DUNKIRK

SINOPSE: Na Operação Dínamo, mais conhecida como a Evacuação de Dunquerque, soldados aliados da Bélgica, do Império Britânico e da França são rodeados pelo exército alemão e devem ser resgatados durante uma feroz batalha no início da Segunda Guerra Mundial. A história acompanha três momentos distintos: uma hora de confronto no céu, onde o piloto Farrier precisa destruir um avião inimigo, um dia inteiro em alto mar, onde o civil britânico Dawson leva seu barco de passeio para ajudar a resgatar o exército de seu país, e uma semana na praia, onde o jovem soldado Tommy busca escapar a qualquer preço.
DIREÇÃO: Christopher NOLAN
DISTRIBUIÇÃO: Warner Bros.
ANO DA PRODUÇÃO: 2017
DURAÇÃO: 1H47
ELENCO: Kenneth BRANAGH, Cillian MURPHY, Tom HARDY e Mark RYLANCE

Imagine poder enxergar sua casa no horizonte e, mesmo assim, não poder chegar nela. Um oceano te separa de uma relativa segurança e sossego. É neste panorama que se desenvolve DUNKIRK, o novo filme do visionário diretor Christopher Nolan, responsável pela melhor franquia do BATMAN, O CAVALEIRO DAS TREVAS, e maravilhas como A ORIGEM e INTERESTELAR.

A França foi perdida, os alemães dominaram quase todo o país em poucas semanas. Usando um sofisticado sistema de guerra relâmpago, eles encurralaram todos os inimigos em um só lugar. A praia na cidade de Dunquerque, na França, é onde o filme se desenvolve. Lá, existe o último porto de grande escala que ainda não caiu nas mãos do eixo. O problema é que grande parte do exército britânico está preso nesta praia, e com o rápido avanço dos inimigos, logo eles seriam completamente massacrados, por isso uma missão de evacuação se inicia com a maior rapidez possível. Várias embarcações precisam cruzar o Canal da Mancha (mar que liga a costa francesa com a ilha da Grã-Bretanha) e resgatar o máximo de soldados possíveis antes que seja tarde demais.

O filme não é nada parecido com qualquer coisa que você já tenha visto. Não é intenção do roteiro criar personagens ou tramas, o que temos aqui é uma total imersão dentro desse caos que definiu o rumo do mundo em que vivemos hoje. O diretor nos joga no meio dessa luta pela sobrevivência logo na primeira cena, chega a ser até difícil respirar. Acompanhamos um jovem inglês que tenta de todas as formas entrar em uma embarcação, usa pessoas feridas para poder se salvar e jamais ficamos contra o mesmo, pois da forma que o personagem foi colocado no filme, não estamos vendo um rapaz tentando sobreviver, vemos nós mesmo em seu lugar.

O lance é tão sério, que estamos em vários lugares ao mesmo tempo, junto com o rapaz, temos pilotos da força aérea britânica lutando a todo o custo para evitar que bombardeiros explodam toda a praia, enquanto os soldados estão esperando no solo as embarcações. Some tudo isso a três civis que zarpam da Inglaterra com seu barco de passeio a fim de salvar quantos puderem. São três linhas de frente, três problemas que você, público, precisa lidar ao longo de todo o filme.

A reconstrução da época é feita com perfeição em todos os sentidos, desde as embarcações, uniformes dos soldados, até panfletos, que eram distribuídos para amedrontar os inimigos. Não é necessário ter um grande conhecimento histórico para entender a filme. Logo no início, temos alguns esclarecimentos com o objetivo de deixar o espectador imerso desde que o logo do estúdio dá espaço para a projeção começar. A trilha sonora de Hans Zimmer dita o ritmo do filme, as emoções do público e até em que momentos você vai ficar arrepiado(a), perfeição a níveis astronômicos.

Os efeitos visuais são mais um soldado em tela, sempre servindo a favor do filme e não querendo ser a única coisa que o filme tem a oferecer. Explosões, mudanças climáticas e devastações são criadas com uma perfeição sem precedentes em filmes de guerra. Como dito acima, o objetivo da produção é te jogar dentro do conflito. Logo, seu elenco trabalha usando emoções e ações. Contando com poucos diálogos, os atores dão o seu melhor e estão escalados de maneira eficiente. Destaque para o cantor Harry Styles que é o personagem com mais falas, mas longe de querer se exibir a frente de todos, ele é a própria encarnação do medo e das escolhas erradas, tem um grande futuro, caso apareça em mais filmes.

Fionn Whitehead é o personagem que acompanhamos desde o inicio e não precisa abrir a boca para entregar um desempenho bom. Juventude e temor passam dos seus olhos para os nossos. O veterano Kenneth Branagh, na pele do comandante da missão de evacuação, tem muita autoridade e protagoniza as cenas de maior tensão de todo o filme, não seria surpresa se aparecesse nas premiações do ano que vem. Cillian Murphy interpreta o trauma e o apavoramento, suas ações abrem diálogos e reflexões para o espectador, mesmo depois de o filme ter acabado.

DUNKIRK foge de todo e qualquer clichê que existe em muitos filmes sobre a Segunda Guerra Mundial, era a visão que faltava e que foi desenvolvida com muito empenho e força de vontade. Se em A LISTA DE SCHINDLER, nós sofremos junto com as vitimas do Holocausto, DUNKIRK está aqui para te transformar em um soldado e lutar pela sobrevivência. Nada consegue superar o instinto humano de perseverança e nada é mais reconfortante como a sua casa e sua família.

Este texto e esse filme são dedicados a todas as pessoas que lutaram, morreram e sobreviveram nessas praias. Foram evacuados mais de trezentos mil soldados, que serviram para reestruturar a força britânica, que lutou sozinha durante um ano, até a entrada dos Estados Unidos e União Soviética, unindo-se com os britânicos para derrotar por completo os países do Eixo (Alemanha, Japão e etc.).

Compartilhe este post:

Rafael Yagami

Cinéfilo compulsivo, amante de livros e musica. A leitura e os filmes sempre me ensinaram a confiar em mim e ter sonhos grandes e é com isso que me armo todos os dias para lutar pelos meus objetivos.

8 COMENTÁRIOS

  1. Oi Rafael!!
    Eu e o maridão estamos aguardando esse filme, parece bom!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um filmaço para qualquer um, espero que goste :)

      Excluir
  2. Rafael!
    Além de ser um filme rico em termos históricos, parece que a produção e a direção conseguiram o objetivo de fazer com que o apreciador, envolva-se no filme (ainda mais se for em 3D), parece que estamos lá, junto deles, acompanhando todo sofrimento e agonia.
    Deve ser um filme espetacular.
    Maridão quer muito assistir.
    Bom final de semana!
    “Ciência é conhecimento organizado. Sabedoria é vida organizada.” (Immanuel Kant)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JULHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um dos melhores do ano ate agora, ele foi apenas lançado em 2D, o 3D seria desnecessário e esse diretor é muito honesto, não usa essa tecnologia visando apenas fazer dinheiro, usa se for necessária, ele já ganha pontos por fazer a gente economizar um pouco no ingresso né rs

      Excluir
  3. Torna-se um filme necessário, relevante e artisticamente irrepreensível nas mãos do diretor Chris Nolan, mas ao mesmo tempo produz uma história frágil, entrecortada que nunca se deixa ser absorvida onde a soma das partes parece ser menor que o todo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um espetáculo de tensão e beleza, realmente um dos filmes mais bonitos do ano

      Excluir
  4. Olá!
    Adorei a indicação do filme. Estou doida pra ver!
    Adoro o diretor e por isso já dá pra esperar grandes coisas desse filme <3
    Parece ser um ótimo filme!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse diretor nunca decepciona né, com ele já temos garantias que um bom filme será entregue ao espectador.

      Excluir