BOM DIA, VERÔNICA



SINOPSE: Em "Bom dia, Verônica", acompanhamos a secretária da polícia Verônica Torres, que, na mesma semana, presencia de forma chocante o suicídio de uma jovem e recebe uma ligação anônima de uma mulher desesperada clamando por sua vida. Com sua habilidade e sua determinação, ela vê a oportunidade que sempre quis para mostrar sua competência investigativa e decide mergulhar sozinha nos dois casos. No entanto, essas investigações teoricamente simples se tornam verdadeiros redemoinhos e colocam Verônica diante do lado mais sombrio do homem, em que um mundo perverso e irreal precisa ser confrontado - Andre KILLMORE - Editora DARKSIDE - 2016 - 256 páginas.

Devo confessar que fiquei com o pé atrás quando comprei BOM DIA, VERÔNICA. Primeiro, porque a autora usa um pseudônimo, e a editora não dá pistas de quem possa ser. Inclusive, criaram todo um mistério, como informar que ela fez parte da polícia, que teve uma perda irreparável, entrou em depressão e encontrou na escrita o caminho para se reerguer. Bem, não sei se tudo isso não é, na verdade, muita propaganda para vender livro, mas também não importa. O que importa, realmente, é a qualidade da obra. E BOM DIA, VERÔNICA, felizmente, é um excelente livro.


Inclusive, isso dá uma pista de que a autora não é assim tão novata no meio literário. A sua narrativa é segura, quase sem falhas, com personagens muito bem construídos, um enredo que não se perde e se conecta perfeitamente até o final. Um autor novato, raramente, consegue esse feito em sua primeira obra. Ainda mais com temas tão pesados, como homicídio e estupro.


A história é contada em duas frentes distintas. A principal, em primeira pessoa, por Verônica. Filha de um policial corrupto, que, para não ser preso, tenta suicídio, mas falha, e torna-se um vegetal, vivendo em uma instituição de cuidados especiais, ela trabalha como secretária para o delegado de homicídios da polícia de São Paulo. Inconformada com sua vida, ela busca qualquer chance de mostrar seu valor, com a finalidade de se tornar uma investigadora dentro da corporação.

A chance aparece quando Marta, uma mulher que procura Carvana, o tal delegado chefe de Verônica, não consegue ajuda para prender um homem que a enganou emocionalmente e roubou quase tudo o que ela tinha, se suicida, pulando da janela do prédio da polícia. Com pena da mulher, e vendo que seu chefe e seus companheiros não se importam com o homem que fez aquilo com Marta. Verônica decide, então, fazer sua própria investigação para prender o sujeito.


A segunda narrativa é em terceira pessoa, e conta a vida de Janete. Ela é casada com Brandão, um PM que sequestra, tortura, estupra e mata mulheres. Janete é o perfeito exemplo de alguém que sofre da Síndrome de Estocolmo. Ela odeia a vida que leva, odeia ser obrigada a servir de isca para as mulheres que o marido sequestra, odeia ser presa em uma cadeira com uma caixa de madeira na cabeça, ouvindo os gritos de desespero das vítimas de Brandão, odeia apanhar sempre que faz algo que ele não aprova, mas não consegue se afastar dele. Ela ama e sente atração física pelo marido, apesar dele ser um monstro, apesar de querer que ele seja preso, apesar de querer fugir dele.

E Brandão ama Janete. Depois que ele aplica alguma surra nela, ou a agarra à força e a violenta, ele sente remorso, pede desculpas, trata a esposa com carinho. Os dois vivem uma relação doentia e destrutiva de amor e morte, mas onde nenhum dos dois consegue se afastar ou desfazer.


Numa dessas vezes, após apanhar, Janete assiste televisão e vê Verônica em uma reportagem sobre o suicídio de Marta, a mulher que foi enganada. Por ela ser a única mulher no meio de um monte de homens policiais, Janete pensa que conseguirá ajuda dela para se afastar de Brandão. Embora os dois crimes não estejam relacionados, no fim, eles se conectam de forma perfeita, para dar uma solução a ambos.

A maior qualidade de BOM DIA, VERÔNICA está nas suas falhas. Não me refiro à história em si, porque ela se amarra muito bem, mas aos personagens. Eles são perfeitos na sua imperfeição. Não é uma falha narrativa. A autora constrói tudo de forma proposital, com explicações detalhadas. Janete, Brandão, Carvana, Marta e, principalmente, Verônica foram construídos como seres imperfeitos, doentes, com traumas, e se mantém dentro de suas características até o fim. Tudo o que é contado tem seu fundamento e coerência dentro do universo de cada personagem. É uma forma inteligente de conectar cada um deles ao leitor, porque o leitor reconhece neles pessoas reais, pessoas que são monstros, ou que erram por causa de suas limitações psicológicas.


Verônica é uma mulher de boa índole, boas intensões. Ela quer mostrar seu valor em um meio dominado pelo machismo e pela indiferença. Ela quer provar que pode ser tão competente quanto qualquer um deles, e, nessas tentativas, ela comete falhas, comete deslizes, como qualquer pessoa desesperada por aceitação. Mas ela é, acima de tudo, inconsequente. Ela conhece as consequências de tudo o que realize, e o preço que custa se falar. Mesmo assim, ela faz. E isso traz resultados, na maioria das vezes, desastrosos.


Ela é muito bem construída. Ela mente, engana, trai, bate, persegue, não se amedronta, é firme, confiante. Tudo isso, sem perder sua fragilidade e sensibilidade. A autora consegue retratar tudo com a dose de feminilidade que a personagem exige. E isso torna Verônica em uma dualidade incrível. Tem momentos que você a ama. Outros, a odeia. Outros ainda, se comove. E, no fim, se assombra.


O clímax de BOM DIA, VERÔNICA não chega a surpreender quem costuma ler histórias policiais. Mas, mesmo assim, é muito bom. Resolve tudo de forma convincente, e ainda deixa uma ponta para, se a autora desejar, escrever uma continuação.

Sem dúvidas, a obra de Killmore figura entre os melhores romances policiais nacionais. Se não, o melhor.

Compartilhe este post:

Carlos H. Barros

Tenho várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamento o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco ;>) -, e não saber desenhar O.O

21 COMENTÁRIOS

  1. Essa edição da Dark parece estar maravilhosa.
    Eu adoro Thriller policial, achei legal você falar que é os melhores romances policiais nacionais,isso me deixou com mais vontade de ler, eu tava curiosa para ver um pouco mais sobre esse livro antes de decidir comprar, principalmente porque achei meio vago a sinopse. Parabéns pela resenha, eu adorei. Espero mesmo que não seja nada verdadeiro kkk.
    Abrçs

    ResponderExcluir
  2. Não é de se surpreender que os livros da Darkside sejam caros devido ao trabalho que a editora tem com os livros. Mas eu tenho que admitir que esse tipos de livro não fazem o meu estilo, eu sou uma menina de romances por mais clichê que eles possam ser. Eu sinto que você não tenha gostado do livro mas sempre vai aparecer um melhor e pelo menos a leitura não foi uma total perda de tempo.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Carl
    Tenho visto que as opiniões sobre esse livro têm sido bastante divididas. Mas gostei de saber que o livro foi proveitoso para você. A protagonista deve ser daquelas que ou amamos ou odiamos, pois já vi uma resenha totalmente negativa sobre a obra, justamente por ela.
    A edição parece estar incrível, a editora sempre capricha, né?
    Gostei de ver seu ponto de vista, quem sabe eu leia futuramente.


    Blog Livros, vamos devorá-los

    ResponderExcluir
  4. Olá Carl....Sua resenha e super legal, bem interessante esse livro, nunca li nenhum livro desse tipo de genero...super positivo essa historia, espero poder ler livro...porque sou muito mas romance, aventura..mas esse sim e bom por ter misterio que também amo!!
    Lindo sua resenha sobre o livro e positivo!

    ResponderExcluir
  5. Olá Carl, excelente resenha!!! Vai ser meu primeiro livro de investigação policial e com essa temática, espero gostar. Fico feliz que tenha sido uma boa leitura principalmente em ser um autor nacional!! Edição linda, como sempre Darkside arrasa!!
    Com carinho
    One

    ResponderExcluir
  6. Olá Carl, excelente resenha!!! Vai ser meu primeiro livro de investigação policial e com essa temática, espero gostar. Fico feliz que tenha sido uma boa leitura principalmente em ser um autor nacional!! Edição linda, como sempre Darkside arrasa!!
    Com carinho
    One

    ResponderExcluir
  7. Carl!
    Bom ver um livro policial terminar com todas as pontas amarradas e com tudo esclarecido, mesmo que não tenha sido uma leitura excelente para você, só em ter personagens críveis por suas imperfeições e ainda tratar de temas fortes como suicídio e estupro, fico curiosa pela leitura.
    “Existe apenas um bem, o saber, e apenas um mal, a ignorância.” (Sócrates)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de JANEIRO dos nacionais, livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  8. Oi Carl!
    Eu não sabia que a Darkside publicava livros nacionais, fiquei super orgulhosa! Eu amo livros policiais, mas eu sei que não leria por achar a temática muito pesada. Não gosto de livros que façam com que eu me sinta mal... Mas adorei a resenha, super detalhista!

    Com carinho,
    Ana | Blog Entre Páginas
    www.entrepaginas.com.br

    ResponderExcluir
  9. Carl,adorei a vídeo resenha que você fez...Foi super interessante ver uma resenha desse livro,pois eu já tinha visto uma esses dias,e a pessoa que resenhou odiou bastanteee,então foi legal ver as duas opiniões: uma de quem amou e outra de quem odiou,e bom agora fiquei confusa viu..assim como a outra resenha me deu motivos para excluí-lo da minha lista,os seus me deram vontade de ler,mesmo não sendo o meu tipo de leitura corriqueira...

    Bom,primeiro que edição lindaaa,olha o capricho nos detalhes desse livro...Sempre falo que é um pecado eu não ter visto ainda meus amados romances no catálogo dessa editora viu,por que o capricho que eles têm nas obras lançadas são outro nível!
    Indo a história, o que mais tinha me desanimado a ler foi as atitudes da mocinha,que a outra resenha trazia ela como uma personagem promíscua, mas isso nem foi tanto,e sim algumas atitudes delas em relação á família,com os filhos,,nem vou descrever,por que como você não citou no vídeo,pode acabar sendo spoiler,mas como você já leu sabe do que eu estou falando..Não sei se simpatizaria com a mocinha sabe,apesar de que,como você disse,ela têm falhas sim,mas que qualquer pessoa estaria suscetível a cometer,o que torna a personagem mais real ainda... Para ver,como tudo é questão de opinião e visão,cada pessoa enxerga de um jeito kkk Mas tirando esse fato,o resto me anima mais a ler,pela narrativa que você menciona ser muito boa e nem aparenta ser de uma autora estreante (quem pode garantir que seja estreante não é mesmo?! Boa questão levantada por você)..Mas enfim,como também menciona,esse não é tanto o foco e sim o livro.Resumindo,estou com um pé atrás em relação a atitudes da mocinha,que têm uma grande probabilidade de não gostar,mas por outro lado,a questão da “caçada” ao assassino me atrai,acho instigante livros assim.
    Ótima resenha, abraços.

    ResponderExcluir
  10. Oii Carl!
    Dark arrasou nessa edição, estou louca pra ler, um enredo q me prendeu d uma maneira, capa linda tbm!
    Espero conseguir ler logo!
    Bjs e parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir
  11. Gostei da capa e estava curiosa com a história. Gostei da resenha ter bastante detalhes e saber mais da Verônica. Fiquei muito intrigada com a Janete e se o Brandão vai ser pego

    ResponderExcluir
  12. Eu não sou muito fã de romances policiais,mais essa capa,a sinopse e a resenha me deixaram bastante curiosa pela história.

    ResponderExcluir
  13. Esse livro já estou namorando desde que foi anunciado o lançamento. Primeiro porque a capa é maravilhosa e chama qualquer um pra ler. E depois quando descubro que vem com um tema tão misterioso e questões policiais jé me envolve por completo!

    ResponderExcluir
  14. Olá Carl!!!

    Esse livro me parece ser incrível e por ser da Darkside não surpreende ele ser tão lindo haha. Livro maravilhoso e resenha incrível, amei Parabéns 💕

    ResponderExcluir
  15. Oiiiie, Carlistos!

    Eu não sou muito fã do gênero como você já sabe,mas, "Bom dia, Verônica", com certeza despertou minha atenção. Nunca tinha visto você elogiar tanto uma obra dessa maneira. Gostei da parte que você compara a síndrome que é imposta nesse livro com a que se diz que existe no outro livro que resenhou. E gostaria de ler um livro que tenha essa síndrome explicita. A edição está maravilhosa. As fotos também.

    Vou lê-lo e ai conversamos mais sobre ele!

    Beijos Bella

    ResponderExcluir
  16. Bom, diferente do último livro da DarkSide com essa pegada pesada, que li somente as críticas, essa obra da Andrea me parece ser bem estruturada e chocante, sem fugir dos temas que ela quer abordar, sem criar cenários contraditórios. Além de ser um thriller psicológico, reflete também várias temáticas da realidade, gostei e vou anotar a dica.

    ResponderExcluir
  17. Esse livro vem dando o que falar em. Tem quem goste das ações da Verônica e tem quem não goste. Mas todos são unanimes em gostar do livro e recomendar a leitura. Eu gosto de livros policiais que tenham muito suspense escrito em primeira pessoa porque consigo uma conexão maior com o personagem.

    ResponderExcluir
  18. Gostei do nome do livro e ele me lembrou de Jessica Jones, não sei exatamente o motivo. Talvez seja só meu vício em séries da marvel mesmo. Me interessei pela história, mas não ao ponto de interromper meu "jejum" de ficção policial auehauehua

    ResponderExcluir
  19. Amo romances polícias,e esta história é chocante e envolvente.
    Como o doentio marido da mulher atrai mulheres para torturar,como ela que ajuda, é mesmo sendo uma das torturadas de certa forma ainda não o larga,como ela busca ajuda dá Verônica, e a Verônica ser a única que se importou com a mulher suicida. É uma história e tanto.Quero muito lê-lo.Fiquei curiosa com a autora utilizar um pseudônimo.

    ResponderExcluir
  20. Não sabia que o nome da autora era um pseudônimo! Eu sabia que nunca tinha ouvido falar nessa autora, mas até aí nada de novo.
    Enfim, que bom que não foi decepcionante. Amo personagens imperfeitos, sem aquela utopia que existe em alguns livros às vezes, amo quando eles são bem construídos em cima dessas imperfeições.
    Como romance policial é um dos meus gêneros favoritos, creio que descobriria o final antes da hora, mas ainda assim gostaria de fazer essa leitura.

    ResponderExcluir
  21. Oi!
    A diagramação desse livro está maravilhosa, ainda não conhecia essa historia, mas estou muito curiosa, parece ser uma obra bem escrita e com personagens bem interessante, gostei muito de temos duas historia distintas que acabam se conectando e estou curiosa sobre esse livro !!

    ResponderExcluir