CORTE DE ESPINHOS E ROSAS

SINOPSE: Em Corte de Espinhos e Rosas, um misto de A Bela e A Fera e Game of Thrones, Sarah J. Maas cria um universo repleto de ação, intrigas e romance. Depois de anos sendo escravizados pelas fadas, os humanos conseguiram se libertar e coexistem com os seres místicos. Cerca de cinco séculos após a guerra que definiu o futuro das espécies, Feyre, filha de um casal de mercadores, é forçada a se tornar uma caçadora para ajudar a família. Após matar uma fada zoomórfica transformada em lobo, uma criatura bestial surge exigindo uma reparação. Arrastada para uma terra mágica e traiçoeira que ela só conhecia através de lendas , a jovem descobre que seu captor não é um animal, mas Tamlin, senhor da Corte Feérica da Primavera. À medida que ela descobre mais sobre este mundo onde a magia impera, seus sentimentos por Tamlin passam da mais pura hostilidade até uma paixão avassaladora. Enquanto isso, uma sinistra e antiga sombra avança sobre o mundo das fadas e Feyre deve provar seu amor para detê-la... Ou Tamlin e seu povo estarão condenados - Sarah J. MAAS - Editora GALERA - 2015 - 434 páginas.

Vocês gostam de resenhas duplas, que eu sei! Então, aqui vai mais uma. Primeiro a da LARISSA; depois, a resenha do CARL. Espero que gostem ;)

LARISSA

CORTE DE ESPINHOS E ROSAS é o primeiro livro da nova serie da autora Sarah J. Maas, conhecida por escrever uma outra série, TRONO DE VIDRO.

Neste novo mundo de fantasia, somos apresentados a Feyre, que vive com seu pai doente e suas duas irmãs mais novas. Ela teve que aprender a caçar para sua família sobreviver, ja que perderam todo o seu dinheiro. Em uma de suas caçadas na mata, Feyre encontra um lobo e o mata em defesa própria. Ela leva o corpo do animal para casa, contudo, no outro dia, um estranho aparece na sua casa dizendo que ela precisa ir com ele, pois precisa de uma reparação, no caso, uma vida por outra.

Assim, Feyre entra em outro mundo, que ela apenas conhecia por histórias e não acreditava que realmente existia. Tamlin, o rei Grão -Feerico recebe Feyre em sua casa, junto com seu amigo e companheiro, Lucien. Os dois a mantém "presa", mas a prisão não chega a ser algo assustador. Ela precisa apenas ficar na casa e não fazer bagunça, pois não pode mais voltar para seu mundo humano. Preocupada com sua família, Feyre implora a Tamlin que a deixe voltar, mas ele promete que sua família esta em paz e em segurança.

Os dois se aproximam, saem juntos, contudo toda esta felicidade acaba quando um ser diz a Tamlin que seu tempo esta acabando e em breve ele será levado. Tamlin não explica a Feyre e, por fim, a manda embora, dizendo que é para sua segurança e que de forma alguma ela não tente voltar para seu mundo.

Um livro com uma escrita fluida, simples e com todos detalhes minuciosos. Mesmo assim, não atrapalha a leitura, pelo contrário, deixa com mais emoção. Conhecemos todo o mundo que os humanos não conhecem, as alegrias, tradições e tristezas de um povo amaldiçoado por uma rainha misteriosa. Os personagens são bem construídos, toda a vida e linhagem dos Grãos-Feericos são contadas com clareza.

Feyre foi uma protagonista que me surpreendeu. No começo, ela não queria aceitar sua nova vida, e ao invés de ficar chorando e reclamando, sai em busca de resposta. E quando descobre que não há saída, aceita e vive sua atração, curte suas novas amizades, mas sem nunca esquecer de sua família.

Tamlin foi apaixonante desde o começo. Sabia que Feyre odiaria ficar com ele, mas fez de tudo para melhorar sua estadia. Com humor, alegria e vontade de tornar tudo melhor ao seu redor, ele é um bom rei, amigo e companheiro.

Lucien foi meu personagem favorito. Um pouco coadjuvante, mas tem seus momentos, e que belos momentos. Seu humor sarcástico, sua raiva contida e sua alegria ao conversar e viver com seu amigo Tamlin, contagiou-me o livro inteiro.

Torci, sofri e chorei. Um mundo de fantasia onde tratados podem ser desfeitos com atividades quase impossíveis de serem controladas, seres sobrenaturais, que antes pensávamos que queriam apenas a morte das pessoas ao seu redor, mas ao invés, querem apenas ter sua liberdade de volta.

CORTE DE ESPINHOS E ROSAS é um livro emocionante, com romance, com uma pitada de drama e sua dose de humor que não deixa nada a desejar.

CARL

Após muito prolongar a leitura de CORTE DE ESPINHOS E ROSAS, aproveitei que uma amiga estava lendo e a acompanhei. Eu não sabia bem o que encontraria, mas fiquei surpreso por se tratar, na sua maior parte, de uma releitura do clássico A BELA E A FERA. Existem trechos que são muito parecidos, além do casal principal, óbvio. Entretanto, também existe muita coisa diferente, como o mundo onde se passa a história, os poderes dos personagens, a presença de vários monstros e inimigos, além de toda uma fantasia que é bastante original e intrigante.

A relação entre o casal principal, Feyre (a Bella) e Tamlin (a Fera), segue o mesmo roteiro do clássico infantil: medo, repulsa, aceitação, curiosidade, simpatia, admiração e, finalmente, amor. A forma como tudo isso acontece é natural, sem pressa, convincente. Aliás, essa é uma das características positivas da obra: a autora narra tudo sem pressa, com os detalhes necessários para o leitor se acostumar e aceitar as coisas fantásticas que estão acontecendo, e tudo isso sem ser maçante, ou ter partes desnecessárias, o que é difícil de se conseguir.

Feyre é uma garota autoritária, atrevida, que não aceita as coisas de forma diferente daquelas que ela planeja. Isso se deve ao fato de carregar nos ombros a responsabilidade de prover alimento e proteção para seu pai e as duas irmãs. Essa personalidade se mantém por toda a história, e somada à coerência das decisões que Feyre toma, demonstra o cuidado que a autora teve com seus personagens.

Tamlin é inicialmente o vilão que se transforma em herói ao longo da história. Por quase todo o livro, ele é a presença ameaçadora que mantém todos ao seu redor protegidos das ameaças externas, ao mesmo tempo que consegue demonstrar um carinho e uma paixão por Feyre. Essa dureza em choque com sua leveza é a mesma do clássico infantil, e funciona muito bem no livro.

Apesar de Feyre e Tamlin serem os personagens principais, dois secundários roubam o interesse do leitor de forma inequívoca: Lucien, o amigo mais próximo de Turien e seu braço direito; e Rhysand, o inimigo natural de Tamrin.

O leitor nunca sabe quem é Lucien. Ele gosta de Feyre? Ele odeia? Ele realmente é amigo de Turien? Ele tem algum plano secreto? Ele é mau? Ele é bom? A dualidade do personagem conquista na mesma proporção que surpreende. Ao mesmo tempo que ele ajuda Feyre, nessa atitude ela acaba entrando em perigo. Da mesma forma que ele é simpático, ele consegue ser ameaçador. Não há como ficar impassível diante do personagem. Excelente!

Já Rhysand, apesar de ser o inimigo do herói do livro, consegue criar uma empatia com o leitor por suas atitudes com Feyre e por demonstrar que, no fundo, ele não é tão mau assim. Ele poderia até conseguir ser mais interessante que Lucien, mas a autora cria um interesse romântico com Feyre, formando um triangulo amoroso que diminui a força do personagem.

E esse é um dos pontos negativos da obra: o triangulo amoroso. Realmente não há qualquer necessidade dele existir. Fica definido de forma bastante convincente que Feyre ama Tamlin, e lá para o fim do livro, quando Rhysand aparece e demonstra interesse em Feyre, fica algo deslocado, forçado, principalmente as coisas que acontecem em uma determinada prisão.

Deslocado também ficam algumas partes mais quentes do romance de Feyre com Tamlin. Tentar explicar: no meio da história, quando o casal já está apaixonado de forma tão inocente quanto o clássico infantil, a autora solta uma frase de Feyre: senti um molhado entre as pernas. Eu meio que arregalei os olhos e estranhei algo tão explícito de uma hora para outra, uma vez que até aquela parte, não havia nada de hot na história. E depois dessa parte, aparecem mais duas ou três com descrições de seios nus, garras e dentes afiados nos seios e em outras partes do corpo. Ficou muito estranho, deslocado. Foi como assistir ao desenho da Disney e ver a Bella transar com a Fera.

Ainda preciso reclamar de mais um ponto, que é sobre a verdadeira vilã da história, que só aparece no final. Ela é patética. E as atitudes que ela toma, quando está com toda a situação controlada, são dignas daqueles vilões megalomaníacos que fazem de tudo para serem vencidos pelo herói. Desfalcou a intensidade da aventura e descaracterizou a força dos personagens.

Mas, apesar desses percalços, o saldo ainda é positivo, e confesso que gostei do livro. Tanto que pretendo ler o segundo volume, onde já me contaram que não existe mais o triangulo amoroso e onde os acontecimentos são muito melhores. Ainda bem!

Compartilhe este post:

Larissa Maciel

Sou louquinha, alegre, muito difícil me encontrar de mau humor, apenas quando passo a manhã sem comer nada, apenas desse modo, kkkkkk. Os livros são parte da minha vida há 5 anos, então já li bastante, mas como sabem, ler nunca é demais e sempre acrescento mais leituras. Sou estudante de Recursos Humanos, contudo o sonho é cursar Jornalismo e sou resenhista em alguns blogs. Prazer, Lari.

16 COMENTÁRIOS

  1. No início da leitura desta resenha, eu fiquei bem animada com o livro. Mas confesso que no decorrer do texto fui desanimando, principalmente com o relato de algumas cenas deslocadas e sem sentido. Como o triângulo amoroso e as cenas explícitas. No mais, o livro me interessou bastante. Pretendo ler todos os volumes e que o segundo seja realmente melhor que esse.

    As resenhas que vocês publicam, me ajudam muito para saber o tipo de livro que irei ler. Confesso que achei que Corte de espinhos e rosas relatasse uma história completamente diferente da que realmente conta. Jamais iria imaginar que se tratava de uma quase releitura de A Bela e a fera.

    ResponderExcluir
  2. Não imaginava que a história desse livro fosse parecida com a da Bela e a Fera, é um livro que está fazendo bastante sucesso!! Gostei da trama envolver um mundo de fantasia intercalando com o dos humanos, fiquei curiosa para conhecer esses personagens , principalmente a Feyre e o Tamlin!!

    ResponderExcluir
  3. Eu adoro quando há uma resenha dupla, pois é possível ver as diferenças entre os leitores. Enquanto há uma resenha mais enxuta, específica, a outra é mais detalhada(eu prefiro assim).
    Adoro os grandes clássicos infantis, mas me senti um pouco incomodada ao ver que a autora tentou erotizar de forma errada, o que não precisava ser feito.
    O enredo já parecia ser bom, com reinos, batalhas, romance e descobertas.
    Pra que mexer tanto?rs
    A capa é linda demais e mesmo com tantos pontos negativos, quero ter a oportunidade de tirar minhas próprias conclusões!
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Oi Larissa e Carl, essa é uma trilogia bem aclamada e que quero ler, mas quero fazer isso quando tiver todos os livros em mãos, pois como descobrimos na resenha do Carl há o odiado (por mim) triângulo amoroso, mas como ele informa também isso muda já no segundo livro e já vi resenhas dele pra saber o rumo que toma e resolvi que quero ler em sequência. Ambas as resenhas estão boa, Larissa entrega muito pouco da história e Carl entrega uma resenha com mais fatos, no final elas se completam e preparam o leitor pra esse primeiro livro.

    P.S: Impossível não rir com o parágrafo das cenas hot's na resenha do Carl kkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  5. TOP COMENTARISTA!!!
    Oi Larissa e Carl!!!
    Adorei a resenha dupla. Essa é uma trilogia que vou
    com toda certeza ler. Já tinha ouvido falar sobre a
    trilogia e estava curiosa e lendo a resenha só me
    deixou ainda mais com vontade ler. Adorei o
    paragrafo sobre as cenas hot's que Carl descreveu
    eu tipo "Como assim ?" e me matei de tanto ri
    rs rs rs rs

    ResponderExcluir
  6. Fiquei impressionada, não sabia que esta era a mesma autora de Trono de Vidro, uma série que tenho muito interesse, em ler, pois a obra parece incrível. Neste primeiro livro várias coisas me encantaram, como por exemplo a forma como a obra foi desenvolvida de maneira rápida, fluida. Uma pena que os romances como triângulos amorosos, e as cenas hots não se encaixavam muito bem. Pretendo ler a obra, mas confesso que estou com certo receio.

    ResponderExcluir
  7. Olá, tendo lido a outra série da autora, sou suspeito para falar, mas aqui Sarah J. Maas não decepciona e entrega uma obra original e fugaz no que concerne aos estereótipos envolvendo fadas. Também acho irritante esse triângulos amorosos desnecessários, uma vez que só servem para enrolar a história. Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Este é um livro que sempre vejo fotos e resenhas positivas. Como o Carl, sempre protelei sua leitura (e continuo protelando... por pouco tempo, espero!) esperando os outros livros da série.
    A Bela e a Fera é meu conto de fadas favorito, e adoro as releituras feitas sobre ele. Pela ocasião do lançamento do filme, vários livros foram escritos, e confesso que fiquei um pouco saturada, mas já está passando kkkkk. Pretendo logo engatar nesta leitura.
    Agora uma coisa que sempre me atraiu nos contos de fadas em geral são os vilões. Sempre fui fascinada por eles. Uma pena saber que, pelo menos neste livro, a vilã não foi tão bem desenvolvida e baixou um pouco a apreciação das personagens.
    E muito bom saber que a sequência também promete ser melhor ainda!

    ResponderExcluir
  9. Minha gente, só agora percebi que é a mesma autora de Trono de Vidro, que por sinal foi recomendadíssima.
    Adoro livros de fantasia, já faz um tempo que estou de olho nesse, mas digamos que os valores andam salgados...
    Muito bom saber que o livro não fica apenas no romance, que leva do riso ao choro.
    Larissa, estou adorando suas partes nas resenhas!

    ResponderExcluir
  10. Larissa e Carl!
    A série é um tanto longa, porém pelo visto, vale a pena a leitura, porque é bem emocionante, carregada de segredos que vão sendo revelados aos poucos, bem como os paradigmas do que se era conhecido sobre os feéricos.
    Apesar das atitudes inconsequentes da protagonista, daria uma oportunidade para leitura porque é um livro de fantasia um tanto diferenciado.
    Semaninha de muita luz e paz!
    “Todo o nosso saber se reduz a isto: renunciar à nossa existência para podermos existir.” (Johann Goethe)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE OUTUBRO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  11. Acho muito bonita a capa deste livro. Gostei muito da resenha dupla de vocês.
    Gosto muito de livros de fantasia, romance e também de livros emocionantes, então isto contribuiu ainda mais para eu querer ler este livro. Os comentários positivos de vocês me deixaram muito ansiosa e curiosa para ler este livro, pretendo ler Corte de Espinhos e Rosas em breve.

    ResponderExcluir
  12. Nossa eu fiquei tão chateada com esse livro... Comprei ele depois de ler TANTOS elogios nos blogs que leio e nos instabooks que sigo e meu Deus... que livro chato! Eu gostei muito do começo, quando a Feyre se parece mesmo com uma mulher independente, não entendi de onde veio aquele romance, parece que a autora jogou na nossa cara ele e pronto, a Feyre odiava o Tamlin e depois se apaixonou loucamente com ele, nem percebi o momento que os dois se apaixonaram, simplesmente tranzaram, parece que eu tinha pulado várias paginas. E concordo com o Carl, não existiu triangulo amoroso para mim, já que a Feyre estava TÃO loucamente apaixonada pelo Tamlin e também não achei graça na vilã, que tinha tudo para ser uma vilã linda e maravilhosa, mas foi uma tosca.
    Estou lendo o segundo livro em pdf na maior teimosia, pois estou vendo um monte de elogios em cima de Corte de Azas e Ruina, vamos ver até onde eu vou kkk

    ResponderExcluir
  13. Adorei as duas resenhas. Preciso dizer que esse livro mexeu com meu emocional, existem momentos na história, que Feyre enfrenta situações que foram difíceis de se ler, porém, são nesses momentos em que vemos a capacidade dela de evoluir como pessoa, enxergamos uma força e resiliência que nem mesmo ela enxerga em si mesma.Recomendo muito essa leitura, pra quem é apaixonado por livros de fantasia contemporânea, esse é uma excelente escolha. Temos a combinação perfeita de magia, romance, conflitos e cenas de ação para prender o leitor <3

    ResponderExcluir
  14. Oi, Larissa e Carlos!!
    Adoro resenhas duplas pois sempre é bom ter duas opiniões de uma estória. Estou louca para começar essa série, pois, gosto bastante de outra série da autora que é Trono de vidro. Já tenho os dois primeiros livros e espero ansiosa ter em mão o terceiro para começar a ler essa releitura da estória Bela e a Fera!! Parabéns, pela resenhas maravilhosas!!
    Bjoss

    ResponderExcluir
  15. Estou louca pra ler essa série *-* estava esperando o último ser lançado pra poder começar e espero conseguir nas minhas esperadas e amadas férias s2
    Ouvi muita gente falando do triângulo amoroso, mas no início do segundo livro, salvo engano, isso é desfeito e a autora segue por outro rumo. Dizem que o segundo é muiiiito melhor e cá estou com ansiedade a mil. Vou gostar muito da Feyre, principalmente por causa da personalidade que me lembra um pouco da Katniss e da Bela.
    Espero amar essa série *-*

    ResponderExcluir
  16. Oi! Realmente no segundo volume não existe triângulos amorosos! Inclusive, aguardo a resenha do segundo volume para saber o que vocês dois acham do Tamlin e do Rhys (parei de falar por aqui). Mas por favor leiam! O segundo volume é MIL vezes melhor que o primeiro. Em diversos momentos eu fiquei literalmente de queixo caído, e nunca vou superar o final. E sobre a cena hot, no segundo livro tem bastante, então não se assustem. hahaha Beijos

    ResponderExcluir