MUNDO CÃO

SINOPSE: Unindo elementos de literatura marginal com sentimentos altruístas, surge Mundo Cão, que narra, em primeira pessoa, a história de Pedro Contino, um jovem que so­fre desde cedo por conta das peripécias da vida, e, por mais que busque o melhor, vê, em sua sombra, o caos. Morador da favela Roda Vida, Pedro poderia ter traçado qualquer caminho, mas a vida escolheu um em especial. Mesmo em meio à ausência de recursos, é apresentado à literatura por um vizinho mais velho, e, por conta dela, cria uma importante consciência social. Guiado por músicas e livros, ele logo percebe como tudo funciona. Indigna-se e, amargamente, percebe que não tem poder para realizar uma mudança no mundo… - Matheus PELETEIRO - Editora Novo SÉCULO - 2015 - 168 páginas.

A escrita de Matheus Peleteiro possui traços únicos que tornam sua identificação clara. Ele utiliza uma narrativa crua, direta, por vezes, até rude, mas sem ser ofensiva. Poderia dizer que é sincera, sem rodeios ou floreios.


Pedro, o personagem principal e narrador, mora em uma favela de Salvador. Rodeado pela violência típica de quem tem por vizinhos traficantes, além de conviver com tiroteios e a constante visita da morte a conhecidos, o rapaz de 18 anos decide escolher seus próprios caminhos. E ele quase consegue, principalmente com a ajuda de Luis, um professor de Sociologia. Mas, apaixonado por Carol, uma garota que mora perto de seu barraco, ele encontra na bebida a coragem necessária para paquerá-la. A partir desse ponto, Pedro começa uma descida vertiginosa de encontro à perdição daquilo que mais desejava.

Os pensamentos de Pedro levam a narrativa de MUNDO CÃO bem próxima da realidade do que é viver em uma favela. O personagem é machista, preconceituoso, possui uma visão política e religiosa limitada ao que ele sente e a como as pessoas se comportam de forma dogmática à sua volta, mas isso não o transforma em alguém amoral, apenas real.


Por mais que sua mente e seu coração sejam recheados e boa vontade, boas ideias, bondade, quando você vive em um ambiente impregnado de maldade, de precariedade, de falta de qualquer indicação de que o certo pode obter resultados, você acaba se corrompendo, acaba sendo obrigado a se submeter ao meio, ao contrário de transformar esse meio.

Dizem que uma pessoa pode mudar o mundo, mas a realidade é que o mundo muda as pessoas. E um mundo corrompido, corrompe totalmente. É por esse caminho que Pedro acaba seguindo, levando a um final que era esperado, mediante as escolhas que o personagem é obrigado a tomar.


Além da escrita crua, o autor carrega toda a narrativa com várias referências a cantores e obras de outros autores, com o acréscimo de frases de efeito, bem colocadas e com um significado suficiente para se fazer pensar, sem parecer forçado. Isso consegue levar o leitor a e se perguntar se realmente conhece como o mundo funciona, e o quanto cada um de nós representa numa sociedade parcialmente corrupta.

Compartilhe este post:

Carlos H. Barros

Tenho várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamento o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco ;>) -, e não saber desenhar O.O

12 COMENTÁRIOS

  1. OI Carl!!
    Bom, confesso que não gosto muito de livros que mostre a realidade do Brasil(favelas e violência), gosto mesmo é de fugir da minha realidade. Sou típica sonhadora, por isso não me interessei muito pelo livro. Não me orgulho de dizer, mas quando o livro é nacional eu acabo rejeitando antes da hora. Mas obrigada pela resenha maravilhosa. Beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Tailane! Não deveria, temos livros nacionais excelentes, de todos os gêneros, e muitos deles, melhores que os de autores estrangeiros. Existem livros nacionais ruins? Claro que sim! Bem como existem livros estrangeiros péssimos! Dizer que não gostou de um livro depois de ler, é normal. Dizer que não gosta sem nem abrir a capa, aí é preconceito. Reveja seus conceitos, está perdendo histórias maravilhosas! Bjos

      Excluir
  2. Olá Carl!
    O livro parece bacana, mas não tenho mto interesse pelo gênero e quando se trata de assuntos assim corro deles, quem sabe um dia consiga ler.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Parece legal, mas tmb parece que eu iria chorar (ou que alguém iria me condenar por não chorar). Este é um livro que vaisso me fzr ter problemas com águas saindo dos olhos? Parece fofo demais...

    ResponderExcluir
  4. Achei interessante esse jeito do livro e os temas. E o melhor é ter essa ideia de personagem bem real, de saber o que se passa na cabeça de quem vive em lugares assim, como é a vida e etc. Parece um ótimo livro pra quem gosta de coisas mais realistas e busca algo do gênero.

    ResponderExcluir
  5. Carl!
    É mais um daqueles livros onde a ficção criada pelo autor, é retrato da sociedade real em que vivemos.
    E se a escrita é crua e relata tudo com realismo, deve ser um daqueles livros feitos para chocar o leitor.
    “Conhecer os outros é sabedoria. Conhecer-se a si próprio é sabedoria superior.” (Lao-Tsé)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE MAIO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá!!
    A história mostra bem uma verdade brasileira que ocorre em diversas cidades, gostei de ter conhecido a obra mas não sei se leria .
    Até mais!!!

    ResponderExcluir
  7. Opa! Mais um livro nacional! Mundo cão parece trazer uma narrativa rude para trazer a realidade do que acontece nesse mundo, fazendo o leitor sentir como é a vida nas comunidades. A escrita crua parece mostrar toda a corrupção, da sociedade e da personagem, que se vê vivendo neste mundo. Gostei das referências aos cantores. Ótima resenha.

    ResponderExcluir
  8. Olá Carl, tudo bem?
    Gostei da premissa do livro, por tratar de um assunto tão real e presente hoje em dia. Entretanto não tenho muito interesse em lê-lo, pois tenho dificuldade em me concentrar em livros do gênero. Algum dia talvez eu embarque na leitura.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Eu adoro quando um autor expõe as coisas mais atuais de forma literal e nos mostra como as realidades próximas à nós ainda são tão desconhecidas, isso nos faz de certa forma abrir os olhos diante do mundo. Fiquei bem curiosa com o desenrolar dessa trama, a apesar de não curtir a capa achei o enrendo envolvente!

    ResponderExcluir
  10. Oi.
    O livro retrata uma realidade vivida por muitas pessoas, em nosso país. Por ser um tema real e forte, a leitura é bem interessante. Mas não sei se um dia irei ler.
    Para quem procura esse estilo de leitura, com certeza a dica é valiosa.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  11. Uau. Não conhecia o livro e pela capa eu passaria reto. Lendo a resenha, achei interessante. Gosto de autores que escrevem sem floreios e personagens que são reais. Aqueles "príncipes encantados" me irritam.
    Gostei da sua colocação em relação a como o mundo é capaz de mudar/corromper as pessoas e acredito que há toda uma reflexão muito importante nas páginas desse livro, sobre a vida marginalizada e os rumos que as vidas de muitas pessoas acaba tomando.
    Vou colocar na lista!

    ResponderExcluir