UNI-DUNI-TÊ

SINOPSE: Um assassino está à solta. Sua mente doentia criou um jogo macabro no qual duas pessoas são submetidas a uma situação extrema: viver ou morrer. Só um deverá sobreviver. Um jovem casal acorda sem saber onde está. Amy e Sam foram dopados, capturados, presos e privados de água e comida. E não há como escapar. De repente, um celular toca com uma mensagem que diz que no chão há uma arma, carregada com uma única bala. Juntos, eles precisam decidir quem morre e quem sobrevive. Em poucos dias, outros pares de vítimas são sequestrados e confrontados com esta terrível escolha. À frente da investigação está a detetive Helen Grace, que, na tentativa de descobrir a identidade desse misterioso e cruel serial killer, é obrigada a encarar seus próprios demônios. Em uma trama violenta que traz à tona o pior da natureza humana, Grace percebe que a chave para resolver este enigma está nos sobreviventes. E ela precisa correr contra o tempo, antes que mais inocentes morram - M. J. ARLIDGE - Editora RECORD - 2016 - 322 páginas.

Eu gosto de histórias policiais que dão chance ao leitor de tentar descobrir o que está acontecendo, de tentar desvendar quem é o assassino e quais suas motivações para os crimes que comete. UNI-DUNI-TÊ é um desses livros. Na verdade, o único ponto onde não encontrei uma explicação, foi para o título da obra. Isso, porque não existe acaso na escolha das mortes, mas, sim, uma escolha.


Em todos os assassinatos, duas pessoas são presas em algum local, sem qualquer chance de escaparem ou serem resgatadas. Para saírem daquela situação, uma delas precisa usar uma arma, que é deixada com elas, para matar a outra. Ou seja, há uma escolha racional, ou de sobrevivência.

Bem, excluindo esse detalhe, todo o resto da história é muito bem construído. Não consegui encontrar nenhum furo na busca das pistas, que vão sendo apresentadas gradualmente, um pouco a cada capítulo.


A narrativa é em terceira pessoa, mas existem capítulos onde é o assassino(a) quem descreve alguns acontecimentos de seu passado. Especificamente, sua terrível infância à mercê de um pai sádico e estuprador. Por esse motivo, o leitor consegue estabelecer perfeitamente os motivos que o(a) levaram a cometer os assassinatos, mas só no final consegue descobrir o real motivo e qual sua verdadeira motivação.


Helen, a personagem principal, e a detetive responsável pela investigação, é uma personagem dura, coerente com a profissão que realiza, e interessante. Principalmente seu lado libidinoso. Ela frequenta sessões de sexo masoquista, e o leitor fica um pouco perdido no sentido que isso traz para a história, uma vez que esse lado da personagem não é refletido na sua vida profissional. O entendimento só acontece no fim da história. E ele faz todo o sentido.


Existem dois personagens secundários de grande importância: Mark e Charlie. São dois outros detetives da divisão, que interagem com Helen a todo momento. Para não atrapalhar a dinâmica da história, a vida pessoal dos dois é levemente comentada, apenas o suficiente para o leitor acreditar que eles podem ser reais. E eles não possuem apenas a função de suporte ao personagem principal. Eles são responsáveis por dar aos capítulos finais uma emoção a mais, e uma urgência que faz com que o leitor devore cada página.


UNI-DUNI-TÊ consegue sucesso em todos os caminhos que percorre. Ele consegue, até, o mais importante: dar ao assassino(a) um motivo que, embora não justifique as mortes que comete, deixa uma sensação de pena, de que é possível que alguém na mesma situação possa ter as mesmas reações; faz de Helen uma personagem imperfeita, com falhas, com remorsos e dona de uma consciência fraturada pelas falhas que cometeu na sua imaturidade da adolescência; e, finalmente, permite ao leitor acompanhar uma investigação inteligente, onde todos os pormenores são investigados, e onde todas as pistas para a solução do mistério são apresentadas.

Leitura mais do que recomendada para os amantes do gênero.

Compartilhe este post:

Carlos H. Barros

Tenho várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamento o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco ;>) -, e não saber desenhar O.O

12 COMENTÁRIOS

  1. Olá!
    Já comecei amando esse livro pela capa, muito linda!
    E a história também não fica atrás, é uma trama envolvente, que promete nos fazer ler o mais rápido possível, e nos deixa curiosos para saber os reais motivos que o levaram a cometer esses crimes.

    ResponderExcluir
  2. Oi Carlos, tudo bem?
    Resolvi ficar só por aqui mesmo ahaha é mais fácil de acompanhar.
    Nossa nem sei o que dizer deste livro, parece uma história bem pesada e cheia de altos e baixos. Eu não sei se conseguiria ler, acho que me daria alguma sensação ruim kk sou mole pra essas coisas.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oii!
    Esseee livro!!!
    Cada vez mais ansiosa pra ler!
    Adorei a resenha!
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. É muito bom livros com esse tipo de investigação...corrida contra o tempo,pois nos faz ficar desesperado para que a detetive consiga desvendar antes de acontecer mais mortes.
    Amei a resenha. A capa é muito linda!

    ResponderExcluir
  5. OOi! Amo livros com muito mistério e suspense de tirar o fôlego, eu com certeza adoraria ler esse livros, parece um ótimo suspense policial e eu adoro livros deste tipo, adorei a capa parece trazer á tona o que realmente é o livro!

    ResponderExcluir
  6. Amo livros policiais, principalmente aqueles que nos prendem do começo ao fim, e possui mistérios muito bem amarrados. Não conhecia este livro, mas a sua história me instigou e com certeza estará na minha wishlist de 2017.

    ResponderExcluir
  7. Eu já estava de olho nele, agora quero muito, muito ler.
    Achei essa capa bem chamativa, assim como o título. E o gênero da obra e muito envolvente, gosto de livro assim porque eles te prendem do início ao fim.
    Gostei da dica, beijos
    http://recolhendopalavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Já achei a ideia dele bem parecida com outra coisa que muita gente conhece e tinha pensando até que cairia no clichê. Mas o livro parece deixar uma sensação de desespero, cheio de sentimentos fortes e muita reflexão até. Gosto de coisa do gênero e ele está parecendo muito bom. Deve ser angustiante acompanhar cada personagem e as escolhas deles...

    ResponderExcluir
  9. Oi, tudo bem?
    Quero muito ler esse livro, pois esse é um dos gêneros que mais gosto. Estou bem curiosa para saber o desenrolar dessa história, cheia de mistérios e investigações.
    Com certeza esse é um estilo que me fascina!
    Ótima resenha!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Não tem como negar que a capa deste livro é linda demais. Mesmo sendo tão simples, acho que se encaixa bem no perfil da história.Este livro está na minha lista de desejados e mesmo já tendo lido que teve gente que não conseguiu se sentir confortável com algumas situações, quero muito conhecer a história.
    Mesmo não tendo curtindo Jogos Mortais.

    ResponderExcluir
  11. OOi, eu gosto de livros de suspense, apesar de estar um tempinho sem ler livros desse tema, eu nunca ouvi falar do autor, mais tenho certeza que esse livro me surpreenderia, e a capa parece ter tudo haver , obg!

    ResponderExcluir
  12. Oi!!
    Sempre gostei muito de livros policias, de suspense e de terror, acho que esse livro tem esses três elementos. Bom espero ler esse livro e me aventurar nessa história que é muito interessante!! Adorei a indicação do livro!!
    Beijoss

    ResponderExcluir