A GUERRA QUE SALVOU A MINHA VIDA

SINOPSE: Ada tem dez anos (ao menos é o que ela acha). A menina nunca saiu de casa, para não envergonhar a mãe na frente dos outros. Da janela, vê o irmão brincar, correr, pular – coisas que qualquer criança sabe fazer. Qualquer criança que não tenha nascido com um “pé torto” como o seu. Trancada num apartamento, Ada cuida da casa e do irmão sozinha, além de ter que escapar dos maus-tratos diários que sofre da mãe. Ainda bem que há uma guerra se aproximando. Os possíveis bombardeios de Hitler são a oportunidade perfeita para Ada e o caçula Jamie deixarem Londres e partirem para o interior, em busca de uma vida melhor. Kimberly Brubaker Bradley consegue ir muito além do que se convencionou chamar “história de superação”. Seu livro é um registro emocional e historicamente preciso sobre a Segunda Guerra Mundial. E de como os grandes conflitos armados afetam a vida de milhões de inocentes, mesmo longe dos campos de batalha. - Kimberly BRUBAKER BRADLEY - Editora DARKSIDE - 2017 - 240 páginas.

Ada vive uma guerra dentro da sua própria casa. A menina, que tem aproximadamente 10 anos de idade, é constantemente agredida, física e psicológicamente, pela mãe, porque tem o pé torto. Com isso, a garota não pode sair de casa, tem que ver sua infância passar pela janela, enquanto ela não pode fazer nada, nem ao menos andar.


Ada tem um irmão, Jemie, que tem 6 anos de idade, aproximadamente. Não sabemos ao certo, porque a mãe (a louca desvairada) não lhes diz a idade. Dai percebemos que a criação das crianças é péssima. Na verdade, "péssima" é um elogio. Ambos se viram praticamente sozinhos, e Ada daria a vida pelo irmão.

Enquanto isso, lá fora, está acontecendo a Segunda Guerra Mundial. Os Nazistas estão chegando na Inglaterra, e Londres resolve evacuar as crianças.

Ada, como qualquer criança, não entende o que esta acontecendo, nem sabe o significado da guerra. Porém, nenhuma criança quer mais do que ela, fugir da vida em que vive. Entretanto, sua mãe não se importa que a menina fique onde está, enquanto Londres  pode ser bombardeada a qualquer momento.
"Claro que não. Estão mandando as crianças para morar com gente boa. Quem é que ia querer você? eu respondo: Ninguém. Gente boa não  quer ficar olhando esse pé.
"Eu posso ficar com gente ruim. Não seria muito diferente de morar aqui"
Naquele momento, Ada toma uma decisão que muda sua vida: ela foge com o irmão, para serem evacuados junto com as outras crianças da escola de Jamie.


Eles são levados para o interior, onde as coisas são mais diferentes do que eles imaginaram. São acolhidos por Susan,uma mulher solteira que além de ensinar muitas coisas às crianças, também aprende muito com elas.

A GUERRA QUE SALVOU A MINHA VIDA é uma historia incrivelmente bonita e um pouco diferente do que estamos acostumados a ler. Quando se fala em livros que se passam na guerra, logo pensamos em vítimas. Quando descobrimos que são narrados por crianças, então, o aperto no peito cresce. Porém, como percebemos nesse, a guerra é a salvação de Ada. É a guerra mostrada de outro ponto de vista, claro, isso não a deixa menos terrível e cruel, mas somos convidados a imaginar um cenário diferente, a ver com os olhos dos personagens que a vida, apesar da guerra estar acontecendo, não parava, tinha que seguir.


Confesso que de início achei estranho a menina conseguir erguer-se tão rápido e adaptar-se ao mundo, pois pelo que tudo indica, nunca havia saído de casa, isso devia tê-la deixado mais desnorteada do que as outras crianças. Todavia, notamos que a cabeça da garota e seus sentimentos estão muito confusos, ela é incapaz de entender o amor, pois nunca foi tratada bem antes.

O livro é narrado em primeira pessoa pela menina, que vê seus horizontes expandidos e uma chance de viver a vida de outra forma, embora esteja fadada a conviver com o pé torto.

 Pensei no que Susan faria. Espichei o corpo, cravei os olhos no homem e disse, empertigada: "Meu pé ruim fica muito longe do meu cérebro".
A edição do livro está encantadora, com a capa que nos lembra retalhos e botões, diz muito sobre a história. A narrativa da autora é algo que gostei em particular. Quando o capítulo acaba aparentemente bem, na ultima linha algo acontece de sobressalto, somos sacudidos e não conseguimos parar de ler.

 "Foi isso o que aconteceu. Embora não como eu pensei que seria. No fim das contas, foi a combinação das duas guerras - o fim da minha pequena guerra com Jamie e o início da grande guerra, a do Hitler - que me libertou."
Com um final surpreendente, A GUERRA QUE SALVOU A MINHA VIDA não deixou nada a desejar para mim. É um livro lindo, que fala de família, amor ao próximo e aos animais, sobre sonhos, superação e recomeços.

Compartilhe este post:

Brena Carvalho

Sou cearense, amo música, livros, filmes, café, bebês, gatos, viagens (…) adoro escrever. Sonho cursar psicologia, viajar o mundo, enfim, ser feliz! (não necessariamente nessa ordem).

15 COMENTÁRIOS

  1. Olá Brena,
    Li este livro no mês passado e ainda me pego pensando nele. É uma obra que realmente mexe com a gente. Começando pela diagramação, que é divina, a leitura é uma obra de arte!
    A estória é fantástica, nos ensina muito sobre amor e família. O que é muito triste é o fato de a menina Ada não conseguir receber amor, pois nunca havia sido amada. Confesso que cheguei a chorar em algumas partes.
    As fotos ficaram maravilhosas! E o livro é daqueles cujas estórias levaremos no coração para sempre!! Simplesmente belo!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma obra de arte mesmo, Patricia. Maravilhosa e emocionante!

      Excluir
  2. Olá Brena!

    Tenho que admitir que a Darkside manda bem, a capa está ótima assim como o enredo da história que por sua vez se passa durante o período da segunda guerra mundial. Parabéns pela resenha, está bem interessante.

    Grande abraço,
    Victor N Souza
    www.cafeidilico.com

    ResponderExcluir
  3. Livros que algum conteúdo de Guerra e coisas assim sempre me chamam atenção. Com esse não foi diferente.
    Achei esse livro tão bonito e especial. Gostei por parecer algo um tanto diferente mesmo do que estou acostumada. A gente tem uma ideia na cabeça dos horrores que aconteceram naquela Guerra, as vítimas disso e tudo mais. Mas quando é algo narrado por crianças dá um clima mais forte, acho.
    O livro parece bem interessante pela personagem e o que a Guerra significou para ela. As coisas boas que acabou trazendo.
    É um dos meus desejados e quero muito ler =)

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia esse livro, mas achei a premissa linda demais, deve ser uma história emocionante! Além disso, sua resenha ficou incrível, muito bem escrita e direta, amei!

    ResponderExcluir
  5. Oi Brenna!
    Esse livro é mais que desejado pra mim. AMO esses temas e tenho muitos favoritos do gênero. Estou muito ansiosa pra descobrir sobre a vida da Ada e da forma dela de lidar com tudo que acontece. De certa forma, a mãe da Ada me lembrou a mãe da Liesel, que também é grossa pacas.
    Achei super fofa a relação dela com o irmão dela e da visão dela de enxergar as coisas. Não é fácil sofrer preconceito e ainda ser de boa com a vida. A autora trouxe uma nova perspectiva pro gênero e eu gostei muito disso.
    Ansiosa demais pela leitura s2

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Estou looouca pra ler esse livro, mas ainda não tive oportunidade :/
    A edição está a coisa mais linda e premissa é arrasadora. Fora que a maioria das críticas são positivas. O que só aumenta a vontade <3
    Gostei muito dos seus comentários e quero esse livro pra ontem (:
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Brena!
    Na verdade o maior terror que ela sofria era dentro de casa, por nunca ter tido amor e carinho.
    E é tão bom ver que pelo menos alguma coisa de boa a guerra trouxe, pelo menos para a protagonista.
    Estou com esse livro aqui para leitura e espero fazê-la em breve.
    Bom feriado!
    “Saber envelhecer é a grande sabedoria da vida.” (Henri Amiel)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JUNHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  8. Uma das coisas que mais gostei nesse livro, que eu ainda não li, foi a história em si. Sobre a Guerra e tudo mais. Gosto de livros com personagens jovens que falam um pouco sobre algo importante da história do nosso mundo.
    Amei essa capa, como sempre a DarkSide não economiza na parte física do livro!
    Lerei em breve.

    ResponderExcluir
  9. Oi, tudo bem?
    Primeiramente, parabéns pela resenha! Muito bem escrita e motivadora a leitura da obra. A edição está muito linda, assim como a maioria dos livros DarkSide.
    Gosto de leituras com esse tema e a premissa traz uma perspectiva muito interessante.
    A história desse menina já me contagiou e espero poder ler.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Oi Brena!
    Tem razão, a edição tá linda, enredo, capa, tema, escrita...Perfeitos!
    Dark arrasa sempre!
    Bjs e parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir
  11. A diagramação deste livro esta muito caprichada, eu já li diversos comentários positivos referentes a esta história, mas como não faz meu estilo de leituras histórias passadas em época de guerras ou sobre guerras, não me interesso em ler este livro, mas para quem curte este estilo de história, este livro é uma boa dica de leitura.

    ResponderExcluir
  12. Eu quero muito esse livro!
    A Darksidebooks é maravilhosa e só pública ótimos conteúdos.
    Esse livro já está na minha lista de desejados.
    Essa editora deixa o meu bolso vazio e o meu coração feliz!
    Adorei a resenha!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  13. Oi! Essa edição ta simplesmente maravilhosa! Eu to doida pra ler o livro e saber como é "ver" a guerra pela visão de uma criança e saber como a personagem segue sua vida em um novo lugar. Beijoss

    ResponderExcluir
  14. Oi, Brena!!
    A edição deste livro está sensacional achei linda demais e Estou muito curiosa para ler essa história tão linda!!
    Beijoss

    ResponderExcluir