ANNABELLE - A CRIAÇÃO DO MAL

SINOPSE: Anos após a trágica morte de sua filha, um habilidoso artesão de bonecas e sua esposa decidem, por caridade, acolher em sua casa uma freira e dezenas de meninas desalojadas de um orfanato. Atormentado pelas lembranças traumáticas, o casal ainda precisa lidar com um amendrontador demônio do passado: Annabelle, criação do artesão.
DIREÇÃO: David F. SANDBERG
DISTRIBUIÇÃO: Warner Bros.
ANO DA PRODUÇÃO: 2017
ELENCO: Stephanie SIGMAN, Miranda OTTO e Lulu WILSON.

Caso você não saiba, a personagem Annabelle, a boneca amaldiçoada que foi introduzida em 2013 com o excelente INVOCAÇÃO DO MAL, é baseada em uma história real. A boneca original não é tão assustadora graficamente, e os mitos por trás dela são muito diferentes dos apresentados nos filmes. O tempo passou e a boneca capeta apareceu em quatro filmes, sendo que dois foram solos. Agora, dois filmes para contar toda a criação do brinquedo são necessários? Ou apenas existem porque as bilheterias são altas?

Essa continuação que não é bem uma continuação, conta a história de um casal que perdeu sua filha em um acidente de carro, seu pai era um famoso e requisitado artesão de bonecas, dentre os brinquedos produzidos temos a boneca Annabelle. Doze anos depois, ainda vivendo com muitos traumas e depressão, o casal abre sua casa para ser um orfanato provisório para meninas à espera de adoção. O problema começa quando uma das meninas, deficiente física, começa a perambular pela casa e se depara com coisas que nunca deveriam ser encontradas.

O esqueleto do filme você já conhece, pessoas em um novo ambiente, pessoas exploram o novo ambiente, pessoas notam coisas estranhas no local, coisas estranhas começam a ficar intensas demais e tudo caminha para um final grandioso. A mesma e cansativa fórmula dos filmes de terror, aqui você não vai encontrar um pingo de novidade ou inovações. Não que um filme precise ser 100% original em todos os momentos, mas se você vai usar de clichês, que pelo o menos os use de maneira criativa ou esforçada, a sensação que fica é que você já viu esse filme muitas outras vezes antes. Aqui temos a velha história de “tentei falar com alguém que já morreu e acabou que o espírito errado respondeu”, e acaba que é só isso mesmo durante duas horas de filme.

Quando foi anunciado que a Warner iria lançar uma continuação para Annabelle e ainda com uma trama que prometia explicar a “criação do mal”, você logo pensa: o filme anterior já não tinha explicado tudo? Então, não, o filme anterior não explica nada, e este aqui é que é o poderoso. Os roteiristas criaram um emaranhado de explicações para poder ligar ambos os filmes, o lance foi levado tão a sério que foram usadas até cenas do filme anterior, que servem de ligação com a continuação. Eles devem ter se sentido muito inteligentes com essas gambiarras, mas no final fica muito óbvio até pra quem nem estava prestando atenção no filme.

O elenco, na sua maioria, é de desconhecidos e muito mal escalados. O roteiro não ajuda, quase não temos desenvolvimento de nenhum personagem, então se alguém esta com ameaça de ser morto, nós não damos a mínima. Porém, o destaque vai para Miranda Otto, aparece pouco, mas consegue passar muito medo e sofrimento com o olhar. Dentre seu trabalho mais conhecido, está à guerreira Eowyn de O SENHOR DOS ANÉIS. Temos também uma freira fraca interpretada por Stephanie Sigman e a personagem principal, a tal menina deficiente, é vivida pela atriz Talitha Bateman, até bem competente no seu desempenho.

E não poderia faltar no filme as idiotices clássicas, como ficar olhando quando um capeta está se transformando na sua frente, ir investigar um barulho estranho no escuro sozinha, procurar matar o demônio com qualquer coisa que estiver na sua frente, coisas que, com certeza, você não faria numa situação real. Tudo isso traz muita irrealidade para toda a situação da cena, tem momentos que tudo fica muito bizarro.

Se quiser captar todas as referências, será necessário assistir a todos os filmes anteriores, mas a verdade é que todo o projeto é um dos mais inúteis que passaram nos cinemas neste ano. Várias continuações e “spin-offs” já estão sendo planejados para os anos seguintes, tomara que sejam feitos com mais dedicação e não pensando só nas bilheterias. Acima de tudo tem que existir o desejo de entregar um filme bom. Apenas a título de curiosidade, o primeiro filme da Annabelle, lançado em 2014, teve um orçamento de 6.5 milhões de dólares e arrecadou mais de 256 milhões de dólares, ou seja, dinheiro eles tem e muito, não tem desculpas para entregarem uma história velha e usada, inovar é de graça.

Pra quem se importar, o filme conta com várias cenas pós-créditos.

Compartilhe este post:

Rafael Yagami

Cinéfilo compulsivo, amante de livros e musica. A leitura e os filmes sempre me ensinaram a confiar em mim e ter sonhos grandes e é com isso que me armo todos os dias para lutar pelos meus objetivos.

14 COMENTÁRIOS

  1. Me identifiquei com a parte "a sensação que fica é que você já viu esse filme muitas outras vezes antes". Eu tenho uma péssima memória e esse acaba sendo um dos motivos pra eu não gostar da maioria dos filmes de terror. Eu nunca sei dizer qual é qual, porque sempre é a mesma coisa.
    Não vi o filme e nem tenho planos de ver, ainda mais depois de ler a resenha. A não ser que eu esteja de bobeira com os amigos e eles queiram ver isso. Até rola uma brincadeira entre eu e meu irmão "Nossa, saiu um filme de terror muito apavorante.", falado em tom de ironia, pois já desistimos completamente do gênero.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez como um passa tempo com amigos para descontrair até vale a pena, acaba que o filme tem várias cenas hilárias, os sustos são muito genéricos.

      Excluir
  2. Eu adorei o filme, mesmo!! Achei super interessante... Ando numa onda de filmes de espíritos...


    Passa pelo blog e deixa a tua pergunta acerca do regresso às aulas.

    http://abpmartinsdreamwithme.blogspot.pt/2017/09/q-regresso-as-aulas-facam-as-vossas.html

    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todo o filme tem seu publico né, abraços!

      Excluir
  3. Rafael!
    Assisti o primeiro filme e até que gostei, foi terror com força e me assustei várias vezes...
    Agora se esse é bem sem noção, o elenco é fraco e ainda sem tanto nexo, será que vale a pena assistir?
    Que o final de semana seja de alegria e paz!
    “Conhecimento sem transformação não é sabedoria.” (Paulo Coelho)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE SETEMBRO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só vendo para poder tirar suas conclusões, o primeiro é realmente bem superior a esse, mesmo com todos os problemas.

      Excluir
  4. Pelo fato de ser um filme de terror eu nao vou assistir.
    Infelizmente as produtoras de filmes não se importam muito com qualidade nos dias de hoje, e tudo dinheiro. Se o filme arrecada milhões eles simplesmente vão continuar fazendo. Agora se não arrecadar o esperado eles simplesmente arquivam o filme sem se importar se o filme agradou ou não.
    Quanto aos cliches, acho que eles estão presente em todos os gêneros de filmes o que acaba sendo um pouco triste pq as vezes a gente coloca muitas expectativas em um filme e no fim quando a gente esta na metade dele a gente ja sabe como vai acabar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O dinheiro dita o que vai ser feito ou não, realmente não tem problemas ter clichê, o problema mesmo é quando tudo isso é usado da forma mais previsível possível.

      Excluir
  5. Olá, ousar produzir um filme de terror atualmente é uma atitude arriscada, pois esse mercado está saturado e não conta com coisas inovadoras. Aqui o que se percebe é que como a franquia vendeu bem, porque não fazer várias sequências genéricas para conseguir mais dinheiro? O engraçado é que isso parece dar certo. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, financeiramente ta dando muito certo, mas não custa nada uma trama mais estruturada né? poxa o estúdio é tão rico, poderia muito bem contratar uma equipe de roteiristas mais competente.

      Excluir
  6. Olá!
    Assisti o primeiro filme e morri de medo. Agora Deus que me livre de assistir esse filme, passo bem longe...
    Mas como acontece em alguns filmes, os produtores não ligam para qualidade e sim para o dinheiro que vão receber. Uma pena que esse filme ficou sem nexo e sem graças, mas mesmo assim não assisto. O que aconteceu nesse filme é sempre o que acontece em outras sequências, se o primeiro vendeu bem porque não fazer mais filmes e ganhar dinheiro? Frustrante isso.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, pior mesmo é que novas continuações estão vindo, deus nos acuda rs

      Excluir
  7. Infelizmente, eu passo longe de filmes do gênero, mas gosto de saber a opinião de quem gosta e de saber um pouco mais do que rola no mundo cinematográfico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Passe longe mesmo, esse ainda é um dos ruins, existem outros muito melhores.

      Excluir