PEQUENAS GRANDES MENTIRAS

SINOPSE: Todos sabem, mas ainda não se elegeram os culpados. Enquanto o misterioso incidente se desdobra nas páginas de Pequenas grandes mentiras, acompanhamos a história de três mulheres, cada uma diante de sua encruzilhada particular. Reunindo na mesma cena ex-maridos e segundas esposas, mães e filhas, bullying e escândalos domésticos, a série explora com habilidade os perigos das meias verdades que todos contamos o tempo inteiro.

TEMPORADAS: 1
EPISÓDIOS: 7
GÊNERO: Drama
DURAÇÃO: 52-58 minutos
ANO DE LANÇAMENTO: 2017
CANAL: HBO

Semana passada, eu fiz a resenha do livro PEQUENAS GRANDES MENTIRAS, e se você não leu, aproveite e leia agora, clicando AQUI, porque vou comentar apenas alguns pontos que são diferentes do livro, ou que completam a história do livro, para não ficar repetitivo.

A minissérie (que, provavelmente irá virar série), segue praticamente todos os passos do livro, tornando-se uma adaptação bastante fiel. São poucas as diferenças, e as mais significativas, dizem respeito a uma maior presença de Renata (Laura Dern) e de Bonnie (Zoë Kravitz), um aprofundamento das relações conjugais do trio principal, Madeline (Reese Witherspoon), Celeste (Nicole Kidman) e Jane (Shailene Woodley), além de alguns flashbacks do que aconteceu com Jane e em como isso ainda a afeta. Ah, também há a presença dos detetives responsáveis pela investigação.

Apesar de ser tão fiel, a minissérie consegue elevar a qualidade da obra e passar sentimentos de compaixão e indignação com mais intensidade, como é de se esperar quando uma produção é bem feita e os atores são competentes. E nesse ponto, é incrível o trabalho realizado pelas cinco atrizes principais, com destaque para Nicole Kidman. Todas passam uma verdade e uma fragilidade tocantes, tornando impossível não haver um vínculo entre a plateia e elas.

As mensagens que a série passa são bem claras, mas, mesmo assim, tem algo que algumas pessoas estão afirmando por pura ignorância ou machismo. E aqui vou contar um pequeno spoiler, que não vai prejudicar em nada a apreciação do livro ou da série, uma vez que é contado logo no início. Jane é mãe solteira, porque ela sofreu um estupro e preferiu não abortar e, sim, ter o filho. Então, algumas pessoas escreveram que ela não sofre estupro no livro, mas sofre na série. Bem, isso é ridículo! Ela sofre estupro em ambas as obras.

Algumas pessoas consideram que estupro só acontece quando a mulher não pode se defender, quando é presa, agredida, quando grita por socorro, mas não pode fugir. No caso de Jane, o homem inicialmente aperta seu pescoço como forma de prazer, depois solta, mas a inibe com ameaças, xingamentos, desmoralização e força o ato sexual, mesmo não a prendendo. Ela entra em choque, ela sente medo de tentar fugir e ser morta. Ela, depois do que ouve dele, prefere esperar terminar e continuar viva, do que arriscar. Isso é estupro! Acontece o mesmo na série, mas, visualmente, a compreensão do que aconteceu é mais clara, enquanto que no livro é necessário um pouco de percepção por parte do leitor para compreender o que acabou de acontecer.

Pessoas disseram que ela quis transar com o homem, e é verdade. Mas a partir do momento que ele assume o poder de dominador, quando exclui o direito dela de dizer não com ameaças, ele passa a ser o agressor, mesmo que não fisicamente, mesmo que não a amarre, mesmo que não encoste uma faca no pescoço dela ou uma arma em sua cabeça. A dominação de alguém não precisa ser necessariamente física. Uma dominação mental é tão eficiente quanto.

Enfim, esse é um absurdo que andam escrevendo por ai que só demonstra como muitas pessoas não têm qualquer condição de avaliar uma situação como essa, ou então têm, mas o machismo, o preconceito não deixa.

Voltando à série, preciso destacar a sensibilidade da narrativa e a competência na atuação que Witherspoon, Kidman e Woodley entregam em uma em uma das últimas cenas da minissérie, quando as três, apenas com o olhar, conseguem se comunicar e compreender um dos mistérios da história. Não há diálogos, apenas expressões que transmitem mais que palavras. E tudo é desvendado.

E a cena final, a última antes dos créditos, com a polícia observando as mulheres juntas na praia (não vou dizer quais e nem quantas :P), dividindo uma cumplicidade que extrapola a amizade e parte para a necessidade de união para vencerem, não apenas obstáculos, mas o que um mundo machista e preconceituosa coloca na frente delas.

Compartilhe este post:

Carl

Tenho várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamento o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco ;>) -, e não saber desenhar O.O

7 COMENTÁRIOS

  1. Com certeza vou ler o livro antes!
    Mas gostei bastante de saber que a série é fiel ao livro, sendo em alguns pontos ela mostra os fatos de forma mais clara.
    O exemplo dado nem chega a ser um spoiler, na minha opinião ele não "estraga" a leitura, mas prova um ponto a ser conferido pelo leitor. Por mais "spoilers" desse nível e requinte!

    ResponderExcluir
  2. Estava bastante ansiosa para ler a resenha da minissérie, afinal eu adorei a resenha do livro. Meu Deus as 3 atrizes que gosto em um só elenco 😍 é para pirar mesmo rsrs com toda certeza irei assistir. Ainda não tinha ouvido falar que o livro tinha uma adaptação nas telinhas 😄 muito bom!!

    ResponderExcluir
  3. Essa série foi sem sombra de dúvidas, um grande presente este ano que está terminando! Acabei vendo indicação em outro blog e baixei para acompanhar. Não consegui sair de frente a tela enquanto não terminou e que desfecho.
    O que parecia bem óbvio, toma outro rumo. E não há como negar que o time de atores é fantástico, mas puxa, Nicole arrasa. Ela consegue se superar ainda mais em seu talento e viver de fato, a personagem!
    A atuação das crianças também é louvável!
    No mais,quem não viu, que veja!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Gostei tanto da resenha do livro quando da série e quero sim ler e assistir. As atrizes escaladas pra protagonistas são ótimas e fico feliz em saber que a atuação delas transmitiu verdade e envolveu o leitor. Achei bem legal o pequeno spoiler e destaque você deu a ele explicando-o e expondo sua opinião que achei bem sensata, não li o livro ainda mas acho que é difícil não conseguir interpretar no texto violência sexual e é triste ler essa interpretação errônea em criticas por ai. Ótimo post ;)

    ResponderExcluir
  5. Desde que soube que o livro viraria serie, que fiquei interessada em assistir, mas como possuo o livro resolvi esperar para poder lê-lo. Enfim, fiquei feliz em saber que a obra e fiel ao livro, e que as atrizes escolhidas são de peso e atuam de forma plena, capaz de fazer com que tenhamos sentimentos em relação as situações acontecidas na estória, que pela sua descrição já sei que vou me deparar com fortes emoções, principalmente em relação ao abuso sexual.

    ResponderExcluir
  6. Eu tenho curiosidade em ler o livro Pequenas grandes mentiras; Não sabia que tinha esta minissérie que segue praticamente todos os passos do livro, que bom que acabou se tornando uma adaptação bastante fiel do livro.
    Gostei do trailer, mas pretendo primeiro ler o livro, para depois assistir esta série.

    ResponderExcluir
  7. Carl!
    Não li o livro, nem assisti a série, porém gosto quando os filmes são fieis ao livro e aqui parece que alguns sentimentos foram mais enfatizados no filme e claro, que o visual por vezes é mais elucidativo do que a imaginação.
    Desejo um maravilhoso e florido final de semana!
    “Para saber uma verdade qualquer a meu respeito, é preciso que eu passe pelo outro.” (Jean-Paul Sartre)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE OUTUBRO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir