O CEIFADOR

SINOPSE: Primeiro mandamento: matarás. A humanidade venceu todas as barreiras: fome, doenças, guerras, miséria... Até mesmo a morte. Agora os ceifadores são os únicos que podem pôr fim a uma vida, impedindo que o crescimento populacional vá além do limite e a Terra deixe de comportar a população por toda a eternidade. Citra e Rowan são adolescentes escolhidos como aprendizes de ceifador - papel que nenhum dos dois quer desempenhar. Para receberem o anel e o manto da Ceifa, os adolescentes precisam dominar a arte da coleta, ou seja, precisam aprender a matar. Porém, se falharem em sua missão ou se a cumplicidade no treinamento se tornar algo mais, podem colocar a própria vida em risco. - Neal SHUSTERMAN - Editora SEGUINTE - 2017 - 448 páginas.

O CEIFADOR é uma distopia disfarçada de utopia. Isso por que a sociedade que Neal Shusterman nos apresenta, evoluiu tanto, que a possibilidade de morte não existe mais. Todas as doenças foram superadas, não há mais acidentes automobilísticos, guerras ou fome, a desigualdade socioeconômica foi superada e não existe mais política, já que o mundo é regido pela Nimbo-Cúmulo, uma espécie de nuvem, que possui sua própria consciência. Porém, o principal avanço é que as pessoas podem rejuvenescer, e até mesmo serem trazidas de volta à vida em caso de morte acidental ou suicídio.


A princípio, esse parece ser o mundo perfeito, onde ninguém teme a morte. Porém, como podemos imaginar, uma sociedade onde a morte foi superada é também uma sociedade superpopulosa. Sem controle de natalidade, o mundo está cada vez mais cheio. Portanto, para manter o controle, existe a Ceifa, a instituição que detém a morte.

A Ceifa é a única organização que está acima da lei. Os Ceifadores decidem quem morre e como morre. No entanto, há regras. É preciso que se justifique a escolha de cada coletado, e essa escolha deve ser feita com base em alguns pré-requisitos, que provam que não houve favoritismo ou discriminação.


As pessoas respeitam os Ceifadores como se eles fossem deuses, concedendo-lhes favores e agrados. Esse respeito é justificado pelo poder que os Ceifadores têm de conceder imunidade de um ano. Assim como escolhem quem morre, os Ceifadores também escolhem quem vive. Cada Ceifador também escolhe a cor de seu manto (sendo que a cor preta não é uma opção) e um novo nome.

São os próprios Ceifadores que recrutam aprendizes, que, após um ano de treinamento, passam por uma avaliação e podem ou não se tornarem novos Ceifadores. E o primeiro requisito para se tornar um Ceifador é não querer ser um Ceifador. Isso porque o prazer por matar não é o objetivo da Ceifa. Os Ceifadores devem levar uma vida moral e simples.


É assim que Rowan e Citra se conhecem. Ambos são recrutados pelo Honorável Ceifador Faraday como aprendizes de Ceifador. Imersos nesse Universo que eles repudiam, Rowan e Citra irão descobrir que a Ceifa é bem mais perigosa do que as pessoas imaginam e não tão séria quanto eles gostariam.

Neal Shusterman, mais uma vez, nos presenteia com sua criatividade, originalidade e capacidade de criar sociedades bizarras. O autor possui uma incrível habilidade de fazer com que compreendamos as maiores atrocidades, assim como fez em Fragmentados.

A narrativa em terceira pessoa permite que tenhamos acesso ao ponto de vista de diversos personagens e nos permite conhecer suas motivações. Os três personagens principais, Citra, Rowan e o Ceifador Faraday, despertam nossa empatia logo no início do livro e isso nos incentiva a prosseguir na leitura.


A história é incrível, tem tudo o que um bom livro precisa ter, nos prende do começo ao fim e nos faz refletir. A Editora Seguinte fez um ótimo trabalho de edição e diagramação e manteve a capa original, que é linda. Com letras de tamanho agradável, capítulos curtos e linguagem simples, o livro é fluido e fácil de ler.

Compartilhe este post:

Priscila

Sou psicóloga, casada e a leitura sempre foi parte essencial em minha vida, assim como a escrita e o cinema.

14 COMENTÁRIOS

  1. Cheguei pra ler a resenha com um pé atrás por conta do título, imaginei ser um livro meio assustador, e não curto muito esse gênero. Isso só confirma o quanto o preconceito nos limita… Porque ao chegar ao fim da resenha percebi que este livro é muito mais do que um título.
    Achei bacana a ideia de mostrar como é a vida de um ceifador, e a ideia da nimbo-cúmulo é bem interessante. Achei bacana perceber que eles podem ser bem mais evoluídos. Meio que até neste universo, de ceifadores, existe de certa forma o bem e o mal.
    Provavelmente não é um livro que eu vá ler (pelo menos não neste momento da vida), mas se eu tivesse deixado o pré-conceito me guiar eu não teria lido uma resenha super bem escrita e nem saberia que este livro tem muito a nos ensinar.
    Beijos

    P.S. As fotos que vocês colocam nos posts são lindíssimas.

    ResponderExcluir
  2. Olá Priscila, tudo bem?
    Este livro já está na minha lista de desejados desde seu lançamento! Sou apaixonada pela escrita do autor, que tive a chance de conferir em "Fragmentados" e "Desintegrados". Achei demais!
    Em relação a este livro, a estória parece ser melhor ainda. O autor traz para nós todo este universo da Ceifa, nos mostrando os vários aspectos deste mundo.
    O conceito de morte aqui parece ser muito bem trabalhado, e a figura do Ceifador, é, antes de tudo, de um ser com alta moral e escrúpulos.
    A narrativa parece ser, como sempre, super bem desenvolvida e intrigante, os conceitos são explicados e aceitos pelo leitor como possíveis na realidade do livro.
    Fiquei ainda com mais água na boca para lê-lo!!

    ResponderExcluir
  3. Olá, estou muito empolgado para ler esse livro, que foge de todas as tramas distópicas clichês e nos entrega algo ousado e inovador. Espero que a editora não demore a publicar os próximos volumes. Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Priscila!
    Já tinha lido sobre o livro e muito interessada fiquei para fazer a leitura, primeiro porque é uma ficção fantasia bem diferente das que estamos acostumadas a ler por aí e também, porque questiona a sociedade. Se tivéssemos tudo às mãos, como moradia, saúde, vida 'eterna', realmente a sociedade se estagnaria e não iríamos mais em busca de nossos objetivos, seria perfeito por uma parte e por outra, totalmente inadequada.
    O que me deixou mais intrigada foi por saber como é feita a triagem dos ceifadores, já mantém tanto poder...
    Ah! Quero marcador do Gettub, são lindos!
    Uma semana de alegrias.
    “A sabedoria é um adorno na prosperidade e um refúgio na adversidade.” (Aristóteles)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE SETEMBRO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  5. Realmente devemos sempre ser adeptos da seguinte frase:"Não julgue um livro pela capa."
    Eu particularmente, ao ver o título do livro, achei que seria mais um livro assustador e que eu jamais leria. Me enganei!! Ao ler seu post, fiquei mais que interessada em ler esse livro, fiquei instigada, curiosa para saber o que acontece nessa narrativa. Sou apaixonada por livros escritos em terceira pessoa que nos traz o olhar de todos os personagens envolvidos na trama. A cada capítulo, nos faz querer ler mais e mais. E eu gosto de livros assim. Com toda a certeza, O ceifador será um dos livros que lerei antes de morrer rsrs Obrigada por nós trazer seu olhar crítico dos livros e nos mostrar as infinitas opções que existem para uma boa leitura.

    ResponderExcluir
  6. A capa é muito bonita é já me chamou a atenção. Gosto de livros que são em terceira pessoa e oferecem essa visão ampla dos pensamentos de diversos personagens, deixa a leitura mais dinâmica e interessante (se o autor souber como fazê-lo). A principio me lembrou bastante As intermitências da morte, do Saramago, onde a morte também não existe (por um tempo), mas depois percebi que foi só uma pequena coincidência, pois o desenrolar da trama parece ser bem diferente.

    ResponderExcluir
  7. Gente, sério, necessito ler esse livro!!
    Não curto distopias (disfarçadas ou não), mas esse livro chamou e muito a minha atenção. Confesso que em parte me fez lembrar de "O Doador de Memórias", que me decepcionou muito.
    Enfim, já vai para a lista de desejados.

    ResponderExcluir
  8. Não imaginei que fosse algo interessante por causa do título (pessoas que julgam o livro pelo título), mas logo de cara vi que é distopia, e distopia é a melhor coisa de se escrever, pois podemos criar um novo mundo com coisas completamente bizarras mas que, de acordo com o andar da carruagem (mundo), eu não duvido que possam vir a acontecer. Cabe ao autor criar uma distopia que realmente faça o leitor querer vivê -la, e parece que Neal faz isso, um mundo onde não existe 'superpopulação', mas existem os ceifadores, que não devem dar lugar para a superpopulação. Mas o que chamou minha atenção mesmo foi o fato de haver um possível romance entre Citra e Rowan ("se a cumplicidade no treinamento se tornar algo mais"), sou do romance e gosto de romances com complicações para dar certo, como no caso este, que pode colocar a vida deles em risco! Ja está na minha lista de leitura!!! Ps: o fato de ser em terceira pessoa melhora mais ainda, pois assim posso ter o ponto de vista de todas as personagens.

    ResponderExcluir
  9. Adoro distopia e ainda mais saber como a sociedade está nos livros. Achei esse livro muito Black Mirror, meu Deus! Um mundo superlotado e com ceifadores escolhendo como você vai morrer ou se sobrevive. Adorei a premissa do livro e gostaria muito de lê-lo um dia.
    Agora imagina você descobrir como você vai morrer? Deus me denfedarey hahaha.
    Adorei,beijos.

    ResponderExcluir
  10. Nossa, esse com certeza seria um livro que eu daria a chance só pela capa! Que gestalt linda.
    Achei que era um estilo totalmente diferente pelo título, um terror ou sei lá. Mas parece bem interessante. Principalmente pelo fato de qualquer um poder virar um ceifador. Não conhecia o autor, darei uma chance :)
    Tá escrito volume 1 ali em cima, deve ser uma trilogia futuramente né.

    ResponderExcluir
  11. Gosto bastante de distopias, e um mundo supostamente perfeito me chamou bastante a atenção... eu pensei que o livro se tratava de outra coisa, mas me enganei totalmente! Os ceifadores do livro parecem ser bem diferentes do que eu estou acostumada a ver. Me interessei bastante por esse livro e com certeza eu leria!

    ResponderExcluir
  12. Não conheço o trabalho do autor, mas gostei da sinopse desse livro.
    Gosto de ler livro sobre distopia e achei a ideia desse interessante.
    Achei diferente o fato que vc citou na resenha que para ser escolhido como ceifador a pessoa não pode querer ser um.
    Gosto quando as editoras mantém as capas originais dos livros, às vezes (nem sempre), as capas nacionais são meio estranhas.

    ResponderExcluir
  13. Gostei muito da sinopse e resenha do livro. Sempre vejo comentários dele,mas nunca tinha lido sobre. Achei bem interessante a história, com certeza vou querer ler.

    ResponderExcluir
  14. Essas utopias me fazem admirar ainda mais a mente humana e também penso se isso de fato acontecesse. Já imaginou se existisse ceifadores? omg. É uma leitura que eu faria, pra saber o mistério.
    Lindas fotos ^^

    ResponderExcluir