A VIDA SEXUAL DAS GÊMEAS SIAMESAS

SINOPSE: No novo livro, Welsh novamente revela o humano e o grotesco da sociedade ocidental, ao contar a história de Lucy Brennan e Lena Sorenson, duas mulheres muito diferentes que se veem intimamente ligadas após um incidente. Na agressiva e desbocada Lucy, bem como no seu oposto, a vulnerável e manipuladora Lena, o autor criou duas de suas mais memoráveis protagonistas femininas e mostra mais uma vez por que é um dos maiores nomes da ficção contemporânea - Irvine WELSH - Editora ROCCO - 2014 - 414 páginas.

Lucy Brennan é uma personal trainer obcecada com exercícios físicos e boa forma. Ela acredita que o pior mal que existe nos Estados Unidos é a obesidade. Lena Sorenson é uma artista gorda que se entope de porcaria todos os dias. Duas mulheres opostas que se ligam depois de um incidente no meio da madrugada.


Voltando da casa de um ficante, Lucy se depara com dois homens fugindo de um terceiro homem armado. Ela sai do carro e luta com o homem armado, salvando a vida daquelas pessoas. Mas o que ela não esperava é que Lena, que estava ali por acaso, filmasse tudo e divulgasse as imagens. Lucy fica famosa e conhecida como uma heroína.

Logo depois desse acontecido, Lena fica obcecada por Lucy e decide contratá-la para que ela possa emagrecer e também a se proteger sozinha. E a partir daí, as duas constroem um relacionamento um tanto quanto peculiar.


Vou começar falando um pouco sobre o título. Apesar de ser o título do livro, A VIDA SEXUAL DAS GÊMEAS SIAMESAS não é a protagonista da história. O que Welsh faz é traçar um certo paralelo entre as gêmeas, e Lucy e Lena. Pelo menos é o que dá a entender, particularmente eu não achei que tinha muito a ver.

A VIDA SEXUAL DAS GÊMEAS SIAMESAS aborda, principalmente, as consequências causadas por grandes traumas e como elas afetam completamente a vítima. Mas isso de forma sutil, já que o autor não joga as informações. Ele mostra como essas mulheres vivem, o modo como agem e só depois ele nos diz o motivo delas serem quem elas são.


O que pra mim, foi um certo alívio. Eu me recusava a aceitar completamente nossas protagonistas, principalmente Lucy, não queria aceitar que ela era aquela pessoa horrível, apenas porque sim. O que, parando para pensar, foi idiota da minha parte. Afinal, tudo o que somos é o resultado das nossas experiências pessoais, incluindo nossos traumas.

Meu problema com o livro foi exatamente isso, eu não conseguia sentir empatia pelas personagens. E quando parecia que eu estava prestes a conseguir isso, não acontecia. Eu simplesmente não gostei de nenhuma das duas. E isso só piorou quando ambas começaram a agir como verdadeiras loucas.


Welsh trabalha nesse livro a questão de nós sempre querermos parecer ser o que não somos. Manter as aparências é algo muito importante na história. Mas no fundo, se cavarmos bem, acharemos só angústias e pessoas assustadas. E o que mais me assustou na história toda, foi o fato dessas duas mulheres, aparentemente fortes e decididas (no caso de Lena, ela desenvolve essa imagem no desenrolar dos fatos), terem um "final feliz", apesar de toda a sujeira, maldade, abuso e traumas vividos.

Isso me faz pensar se não somos todos tolos, que inventam uma vida maravilhosa para mostrar para as pessoas de fora e que, no fim, acabamos acreditando na própria mentira.


A VIDA SEXUAL DAS GÊMEAS SIAMESAS é um livro forte, com várias partes descritas de forma chula, com cenas pesadas de violência e sexo. É um livro que pode ser facilmente desagradável, se você não tem muita cabeça ou paciência para temas assim. Mas é um livro bem escrito e bem desenvolvido e, pra mim, valeu a pena ter dado uma chance.

Aproveite e compre o livro:

Compartilhe este post:

Aline Lanis

Amante das palavras e de histórias. Futura psicóloga que quando não tá lendo textos teóricos gigantes e/ou fazendo trabalhos cabulosos, se entope de café e lê livros variados em literalmente qualquer lugar que seja possível. Alguns outros vícios incluem: séries sobre a vida comum, Hora de Aventura e gatos.

9 COMENTÁRIOS

  1. Oi Aline, gostei da temática, porém não entendi mesmo o título, será que o autor colocou esse nome apenas para trazer mais impacto ao livro? Fiquei muito curiosa ara saber como se desenvolve esse relacionamento e onde elas vão parar! Quero ler! Boa resenha!

    ResponderExcluir
  2. Olá Aline!
    Não conhecia o livro, parece uma leitura bacana, não costumo ler mto esse gênero, mas fiquei curiosa pra conhecer, vai pra listinha!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Não sei se leria esse livro. Já tinha visto coisas sobre ele mas não fui muito com a cara dele não...
    Por um lado achei interessante como ele trabalha essa coisa das aparências e só depois mostra o porque delas serem como são, mas por outro fico com receio de não sentir muita coisa pelas personagens também, porque a história não me encantou muito pelas coisas que vi e se ler e não me sentir muito conectada com elas e com a trama isso pode arrastar a leitura e aí fica chato né =/

    ResponderExcluir
  4. Aline!
    Já me senti ludibriada com o título do livro, porque o enredo, pelo jeito nada tem haver.
    E acredito que o enredo mostra o que acontece nos dias atuais nas redes sociais, as pessoas mostram a fachada de que são felizes e estão bem, quando na realidade, suas vidas são totalmente diferentes no cotidiano. Por esse lado, achei interessante.
    “A solidão é a mãe da sabedoria.” (Laurence Sterne)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE MAIO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia o livro mas me pareceu bem diferente e envolvente, daria uma chance a leitura quem sabe.
    Até mais!!!

    ResponderExcluir
  6. Olá Aline,
    Fazia uma ideia completamente diferente do livro!
    Acho que aqui a questão central é a identidade e o que queremos passar aos outros pela nossa aparência. Mas acredito que esse livro não seja para mim, não me senti atraída pela estória, apesar de lidar com esta questão interessante de identidade e aparência. Não tenho muita paciência para cenas pesadas, desta vez vou passar longe kkkkk

    ResponderExcluir
  7. Oi.
    Infelizmente a premissa do livro não me atraiu. Pode até ser uma leitura bem interessante, mas dessa vez vou passar a dica, mesmo sua resenha estando ótima, muito bem escrita.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Oi Aline, tudo bem?
    Fiquei tão curiosa pelo livro por causa do título e depois acabei tomando um banho de água fria hahaha
    Achei a premissa até bacana, mas por enquanto estou evitando temas fortes e que causam desconforto na minha vida.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Oi Aline!
    Tenho alguns livros antigos do autor, mas ainda não li nenhum e também não conhecia esse. Confesso que não entendi muito bem o título, mas adorei as referências das luvas :p
    Enfim, num primeiro momento parecia que eu ia gostar por tratar da vida de duas pessoas tão diferentes, mas ao decorrer da sua resenha eu desanimei um pouco, em especial por você ter dito que não conseguiu sentir empatia por nenhuma das duas e que não é uma leitura pra quem não tem paciência com cenas fortes de sexo e afins.
    De qualquer forma, adorei esse trecho:
    "Afinal, tudo o que somos é o resultado das nossas experiências pessoais, incluindo nossos traumas."
    Beijos!

    ResponderExcluir