MELODIA MORTAL

SINOPSE: Será que Mozart foi assassinado por Salieri? Tchaikovsky morreu de cólera ou envenenamento? Chopin morreu mesmo tuberculoso? E Beethoven, foi vítima do alcoolismo? A resposta, ou, pelo menos, algumas hipóteses plausíveis para essas perguntas estão em Melodia mortal, estreia na ficção adulta de um dos maiores autores para o público juvenil do país. Escrito a quatro mãos por Pedro Bandeira com o médico Guido Carlos Levi, o livro examina, à luz dos conhecimentos da medicina contemporânea, os indícios possíveis sobre as mortes polêmicas de alguns grandes compositores da música clássica. E quem conduz a investigação é ninguém menos que Sherlock Holmes, auxiliado pelo seu fiel escudeiro, o doutor John H. Watson, que narra as aventuras do detetive na empreitada. Talvez não seja possível, tanto tempo depois, elucidar a causa dessas mortes que a medicina da época não foi capaz de precisar, mas a diversão é garantida neste romance cheio de teorias científicas e enigmas que formam um intricado quebra-cabeça, na tradição da melhor literatura policial - Pedro BANDEIRA e Guido Carlos LEVI - Editora FÁBRICA231 - 2017 - 240 páginas.

Não há muito para dizer sobre Pedro Bandeira que já não tenha sido dito. Autor de enorme sucesso, principalmente da geração passada, relançou recentemente sua série de livros de aventura infanto-juvenil mais famosa: Os Karas.

Como há muito tempo não lia nada do autor, fiquei curioso ao ver o lançamento de MELODIA MORTAL, uma obra de sua autoria ao lado do médico Guido Carlos Levi. E ainda mais por ter como personagens principais, o maior detetive de todos os temos, Sherlock Holmes, e seu amigo inseparável e não menos espetacular, o doutor Watson.

Eu esperava encontrar uma história semelhante às histórias de Holmes, com assassinatos, mistérios, perseguições, disfarces, etc., mas, entretanto, não foi bem isso o que aconteceu. O que o leitor irá encontrar, na verdade, são estudos de Holmes sobre a morte de alguns famosos compositores mundiais, como Mozart, Tchaikovsky, Schumann, entre outros.

O detetive encontra indícios de que as causas dessas mortes podem ter sido outras que não as oficiais. Tudo isso é narrado por Watson em capítulos individuais, sempre seguidos por outro capítulo com uma narrativa em terceira pessoa, passado nos dias atuais, que descreve reuniões de uma confraria de médicos fãs de Sherlock Holmes, que encontraram esses manuscritos de Watson, e tentam corroborar, com as avançadas técnicas de hoje, as suspeitas de Holmes.

É interessante? Sim, porque conhecemos detalhes desses compositores e de suas mortes, mas não mais que isso. Não cria uma expectativa, uma vez que não existe clímax, e nem um real interesse, porque não existe nenhum mistério que seja instigante o suficiente. Por isso, acabei demorando dias para finalizar a leitura, que foi intercalada com outros livros, para não acabar abandonando.

Apesar de toda a experiência do autor, existem alguns problemas de narrativa e de conceito, sendo este último relacionado à caracterização de Sherlock Holmes. O personagem é conhecido por seu incrível intelecto e capacidade dedutiva, mas nas primeiras páginas, o autor cria diversas situações para demonstrar essa capacidade, que é posta abaixo logo em seguida por Watson. Tentar explicar: em uma dessas vezes, Sherlock deduz que Watson passa por dificuldades financeiras, uma vez que não tem recebido pacientes. Todos os detalhes que levam a essa dedução são precisos, depois de explicados, e causam espanto em Watson. Mas, logo em seguido, o bom doutor explica que preferiu não dizer a Holmes que ele estava errado, que na verdade a explicação é outra, para não magoá-lo. Algo assim, acaba colocando em dúvida a real capacidade dedutiva de Sherlock, e poderia destruir a confiança do leitor nas investigações que se seguem. Felizmente, o autor abandona esse despropósito pouco depois.

Quanto ao problema de narrativa, se dá nos excessivos elogios empregados por Watson, exatamente por causa das capacidades dedutivas de Holmes. São muitos, mas muitos mesmo, tantos que começam a incomodar. Na verdade, demonstram uma repetição e uma insistência próprias das narrativas infantis indicadas para livros de leitores menores. E isso acaba por tornar o livro mais indicado para esses leitores, e não para o público mais velho.

De qualquer forma, como disse anteriormente, é uma leitura interessante, cheia de fatos históricos, detalhes médicos, curiosidades de obras famosas de Conan Doyle, que se for iniciada com uma expectativa diferente da minha, poderá ser muito mais prazerosa.



Compartilhe este post:

Carl

Tenho várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamento o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco ;>) -, e não saber desenhar O.O

26 COMENTÁRIOS

  1. Primeiramente, a capa é espetacular! Parece um quadro, bonita mesmo.
    Bom, desculpa, mas sinta-se a vontade para falar de Pedro Bandeira; sei nada dele. 🙈
    Achei muito interessante essa mistura de Sherlock e os músicos clássicos, apesar de que não curto muito esse gênero.
    Fiquei curiosa pra saber se essa causa que eles investigam são reais, ou apenas fictícia...
    Imagino que Sherlock e Watson sejam uma dupla hilária, imagino cenas divertidas apesar da investigação.
    Gostei da resenha; pra quem curte o gênero é uma ótima indicação, mesmo com essa pequena falha de narração.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Primeiro..UAU..
    Já fiquei interessada em comprar..juntaram duas coisas que amo..
    Música e mistério, e ainda com Sherlock?? Sou apaixonada..
    Quero Quero..:)

    ResponderExcluir
  3. Carl!
    Uma pena que o livro peca na coesão entre os protagonistas, em compensação, a escrita é maravilhosa, toda feita em cima de pesquisas sobre nosso Sherlock.
    Gosto muito dos livros do Pedro Bandeira e mesmo com sua ressalva, gostaria de ler.
    Desejo um mês repleto de realizações e uma semana de alegrias.
    “A sabedoria é um adorno na prosperidade e um refúgio na adversidade.” (Aristóteles)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE SETEMBRO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  4. Oi Carl...
    Realmente Pedro Bandeira marcou a geração passada... Sou feliz por ter feito parte dessa geração e ter conhecido obras marcantes desse autor. Fico muito curiosa para ler esse mesmo, mesmo sabendo que deixa um pouco a desejar em relação às características tão fortes de Sherlock Holmes...
    Abraços...

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Olá Carl,
    Sou fã de Pedro Bandeira desde minha pré adolescência, a muitos e muitos anos. Fico contente em saber que a nova geração hoje ainda lê a saga dos caras e outros livros como "A marca de uma lágrima", que marcaram toda uma geração nos anos 80. Já separei "Pântano de sangue" para reler este mês no Setembro Nacional.
    Em relação ao livro novo, não parece ser nada do que eu esperava! Imaginei que houvesse várias investigações e mistérios (literalmente como nos livros dos Karas!).
    Apesar de ser uma leitura interessante e de descobrimento, acredito que vou passá-la. Para mim, seria uma grande decepção ler sobre Sherlock Holmes de uma forma que não seja prezando pela sua excelência e capacidade de dedução. As constantes repetições geradas pelo doutor Watson também não contribuem para a agilidade da narrativa, que parece ter ficado bastante prejudicada.

    ResponderExcluir
  7. Olá, já li uma obra do autor e a achei muito bem construída, porém moldada numa formula genérica. Aqui o autor, apesar de usar ícones na obra, infelizmente comete o mesmo erro. Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Ai aí, fiquei um pouco decepcionada. O motivo: esperava mais desse livro. Não li. Mas ao ler a sinopse, me passou algo totalmente diferente do que o que foi descrito na resenha. Mas, parece ser um livro prazeroso, pelo menos para mim. Ultimamente ando interessada pela música clássica, e ler um livro que fala dos clássicos, é sempre muito bom. Principalmente quando se tem investigação e claro, quando a investigação é feita por Sherlock. Quem sabe, talvez um dia rsrs estarei aqui contando em um outro comentário, sobre a minha experiência ao ler essa obra.

    ResponderExcluir
  9. Ai aí, fiquei um pouco decepcionada. O motivo: esperava mais desse livro. Não li. Mas ao ler a sinopse, me passou algo totalmente diferente do que o que foi descrito na resenha. Mas, parece ser um livro prazeroso, pelo menos para mim. Ultimamente ando interessada pela música clássica, e ler um livro que fala dos clássicos, é sempre muito bom. Principalmente quando se tem investigação e claro, quando a investigação é feita por Sherlock. Quem sabe, talvez um dia rsrs estarei aqui contando em um outro comentário, sobre a minha experiência ao ler essa obra.

    ResponderExcluir
  10. Comprei o livro só por ser do Pedro, mas ainda não li. Eu não sei bem o que esperava do enredo, mas fiquei um pouco decepcionada em saber que não é uma trama, que não tem clímax nem desfecho, estando mais para um 'estudo de casos'. Enfim, vou ler de qualquer jeito, até para poder ter minha própria opinião, mas foi bom saber que o livro tem esses probleminhas de narrativa antes de começar a ler ;)

    ResponderExcluir
  11. Gente que delícia, adorei as inúmeras referências que o livro tem. Os fatos históricos são um incentivo mais. Sherlock Holmes dispensa elogios né rs?!
    Confesso que não sabia o que poderia encontrar na obra, essa foi a primeira resenha que li sobre ele.

    ResponderExcluir
  12. Não conheço o autor, mas o fato de usar Sherlock como o "protagonista" foi uma jogada de mestre, pois assim ele capta a atenção do leitor de qualquer forma. O fato de não ser mistérios de assassinatos, e sim investigação sobre morte de artistas famosos também é um ponto interessante, pois geralmente não há disso nos livros. Em contrapartida o fato de não ter um mistério empolgante que nos prenda ao livro parece ser um ponto negativo, portanto talvez leria por ser Sherlock, mas não leria pela falta de 'artificios' que captem toda a atenção do leitor, pois isso pode desestimular a leitura e, como foi dito, alguém pode até abandonar o livro antes do fim, ainda que tenha passagens ótimas!

    ResponderExcluir
  13. Não conheço o autor, mas o fato de usar Sherlock como o "protagonista" foi uma jogada de mestre, pois assim ele capta a atenção do leitor de qualquer forma. O fato de não ser mistérios de assassinatos, e sim investigação sobre morte de artistas famosos também é um ponto interessante, pois geralmente não há disso nos livros. Em contrapartida o fato de não ter um mistério empolgante que nos prenda ao livro parece ser um ponto negativo, portanto talvez leria por ser Sherlock, mas não leria pela falta de 'artificios' que captem toda a atenção do leitor, pois isso pode desestimular a leitura e, como foi dito, alguém pode até abandonar o livro antes do fim, ainda que tenha passagens ótimas!

    ResponderExcluir
  14. Primeiro devo confessar que nunca li um livro do Pedro Bandeira, me julguem! Apesar de eu ler a resenha e amar investigação policial, sinto que eu não vou gostar deste livro. Não sei, mas não bateu aquela química, sabe? Acho que vou deixar a dica passar.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  15. Eu só li um livro do Pedro Bandeira, e talvez seja isso que você disse mesmo: público alvo "errado".
    Se admitir desde cedo que é um livro infanto juvenil poderia até ser escrito de um jeito mais "viajado", permitindo o sherlock ser mais louquinho e até dar mais sentido a esse negócio do watson não querer magoá-lo.
    Gostei d'a feiurinha, quem sabe eu leia esse também, mas como você fez, alternando com outros :P

    ResponderExcluir
  16. Livro interessante e sem climax? Vish já vejo que eu não vou gostar kkk
    Eu curto muito livros com picos, altos e baixos, mas pela resenha o livro não possui esse tipo de picos gostosos de ler.
    O livro chamaria minha atenção pela capa, parece até com um quadro! Mas creio que o conteúdo não me agradaria

    ResponderExcluir
  17. Não lembro de ter lido nenhum livro desse autor, embora já ouvi muitas críticas positivas de seus livros.
    Pela capa e pela sinopse até que fiquei curiosa, mas depois de ler sua resenha acabei desanimando.
    Não gostei muito do fato do Whatson questionar as habilidades do Sherlock e realmente ser constatado que ele estava errado (mesmo que por um curto período de tempo). Acaba com a ideia que eu tenho do Sherlock.
    Não me importo com o excesso de elogios voltados para Sherlock, mesmo que sejam muitos acho que é o que forma a personagem.
    Não sei se vou ler.

    ResponderExcluir
  18. Não conhecia o livro, parece ser bom, gosto das histórias do Sherlock e de mistérios. A capa dele é bem bonita.

    ResponderExcluir
  19. Logo pela capa já soube que tinha a ver com Sherlock, ou pelo menos alguma coisa parecida. Esse ano comecei a assistir a série e li também o primeiro livro de de Sherlock, ameiiii <3 Acho que pela nova paixão esse seria um livro que eu leria, mas com um pouco de receio por ser escrito por outro autor.

    ResponderExcluir
  20. Oi, Carl!!
    Gostei bastante da resenha e achei bem interessante a proposta do livro de trazer fatos e como os principais e mais famosos compositores morreram, sem dúvida é uma obra para ser lida com calma e parcimônia.
    Bjoss

    ResponderExcluir
  21. Não é o primeiro posicionamento negativo sobre esse livro. Já vi comentários sobre o excesso de elogios e sobre a falta de instigação, suspense pra prender o leitor. Não fiquei com vontade de ler, devido a falta de comentários falando bem do livro.

    ResponderExcluir
  22. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  23. TOP COMENTARISTA!
    Oi, Carl!
    Quando vi a capa quis ler na mesma hora pois adoro qualquer filme, livro ou serie do nosso maravilhoso e querido detetive Sherlock Holmes.
    A sacada e descobertas que ele consegue fazer somente observando tudo ao seu redor é sem dúvida sensacional.
    Não sou muito fã da escrita em terceira pessoa, e da narrativa se passa na ótica de Whatson e principalmente os questionamentos as habilidades do Sherlock.
    Mas com certeza vou ler!
    Adorei o post!

    ResponderExcluir
  24. Expectativa é um problema, né?!
    Este parece ser um livro de pouco aprofundamento, algo mais para entreter do que propriamente informar. O que não é um problema, são apenas situações e humores diferentes de momentos para esta leitura.

    ResponderExcluir
  25. Oi! Por mais interessante que a obra pareça ser com curiosidades e tudo mais, acho que eu sentiria falta das perseguições e assassinatos no decorrer da obra, e provavelmente eu também iria demorar para finaliza-la. Vou deixar a dica passar. Beijos

    ResponderExcluir
  26. OOi! Apesar de ser fã de todos os livros que possuem investigações, esse não me atraiu! Acho que correria o risco de largar a leitura no meio, porque parece faltar ação e ser meio parado mais quem sabe né!!

    ResponderExcluir