BELLE

SINOPSE: Londres, 1910. Belle, de 15 anos, viveu em um bordel em Seven Dials por toda sua vida, sem saber o que acontecia nos quartos do andar de cima. Mas sua inocência é estilhaçada quando vê o assassinato de uma das garotas e, depois, pega das ruas pelo assassino para ser vendida em Paris. Sem poder ser dona de seu próprio destino, Belle é forçada a cruzar o mundo até a sensual Nova Orleans onde ela atinge a maioridade e aprende a aproveitar a vida como cortesã. A saudade de casa — e o conhecimento de que seu status como garota de ouro não durará muito — a leva a sair de sua gaiola de ouro. Mas Belle percebe que escapar é mais difícil do que imaginou, pois sua vida inclui homens desesperados que imploram por sua atenção. Espirituosa e cheia de desenvoltura, ela tem uma longa e perigosa jornada pela frente. A coragem será suficiente para sustentá-la? Ela poderá voltar para sua família e amigos e encontrar uma chance para a felicidade? - Lesley PEARSE - Editora NOVO CONCEITO - 2012 - 560 páginas.

Para ler BELLE, o(a) leitor(a) precisa abandonar seus preconceitos sobre a profissão mais antiga do mundo, situar-se na época em que a história se passa, 1910, e compreender a posição da mulher nessa sociedade majoritariamente machista, onde elas sequer podiam votar.

Filha de Annie, a dona de um bordel na Inglaterra, Belle, aos 15 anos, ainda não tem consciência da profissão da mãe e nem das garotas que moram na mansão. Para Belle, os homens que aparecem todas as noites para beber e dançar só querem esse tipo de diversão. Mesmo sendo proibida de sair do quarto após as cinco horas da tarde, quando os primeiros clientes chegam, ela aceita o que lhe é dito.

Isso até adormecer acidentalmente no quarto de uma das garotas, esconder-se debaixo da cama e descobrir toda a verdade. Mas ela também vira a testemunha de um assassinato. Por causa disso, Belle é sequestrada e vendida para um bordel na França, e depois para um de New Orleans, nos EUA. Começa então sua flagelação até conseguir retornar à sua cidade natal.

Belle não é uma personagem complexa, mas foi difícil compreender suas atitudes e seu jeito de pensar, mesmo me situando na época em que ela vive. 

No início do livro, quando Belle conhece Jimmy, um rapazinho um ano e meio mais velho do que ela, sente, pela primeira vez, o início do que é se apaixonar. Ela não consegue evoluir esse sentimento porque é sequestrada. Então, o que deveria ser um aprendizado natural, se transforma em um inferno. Ela é estuprada por cinco homens, em cinco noites diferentes, dentro de um quarto do bordel da França. A partir daí, o que se lê é uma sequência de acontecimentos que ela enfrenta com certa letargia.

A princípio, como disse antes, não entendi esse comportamento. Não era essa a atitude que esperava da personagem. Ainda mais quando ela consegue sair dos EUA e voltar à Europa. Ao invés de correr para os braços da família, ela se deixa envolver por uma vida como prostituta de luxo. Fiquei confuso e, durante a maior parte da leitura, não consegui empatia com a personagem, mas, sim, apenas com aqueles que, durante mais de um ano, persistiram na busca pelo seu paradeiro, como Jimmy e Mog.

Mog foi uma prostituta no bordel onde Belle cresceu, mas abandonou essa profissão para se dedicar a ser o braço direito de Annie. Foi Mog quem cuidou e educou Belle desde sempre, compensando a indiferença da mãe natural. Quando Belle é sequestrada, Mog encontra ajuda de Jimmy, de Garth, o tio de Jimmy, e de Noah, um jornalista, para conseguir pistas de para onde Belle foi levada. E os quatro insistem nessa tarefa até conseguirem.

E minha antipatia cresce quando Belle se apaixona e quase se entrega para Etienne, um mercenário francês que é pago para levá-la até os EUA. Depois que é sequestrada, ele é o primeiro que a trata com carinho e consideração, mesmo diante da tarefa que realiza. É um homem bonito, cortejador, cavalheiro, que, mesmo estando sob seu cativeiro, trata Belle como um ser humano, como uma garota bonita e no início de sua sensualidade como mulher. Mesmo assim, não conseguia compreender como ela podia nutrir sentimentos por um homem que a levava para ser prostituta em um bordel, poucas semanas após ela ter sido estuprada e ficado doente à beira da morte. Não batia, na minha cabeça, com as atitudes de uma pessoa real, que deveria estar traumatizada e com total repulsa pelo sexo masculino.

Mas no fim do livro, quando ela faz um resumo desses homens que passaram pela sua vida, finalmente consegui ver a capacidade narrativa e a verdadeira intenção da autora ao construir Belle.

Belle começou a conhecer o amor com Jimmy, mas o sentimento foi extinto pelo que ela passou em seguida. Ela simplesmente perdeu a capacidade de amar. Ela entregava sua paixão para quem a tratava com o carinho e a consideração que ela perdeu ao ser sequestrada.

Etienne era sua proteção, o homem viril que asseguraria seu bem estar. Ele era o herói que a salvaria, mesmo levando-a para a perdição, porque ela entendia que ele era casado, tinha filhos e precisava honrar o contrato para não ter a família assassinada.

Faldo, apesar de ser feio e de Belle se transformar em sua amante, era o homem que a tiraria do bordel de New Orleans e lhe daria chances de juntar dinheiro para voltar à Inglaterra. Sua afeição por ele era baseada no interesse, mas ela o tratava como se o amasse e sem fingimento. Seu sentimento por ele era real, dentro do que ela sabia sentir.

Jimmy era o símbolo de sua inocência e do que poderia ter sido o amor verdadeiro. Ela reconhece isso no fim do livro, quando compara o que sente por ele com o que sente por Etienne. Mas, da mesma forma que os outros, ela não sente amor eterno, mas o amor pelo momento. O momento de retorno ao lar, a uma vida que não condiz com o que ela se tornou e com o amor de Jimmy, que é mais puro e sincero do que ela pode compreender e retribuir.

A indiferença de Belle diante da vida que foi obrigada a aprender a viver, reflete, de forma sensível e perfeitamente plausível, o trauma pelo que passou. A sensibilidade da autora em demonstrar isso de forma tão singela e natural, é ímpar. Da mesma forma que ela descreve as cenas de relações sexuais, consentidas, pagas ou forçadas. Lesley Pearse escreve todas elas de maneira tão natural, tão sem exageros ou realces, que, mesmo as mais terríveis, não agridem de forma direta o leitor. E isso é um acerto, que não deixa a história cair no dramalhão insuportável de se ler.

BELLE é um livro bem escrito, com uma personagem inesquecível e que demonstra, através da própria ingenuidade, como é possível sobreviver às situações mais perversas que uma mulher pode se submeter e ser submetida. E, graças a habilidade da autora de conseguir transmitir leveza nas piores cenas, você segue a história até o fim e termina com a sensação de que leu um grande épico.

Compartilhe este post:

Carlos H. Barros

Tenho várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamento o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco ;>) -, e não saber desenhar O.O

13 COMENTÁRIOS

  1. Oi Carl!
    Que obra linda, gostei mto!
    O enredo parece ser bem escrito e desenvolvido.
    A personagem parece trazer um grande aprendizado aos leitores, eu qro ler pra conhecer com toda ctz!!
    Bjs e parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir
  2. Curti muito a resenha. Faz muito tempo que não leio um livro nesse estilo, onde uma cortesã é a personagem principal, e o mais legal, não é a vilã, como em alguns livros que conheço. Muito bom mesmo!

    ResponderExcluir
  3. Esse livro me impressionou muito quando li. Ficava com raiva da personagem algumas vezes das atitudes dela e de como ela tratava as coisas horríveis pelo que passava. Uns sentimentos que tinha, uma ingenuidade e sei lá, um certo descaso com umas coisas que não batiam pra mim. Mas é interessante ver tudo isso e o crescimento da personagem porque o jeito que a autora moldou a personalidade dela faz a gente perceber mesmo o trauma que passou, como enfrentou as coisas e como superou. Só lendo tudo pra entender essa história.
    E olha, o Etienne foi um dos personagens que mais me marcaram na leitura...não sei, o jeito dele e como ele tratava a garota me deixaram com uma vontade de saber mais dele ao ler. Torci por esse personagem, sabe? Ele me encantou.
    É de uma trama e tanto esse livro. Ele marca, ele faz a gente se importar com a personagem e ficar triste pelas coisas que a vida pode trazer pra uma mulher. Faz a gente perceber umas coisas...pensar. É muito bom.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com tudo, mas o Etienne, para mim, serviu a seu papel apenas, não nutri grande simpatia por ele. :)

      Excluir
  4. Olá!
    Faz um tempo que tenho vontade de ler esse livro, mas sempre acabo adiando a leitura. Parece ser muito legal e eu nunca li nada desse tipo. Gosto desse tipo de livro que desafia o leitor a abandonar preconceitos, questionar e refletir.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olá Carl, legal ver esse livro resenhado aqui.
    Eu o li já faz alguns anos, e me lembro que gostei bastante da estória (apesar de, como você, não ter criado empatia com a personagem logo no início).
    Acredito que talvez seja pelo fato de, após passar por tantos percalços em sua vida, Belle ter perdido a capacidade de amar.
    A saga de Belle continua em "Entre o amor e a paixão", que eu considerei melhor que o primeiro livro. Ele mostra como a vida das personagens vai se misturar e conta com várias surpresas ainda.
    Gostei bastante de ver sua opinião, que parece bem parecida com a minha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gostei muito do final de Belle, e peguei algumas informações sobre o segundo. Preferi não ler. Fico satisfeito apenas com este. Bjos

      Excluir
  6. Eu amei ler Belle e achei a história magnífica. Belle sofre muito mas nos faz compreender um pouco mais sobre este mundo. A continuação do livro está em Entre o Amor e a Paixão e aí você vai entender bem mais o que acontece. Eu adorei tudo e a autora entrou para minhas favoritas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, eu tenho a continuação, mas não vou ler. O final de Belle foi satisfatório para mim, não quero que o segundo estrague isso. Bjos!

      Excluir
  7. Oi.
    Não conhecia o livro, mas o enredo parece ser bem forte e profundo, prendendo a leitura de uma maneira bem especial. Acho que nunca li nada nesse estilo, mas espero ter a oportunidade de conferir.
    E espero virar fã da autora e suas obras.
    Obrigada pela dica.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  8. Eu não conhecia este livro, mas após ler sua resenha fiquei interessada em ler este livro, parece ser uma história bem forte, eu também não compreenderia algumas atitudes da personagem, mas se no final da para ver a verdadeira intenção da autora ao construir a personagem Belle, acredito que irei gostar da história deste livro, espero conseguir ler Belle em breve.

    ResponderExcluir
  9. Já fiquei interessada! Me fez lembrar do filme "Toque de Veludo". Já vou dar umas pesquisada sobre os valores dele, rs.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  10. Carl!
    Mesmo na ficção, tem algumas coisas que apenas as mulheres entendem, mesmo os homens mais sensíveis são incapazes de entender determinados comportamentos femininos em determinadas situações como Belle passou.
    Já tive oportunidade de ler esse livro e na minha opinião, foi uma mostra do que as mulheres passavam naquela época, ainda mais no ambiente em que a protagonista foi criada.
    E mesmo depois de tudo o que passou, acredito eu que na cabeça dela, não poderia ser nada mais nada menos do que aprendeu na infância e no que fui subjulgada.
    Para im foi um livro de entendimento e aprendizagem.
    Boas festas juninas!!!!
    “O que importa afinal, viver ou saber que se está vivendo?” (Clarice Lispector)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JUNHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir