PIANO VERMELHO

SINOPSE: Ex-ícones da cena musical de Detroit, os Danes estão mergulhados no ostracismo. Sem emplacar nenhum novo hit, eles trabalham trancados em estúdio produzindo outras bandas, enchendo a cara e se dedicando com reverência à criação — ou, no caso, à ausência dela. Uma rotina interrompida pela visita de um funcionário misterioso do governo dos Estados Unidos, com um convite mais misterioso ainda: uma viagem a um deserto na África para investigar a origem de um som desconhecido que carrega em suas ondas um enorme poder de destruição - Josh MALERMAN - Editora INTRÍNSECA - 2017 - 320 páginas.

Quando o assunto é um livro de terror, daqueles bem tensos, geralmente vem à cabeça textos que tenham monstros ou coisas sobrenaturais, dificilmente você vai associar, de primeira, terror a um livro que não tenha nenhuma dessas coisas. Levando isso em consideração, vamos para PIANO VERMELHO sem saber o que esperar e isso não poderia ser melhor, porque o autor já chega na sinopse prometendo abalar suas estruturas.

A estranha história acompanha um grupo de músicos/militares que precisam investigar a origem de um som estranho num deserto africano, especificamente na Namíbia. Porque esse som é importante? Aparentemente, quando reproduzido, ele inutiliza qualquer tipo de arma, inclusive nuclear, além de praticamente esfolar um ser humano. Isso também inclui enjoos fortes, alucinações e até renascimentos.

O livro é divido em dois blocos, alternando-se entre capítulos. Primeiro acompanhamos a expedição para o deserto, desde o exercício recrutando os músicos para o serviço, até a missão em si. Em seguida, temos o ponto de vista de um “sobrevivente” da expedição que está internado em um hospital militar. O indivíduo acordou de um coma longo depois de ter chegado com todos os ossos do corpo quebrados. Nessa parte, temos a visão de enfermeiros, médicos, e, como se passa nos dias atuais, é aqui que se concentra o desfecho da história.

Basicamente, o personagem principal é Philips, um veterano da Segunda Guerra Mundial, integrante de uma banda junto com os Danes, rapazes que também vão para a expedição. Ele não é o mais forte ou inteligente do grupo, é apenas um homem que aceita participar disso tudo por dinheiro, logo se vê protagonizando esse jogo por ser o único que consegue se safar de todos os maus bocados que eles vivem no deserto. Seu ponto de vista transmite muita realidade e acaba sendo fácil se botar em seu lugar, Philips tem medos e age sempre pensando neles.

A leitura é dividida em capítulos pequenos, dando um ritmo delicioso ao livro, e sempre inicia seus capítulos com uma pagina preta, com certeza um bom diferencial, com um propósito competente para a linda edição brasileira, que ficou a cargo da Intrínseca. O autor, Josh Malerman, o mesmo de CAIXA DE PÁSSAROS, não está preocupado em desenvolver algo grandioso ou mirabolante, sua trama consegue ser apavorante apenas abordando algo que é muito difícil de se imaginar. Quando o assunto é leitura, o publico precisa botar o cérebro pra funcionar e usar toda a sua criatividade, mas aqui o grande vilão é um som que quase não tem descrição, tornando tudo, no final, pior ainda. Temer algo que não se pode imaginar é aterrorizante.

O grande desfecho do livro é de fato muito grande, mas não relacionado à duração. Nas últimas setenta paginas, a trama dá uma virada de ponta a cabeça e explode seus neurônios, é algo que você em nenhum momento desconfiou. A leitura no início é interessante, por você achar que está dominando o livro, o autor brinca com a sua noção de clichê a todo o momento. Mesmo sendo maravilhoso, imagino que qualquer spoiler relacionado ao desfecho pode prejudicar sua futura leitura, ou seja, melhor eu parar por aqui, para não me comprometer e soltar algo sem querer.

O que é o medo pra você? Por que moldamos o desconhecido para ser menos assustador? Por que o inexplicável é tão apavorante? Isso e muito mais, em PIANO VERMELHO!



Compartilhe este post:

Rafael Yagami

Cinéfilo compulsivo, amante de livros e musica. A leitura e os filmes sempre me ensinaram a confiar em mim e ter sonhos grandes e é com isso que me armo todos os dias para lutar pelos meus objetivos.

32 COMENTÁRIOS

  1. Quando li caixa de pássaros, realmente o que me assustou foi este desconhecido, algo que não era palpável, mas aterrorizava quem passava, e exatamente isto que vemos neste novo lançamento, um som desconhecido capaz de neutralizar qualquer arma, e ainda derrubar um exercito, acredito que acompanhar esta aventura, deve mexer com o psicológico do leitor. Fiquei surpresa com sua resenha ao dizer que nos final do livro a estória da uma revira volta e nos surpreende, confesso que tenho altas expectativas em relação a esta leitura.

    Participe do TOP COMENTARISTA de AGOSTO, para participar e concorrer Ao livro "Dois Mundos", o primeiro da série "Tesouros da Tribo de Dana" da escritora Simone O. Marques, publicado numa edição linda pela Butterfly Editora.
    http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu ainda não li Caixa de Pássaros, estou ansioso para conferir esse livro que tanto elogiam. Confira sim Piano Vermelho, com certeza irá gostar!

      Excluir
  2. E ai Rafael! Tudo bem?

    O livro tem uma proposta bem interessante, um som que pode causar renascimento, não é todo dia que se ouve coisa assim ainda mais em uma obra.

    Adorei a capa, mas talvez questões físicas não chamariam a minha atenção, mas a sua resenha está ótima me agradou bastante.

    Grande abraço,
    www.cafeidilico.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A edição é muito bonita quando manuseada a mão, por fotos dão dá pra ver como o quão bonito está o livro, mas quanto a seu conteúdo é talento de sobra e um deleite para o leitor!

      Excluir
  3. Eu adorei o jeito desse livro exatamente pelo mistério desse terror que ele apresenta. Se a gente não consegue nem imaginar como é que lê um torço desses? xD Achei bizarra a história desse som e como ele consegue ser o protagonista da trama. Parece que o autor não explora muito dos personagens, das pessoas e suas histórias e a gente não tem muito espaço pra simpatizar ou se importar tanto com eles. Ele parece se jogar no lado aterrorizante da trama e em todos esses sentimentos que pode causar no leitor, nas sensações. É bem diferente, eu achei. E por isso me deu vontade de ler.
    E esse final já dá uma curiosidade pra saber como é. Adoro ser surpreendida e quando ler espero que as coisas sejam boas assim mesmo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como eu disse na resenha, o autor tem bastante tempo para desenvolver seus personagens, com certeza você vai sentir medo ou afeição por eles. Philips por exemplo é um grande personagem, com muito desenvolvimento e personalidade interessantíssima.

      Excluir
  4. Oi Rafael! Li Caixa de Pássaros e amei. Adorei tudo que o Josh fez naquele livro. Quando eu soube da publicação desse, eu fiquei ansiosa pela leitura. Vi uma resenha detonando o livro e fiquei com um pé atrás. Gostei do teu posicionamento em relação a leitura, pq agr posso ficar mais tranquila de que o livro não é perda de tempo. O Josh sabe lidar com os sentidos das pessoas, e ele soube usar o meu em Caixa de Pássaros. Toda essa história construída no deserto e sobre esse som misterioso, é a cara do autor. Espero gostar dele tanto ou mais do que Caixa de Pássaros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ficar tranquila que perder o seu tempo você não irá, ta muito bem escrito e tem um ritmo delicioso, quando se der conta já estará quase na metade do livro, espero que goste!

      Excluir
  5. Confesso que minah concepção de terror é um pouco diferente. Logo no inicio da resenha já vi que esse iria entrar para a minha lista de desejados.
    Comprei Caixa de Pássaros semana passada e já estou louca para devorar.
    Adoro autores que saem do clichê.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, a trama de Piano Vermelho pode ser o que for, mas clichê ela não é, o autor brinca com nossas sensações e percepção daquilo que já conhecemos, é uma ótima pedida para quem gosta de uma leitura intensa.

      Excluir
  6. Olá!
    Ainda não li Caixa de Pássaros, mas está na lista de leituras do ano e pretendo ler ainda esse ano.
    Já estou super curiosa para ler Piano Vermelho. A premissa está ótima!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também não tive a oportunidade de conferir Caixa de Pássaros, parece ser incrível. Esse autor em Piano Vermelho se provou um dos meus favoritos.

      Excluir
  7. Olá, ainda não tive a oportunidade de ler o livro Caixa de Pássaros mas está na minha lista de desejo, como esse livro acabou de entrar. Estou curiosa pra saber como é realmente este livro, vou comprar e ler o mais rápido possível! Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que goste, a leitura é deliciosa e flui naturalmente!

      Excluir
  8. Olá Rafael, tudo bem?
    Eu gostei muito de "Caixa de pássaros" e a sinopse deste novo livro também me abalou!
    Meu gênero de leitura favorito é terror/thriller, e este livro parece aliar as duas coisas. O terror com monstros não me agrade muito, prefiro quanto há um mistério envolvido que nos faz roer as unhas ao ler o livro.
    Gostei de como o protagonista é definido, parece que estamos vivendo as situações no lugar dele. O autor também consegue, ao manter um ritmo dinâmico com capítulos curtos, criar uma atmosfera própria para o leitor, que se vê envolvido na estória e no mistério originado pelo som.
    Estou louquinha para mergulhar neste terror e ver tudo de cabeça para baixo com o desfecho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nos últimos capitulos eu já não tinha mais unhas, é eletrizante demais. Com certeza um dos destaques do ano no quesito leitura contagiante.

      Excluir
  9. Oi,Rafael!
    O que dizer de sua resenha? Excelente!
    Li Caixa de Pássaros e foi uma leitura incrível, pois fiquei todo o tempo tensa e ansiosa, pelas descobertas e acontecimentos, que se seguiam, no enredo. Gostei muito e sempre indico esse livro! E, estou com grande expectativa para ler Piano Vermelho!
    Agora, depois de tudo que você comentou sobre a obra, minha ansiedade foi as alturas, pois tenho certeza de que será uma leitura fantástica e cheia de emoções. Espero ler em breve!
    Leia Caixa de Pássaros, assim que possível!
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já estou desesperado para conferir Caixa de pássaros!

      Excluir
  10. Rafael!
    Li Caixa de pássaros e até gostei, mas não foi mesmo lá essas coisas todas.
    Bem curiosa em ler Piano Vermelho.
    Pelo que entendi, o autor agora vai usar outro sentido para conduzir o enredo.
    E o terror pelo que é desconhecido, continua aqui, trazendo aquele medo que não entendemos direito do porque surge...
    Desejo um final de semana mais que tranquilo e abençoado!
    “Deus com Sua infinita Sabedoria, escondeu o Inferno no meio do Paraíso para que nós sempre estivéssemos atentos.” (Paulo Coelho)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE AGOSTO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, um dos melhores pontos do livro é que mexe muito com nossos sentidos

      Excluir
  11. Oi Rafael!! Li A Caixa de Pássaros e confesso que não me agradou, não pela história mais porque achei que o final deixou muito a desejar, mais eu amo um bom suspense, e O Piano Vermelho não parece deixar nada a desejar, como você mesmo citou o autor consegue enganar o leitor, quebrando o clichê! Obg!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda quero conferir caixa de pássaros, realmente esse autor sabe mexer com nossas sensações!

      Excluir
  12. Oi! Tenho muita curiosidade em ler esse livro para saber se o autor manteve o mesmo nível que teve em Caixa de pássaros, mas por outro lado tenho medo de ler e me decepcionar. Adorei saber que o autor brinca com o leitor e muda o rumo do livro nos deixando surpresos. Amo isso. Beijoss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre existe aquele receio com o novo livro de um autor que impressionou tanto em seu primeiro texto, vale muito a pena conferir esse e tenho certeza que irá gostar!

      Excluir
  13. Essa resenha está incrível! Apesar de passar longe de livros como este, fiquei super curiosa e com vontade de ler. Adoro ser surpreendida com alguma reviravolta inteligente durante a leitura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As vezes é bom se aventurar em coisas novas né, nunca sabemos as joias que estão esperando para serem descobertas! :)

      Excluir
  14. Aquela resenha que faz você NECESSITAR a leitura do livro!! Já li inúmeras resenhas sobre e estou cada vez mais curiosa para adentrar e descobrir esta aventura e este mistério. Adorei fazer que a leitura se torna fluente e que possui reviravoltas, palavras que atiçam nossa curiosidade sempre, né? Já esta na lista de desejados!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É aquele tipo de leitura obrigatória para quem gosta de muitas reviravoltas e de surpresas bombásticas <3

      Excluir
  15. Olá! Confesso que só a sinopse já me deixou com medo, mas também fiquei curiosa em saber o que aconteceu no deserto e o que o Philip esconde. Apesar do receio, ele vai para a minha lista de leitura com um lembrete de que ao iniciar o livro, deverei fazer isso com as luzes acesas (risos).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não vai deixar você com medo, mas vai deixar você arrepiada, serio acontece uma coisa que faz seu queixo cair no chão, bombástico demais

      Excluir
  16. Oi, Rafael!!
    Li Caixa de pássaros no final do ano passado e não consegui largar o livro até terminar!! Agora o autor vem com essa nova proposta de livro trocando o sentido utilizado para audição. Como gostei do primeiro livro vou dá uma oportunidade par essa estória também!!
    Bjoss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como já conhece e gosta da escrita desse autor acredito que vai amar esse novo livro, recomendo demais :)

      Excluir