TRASH

SINOPSE: Não por acaso, Raphael, Gardo e Rato são adolescentes que vivem e trabalham no lixão de Behala, situado em um país de terceiro mundo não nomeado, mas que poderia ser qualquer um da América Latina. A ocupação deles é revirar o lixo em busca de plástico e papel, de onde tiram o sustento da família. Dia após dia, sabem exatamente o que encontrarão: barro e mais barro. Ainda assim, sempre esperam por algo surpreendente, que altere essa difícil realidade. Até que eles enfim têm um dia de sorte – mas o bilhete premiado se mostra muito mais perigoso do que parecia. O segredo está em uma bolsa encontrada em meio ao lixo, contendo um documento, algum dinheiro e uma chave dourada que pode abrir todas as portas da miséria que os enclausura – ou fechá-las para sempre - Andy MULLIGAN - Editora COSAC NAIFY / SESI-SP - 2013 - 226 páginas.

Oi! Aqui é o Carl!

Queria contar que conheci três garotos incríveis: o Raphael, o Gardo e o Rato (o nome dele é Jun-Jun, mas todos o conhecem pelo apelido, mesmo). Eles moram em um depósito de lixo chamado Behala, nas Filipinas. Sobrevivem vendendo aquilo que encontram. Sim, sobrevivem, porque não posso dizer que seja vida o que eles levam. Andam descalços para sentir o tipo de lixo que pisam. Assim sabem se é valioso o suficiente para justificar seu recolhimento.

Eles são muito leais, verdadeiros amigos. O Raphael tem 14 anos, é inteligente, sensível, amoroso. Tem um sorriso encantador.

O Gardo também tem 14 anos, é um pouco mais alto e forte, tem o cabelo raspado e é o protetor da turma, sempre disposto a enfrentar os perigos.

E o Rato, de 11 anos, é muito magro, cheio de segredos e planos, mas sempre encontra uma saída para os piores problemas.

Eles são incríveis! É muito fácil gostar deles.

Também conheci o padre Juilliard, o responsável pela Escola Missionária Pascal Aguila, que é feita de containers abandonados por navios e fica ao lado do lixão; e a irmã Olivia, uma inglesa que até quis adotar o Rato, mas o padre Juilliard não deixou.

E como conheci eles? Bem, um dia ouvi falar da história de três garotos que não tinham nada, a não ser seus ideais. E através deles, depuseram um importante político.

Fiquei curioso para saber como e fui atrás deles.

A polícia também. Ela queria fazê-los desaparecer.

Descobri que os três encontraram uma carteira com uma chave. A chave levou a uma carta. A carta a um código secreto. O código a um prisioneiro. O prisioneiro a uma Bíblia. A Bíblia a uma fortuna em dinheiro. O dinheiro... nossa, vocês não têm ideia do que aconteceu.

Mas como isso é possível, você se pergunta. Um certo Andy Mulligan lançou um livro com o depoimento dos três, do padre e da Olivia. Procure esse livro e conheça uma história de determinação, coragem, lealdade, honestidade e amizade.

Quanto a mim, depois de conhecer os três e acompanhar suas aventuras, fiquei triste por deixá-los. Mas a vida deles era outra, bem diferente da minha. Felizmente, não mais no lixão. E eles encontraram uma menina. Quem?

No fim, queria saber mais sobre eles, mas a única notícia que chegou até mim, é que... bem... vou deixar você mesmo descobrir.

Ah, também fiquei sabendo que a história deles rendeu um filme dirigido por um cara conhecido, o Stephen Daldry. Só que passado aqui no Brasil, o que não torna o lixão assim tão diferente. E nem os três garotos. Você pode assistir ao trailer logo abaixo.


Mudaram algumas coisas para adaptar, mas poucas. Deram um rosto à polícia, o Selton Mello. Também tem o Wagner Moura como o autor da carta que eles encontraram no lixão. O padre Juilliard é o Martin Sheen, e a irmã Olivia é a Rooney Mara.

Não resisti e vi esse filme. Ele está disponível no NETFLIX, estreou esta semana!

O Gardo e o Rato até ficaram parecidos. O Raphael ficou com o cabelo menos liso, mas O.K., valeu assim mesmo. De resto, eram eles. Os mesmos sorrisos, os mesmos olhares. Os três garotos do lixão de Behala, ou do Rio de Janeiro, ou de Belo Horizonte, ou de São Paulo, ou de qualquer outro lixão que transforma a vida em uma luta e onde o amanhã só é visto por um dia, uma vez que não se sabe se estará vivo quando amanhecer.

Saí do cinema com um sorriso no rosto e uma lágrima de saudades.
“Aprendi mais do que seria possível aprender em qualquer faculdade. Aprendi que o mundo gira em torno de dinheiro. Há valores, virtudes e morais; há relacionamentos, confiança e amor - tudo isso importa. No entanto, o dinheiro é mais importante, e pinga o tempo todo, como se fosse água. Alguns bebem muito dessa água; outros passam sede. Sem dinheiro, você encolhe e morre. A falta de dinheiro cria um deserto onde nada cresce. Ninguém sabe o valor da água até morar em um lugar árido e seco - como Behala. Tantas pessoas moram lá, esperando a chuva chegar.”

Compartilhe este post:

Carl

Tenho várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamento o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco ;>) -, e não saber desenhar O.O

13 COMENTÁRIOS

  1. Nossa Carl ouvi dizer mto sobre esse livro, o enredo é mto lindo, e que bom saber que tem o filme, assim eh bem melhor tb pra conhecer mais detalhes, eu adorei, qro ler!
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. CARACAS CARL, já vi várias resenhas positivas relacionadas a este título e sempre tive a curiosidade de le-lô mais acabei me esquecendo, pois são tantos livros. Agora que li sua resenha já vou anotar em minha wishlist. rsrsrs

    Grande abraço,
    www.cafeidilico.com

    ResponderExcluir
  3. Eu não li o livro, que parece ser muito bom, mas assisti o filme e:
    Os garotos foram tão naturais e cativantes que nem liguei pra selton e wagner em cena.
    Ótimo filme do qual eu coloquei muita expectativa e estava com medo de me frustrar mas não aconteceu...Boa dose de drama e descontração ao mesmo tempo.

    ResponderExcluir
  4. Bem diferente ele.
    Nunca li algo sobre garotos que vivem perto de um lixão e etc.
    Achei bem interessante E o fato deles serem bem amigos já ganhou um ponto comigo.
    Vou ler o livro e depois vejo o filme.
    Beijoss.

    ResponderExcluir
  5. Eu não li o livro e nem conhecia o autor. Não sei porque me lembrou capitães de areia, o livro e o filme.
    Os garotos estão com a personalidade real e isso é muito importante. O lixão como cenário, a importância do dinheiro, o valor do ser humano e o valor de um papel.
    O filme tem um elenco de peso e amo o Selton e o Wagner. São dois atores muito feras.
    Vou assistir o filme com certeza.
    Obg pela indicação.
    Abc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi,Nayane! Talvez porque capitães também tem seus personagens como crianças. Mas a semelhança acaba aí, não há nenhuma relação mesmo ;)

      Excluir
  6. Nossa, Carl, que livro! Eu ainda não conhecia!
    O enredo é fantástico, e o cenário poderia com certeza acontecer no nosso país.
    Pelo jeito, o ambiente do lixão proporcionou aos garotos a chance de uma grande aventura, repleta de mistérios (amo narrativas com códigos secretos e caça às pistas). Tal aventura vem pautada na base de uma grande amizade.
    Muito bom saber sobre o livro e o filme. Vou procurar por ambos! Obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma dica para quem for comprar: hoje a Amazon está com frete grátis. O livro está R$12,90

      Excluir
    2. Quem não comprar, vai perder uma grande história!!!!

      Excluir
  7. Carl!
    Bom ver um livro/filme que retrata a vida de três meninos que moram no lixão, mas ainda assim, tem dignidade em fazer o que é certo e coragem para enfrentar o que está porvir, desde que se mantenham unidos.
    Linda lição!
    “Bendito seja eu por tudo o que não sei, gozo tudo isso como quem sabe que há o sol” (Fernando Pessoa)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JULHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Ainda não conhecia nem o livro e nem o filme. Fiquei bem curiosa porque a premissa é muito boa. Gosto quando pessoas que tinham tudo para ir para o mau caminho se unem e fazem coisas certas.
    Vou assistir o filme com certeza!
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Oi, nunca tinha lido nada sobre esse livro, mas fiquei curiosa, é imprevisível o que o ser humano faz por necessidade e uma pena que tenha gente que more em lugares tão ruins.
    Eu acho muito triste ver e ouvir essas histórias, mas também necessário porque às vezes isso acontece bem perto.
    Eu tô sem tempo pra ler, mas o filme quero assistir com certeza.

    ResponderExcluir
  10. Oi!! A história é muito emocionante e parece fazer qualquer pessoa chorar e refletir sobre a vida em geral!! Eu não leio livros brasileiros por falta de costume mesmo, mas esse me deu muita vontade de ler , apesar de ser triste , vale a pena! bj!

    ResponderExcluir