HOMOFOBIA REVESTIDA DE LEGALIDADE


Esta semana, nos EUA, uma rede de cinemas anunciou que não irá exibir a nova versão do conto A Bela e a Fera, por conta de existir um beijo homossexual no filme. Abaixo, a justificativa dada:
Para quem não sabe, A Bela e a Fera está ‘estreando’ seu primeiro personagem homossexual. O produtor também afirmou que o final do filme terá uma ‘surpresa’ para os casais do mesmo sexo. Se não podemos levar nossa neta de 11 anos e nosso neto de 8 para ver esse filme, não temos nenhum interesse nesse filme. Se não podemos nos sentar para ver um filme com o Senhor Deus ou Jesus do nosso lado, então não temos nenhum interesse em exibir esse filme. Sei que alguns não vão concordar com essa decisão. Tudo bem. Antes e mais do que tudo, somos Cristãos. Não vamos nos comprometer com o que a Bíblia ensina. Continuaremos exibindo filmes orientados para a família, então você pode se sentir tranquilo em assistir filmes saudáveis sem se preocupar com sexo, nudez, homossexualidade ou linguagem chula
Antes de mais, esses donos dos cinemas, como donos, têm todo o direito de decidir o que exibem ou não em suas instalações. Isso lhes é de direito legal. Ninguém pode reclamar. Entretanto, essas pessoas estão usando esse direito como forma covarde de expressar suas ignorâncias religiosas e seus preconceitos. A homofobia, ou o sexismo, no caso das mulheres, procura negar a um grupo de indivíduos, seus direitos civis e humanos. A partir do momento que você usa um direito legal seu para propagar a intolerância, isso passa a ser perigoso, não para quem propaga, mas para a minoria que é rechaçada.

Para se ter uma ideia, e pegando como exemplo os EUA, o FBI informou que em 2008, 18% dos crimes de ódio relatados à polícia, foram cometidos com base na orientação sexual, sendo que 60% desses mesmos crimes, foram cometidos contra gays. A partir do momento que uma cadeia de cinemas propaga esse ódio por gênero, ele incentiva que outros grupos de pessoas se sintam no direito de fazer o mesmo. A propagação do ódio, seja ele qual for, é como fogo em palha.

Ainda nos EUA, até 1955, pessoas negras eram proibidas de estudar nos mesmos colégios de pessoas brancas; precisam dar seus lugares em transportes públicos para brancos; não podiam, sequer, serem enterradas nos mesmos cemitérios que pessoas brancas. Tudo isso era protegido por Lei. Só porque a Lei dá a um grupo de indivíduos o direito de fazer algo, não quer dizer que esse direito seja moralmente correto, justo ou humano.

A maioria dessas pessoas, mas não todas, se apoiam na religião para repudiar algo que é natural, que existe desde sempre. Em nenhuma parte do Novo Testamento, Jesus sequer insinua que homossexualidade não é natural. Na verdade, Jesus pregava a igualdade, o amor ao próximo, independente de quem seja o próximo, da nacionalidade, da raça ou da orientação sexual. Ser Cristão não tem nada a ver com os motivos dados por esses donos de cinema. Mesmo assim, essas pessoas utilizam passagens do Antigo Testamento, escrituras com milhares de anos, que testemunham uma sociedade que não mais existe, que dependem de interpretação e contextualização, para justificar seus atos. Como seria nosso mundo se mulheres não pudessem se separar de seus maridos, se fossem apedrejadas por isso, se tivéssemos que sacrificar cordeiros e bois em altares, entre outras barbaridades que há muito perderam a lógica de serem aplicadas.

Ouvi muitas pessoas dizerem que não apoiam a homossexualidade, mas não são preconceituosas. Apoiar significa concordar, dar sustento. Se você não o faz, é porque você já tem um julgamento sobre algo que não aprova, só não tem coragem de se pronunciar, ou de expor seu real ponto de vista. Por definição, preconceito é uma atitude discriminatória perante pessoas, crenças, sentimentos e tendências de comportamento. A partir do momento que você não apoia algo sem um motivo plenamente justificável, uma razão moral, então, sim, você é preconceituoso. Lembrando que apoiar não é apenas sair à rua levando cartazes e gritando pelo direito de algo, ou alguém. Apoiar é você realmente acreditar, compreender, sentir, que algo é justo e igual.

Também existem as pessoas que usam a mesma justificativa dos donos de cinema e dizem que beijo homossexual é imoral. Mas beijo heterossexual não é? Por que em A Bela e a Fera existe um beijo, ou mais de um, entre o casal principal. Só que o casal principal é um homem e uma mulher. E, com certeza, nos referidos cinemas, já exibiram romances, onde beijos acontecem. Ou seja, a imoralidade existe apenas no fato de o beijo acontecer entre duas pessoas do mesmo sexo.

Beijo é uma demonstração humana de afeto, independente do sexo. Um beijo não é, e nunca será, imoral. Amar alguém, não é imoral. Imoral é deturpar uma religião com o objetivo de justificar a covardia de se sentir ameaçado pelos direitos que as pessoas têm de amar quem elas quiserem. Covardia é se esconder atrás de semântica para não reconhecer sua própria imoralidade.

Esses donos de cinema afirmam que o filme, por conter o referido beijo, não é familiar. Essa é mais uma ignorância de quem usa termos que não compreende para justificar o preconceito. Para essas pessoas, família é um pai, uma mãe e filhos. Família não é isso. Família é um grupo de indivíduos que compartilham a mesma herança genética, ou que vivem sob o mesmo teto e compartilham uma ligação afetiva. Por definição, família não distingue raça, cor, sexo ou religião.

Eles não querem que seus filhos de 8 e 11 anos saibam o que é a homossexualidade, entretanto não têm qualquer problema em ensinar o que é intolerância, discriminação, imposição. Não têm qualquer problema em educar indivíduos que se tornarão, caso não possuam um discernimento inerente, pessoas preconceituosas, que irão julgar seu próximo com base na escolha sexual, algo que só interessa a quem pratica, que não agride ou prejudica ninguém, que representa o mesmo amor que seus pais, talvez, tenham sentido.

Ou não. Porque amor, o verdadeiro amor, não diferencia, ele iguala.

Compartilhe este post:

Carlos H. Barros

Tenho várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamento o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco ;>) -, e não saber desenhar O.O

14 COMENTÁRIOS

  1. Li essa notícia ontem e fiquei tipo... Hã? É sério isso?
    É inadmissível que atualmente esse tipo de situação ainda ocorra. E pior, um dos grandes meios de luta contra qualquer tipo de preconceito (o cinema), ao invés de abraçar a causa e respeitar as diferenças, simplesmente prefere agir de forma retrógada e ignorante.
    Pois bem, tenho 24 anos, uma irmã de 10 que está louca para ir assistir no cinema, eu então nem se fala, e quem disse que vai nos levar ao cinema? Paizão!
    Podem nos censurar quanto quiser, mas sim, nós existimos e de forma alguma vamos abaixar a cabeça diante de um preconceito absurdo.
    Parabéns pelo texto! Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Carl. Tudo bem? Concordo com tudo o que você falou, porém não uma coisa.

    Sou cristã, não vou fazer um discurso sobre o que é certo e o que é errado, apenas dar meu ponto de vista sobre algo que falou. Eu realmente não sou preconceituosa, muito menos pratico coisas que descendem daí. Na verdade tenho vergonha das pessoas que se dizem cristãs, mas agem dessa forma. Porém, tenho meus princípios, assim como cada um e, a partir deles não vejo a homossexualidade como algo natural. O que não significa que saio agindo por aí como se fosse anormal. Não acho algo natural como cristã, mas não sou preconceituosa. Aliás, tenho amigos homossexuais que sabem da minha base e existe respeito entre ambos os lados.


    Quanto as demais coisas, parabéns pela escrita.

    ResponderExcluir
  3. Oi Carl, tudo bem?
    Não sei nem o que dizer nessas situações. Acredito que esta rede de cinema não transmita nenhum filme que não seja cristão porque os demais filmes produzidos contém beijos, violência entre outras coisas. Atitudes como a destas pessoas só torna mais difícil a tarefa de tentar ensinar respeito, amor, e acabar com a intolerância e preconceito. É realmente triste.

    ResponderExcluir
  4. Olá!!!
    É bem complicado dizer ao certo toda essa questão porque por um lado é um preconceito enorme que junta toda uma sociedade e que só julgam e o outro lado eu penso é nas crianças não sei realmente o que vai passar pela cabeça de todos cada um vai agir de uma for diferente então realmente é uma questão para longas conversas e ensinamentos.
    Até mais!!!

    ResponderExcluir
  5. Vi esse negócio também e quer saber? Acho uma palhaçada jogarem religião nessa história. A pessoa ser gay, bi, trans ou o que for...meu, não acredito em um Deus que vá querer que eu odeie essas pessoas. Acredito em um Deus que pregue o amor. Amor. Não ódio. Pra mim, na minha cabeça, é assim.
    Aí o pessoal fica jogando preconceito em tudo que vê, que ahh mas vai influenciar as crianças e blá, blá blá, pá pá pá...será que elas não podiam estar usando isso como exemplo para ensinar o amor, a compaixão e a aceitação para essas crianças? Criarem alguém que vai entender o que é respeito pelo próximo e prezar a paz e a união? Mas não. O que querem é continuar com mais gerações de pessoas preconceituosas e que prezam a violência e o ódio.
    Meu...não sei nem o que falar mais. Eu fico tão fula da vida quando vejo uns troços assim que dá vergonha do ser humano e de pensar que sou da mesma espécie que isso ¬¬

    ResponderExcluir
  6. Carl!
    Dá para sentir sua indignação em cada palavra e concordo com você.
    Amor é amor, seja lá de que tipo for. Deus pregava o amor, tanto que quando foram apedrejar a prostituta usou a máxima: "quem não tem pecado que atire a primeira pedra..."
    O tempo evoluiu e com eles os costumes e formas de tudo ser encarado. Se a própria justiça já admite os relacionamentos homossexuais, por que um beijo é motivo de tanta celeuma?
    Acho um tremendo absurdo em pleno século XXI ainda existir tamanho preconceito e mais... justificativa infundada por causa de um beijo apenas...
    E na bíblia não mostra as orgias? Sodoma e Gomorra não viviam com suas festas homossexuais e tudo o mais?
    Abaixo o preconceito!!!
    “Saber de cor não é saber: é conservar aquilo que se deu a guardar à memória.” (Michel de Montaigne)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de MARÇO, livros + KIT DE PAPELARIA e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  7. Carl, essa notícia ridícula me deixou extremamente fdp da cara.
    Detesto ver como a homofobia é vista como algo tão normal por algumas pessoas anencéfalas. Detesto perceber que pessoas estão morrendo dia após dia por intolerância. Detesto ver como os tais religiosos fervorosos se importam tanto com os gays mas não vivem o restante das coisas citadas na Bíblia.
    Essa rede escrota de cinema só tá dando mais força para homofóbicos e tirando os direitos dos homossexuais.
    Tipo, como vi num tweet hoje, tudo bem ter zoofilia e síndrome de Estocolmo no filme mas um beijo gay AH NÃO AÍ JÁ É DEMAIS
    Escrotos demais

    Duas Leitoras - no Top Comentarista de Março você pode escolher entre 4 livros!

    ResponderExcluir
  8. Fiquei aqui procurando dentro de mim palavras para expressar minhas sensações, e acho que mesmo que eu escrevesse muito não conseguiria dizer tudo. AMEI O POST, as pessoas acreditam que lidar com as diferenças é complicado, é difícil e se vestem de falsos moralismos para justificar as suas mais negras facetas. Já sofri preconceito porque sou Cearense, porque não tenho diploma de faculdade e tenho mais de 30 anos, porque sou espírita. Esquecem essas pessoas que além de tudo isso sou ser humano, como qualquer outro. Assim como quem é negro, branco, amarelo, índio, somos todos seres, mas nem todos humanos (infelizmente as pessoas esquecem de se colocar no lugar do outro). Parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir
  9. Carl, eu respeito mto esse assunto, infelizmente ainda vivemos esse preconceito q na minha opinião é desnecessário ... Pra mim ser feliz é essencial e felicidade envolve amor seja ele qual e como for!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  10. Oi Carl, tudo bem?
    Espero que não me leve a mal com o que vou falar e que você entenda. Eu acredito na bíblia e nos ensinamentos que estão escritos nela e para mim, isso é errado. Mas também acredito que Deus ama cada um dos seus filhos de forma igual. Concordo que as pessoas são mega intolerantes e não respeitam as decisões dos outros. Isso é errado! Jesus mesmo se aproximava de todas as pessoas sem julgar, mesmo ele tendo o poder para tal. Ele levava o amor, e é isso que sinto que mais está em falta hoje. Meus pais me ensinaram desde pequena que o fato de eu não concordar com algo, não implica a mim a razão ao ponto de desprezar ou tratar o outro de forma diferente. Tanto é que tenho muitos amigos que são gays. E claro isso aplica a todos os tipos de preconceitos que temos nos dias de hoje. Eu mesma já sofri com isso por causa da minha cor.
    Espero que não me leve a mal, porque quando falo que não concordo com a prática em si, mas respeito as decisões das pessoas, são poucos que não vem com 5 pedras pra cima de mim.
    Beijos
    [SORTEIO]Baile Literário
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Priscila! Claro que não levo a mal, relaxa ;) Mas tem uma coisa errada no que escreveu: homossexualidade não é uma decisão, é algo natural, que nasce com a pessoa, da mesma forma que acontece com quem é hetero. Bjos!

      Excluir
  11. Quase choro quando leio textos assim, não tenho nem o que dizer, pra mim foi muito difícil assumir quem eu sou, mais difícil ainda foi me aceitar, afinal, em um mundo onde a homossexualidade é vista como algo errado, é difícil vermos que na realidade não é assim, que o que prevalece é o amor, independentemente por quem for, quanto à parte da igreja, tenho muita sorte da minha religião pregar que cada um é de um jeito e que não existe o certo ou o errado, e sim o que te faz uma pessoa espiritualmente melhor, só espero que algum dia as pessoas entendam que não nada de errado em ser homossexual, bissexual, transexual, o que for, e sim que o errado é ter preconceito por pessoas que simplesmente se aceitaram como são.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Olá Carl,
    Pois e verdade o que disse...eu quero muito ver esse filme não me importa se há uma pessoa que é gay, eu respeito muito isso e nem sou contra...cada um nasce e crescer na forma que veio ao mundo....todo mundo é igual na forma de esqueleto só porque é homossexual ou lesbica que deve descriminar...não vejo mal algum de coloca esse filme, um conto classico contado de uma maneira diferente...!

    ResponderExcluir
  13. É lamentável e revoltante que coisas assim ainda insistam em continuar a acontecer,ainda ter que viver em uma sociedade intolerante,preconceituosa,machista e misógina como essa. O ódio gratuito que as pessoas tem com o próximo,isso me deixa triste demais,mas eu acredito no amor,o amor sempre vence,e é disso que as pessoas precisam. Todos nós precisamos.

    ResponderExcluir