O PERFUME DA FOLHA DE CHÁ

SINOPSE: Em 1925, a jovem Gwendolyn Hooper parte de navio da Escócia para se encontrar com seu marido, Laurencek no exótico Ceilão, do outro lado do mundo. Recém-casados e apaixonados, eles são a definição do casal aristocrático perfeito: a bela dama britânica e o proprietário de uma das fazendas de chás mais prósperas do império. Mas ao chegar à mansão na paradisíaca propriedade Hooper, nada é como Gwendolyn imaginava: os funcionários parecem rancorosos e calados, e os vizinhos, traiçoeiros. Seu marido, apesar de afetuoso, demonstra guardar segredos sombrios do passado e recusa-se a conversar sobre certos assuntos. Ao descobrir que está grávida, a jovem sente-se feliz pela primeira vez desde que chegou ao Ceilão. Mas, no dia de dar à luz, algo inesperado se revela. Agora, é ela quem se vê obrigada a manter em sigilo algo terrível, sob o preço de ver sua família desfeita - Dinah JEFFERIES - Editora CIA DAS LETRAS - 2017 - 432 páginas.

Gwendolyn é uma bela e jovem inglesa recém casada com um importante produtor de chá, Laurence Hooper. Sua vida muda completamente logo após a primeira semana de casamento quando deixa sua terra natal, a Inglaterra, e segue caminho para o Ceilão (atual Sri Lanka), para encontrar seu marido e começar sua nova vida na fazenda. Para Gwen, que sempre conviveu em um ambiente gentil e receptivo, mudar-se para um lugar em que existe uma barreira racial entre patrões e empregados, tudo será mais difícil.

“Quando ele tocava seu coração dessa maneira, ela se sentia segura e protegida contra qualquer infortúnio. Se não o tivesse conhecido, poderia nunca ter descoberto o amor, e fora graças ao amor que se transformara na esposa e na pessoa que era. O esforço valera a pena, e agora eles estavam prontos para enfrentar juntos tudo o que viesse pela frente. “
Para Laurence Hooper as coisas não podiam estar melhores, sua produção de chá estava dando os retornos esperados, os trabalhadores tâmeis estavam sobre controle, sua bela e jovem esposa estava, enfim, ao seu lado e seu trabalho na política estava tendo um pequeno, mas ainda assim, avanço. Ainda que a vida lhe sorria, Laurence se sente cada dia mais inseguro. Tendo perdido sua primeira esposa ainda jovem, ele alimenta em segredo um terrível medo de perder Gwendolyn também. Esse medo irá trazer uma indesejada distância em seu relacionamento.

Além dos problemas corriqueiros, como lidar com as contas da casa, eventos sociais, o relacionamento com os trabalhadores tâmeis e a distância do marido, Gwen também terá de lidar com Verity. A cunhada que resiste em seguir a própria vida e está sempre pendurada na aba do irmão, aproveitando as oportunidades para se meter entre Laurence e Gwen.


Há mais coisas nos Hopper do que se pode imaginar. E conviver com os segredos de família será cada vez mais difícil quando se decide constituir uma nova família tudo fica ainda mais complicado.

O PERFUME DA FOLHA DE CHÁ aborda um tema bastante polêmico, a distinção de classes. A maioria dos trabalhadores da fazenda é uma mistura de tâmeis e cingaleses, nativos da região. Com uma cor de pele mais escura e uma cultura diferente, os nativos são tratados como seres que não merecem conviver no mesmo ambiente ou receber o mesmo tratamento que os brancos. Lembrando que a história é ambientada no ano de 1913, época em que essa distinção era bastante comum.

O livro me surpreendeu bastante, principalmente o final, mas fiquei com um leve sentimento de que faltou alguma coisa em relação à Verity. Outra coisa que me incomodou um pouco, foram os diálogos, que ao invés do tradicional travessão, neste livro utilizaram as aspas. Esse pequeno detalhe não influenciou de maneira nenhuma a minha leitura, é mais um gosto pessoal mesmo. 


Não podia terminar de falar desse livro sem falar da capa. Sou uma pessoa muito apegada a elas, não vou negar, e O PERFUME DA FOLHA DE CHÁ tem uma das capas mais lindas que vi esse ano. As cores e o título em relevo com uma textura diferenciada me deixaram apaixonada, e ele com certeza vai ganhar um lugar bem especial na minha estante.


Compartilhe este post:

Kamylla Cristina

Pernambucana, graduanda de Biblioteconomia na UFPE, apaixonada por livros, música, seriados, doces e colecionáveis. Não gosto de livros digitais e sempre estou com um livro em mãos, não consigo respeitar lista de leitura e sempre compro mais livros do que posso ler. Beijo!

22 COMENTÁRIOS

  1. Adorei a resenha e fiquei bastante curiosa para saber os segredos dessa família. Já estou nutrindo um certo ódio da cunhada dela já que detesto pessoas intrometidas. Acho que adoraria ler esse livro, a capa é realmente é linda, espero compra-lo logo. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito feliz em saber que gostou da minha resenha Tailane!
      Espero que você possa lê-lo o mais breve possível.
      Beijos

      Excluir
  2. Kamylla, que lindo, amei o enredo, estava doida pra ler uma resenha do livro, já qro mto!!
    A escrita parece boa, preciso conhecer urgente!
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Aline,
      A escrita é boa sim, dá pra ler tranquilamente e os segredos fazem você querer ler cada vez mais.
      Bjs!

      Excluir
  3. Tem um bom tempo que ando namorando esse livro a historia é muito envolvente prendendo o leitor com os segredos da protagonista muito bom, espero poder conferir em breve quem sabe.
    Até mais!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depois de ler volta aqui e nos conta o que achou tá Marília.
      Beijo!!

      Excluir
  4. Adoro livros com uma pegada mais antiga e esse me chamou atenção pela época. Mas gostei de ver que aborda esse tema da diferença entre classes. É interessante poder ler uma história que mostre como era esse tipo de preconceito e o que mudou desde então. E parece que o livro é cheio de sentimentos, tem uma trama bonita, faz pensar e entretêm e tem um jeito legal de contar a história ao meu ver. Está na minha lista de desejados com certeza =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Cristiane,
      sim, sim, sim! O livro entretém e aborda o assunto seríssimo do preconceito racial, vale salientar que o preconceito não é o tema principal do livro tá. Mas a forma como ele é incluso na história deixa o leitor a refletir sobre costumes antigos.
      Espero que leia-o logo.
      Beijo

      Excluir
  5. Esse tema: a distinção de classes é pouco discutido a não ser nos romances de época, como se apenas antigamente isso acontecesse, por isso esse livro já me ganha de cara, está sim com certeza absoluta na minha lista de desejados, acho o título lindo e o enredo com certeza merece minha atenção

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Adriana,
      Hoje em dia muitos livros tem abordado temas ditos "polêmicos", esse não é um deles. Apesar de a distinção de raças e classes ser presente no enredo esse não é o tema principal do livro.
      Interessante sua observação a respeito dos romances de época, você tem razão. Acredito que o fator fundamental para essa pegada neste livro é o contexto principalmente geográfico do enredo.
      Boa leitura, beijão!

      Excluir
  6. Kamulla!
    Tenho vontade de ler, primeiro porque a ambientação é em um local totalmente diferente do que estou acostumada a ver nos livros e também pelo fato de entender realmente qual o papel dela diante da diversidade que encontra e como consegue enfrentar todos os novos problemas.
    “A sabedoria dos homens é proporcional não à sua experiência mas à sua capacidade de adquirir experiência.” (George Bernard Shaw)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE MAIO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Rudy,
      Que bom que se interessou por essa leitura. Se tiver a oportunidade de lê-lo aproveita cada página.
      Beijão!

      Excluir
  7. Primeiramente, também fiquei fascinada pela capa.
    Este livro já está na minha lista de desejados, acho o tema de distinção de classes muito interessante, principalmente aqui aliado a um mistério.
    Também não gosto de diálogos com aspas, acredito que a leitura não flua tão bem quanto o uso de travessões. Apesar dos pequenos pontos negativos, vou querer conferir a obra. Parabéns pela resenha! Fiquei com gostinho de quero mais!

    ResponderExcluir
  8. Essa capa realmente é linda!!! Eu confesso, compraria pela capa, mas me desanimou a resenha, esperava Muito mais desse livro!!!
    Com carinho
    One®

    ResponderExcluir
  9. Oi.
    A capa desse livro está muito bonita e gostei muito da premissa. Gosto de leituras que remetem a uma boa reflexão sobre temas importantes e que atingiram outras épocas, e muitas vezes, ainda nos acompanham.
    Resenha perfeita, parabéns. Espero, sinceramente, ter a oportunidade de ler esse livro.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Márcia!!
      E eu espero que você aproveite a leitura tanto quanto eu.
      Beijos

      Excluir
  10. Oi Kamylla, tudo bem?
    Também adoro a capa deste livro, essa ilustração é simplesmente maravilhosa. Gostei muito da sua resenha, eu quero ler este livro imediatamente hehehe
    Gosto de livros que tragam temas reflexivos e este é um deste por tratar dessa diferença entre raças.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Oi!
    A capa desse livro está mesmo espetacular.
    Num primeiro momento a premissa não me agradou, mas achei interessante que o enfoque seja sobre essas distinções de classes, pois gosto de ler sobre isso para entender melhor como as coisas aconteciam "naqueles tempos".
    Uma pena que você tenha sentido que faltou algo :/ tenho esse sentimento às vezes, mesmo quando não sei apontar exatamente o quê.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Fiquei com muita vontade de ler esse livro!! A história parece ser bem contada, com personagens bem escritos!! Gosto dessa reviravolta que a trama traz e que não deixa nada óbvio!! Só pela capa eu já leria o livro, está muito linda!! Acho que esse livro tira os leitores da zona de conforto e da mesmice!! Um livro cheio de mistérios em que fiquei curiosa para desvendá-los!!!

    ResponderExcluir