LIGA DA JUSTIÇA

SINOPSE: Impulsionado pela restauração de sua fé na humanidade e inspirado pelo ato altruísta do Superman, Bruce Wayne convoca sua nova aliada Diana Prince para o combate contra um inimigo ainda maior, recém-despertado. Juntos, Batman e Mulher-Maravilha buscam e recrutam com agilidade um time de meta-humanos, mas mesmo com a formação da liga de heróis sem precedentes - Batman, Mulher-Maraviha, Aquaman, Cyborg e Flash, poderá ser tarde demais para salvar o planeta de um catastrófico ataque.
DIREÇÃO: Zack SNYDER
DISTRIBUIÇÃO: Warner Bros.
ANO DA PRODUÇÃO: 2017
DURAÇÃO: 1H59
ELENCO: Ben AFFLECK, Gal GADOT, Ezra MILLER, Jason MOMOA, Ray FISHER e Jeremy IRONS.

A equipe de heróis mais antiga, amada e cultuada do mundo, finalmente ganhando um filme solo em grande estúdio e ainda com orçamento gigantesco, tinha tudo para ser um sucesso, certo? Infelizmente, não! Tudo o que poderia dar errado, deu errado.

O grande vilão da vez é o Lobo da Estepe, e ele tem um objetivo bem comum, reunir alguns objetos poderosos e destruir a Terra. Com esse problema nas costas, e claramente sem poder para destruí-lo, Batman parte em uma missão para conseguir reunir um grupo de pessoas extraordinárias para cumprir essa tarefa. Recruta a grande Mulher Maravilha, que todos conhecemos e amamos; recruta um jovem carismático e veloz, Flash; um homem estranho que controla o mar e os peixes, Aquaman; e um rapaz metade homem metade robô, Cyborg.

O roteiro consiste em apenas isso, um problema, uma equipe e uma solução. Os desvios de trama e subtramas são nulos ou inexistentes, as motivações são fracas de ambos os lados, e você fica se perguntando, era só isso mesmo? O único e melhor personagem que parece estar se divertindo com tudo isso e ao mesmo tempo em sincronia com a equipe, é o Flash, interpretado de forma muito competente pelo ator Ezra Miller. Seu desenvolvimento é minúsculo, artimanha do estúdio para guardar suas informações para seu filme solo, que já está em produção, mas, mesmo assim, consegue passar carisma e bastante curiosidade no espectador, seu personagem é um misto de humor e descobrimento.

Gal Gadot, como a Mulher Maravilha, já está mais que firmada neste universo, ainda mais depois de seu excelente filme solo. Suas sequencias são as melhores do filme, com a atriz muito confortável no papel e confiante na ação. O mesmo não podemos dizer de Jason Momoa como Aquaman, o ator não tem os traços de personalidade e aparência com o personagem original, seu desempenho no filme parece uma junção de seus trabalhos anteriores: Khal Drogo + Conan, o Bárbaro. Nem suas habilidades são exaltadas bem nas cenas de ação, é apenas um homem musculoso com um tridente em mãos.

O novato Ray Fisher é o Cyborg da vez. Explicada em poucos minutos, sua história passa batida pelo espectador, mais uma vez deixando tudo para seu filme solo. É poderoso e deprimido, o design de seu novo corpo, além de ser estranho, emana muita falsidade, mas isso não é culpa do ator. E o Batman? É, o Batman é aquilo que você viu no filme anterior, BATMAN VS SUPERMAN, porém uma versão sem ódio e extremamente fracote. O resto do elenco não passa de meros figurantes sem importância nenhuma na trama.

Mas nada disso citado acima seria um grande problema no filme se não fosse à direção. Zack Synder estava à frente do projeto desde o começo, porém foi afastado por problemas pessoais e substituído por Joss Whedon. E o resultado de tudo isso é uma bagunça visual, conceitual e artística. As cenas não conversam entre si, plastificadas ao extremo, e são poucas as que passam alguma mísera emoção para o espectador. Sabemos que Zack ama e adora colocar câmera lenta em tudo, e o diretor apertou o “botão do dane-se” e saiu distribuindo o recurso adoidado. Tem câmera lenta até numa cena em um hortifrúti, mas o problema mesmo é seu uso no Flash, existe apenas duas sequencias onde vemos o quão o personagem é rápido e poderoso, nas outras é ele correndo em câmera lenta broxando completamente o ânimo do público.

A cereja do bolo é a parte técnica, chega a ser difícil entender como um filme tão caro, tem efeitos tão horríveis. Mais uma vez as cenas de ação são quase todas de noite, escuras e borradas, a nível de novela da Record. São vários os momentos onde o espectador nem sabe o que está acontecendo. A computação é tão feia, que nem apagar um bigode de um ator de forma convincente o filme consegue. O excesso de câmera lenta, o tanto de tela verde é gritante, pode ter certeza que você vai olhar algumas das várias cenas ruins e pensar: “caramba, claramente isso é falso”. Como foi muito divulgado, o filme passou por refilmagens, toda essa confusão e mudança de direção ficam perceptíveis para o espectador, o tom do filme muda e a edição piora drasticamente em certo momento.

O vilão, o motivo para a criação da equipe, é realmente poderoso, porém sem vida e motivações, parece uma mistura de Hitler + a vilã do filme infantil MOANA. Porém, vilão é pra ser isso mesmo, não tem problema ele ser clichê, o roteiro tem que saber usar isso a seu favor e a direção transformá-lo em algo pelo menos intimidador. É triste ver toda essa confusão. A trama tem seus defeitos, mas o principal erro de LIGA DA JUSTIÇA é essa mudança de diretores, visões diferentes e um estúdio que adora picotar um filme. Quando acaba, você sente que faltou algo, não é uma experiência ruim, mas poderia ser incrivelmente melhor.

OBS: O filme conta com duas cenas pós-créditos: a primeira é um presente para os fãs; e a segunda, puxa enredo para as próximas continuações.

SPOILER EXPLICAÇÃO: Porque Hitler + Moana? O vilão foi derrotado uma vez, jurou vingança e quando volta vai logo destruir a coitada da Rússia (Hitler). E seu poder é uma mistura de fogo e terra, e quando é derrotado, vira um campo de flores e vegetação (Vilã da Moana).

Compartilhe este post:

Rafael Yagami

Cinéfilo compulsivo, amante de livros e musica. A leitura e os filmes sempre me ensinaram a confiar em mim e ter sonhos grandes e é com isso que me armo todos os dias para lutar pelos meus objetivos.

12 COMENTÁRIOS

  1. Crítica incrível!rs
    Apesar de ser a milésima que leio, não me canso de ler opiniões diversas sobre este longa!Ainda não vi o filme(cinema na minha cidade é meio coisa que não dá pra encarar). E como não sou assim tão fã de super heróis, acabo enrolando mesmo.
    Queria muito ver Aquaman e sei que essa participação nesse filme pode ter sido uma boa indicação do que podemos esperar. Ruim quando um ator não consegue se desvincular dos personagens anteriores.
    Gosto do Flash e acompanho a fatídica série ainda(não me batam).
    Mesmo sabendo que irei reclamar da escuridão e da bagunça visual e colorida, verei assim que tiver oportunidade!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É aquele tipo de filme que merece nosso tempo né, nem que seja pra falar bem ou mal rs

      Excluir
  2. Oi Rafael!
    Estou doidinha pra ver o filme, espero não me decepcionar pq a expectativa eh gigante viu...
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um filme com a maior equipe de heróis sempre deixa a gente ansioso né, quem sabe você se divirta mais do que eu com o filme!

      Excluir
  3. Confusão ou não ainda queria ver e mais por esses atores todos do que por ser fã de filme do tipo, confesso. Momoa e Ezra são meus queridinhos nesse filme e queria ver o que os dois fizeram ali, se foram personagens carismáticos, se consigo tirar os atores do papeis ou eles se tornaram os personagens mesmo e essas coisas. Não entendo muito de direção, efeitos e essas coisas, mas dá uma perdida na graça quando vejo algo clichê. E filme de heróis e vilões tem muito clichê ou coisa esperada. Mas aí depende também de como tudo é feito no conjunto da obra pra ter aquela graça de assistir. Acho que iria gostar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem muitas qualidades apesar de tudo, quem sabe se divirta com o filme né? afinal isso que importa!

      Excluir
  4. Rafael!
    Pelo visto, através dos seus olhos, o filme e fraco.
    Não assisti ainda, mas bem quero, porque preciso acompanhar a Liga da justiça em filme, mesmo com todas suas observações.
    Desejo um ótimo final de semana!
    “A poesia contém quase tudo que você precisa saber da vida.” (Josephine Hart)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA novembro 3 livros, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, é mais um filme fraco do que ruim, mas quem sabe não te incomode tanto como me incomodou

      Excluir
  5. Oi Rafael!
    Ainda não assisti, mais pretendo, pena que o filme é fraco. Realmente mudando a direção deve ter se tornado uma bagunça, o engraçado é que filme de heróis é quase impossível ser ruim (na minha opinião), até porque os próprios personagens já conquistam os fãs e espectadores!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, são heróis tão antigos e icônicos que são bons sozinhos, mas a bagunça interna do estúdio impediu o filme de fazer jus a esses personagens que tanto amamos!

      Excluir
  6. Concordo com você, aquela história clichê de sempre e queria um Batman mais na ação e apanhando menos rs. Mas apesar dos contras os filmes de heróis sempre me tomam uma ansiedade grande. Ficar aguardando o filme do flash , pois o ator me encanta, e a resenha dele aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O flash foi um dos destaques positivos do filme da Liga, esperamos que ele ganhe um filme bom, pois o ator merece e nós também, né!

      Excluir