ONDE A LUA NÃO ESTÁ

SINOPSE: Numa viagem de férias em família, dois irmãos saem numa aventura infantil no meio da noite, mas apenas um deles volta a salvo para casa. Finalista do Costa Book Awards, Onde a lua não está é o elogiado romance de estreia de Nathan Filer, enfermeiro da área de saúde mental e poeta performático britânico. Permanentemente assombrado pela morte do irmão, portador da Síndrome de Down, Matthew nunca desistiu de tentar entender o que aconteceu na fatídica noite e acredita ter descoberto uma maneira de trazê-lo de volta, neste comovente romance de formação que inspirou um curta-metragem dirigido por Udo Prinsen. - Nathan FILER - Editora ROCCO - 2014 - 272 páginas.

Quando Matthew e Simon resolvem sair para dar um passeio no meio da noite, durante as férias da família, nenhum deles imagina que acontecerá um acidente terrível, que acabará matando Simon. Como se perder o irmão mais velho não fosse o suficiente, Matt carrega uma culpa terrível pela morte de Simon. Isso porquê o menino era portador da Síndrome de Down, o que acabava fazendo com que os pais superproteres culpassem o caçula por tudo de ruim que acontecia.


Assim, em ONDE A LUA NÃO ESTÁ, Matthew, com seus 19 anos, narra a sua história, mais especificamente como o acidente com o irmão na infância (que só é descrito mais tarde), mudou a sua vida. Com o passar dos anos, o protagonista desenvolve um transtorno mental, que ele chama de "serpente que escorrega", claramente causado pelas lembranças tristes que possui do dia em tudo mudou em sua vida.


A narrativa não é linear, isto é, Matthew mescla várias épocas de sua vida, como flashes de tudo o que ele se lembra do seu passado. Parece um pouco confuso no início, pois essas lembranças podem acontecer com Matthew em diversas idades, e isso não é muito bem especificado, mas no final tudo faz sentido. Além disso, a narrativa, em si, é propositalmente confusa para ilustrar a esquizofrenia do personagem, portanto é uma história que deve ser lida com 100% de atenção.

Nathan Filer consegue nos colocar na cabeça de Matthew de uma forma que nem eu consigo explicar. Imagino que o personagem é tão real, pelo fato de Filer ter sido enfermeiro da área de saúde mental em hospitais psiquiátricos. De acordo com as lembras de Matt, passei vários momentos, durante a leitura, imaginando se a doença dele sempre esteve lá e foi libertada pelo acontecimento traumático, ou se realmente foi causada pela dor e pela culpa.


Assim como Matthew, não criei muita afinidade com os pais dele. Quer dizer, tudo o que sabemos sobre os dois é pela visão do protagonista, que nunca adquiriu proximidade com eles, principalmente porque toda atenção era voltada para Simon. Eu, particularmente, ficava extremamente indignada e triste por colocarem uma carga de culpa tão grande em uma criança tão pequena. Então, sim, apesar de ser um sentimento terrível, eu senti muita pena de Matt durante toda a leitura.


ONDE A LUA NÃO ESTÁ não é um livro fácil. É daquelas histórias tristes, mas não do tipo que a gente chora por um tempinho e depois fica tudo bem. É aquele triste que você fica remoendo um tempo, pensando, se doendo. A história de Matthew é daquelas que não devem passar despercebidas...

Compartilhe este post:

Ana Clara

Nasci em uma cidade do interior de Minas Gerais, chamada São Domingos do Prata. Já rodei todos os cantos do estado, até que surgiu a oportunidade de eu vir estudar em Diamantina. Amante de livros desde pequena - devo agradecer à minha mãe por isso -, sonho em ter uma biblioteca pessoal.

10 COMENTÁRIOS

  1. Adorei a resenha, o título e a capa me chamaram muita atenção ao contrário da premissa que é demasiadamente monótona - na minha opinião. Parabéns pela resenha, gostei muito.

    Grande abraço,
    www.cafeidilico.com

    ResponderExcluir
  2. Ual Ana!
    Não conhecia o livro ainda, gostei bastante apesar do enredo ser triste, mas sempre me envolvem...
    Qro ler!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Gente, que livro!
    Eu ainda não o conhecia mais fiquei fascinada. Gosto de leituras mais difíceis de vez de quando, pois elas nos colocam fora de nossa zona de conforto.
    Imagino como a culpa vem retratada pela narrativa de um rapaz agora de 19 anos que nunca superou seu trauma e envolvimento na morte do irmão. Acredito que seja um peso que ele levará ao longo de toda sua vida. Também achei um absurdo os pais depositarem um fardo tão grande em uma criança.
    Acredito também que este evento tenha sido responsável pela escolha profissional do rapaz, ele sente que trabalhando com os doentes pode de certa forma, rende uma homenagem ao irmão e tentar amenizar sua culpa.
    Obrigada pela indicação, vai já para a minha lista de desejados!

    ResponderExcluir
  4. A capa do livro é linda!
    Não imaginaria que a história fosse essa. Se lendo a resenha eu fiquei sentida pelo Matthew, imagina lendo a história. Eu noto esse pressão dos pais sobre os filhos mais velhos, e o Matthew deve ter sofrido o dobro de pressão e o dobro de culpa pela morte do irmão, mesmo não sendo o irmão mais velho :/
    Achei a estrutura da história interessante, deixando o leitor confuso que nem os pensamentos do Matthew.
    Obrigada pela indicação, Ana!
    Abc

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia o autor, já tinha visto esse livro nas lojas Americanas da minha cidade, mas na hora, tava com pressa e nem parei pra ler a sinopse. Só pelos quotes já fiquei morrendo de vontade de ler. A premissa do livro parece ser muito boa, eu adoro dramas e histórias que mexem conosco por muito tempo.

    ResponderExcluir
  6. Ana!
    Gosto dos livros que trazem doenças psicológicas em sua abordagem e aqui temos não apenas a esquizofrenia, mas também a Síndrome de Down.
    Deve ser doloroso para o protagonista carregar o peso da doença do irmão, ainda mais quando ele desaparece e o ficam culpando.
    A leitura deve ser densa e tensa em alguma passagem.
    Um maravilhoso final de semana!
    “Não saber é o que torna nossa vida possível.” (Lya Luft)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JULHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Deve ser bem difícil ler esse livro!
    Sendo a criança meio que culpada pelo acidente do irmão e desenvolve uma doença é claro que o leitor precisa ler com cuidado para não deixar passar nada!
    Nunca ouvi falar sobre esse livro e nem do autor, e parece ser muito boa!
    A premissa é bastante instigante.

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Ainda não conhecia o livro e amei a premissa!
    Adoro livros que tratam de temas difíceis e que conseguem passar todo esse peso que o personagem sente para os leitores. Ainda mais acrescentando temas super importantes como uma criança com síndrome de down e o tratamento diferenciado dos pais.
    Vou procurar para ler <3
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Oi Ana! Nossa, que dor no coração só de ler tua resenha, fiquei curiosa para conhecer melhor a

    estante450.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oi, eu acho bem fácil, os pais darem mais atenção ao filho deficiente - até conheço um caso - já culpar o menino, ainda criança é pesado.
    Livros psicológicos me atraem, e o fato do autor ser da área da saúde, deve acrescentar bastante, e você também se pergunta se a história é real :'(
    Ótima resenha.

    ResponderExcluir