TÁ TODO MUNDO MAL

SINOPSE: Do alto de seus 25 anos, Julia Tolezano, mais conhecida como Jout Jout, já passou por todo tipo de crise. De achar que seus peitos eram pequenos demais a não saber que carreira seguir. Em Tá todo mundo mal, ela reuniu as suas “melhores” angústias em textos tão divertidos e inspirados quanto os vídeos de seu canal no YouTube, “Jout Jout, Prazer”. Família, aparência, inseguranças, relacionamentos amorosos, trabalho, onde morar e o que fazer com os sushis que sobraram no prato são algumas das questões que ela levanta. Além de nos identificarmos, Jout Jout sabe como nos fazer sentir melhor, pois nada como ouvir sobre crises alheias para aliviar as nossas próprias - Jout JOUT - Editora CIA DAS LETRAS - 2016 - 200 páginas.

TÁ TODO MUNDO MAL é o livro de estreia da jornalista Julia Tolezano, ou, como é mais conhecida, JOUT JOUT. A carreira de Julia como youtuber pode ser considerada nova (aproximadamente 2 anos de canal), mas já possui uma legião de fãs, com mais de um milhão de inscritos. Com vídeos livres e espontâneos, e assuntos bobos ou polêmicos, somos levados a vários extremos de conteúdo sem roteiro e produção, mas extremamente agradáveis e cômicos.


Lançado pela editora COMPANHIA DAS LETRAS, a obra é inteiramente dividida em crises. Cada crise inicia-se com uma primeira página totalmente negra com suas letras brancas e uma bolinha amarela no canto superior esquerdo. Cada crise nos dá a impressão de realmente ter sido inserido em um vídeo da autora, indo de assuntos sérios, como estupro e relacionamentos abusivos, até a mais cômicos, como a “crise da festa versus moletom”.


Particularmente, tenho um apreço muito grande pelos vídeos do canal da youtuber, e não me decepcionei com o livro. Uma ideia simples, mas que gerou um trabalho extremamente positivo: é assim que se caracteriza a obra. De todas as crises, minhas preferidas, com certeza, foram: “A crise do ‘podia não ter acontecido’” e “A crise do corpo de mentira”.


Na primeira, conhecemos a história de amor entre Jout Jout e seu namorado, Caio Franco. Lemos sobre os primeiros dramas que o namoro enfrentou, e como estes foram resolvidos com simples risadas. Mas a crise real no meio de toda a história é algo que atormenta a todos nós, o famoso “e se...?”. E se ela não tivesse trancado a matéria, se ele não tivesse vindo morar no Rio, se não fizesse a aula dessa professora: isso tudo teria acontecido? Como seria sua vida hoje? O que estaria fazendo? Onde estaria? São pequenos dilemas que aterrorizam todos nós, mesmo que isso envolva só uma possibilidade.


Em “A crise do corpo de mentira”, ganhamos um debate maravilhoso sobre o uso da pílula anticoncepcional. Vemos a realidade de alguém que a tomava religiosamente para controlar seus problemas com espinhas e TPM, e deixou de tomá-las ao notar que o seu corpo virara uma máquina, que este já não reagia a alguns estímulos. Temos a discussão sobre a carga de hormônios que as mulheres ingerem aos poucos, muitas vezes por períodos de tempo absurdos. 

A obra veio num momento mais do que adequado, em que eu mesmo estava passando por alguns dilemas. Temos a impressão de estar ouvindo confissões de uma amiga que nos motiva e dá coragem. Jout Jout consegue trazer uma leveza pra quem consome seu conteúdo, seja nos vídeos, seja nas escritas de forma inigualável. Consegui superar várias crises que, no final, vi que eram só pequenos probleminhas que acabei por alimentar mais do que o necessário.


Um livro que viaja entre extremos, TÁ TODO MUNDO MAL fala sobre a psique humana da própria autora, que nos guia por um meio de crises e problemas, a maioria superadas (algumas não), no que seria uma extensão do seu canal do Youtube e dos seus assuntos debatidos. Livro mais do que recomendado pra quem sempre passa por bads intermináveis, ou pra quem se preocupa demais com a vida. Aqui, conseguimos uma visão mais limpa do mundo, menos turbulenta, e aprendemos a ver a vida por lentes mais belas e leves do que costumamos.

Compartilhe este post:

Eduardo Carvalho

Sou uma pessoa que vive em muitos mundos: de Percy Jackson, de Jogos Vorazes, de Harry Potter, de Alice, da lua. Ler é um vício extremo que me garante muita raiva e alegria, e já me garantiu o título de louco muitas vezes (principalmente por olharem torto pra mim quado começo a rir sozinho de algo que li).

13 COMENTÁRIOS

  1. O que achei interessante no livro é que parece que agente tá vendo um dos vídeos dela, porque a linguagem e fácil e flui.
    Não consegui nem ler a metade porque achei um drama, sei lá, muito barulho por nada. Mas compreendo porque algumas pessoas se identificam, eu não consegui me vê me nenhuma daquelas situações e dilemas.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Olá Eduardo, ao contrário de você sou meio avessa à livros de youtubers, porque a maioria ao meu ver é meio sem conteúdo, não leva a muita coisa ou se propõe a ser uma biografia meio sem muito o que o dito cujo realmente fez, mas acredito que a vertente desse é diferente, vou arriscar a leitura

    ResponderExcluir
  3. Oi Eduardo!
    Parece bem divertido vindo da Jout Jout...não sei se no momento leria, pois não curto mto livro do gênero, mas vou deixar anotado pra um dia quem sabe...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  4. Eu não sou muito fã de youtubers, mas ela me parece ser uma pessoa que ao invés de se depreciar com as crises, ela os coloca como algo engraçado.
    Gostei da resenha.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Oi Eduardo, tudo bem?
    Eu aaaaaaaamo a JoutJout e os vídeos dela, que mulher <3
    Cada vídeo por mais bobo que pareça é capaz de entrar na nossa cabeça e causar uma revolução.
    De todos os Youtubers que lançaram livros recentemente, o único que eu tenho vontade de ler é o dela, deve ser muito amorzinho.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Não conhecia ela, pois não sou muito fã de ficar vendo vídeos de youtubers, mas me interessei pelo livro, citam situações que toda mulher passa de um jeito bem divertido, além de outros assuntos, é claro!

    ResponderExcluir
  7. Não gosto de livros de Youtubers... meio que pego distância kkkk não é um preconceito específico... apenas que gosto de gêneros diferentes... os Youtubers tem uma escrita que incomodam pra caramba...

    ResponderExcluir
  8. Da febre dos livros de youtubers, percebi que ela foi uma das únicas que a maioria queria ler. Sou contrária as pessoas que por não gostar dos livros de youtubers, acham que esses não deveriam ser comercializados. Além de ter um público enorme que curtem o gênero (vivemos em uma era conectada, e acredito que em dois anos, as pessoas lerão muito menos os blogs, e assistirão resenhas no Youtube), e também o movimento monetários que estes livros trazem para as editoras. Não é a toa que a maioria está publicando livros de Youtubers. Se o dinheiro entra, eles conseguem trazer outras coisas de fora, que são mais caras e pagas em dólar. Sem contar que alguns livros que li, eu gostei muito. Existem temas que precisam ser abordados, e se esta for a porta de entrada para que os jovens os entenda, isso é maravilhoso. E a Jout Jout é inteligentíssima, os temas abordados são sérios, mas a forma falada é simples. Por mais livros que interessem os jovens!

    ResponderExcluir
  9. Olá.
    Não acompanho nenhum Youtubers, nem em canais e nem livros, portanto, desconheço a escrita. E também não tenho interesse por esse estilo de leitura. Mas para quem gosta, imagino que seja uma boa dica.
    Ótima resenha; Abraços.

    ResponderExcluir
  10. OOi, eu não tenho costume de ver youtubers, mas acho bem interesante colocar os prórios conflitos em um livro aonde vários leitores podem se identificar e encontrar um certo consolo, com pessoas coma mesma história, apesar de não ter vontade de ler, indo para quem gosta desse tipo de livro, obrigada!

    ResponderExcluir
  11. Oi Eduardo! Eu não gosto de assistir youtubers, então um livro escrito por um acho que não me atrairia , mas o que é discutido no livro achei muito importante, ainda mais para as pessoas que estão em uma fase de descobertas e experiências que causam um certo trauma kkkk obrigada :)

    ResponderExcluir
  12. Achei interessante por falar de muitos temas, tanto coisas engraçadas como questões mais pesadas. E ele parece ter um tom de prosa engraçada e ao mesmo tempo séria. Mas confesso que não me chama muita atenção pra ler. É um livro que acho que leria pra passar o tempo se não tivesse algum outro, mas fora isso...não chamou muita atenção mesmo.

    ResponderExcluir
  13. Oi, Eduardo!!
    Não conhecia esse livro mais ele parece ser bem divertido!! Como não acompanho muito youtubers acabo não conhecendo ou lendo os livros deles.
    Beijoss

    ResponderExcluir