TOP 5 NACIONAIS


Olá galerinha!!!!!

Pra hoje, eu preparei os meus livros favoritos de autores brasileiros, por isso o nome TOP 5 NACIONAIS. Eu li a maioria deles ano passado, e tive o imenso prazer de entrevistar três dos cinco autores. Os estilos dos livros acabaram ficando até bem diversificados, tendo desde os romances fantásticos, até os romances mais voltados para a história. Então, eu espero que vocês gostem dessa pequena seleção e, se ainda não leram, eu sugiro que leiam o quanto antes.

QUINTO LUGAR


AUTORA: Marina Carvalho 
SINOPSE: Foi o que aconteceu com Ana. Pega de surpresa pela informação de sua origem real, Ana agora vai ter que decidir entre ficar no Brasil ou mudar-se para Krósvia e viver em um país distante tendo como companhia somente o pai, os criados e o insuportável Alex. Mudar-se para Krósvia pode ser tentador — deve ser ótimo viver em um lugar como aquele e, quem sabe, vir a tornar-se rainha —, mas ela sabe que não pode contar com o pai o tempo todo, afinal ele é um rei bastante ocupado. E sabe também que Alex, o rapaz que é praticamente seu tutor em Krósvia, não fará nenhuma gentileza para que ela se sinta melhor naquele país estrangeiro. A não ser... A não ser que Alex não seja esta pessoa tão irascível e que príncipes encantados existam. Simplesmente Ana é assim: um livro divertido, capaz de nos fazer sonhar, mas que — ao mesmo tempo — nos lembra das provas que temos que passar para chegar à vida adulta.

Clique AQUI para acessar a RESENHA do livro e a ENTREVISTA com a autora.


QUARTO LUGAR


AUTOR: Carlos Barros
SINOPSE: De onde vem a amizade? O que é necessário para se ter uma vida melhor? Caio, um carioca de 15 anos, perdeu os pais em uma tragédia e foi morar com a avó em Belo Horizonte. Cheio de traumas, causados pelo incidente que vitimou sua família, ele não tem mais desejo de retomar sua vida. Fernanda, de 15 anos, protege seu irmão Jonas, de 11 anos, do temperamento violento do pai. Ela se apaixona por Caio, e este por ela. O sentimento que nutrem, será o catalizador de uma briga que colocará em risco a segurança dos dois. Gabriel, de 17 anos, e Bianca, sua irmã de 5 anos, perderam a mãe, por ela ser viciada e ter sofrido uma overdose, e o pai está preso. Ficam sob a tutela da Justiça e do irmão mais velho, de 20 anos, que apoia o pai em planos escusos para melhorarem de vida. Em Fugitivos, acompanhamos o amor nascer entre Caio e Fernanda, e a força da amizade que surge entre os cinco jovens, de forma tão intensa, que o drama de cada um deixa de ser individual e passa a ser de todos. No momento em que suas histórias se misturam, eles precisam fugir para salvarem suas vidas. Nessa corrida emocionante, que atravessa os estados de Minas Gerais, Bahia, Alagoas e Pernambuco, mais de dois mil quilômetros, iremos descobrir seus sonhos, seus medos, suas tristezas e suas alegrias, tudo envolto por muito suspense, perigo, romance e reviravoltas surpreendentes.

Clique AQUI para acessar a RESENHA do livro.


TERCEIRO LUGAR


AUTORA: Letícia Godoy
SINOPSE: Julianne Ipswich cresceu confinada no internato Le Rosey, afastada de sua família com o pretexto de receber uma educação de qualidade. Este fato sempre a incomodou e o maior desejo de Julianne era descobrir a verdade para que a família tenha a afastado, uma vez que não ficou convencida de que a preocupação com os seus estudos seria o único motivo. Ao completar 15 anos, ela retorna para Stone Forest, a cidade de seus pais, e, aos poucos, acaba descobrindo mais do que gostaria de saber. Cercada por muito mais perigos e desafios do que ela jamais pôde imaginar que surgiriam em sua vida, Julianne precisará desvendar os mistérios de seu passado e preparar-se para os desafios do futuro rapidamente se quiser sobreviver. As vozes se misturam, os olhos sedentos nunca param de espreitar e o perigo está onde ela menos imagina. Será que Julianne conseguirá enfrentar tudo isso?

Clique AQUI para acessar a RESENHA do livro e a ENTREVISTA com a autora.


SEGUNDO LUGAR


AUTORA: Carina Rissi
SINOPSE: Sofia vive em uma metrópole e está acostumada com a modernidade e as facilidades que ela traz. Ela é independente e tem pavor à mera menção da palavra casamento. Os únicos romances em sua vida são aqueles que os livros proporcionam. Após comprar um celular novo, algo misterioso acontece e Sofia descobre que está perdida no século dezenove, sem ter ideia de como voltar para casa ou se isso sequer é possível. Enquanto tenta desesperadamente encontrar um meio de retornar ao tempo presente, ela é acolhida pela família Clarke. Com a ajuda do prestativo e lindo Ian Clarke, Sofia embarca numa busca frenética e acaba encontrando pistas que talvez possam ajudá-la a resolver esse mistério e voltar para sua tão amada vida moderna. O que ela não sabia era que seu coração tinha outros planos...

Clique AQUI para ver a RESENHA do livro.


PRIMEIRO LUGAR


AUTOR: Ronaldo Wrobel
SINOPSE:  Autor de Traduzindo Hannah, livro finalista do Prêmio São Paulo de Literatura de 2010, Ronaldo Wrobel constrói um thriller instigante neste novo romance. Na trama, o protagonista Ronaldo vive com a avó, Sofia Stern, em Copacabana. Ela é uma refugiada da guerra: nasceu na Alemanha em 1919 e veio para o Brasil às vésperas da Segunda Guerra Mundial. Quando Ronaldo encontra um diário da avó perdido no apartamento, percebe que as histórias de sua juventude revelam paixões, traições e conflitos. Ele decide trazer os fatos à tona e embarca numa viagem para preencher as lacunas do relato.

"Folheei seu passaporte na confeitaria. Apesar de deteriorada, a capa ainda exibia a águia do Terceiro Reich agarrada a uma suástica. Mal se viam seus cabelos loiros numa fotografia manchada. Carimbos oficiais encobriam parte da assinatura: Sofia Stern, nascida na Cidade Livre e Hanseática de Hamburgo em março de 1919. O visto para o Brasil ocupava uma página junto ao carimbo de entrada R2830-01(NACIONAL) CS5.indd 23 13/4/2016 09:39:51 24 no Rio de Janeiro, datado de dezembro de 1938. Na base do visto, a palavra “temporário”.— Nunca vi esse passaporte. — Estava em meu cofre. — Junto com o livro marrom? — Já falei que não existe nenhum livro marrom. Mantive a calma: — Existe sim. Um livro marrom com suas memórias da juventude. Estava em seu quarto naquela noite. — Se existiu algum livro, foi esquecido, e as coisas esquecidas não existem mais."

Clique AQUI para ver a RESENHA do livro.
Clique AQUI para ver a ENTREVISTA com o autor.


POR QUE FALAR DE NACIONAIS?

No mundo que vivemos, a cada hora há uma coisa sendo discriminada. Isto acontece desde os séculos mais antigos, e é uma consequência direta da dificuldade de aceitação do que é diferente. Estive lendo ORGULHO E PRECONCEITO, da autora britânica, Jane Austen, e aproveitei para pesquisar sobre o contexto histórico da época em que ela escrevia. Pude perceber que, naquela época, o preconceito literário era em relação à capacidade de escrita das mulheres. Hoje, nós vencemos este desafio e outros surgiram, como o que estou mencionando aqui.

O preconceito com os Nacionais.

Sejam os livros, os filmes, as roupas, as comidas, as diversões e toda a diversidade de produtos que existe por aí. Esta é uma questão que definitivamente não entra na minha cabeça, especialmente no caso dos livros. Se o preconceito é a não aceitação de algo porque é diferente, ou considerado inferior, esta seleção de livros é a prova de que há uma falta de coerência em tudo isso. Já li livros internacionais tão bons quanto estes. E já li livros internacionais, que não chegam aos pés destes (reforçando que está é minha opinião), e que, mesmo assim, são colocados como os melhores livros já publicados.

Então, o que eu quero dizer, é que eu falo de nacionais, sim. Primeiro, porque não é onde ele foi produzido o que interessa, não é pela capa, ou pelo nome do autor que se julga um livro. É pelo o que ele acrescenta ao nosso conhecimento. Não gosto de todos os nacionais que leio, bem como não gosto de todos os internacionais que leio. Este post é uma proposta, um convite, a cada vez mais lermos as histórias pelo o que elas nos contam, e não pela maneira que elas chegam às nossas mãos. 

Compartilhe este post:

ana lu

Sou Ana Lu e uma das coisas que mais gosto de fazer é ler e ouvir música. Meus livros favoritos são Perdida da autora Carina Rissi e Belo desastre de Jamie McGuire. Eu espero poder compartilhar muitas experiências literárias seguindo sempre o lema "a persistência fez os grandes líderes".

13 COMENTÁRIOS

  1. Oii Ana Lu,adorei esse post,e você tem toda razão quando fala no final de livros nacionais,o que define se o livro é bom ou não,é seu conteúdo e não a nacionalidade do autor oxee.
    Gostei da sua lista: Perdida,bom,é quase impossível não conhecer esse livro,ainda mais quem está sempre por dentro dos romances como eu...Mas,mesmo essa autora sendo muito elogiada,esse é um livro que não tenho vontade de ler,apenas pelo fato de ter viagem no tempo,não faz meu estilo...Mas tô doida p/ ler prometida da mesma série *-*
    Já o livro Simplesmente Ana fiquei passada jurava que era de algum autor internacional,com essa capa linda bem gringa...ainda não tinha visto a sinopse,mas me interessei muito,pois já vi ótimas resenhas de outro livro dela (O Amor nos Tempos do Ouro) maravilhosas,e disseram que é uma ótima autora,e bom,romance histórico é meu xodó *-*
    Os demais gostei de conhecer,mas não fazem meu estilo de leitura.
    já,dos nacionais que li até agora,o meu top 5 fica assim (só de romance,pq é meu estilo favorito :D):

    5- "O Professor" da Tatiana Amaral;
    4- "Fala Sério, Mãe!" da Thalita Rebouças..Foi por seus livros que peguei gosto pela leitura na adolescência :)) Adoro essa série infanto-juvenil,marcou bastante.
    3- "Senhorita Aurora" da Babi A. Sette....Me surpreendi com essa autora,não esperava gostar desse livro,agora estou doidaaa por outros livros da autora!!
    2- "Quando Eu Olhar Pra Você" da Lucy Vargas....Olha,esse só está em 2° lugar,e não em primeiro pq só li uma série dela por enquanto,mais ela arrasa tanto em histórico quanto contemporâneo,não deixa a dever em nada p/ autores renomados,escreve muitoooo bem!
    1- "Redenção de um Cafajeste" da Nana Pauvolih...Ahh,o que falar dos livros dessa autora que sou apaixonada? Ele escreve livros hots daqueles quentesssss mesmoooo,tanto é que os livros dela são ame ou odeie,devido ao alto teor erótico e por ela ás vezes tratar de assuntos bemmm polêmicos...Por isso,mesmo sendo fã dela,têm livros que não curti,mas a maioria eu adorei com força,criou personagens que não saem da minha cabeça e me fizeram apaixonar totalmente! Estou quase sonhando c/ a série Segredos que ela vai lançar em físico esse ano..já comecei a economizar pq quero ter todos na minha estante S2

    Bjssss

    ResponderExcluir
  2. Dos citados eu li Simplesmente Ana e amei demais!!!
    Carina Rissi é uma autora que sinto muita curiosidade mas ainda não tive a chance de ler. Não tenho preconceito contra nacionais, mas infelizmente posso contar em uma mão os nacionais que já li. Vou tentar mudar isso este ano

    ResponderExcluir
  3. Ana!
    Já há alguns anos me tornei fão dos nossos autores nacionais e concordo: eles não ficam a dever nada aos autores estrangeiros e a cada ano, novos autores surgem, cada vez mais criativos e em estilos diversos.
    Li apenas Simplesmente Ana, mas já anotei os outros para tentar fazer a leitura.
    Continue falando dos nacionais e trazendo boas indicações.
    Bom final de semana!
    “Eu não procuro saber as respostas, procuro compreender as perguntas.” (Confúcio)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de JANEIRO dos nacionais, livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  4. Oi, Ana
    Adorei o post. Infelizmente não entendo porque tantas pessoas têm preconceito com os nacionais. Está certo que há muitos livros que são ruins, mas também existem internacionais ruins. Pelo amor, né?
    Adorei ver o romance inacabado de Sofia Stern aqui. Eu simplesmente amei esse livro!!

    ResponderExcluir
  5. Oie!!!
    Concordo com você que existe um preconceito contra livros nacionais. Mas acredito que este esteja diminuindo e isso inclusive pode ser visto com o crescente aumento de publicações nacionais por editoras pequenas e grandes. E eu gosto muito de ver esse aumento de publicações da nossa literatura contemporânea, pois permite conhecer mais e mais estórias!
    Felizmente não tenho este tipo de preconceito e também ja li livros que na minha opinião foram bons e ruins tanto nacionais quanto internacionais.
    Achei importante o seu post para conscientização dos leitores gostei das suas dicas. Destes ainda não conhecia o livro "O Romance Inacabado de Sofia Stern" e me interessei muito pela estória!
    Mil Bjinhos ;)
    Elaine M. Escovedo
    Caminhando Entre Livros
    Http://www.caminhandoentrelivros.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi Ana, realmente existe um grande preconceito quanto aos livros nacionais, mas às editoras vem publicando mais e isso faz com que sejam mais conhecidos. Um problema que acredito nos nacionais é o preço, sempre alto isso afasta o comprador e as pessoas juntam isso ao preconceito. Ou seja acredito que existe vários fatores contra o nacional e não só o preconceito. E concordo sim que temos nacionais maravilhosos e internacionais péssimos!!! Mas, tudo é muito relevante, é questão de gosto, ponto de vista, então acho algo bem difícil de se discutir. Mas, acho fundamental post s como esse, afinal temos que valorizar e incentivar a leitura e porquê não de nacionais?
    Com carinho
    One

    ResponderExcluir
  7. Eu acho super chato que gosta de ficar falando por ai que só lê livros de autores internacionais. Eles não sabem é o que perdem! Temos tantos autores nacionais maravilhosos e olha que alguns até melhores que os internacionais!
    Apesar de não ter lido ainda nenhum dos livros do seu top 5 eu quero muito ler Perdida!

    ResponderExcluir
  8. Oi Xara, tudo bem?

    Eu adorei o seu top 5!
    Da lista só li Fugitivos, e gostei muito! A trilogia Ana está na minha listinha, e os livros da Carina Rissi, quero todos! Descobri muitos autores nacionais maravilhosos em 2016, e recomendo demais, temos muito que valorizar nossa cultura!


    Abraços!
    Ana | Blog Entre Páginas
    www.entrepaginas.com.br

    ResponderExcluir
  9. OLHA QUE ESSE "FUGITIVOS" FOI COLOCADO AÍ POR OBRIGAÇÃO, HEIN?
    HAHAHAHAH tô brincando! O Carlos escreve muito bem, mesmo.
    Acho super importante falar dos nacionais porque infelizmente ainda há muito preconceito, sim. Tem gente que se encanta pela premissa mas só de ver que é nacional já desiste. Triste isso.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Eu adoro livros nacionais, temos uma gama de variedades de autores que escrevem uma gama de variedades de gênero. Tem pra todo gosto!
    Eu tenho na minha estante Simplesmente Ana, mas eu ainda não comecei a ler porque tenho passado outros antes mas saber que está num top 5 já aumenta a vontade de ler.

    ResponderExcluir
  11. Oi Ana!
    Eu confesso que não lia mto nacionais no começo, mas depois que fui conhecendo, fui me apaixonando e me tornando fã do gênero.
    Pretendo ler mo mais nacionais este ano, espero conseguir chegar nessa meta.
    Bjs

    ResponderExcluir
  12. Dos livros citados eu li simplesmente ana e perdida,os outros espero ler em breve.

    ResponderExcluir
  13. Oi Ana Lu, eis um tema que tem muito pano pra manga! Acredite eu amo livros nacionais, quando são bem escritos, e quando a proposta do livro cumpre o que dizia, porém tem uma leva de pessoas que se dizem os bam bam bam da literatura e que ao lermos seus livros e darmos nossa opinião de algo que não gostamos somos atacados com unhas e dentes. Talvez o fato de os autores estrangeiros não nos atacar quando não gostamos de seus livros seja um dos pontos que traga a preferência de algumas pessoas. Bom, cada lado tem pelo menos três vertentes, e o que acredito é que existem muitos bons autores nacionais e cada um dentro da sua escrita, e do gênero. Adorei a sua lista e já garanti uma boa lista

    ResponderExcluir