CARTAS PARA MARE - CARTA NÚMERO I


Olá, pessoal!!! O que eu trouxe hoje, é uma espécie de carta. Ela não tem um contexto específico, porque, se tem uma coisa que eu gosto, é deixar as pessoas livres para entenderem o que eu escrevo de acordo com o que elas estão sentindo no momento em que elas estão lendo. Para mim, cada história tem mil e uma interpretações, cabe a cada um de nós encontrar o que mais se assemelha, sem dizer que o outro está errado. Boa leitura, espero que gostem!

Em uma cidade qualquer, no melhor tempo que se encaixar...

Mare, 

Há algum tempo não escrevo. Eu poderia escrever sobre várias das coisas que tenho para falar, mas vou falar das nuvens, porque, hoje, o céu está com nuvens, nuvens demais para o meu gosto. Vou falar mais especificamente daquela que a gente não gosta, sabe? Aquela que cobre o céu inteiro. 

Mare, a beleza do céu azul com algumas nuvens o enfeitando, não está somente na beleza que as cores tem. Está também na harmonia, no equilíbrio entre elas. Quando o céu se enche de nuvens e elas cobrem o céu totalmente, nos sentimos mal (ou pelo menos eu me sinto), porque aquilo cobre o sol, a essência, por completo, deixando-nos apenas com a lembrança de que ele existe. É como uma pessoa que se enche de maquiagem. Ela ainda está lá, mas as máscaras que a cobrem é o que vai ser transmitido, talvez em sentidos até mesmo antagônicos ao que se realmente sente. 

Ao observar o céu cheio de nuvens, hoje, cobrindo-o totalmente, eu me lembrei do quanto detesto esse tempo desse jeito, mas como eu sempre digo, os dias ruins são um pretexto para nos fazer lembrar que os dias bons existem. E como você me disse uma vez, eles são uma consequência direta do fato de que a gente se acomodou sendo feliz. Mas ao ver o céu hoje, havia, lá no final dele, quase imperceptível, um filete de céu azul. 

Aquilo, na hora, entrou em minha cabeça como a continuidade das coisas, da interdependência que temos com os outros. Aquela nuvem surgiu de um lugar, provavelmente bem distante, e veio com as massas de ar como a gente viu nas aulas de geografia (finalmente achei uma finalidade pra elas). Mas o que quero realmente dizer, é que não existe algo no mundo que não seja originado por outra coisa.

Muitas das vezes, os momentos tristes surgem por nossa culpa, mas, eventualmente, eles podem vir a ser uma pausa para nós, a fim de equilibrar o que outra pessoa sente. Porque não somos uniformes, somos dinâmicos, somos diferentes. Porque o céu não é o mesmo para todos, cabe a cada um de nós encontrar o lado bom disso e entender que o mundo não gira ao nosso redor, que precisamos de um equilíbrio entre felicidade e tristeza, assim como as nuvens se equilibram com o céu. E precisamos persistir durante os tempos difíceis, primeiro porque eles não acontecem por acaso, e, segundo, mas não menos importante, porque a persistência fez os grandes líderes. 

Com carinho, 
uma apaixonada pelas nuvens.

Compartilhe este post:

ana lu

Sou Ana Lu e uma das coisas que mais gosto de fazer é ler e ouvir música. Meus livros favoritos são Perdida da autora Carina Rissi e Belo desastre de Jamie McGuire. Eu espero poder compartilhar muitas experiências literárias seguindo sempre o lema "a persistência fez os grandes líderes".

6 COMENTÁRIOS

  1. Nossa que carta linda, gostei muito!
    Você tem razão, cabe a cada um entender a sua maneira!
    Amei!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Anaaa que lindo!!!
    Parabéns parabéns parabéns...
    Cada um vê o mundo d formas diferentes, e cada um q olhe da sua maneira...
    Amei!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Nossa, muito bonita a carta. E me fez pensar em umas coisas mesmo. Acaba fazendo a gente lembrar, refletir...
    Bem legal essa ideia, ficou muito bom.

    ResponderExcluir
  4. Oi Ana!
    Que carta linda, realmente nos faz pensar!
    Hoje quando eu li, lembrei de um certo momento e, amanhã se eu voltar a ler posso lembrar de outro. Textos assim são maravilhosos!
    Amei!
    Bjo

    ResponderExcluir
  5. Oi, Ana!
    Parabéns pela sensibilidade com as palavras.
    Realmente é um texto reflexivo e que tocará cada um de uma forma.
    Gostei muito.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Oi Ana Lu, fiquei um pouco melancólica ao ler essa carta e um pouco em dúvida se Mare era maré(do mar, uma pessoa ou sei lá algo que não identifiquei), mas a paisagem, os sentimentos expressos nela me trouxeram uma sensação de muita calam e tristeza, parabéns

    ResponderExcluir