno, tenho este livro em casa para ler, e devo fazer isso em breve. Se bem que sua resenha já me deixou mais cética quanto ao enredo, que até então eu tinha certeza que iria gostar. Que pena que alguns momentos foram forçados e que a trama seja morna, porque pela sinopse achei que tinha tudo para ser uma obra fofinha e muito boa de ler.

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Oi :)
    Adorei a estória desse livro, é o tipo de romance que gosto de ler, nada muito meloso e leve. Nunca li nada dessa autora mas sempre tive curiosidade, e acho que esse livro é um bom começo. Enfim, achei a capa muito bonita, mesmo não gostando muito de pessoas na capa, o que me deixou ainda mais vontade de ler, pois capas bonitas sempre me atraem.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    Eu nunca li nada da Sarah, mas tenho muita curiosidade, booktubers que eu curto falam muito bem dos livros dela. Gosto bastante dessa capa, ao olharmos só por cima ela parece normal, mas quando analisamos a imagem descobrimentos vários detalhes.
    Encomendei "Os Bons Segredos" ontem e estou bastante ansiosa para ter meu primeiro contato com a autora.
    Nunca li nada que envolvesse cantores, apesar de ter muita vontade... se eu curtir o que comprei, vou comprar outros da autora. Gosto bastante de romances (é meu gênero preferido), e esse livro, aparentemente, me agradará bastante.
    Ah, adorei o fato da mãe da Remy ser escritora, que sonho seria se minha mãe fosse HAHA Eu ia adorar!
    Beijos :)

    ResponderExcluir
  13. Remy parece ter tido uma vida muito densa, acho que seria bem chato estar no lugar dela. Nunca li nada dessa autora, mas como tenho visto muitos comentários positivos, eu tenho tido muita vontade de conhecer algo dela. Gostei da trama da história e gostaria de saber onde ela vai dar.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Estou com "Os bons segredos" da Sarah há algum tempo na pilha de leitura, mas ainda não consegui chegar lá, de toda forma já ouvi muito sobre a narrativa bastante original da leitura. "Uma canção de ninar" parece confirmar isso também. Literatura e música juntos só pode dar coisa boa, adorei particularmente essa inserção musical na trama que, aparentemente, tem grande importância para o desenvolvimento da personagem. E de fato, curti que a autora trata das questões de relacionamentos de forma mais concreta e realista. A maneira como compreendemos e criamos concepções sobre amor, amizade, etc, está muito relacionado a nossa história de vida, e as histórias que vieram antes de nós, então gostei de Sarah ter permitido explorar isso na personagem, principalmente por se tratar de jovens, onde isso é ainda mais explícito. Espero poder conhecer a escrita da Sarah muito em breve...

    Julio Cesar Vieira

    ResponderExcluir
  15. ooi!
    Eu fiquei curiosa em ler algo da Sarah por causa de seu lançamento anterior, que por causa da minha memória horrível eu acabei esquecendo nome. Enfim, pelo que parece deve ser um livro bem leve que trata de questionar o amor, eu sinceramente gostaria de mergulhar nessa história mesmo você tendo o achado "meio morno".

    ResponderExcluir
  16. Depois de ter lido várias resenhas desse livro, estou um pouco curiosa pela leitura, pois mesmo que nem todo mundo tenha gostado da leitura, resenhas como a sua me deixaram com vontade de saber o que acontece na história. Mas não me parece ser um livro que vai virar favorito, ou algo assim. De qualquer forma vou colocar na lista de desejados.

    Abraços :)

    ResponderExcluir
  17. Olá!
    Tenho esse livro na estante, ganhei em um sorteio. Espero poder ler em breve
    A capa é bem bonita e parece uma leitura muito agradável. Quero ler e tirar minhas próprias conclusões.
    Resenha muito bem elaborada. Obrigada.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  18. Tô com um interesse nessa autora faz um tempinho mas não conhecia esse livro, e parece ser super fofo *0*

    Quando comecei a ler a resenha achei que a história fosse um clichêzão, mas acho que nem deve ser. Ou é.. não sei né, não li.
    Mas valeu pela dica e adorei seu texto :)

    ResponderExcluir
  19. "O que torna UMA CANÇÃO DE NINAR inesquecível é a variedade de momentos que expressam a realidade e os questionamentos a cerca do amor." Amei sua resenha, de verdade, eu to precisando de um romance assim pra sair da minha ressaca, e eu já vi muita gente falar muito bem de os bons segredos, que é outro livro da autora que tá na minha lista a muito tempo, ou seja, depois dessa resenha preciso de um dos dois.

    ResponderExcluir
  20. Já tinha lido esse livro e gostei muito, super indico para vocês, o livro faz jus a capa (que é linda né?) rsrs

    ResponderExcluir
  21. Oi Bruno, tudo bem?
    Estava curiosa para saber mais sobre o livro, adorei o tema abordado, e vou tentar ler o quanto antes, quero acompanhar a protagonista, ver como tudo vai acontecer entre ela e o Dexter, e por ser um livro leve parece que vale muito a pena.
    Adorei a mãe dela ser escritora *-*
    Beijos!
    Lost Words

    ResponderExcluir
  22. Pra ser sincera nunca tinha ouvida falar da autora até ler sua resenha, o que foi uma surpresa boa! Adoro romances leves que tratem a vida como ela é de fato, não aquela coisa fantasiosa de contos de fadas....se for pra ser conto de fadas tem que ser tudo (haha...a louca!)!! Não vou dizer que estou super curiosa pra ler esse livro, mas com certeza vai entrar pra listinha!! Ele aparenta ter aquele enredo pra ser lido quando estamos naquela baita ressaca literária!! Mas obrigada pela dica...esta anotadinho aqui!!;)

    ResponderExcluir
  23. Oi!
    Ainda não li nada da Sarah Dessen, mas vejo tantos comentários positivos sobre seus livros que estou bem curiosa para ler algo da autora, gostei dessa historia, mesmo vendo alguns pontos que podem me irritar ao longo da historia, achei interessante como a autora acaba nos trazendo personagens tão reais, com seus sentimentos e conflitos, se tiver oportunidade quero muito ler essa historia !!

    ResponderExcluir