ORGULHO E PRECONCEITO

SINOPSE: Jane Austen inicia Orgulho e Preconceito com uma das mais célebres frases da literatura inglesa: "É uma verdade universalmente reconhecida que um homem solteiro e muito rico deve precisar de uma esposa". O livro é o mais famoso da escritora e traz uma série de personagens inesquecíveis e um enredo memorável. Austen nos apresenta Elizabeth Bennet como heroina irresistível e seu pretendente aristocrático, o sr. Darcy. Nesse livro, aspectos diferentes são abordados: orgulho encontra preconceito, ascendência social confronta desprezo social, equívocos e julgamentos antecipados conduzem alguns personagens ao sofrimento e ao escândalo. Porém, muitos desses aspectos da trama conduzem os personagens ao auto-conhecimento e ao amor. O livro pode ser considerado a obra prima da escritora, que equilibra comédia com seriedade, observação meticulosa das atitudes humanas e sua ironia refinada - Jane AUSTEN - Editora MARTIN CLARET - 2012 - 480 páginas.

Olá pessoal!!!

Hoje, é com prazer que venho falar de uma obra clássica da literatura, conhecida em grande parte do mundo, se não em todo ele! E de qual livro estou falando? Orgulho e Preconceito, da escritora britânica, Jane Austen. Popular por suas críticas aos padrões da sociedade moderna em que vivia, ela ganhou sua fama apenas meio século após sua morte. Naquela época (século XIX), as mulheres eram consideradas inferiores por vários aspectos, inclusive pela escrita, o que sabe-se atualmente, ter sido um dos grandes equívocos cometidos pela humanidade em sua existência. Devido a isso, algumas de suas publicações foram registradas sob pseudônimo. 


ORGULHO E PRECONCEITO foi publicado em 1813, quase duas décadas depois de sua finalização, e desde então tem sido adaptado aos mais diversos meios, como o cinema, teatro e até mesmo a literatura, com versões que abordam desde as maneiras mais cômicas, até as mais focadas nas entrelinhas e críticas colocadas na história. A narrativa é feita em terceira pessoa, porém sob a percepção de Elizabeth Bennet, segunda mais velha,das cinco filhas do Sr. E Sra. Bennet. O assunto mais tratado no livro é o casamento, considerado na época o meio de se obter uma condição de status elevado e bem estar social. Nesta obra, as duas irmãs mais velhas, Jane e Elizabeth, são as mais apreciadas pelo pai por dedicarem menos tempo com superfluidades. A Sra. Bennet é uma senhora cujo principal ofício é buscar um bom casamento para as filhas, sendo apresentada como uma pessoa marcada por ataques de nervos e palpitações. 


A história começa com a chegada do Sr. Charles Bingley, com sua Irmã e o amigo, Sr. Darcy. Assim que Bingley chega, ele já se mostra como uma pessoa que faz amizades rapidamente, de modos agradáveis e divertidos. Darcy, no entanto, se mostra o oposto do amigo. Ele aparece pela primeira vez em um dos bailes, no qual não se dá o trabalho de dançar com quase nenhuma dama, mesmo havendo várias delas sozinhas no salão, o que era considerado uma ofensa na época. A primeira impressão de Elizabeth não é das melhores, o que só se torna pior depois de ouvir a versão de George Wickham sobre o tal senhor. Vários motivos farão Elizabeth e Darcy se encontrarem, e nesses encontros, duas coisas prevalecem: o orgulho e o preconceito por ambos os lados, causados principalmente pelas diferenças hierárquicas e das condições financeiras de cada uma das partes envolvidas. Mas nessas idas e vindas, os paradoxos que surgem irão conduzir a história rumo a um final previsível, mas mesmo assim encantador. 


Este é mais um dos livros que podem ser lidos como um romance para uma tarde, com o diferencial de também poder ser lido como uma grande crítica social. Como dizem, as histórias são o que fazemos delas, e esta característica desde livro com certeza me fará relê-lo várias e várias vezes. No final do ano retrasado, eu li o livro PERDIDA, da autora Carina Rissi, no qual ela cita esta história, sendo uma das que ganha grande importância para os protagonistas, Ian e Sofia, e desde então, este livro entrou para a minha lista de mais desejados. 


ORGULHO E PRECONCEITO é, sim, um livro que eu gostei muito de ler. Acredito que pela diferença de tempo entre sua escrita e a atualidade, a maneira com que as palavras são utilizadas se torna algo diferente. É como viajar no próprio tempo, simplesmente pela maneira que ela escreve (mesmo sendo uma obra traduzida, é possível perceber a diferença em relação aos dias atuais).


Outro detalhe que eu já mencionei, mas que realmente me chamou a atenção, é o fato de ter as personagens principais como pessoas com opiniões e visões de mundo bem marcadas, e no caso de Elizabeth e Darcy, a liberdade que cada um concede a si mesmo de transmitir o que pensa de maneira lógica, embora muitas das vezes parciais, devido às primeiras impressões que formam sobre as pessoas.

Compartilhe este post:

ana lu

Sou Ana Lu e uma das coisas que mais gosto de fazer é ler e ouvir música. Meus livros favoritos são Perdida da autora Carina Rissi e Belo desastre de Jamie McGuire. Eu espero poder compartilhar muitas experiências literárias seguindo sempre o lema "a persistência fez os grandes líderes".

14 COMENTÁRIOS

  1. Oi Nalu, ganhei esse livro do meu esposo tem uns dois anos mas ainda não li, acho que estou passando por um bloqueio de leitura, e olhe que aperreei ele tanto pra me dar esse livro que me sinto até culpada, mas vou me redimir o mais rápido possível, acredito que seja bem fácil e gostoso ler Jane Austen, eu tenho um livro que se chama: As memórias perdidas de jane Austen e adoro ele, então não tem como esse ser ruim! Adorei a resenha!

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana, tudo bom?
    Gostei muito da resenha e eu tenho muita vontade de ler o livro, sempre vejo vários elogios, também li Perdida e me lembro da citação, espero gostar do livro, e realmente deve ser notável a diferença de escrita.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  3. Me ganhou por ter lido e citado Perdida ^^ Eu sinto uma dor no coração por ter ganhado esse livro em um sorteio e ter sido extraviado então eu nunca li esse clássico de grande sucesso o que me deixa mais triste ainda é ler sua resenha e ela me mostrar que estou realmente perdendo a leitura de um livro realmente incrível. Adorei a resenha e espero que um dia eu tenha a oportunidade de ler esse livro.

    ResponderExcluir
  4. Ana!
    Não é atoa que o livro é clássico, afinal Jane Austin fez suas críticas a sociedade da época e que transcende o tempo.
    Livro dito romance de época, mas que traz várias vertentes sociais e mostra como uma mulher quase não tinha voz naquela época.
    Não li Perdida ainda, mas quero.
    Bom carnaval e moderação, hein?
    “Não basta saber, é preferível saber aplicar. Não é o bastante querer, é preciso saber querer.” (Johann Goethe)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. eu sei que orgulho e preconceito é um clássico, mas nunca consegui terminar
    acho que trauma de colégio, não tem nada que estrague mais uma história do que o: cai na prova. foi a única coisa que eu gostei: ela mostra como era a socieda, mas sei lá...
    talvez agora que eu não sou mais forçada eu consiga ler sem querer arremessar pela janela
    mas assim ainda prefiro romances de época da época (deu para entender?) do que os atuais

    ResponderExcluir
  6. Li esse livro faz tanto tempo! Mas nossa, ele me marcou. É interessante a maneira como o jeito que é escrito consegue transportar a gente para aquela época, dar essa sensação de poder ver aqueles tempos. E uma coisa que amei foi a protagonista forte e cheia de opiniões. Bem diferente do que costumo esperar de pessoas daquela época, haha xD
    Ela e o protagonista juntos tinham uns embates que eu adorava ler.
    O romance é envolvente e tão gostoso de acompanhar!
    Gostaria de reler alguma hora e essa edição é uma tentação. Muito linda ^^

    ResponderExcluir
  7. Eu adoro esse livro, é um dos meus livros favoritos! Eu também li esse livro porque foi citado em Perdida (antes não tinha tanta vontade de ler), e me surpreendi muito com a história. Adorei a escrita da autora, adorei a Elizabeth e o Darcy, adorei tudo!
    Agora estou querendo ler outros livros da autora *u*

    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Eu comecei a ler, mas não consegui passar da página 30 rsrs a escrita é boa, mas faltou paciência
    Nem o filme assisti mas tenho certa curiosidade por tantos fãs da autora

    ResponderExcluir
  9. OOi! Eu fiquei sabendo do filme que foi lançado a pouco tempo e fiquei com uma certa curiosidade para assisti-lo, porém eu não sei se leria o livro porque me parece ser um pouco cansativa a escrita mais quem sabe um dia não tento né, beijos!

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    um dos primeiros que li, amo o livro tanto quanto o filme. um dos meus favoritos por sinal. Essa edição está maravilhosa!
    abraços!

    ResponderExcluir
  11. Eu amoo tanto esse livro!
    Pretendo ler mais livros dela.
    Amo o filme tbm!
    Mr. Darcy é o meu mozão de todos os mozões!
    kkkkkk
    Recondo essa leitura para todos!

    ResponderExcluir
  12. Oi!
    Li esse livro ano passado e se tornou uma das minhas melhores leituras, acho bem interessante a critica social que a autora faz, mas principalmente pela escrita dela, me surpreendeu que um historia escrita a tanto tempo ainda seja tão real, emocionante e consiga me conquistar tanto, adorei essa historia !!

    ResponderExcluir
  13. Olá!!! Eu sou uma apaixonada por romances de época, e eu adoro esse livro! Lizzy e Mr. Darcy são seres com características bem reais, é fantástico acompanhar a forma como eles vão aos poucos superando seus preconceitos e implicâncias.

    ResponderExcluir
  14. Oi, Ana
    Tenho muita vontade de ler esse livro e não sei por que ainda não fiz isso.
    Amo essas críticas sociais que têm nos romances históricos e também a forma que é escrito, afinal, do jeito que eles realmente falavam quando a autora escreveu.
    Amei a resenha, espero não demorar para ler.

    ResponderExcluir