BRIGHT

SINOPSE: Em uma realidade alternativa, seres humanos convivem em harmônia com seres fantásticos, como fadas, orcs, elfos, drações... Mesmo nesse cenário, infrações da lei acontecem e um policial humano especializado em crimes mágicos é obrigado a trabalhar junto com um orc para evitar que uma poderosa arma caia nas mãos erradas.
DIREÇÃO: David AYER
DISTRIBUIÇÃO: Netflix
DURAÇÃO: 1H53
ELENCO: Will SMITH, Joel EDGERTON, Noomi RAPACE e Lucy FRY.

O tom do novo filme de David Ayer, que dirigiu ESQUADRÃO SUICIDA, mostra o tom logo na primeira cena, quando o policial Daryl (Will Smith) mata uma fada (que mais parece um pequeno monstro de asas transparentes) a vassourada. Há inclusive um close da criatura esmagada no chão, com seu sangue colorido esparramado. Essa mistura de fantasia e violência permeia todas as próximas cenas de BRIGHT.

Ao misturar uma Los Angeles típica dos filmes e séries dos anos 1980, com criaturas saídas dos livros de fantasia, que coabitam da mesma forma que latinos, japoneses, europeus, asiáticos, entre outros, em um clima tenso de preconceito, rixas de gangues, policiais corruptos, federais que abusam do poder, racismo, entre outros temas sociais e políticos, a sensação que passa é de uma grande confusão. E realmente é.

Para piorar, durante um chamado, Daryl e Nick (Joel Edgerton), o parceiro orc, salvam uma elfa (Lucy Fry) que possui uma varinha mágica, arma que é capaz de realizar qualquer desejo. A notícia se espalha e logo toda a cidade está atrás dos três para roubar a varinha. Na perseguição, também estão os vilões do filme, que pretendem usar a arma mágica para trazer de volta o senhor das trevas e dominarem todas as raças.

Existem várias cenas de ação violentas, mas a maioria se resume a Daryl, Nick e Tikka (a elfa que eles resgataram) fugindo de gangues, ou de policiais corruptos, ou de orcs querendo vingança, ou dos federais, ou dos elfos do mal, indo de um ponto ao outro, sem um plano ou um destino para onde levar ou a quem entregar a varinha. Isso, até que precisam voltar ao ponto inicial e resolver tudo cara a cara, na base da porrada mesmo. Toda a questão social serve apenas de pano de fundo, não é discutida ou abordada além do necessário para justificar uma ou outra atitude.

Isso até passaria despercebido se a ação fosse satisfatória. Não é. Não existe um único confronto que justifique o orçamento do filme, e nem efeitos especiais. O que vemos, são batidas de carros, lojas destruídas, uma ou outra explosão, sendo a maioria digital, tiroteios do tipo que soltam faíscas e efeitos de luzes. Ou seja, nada que você já não tenha visto naqueles mesmos filmes de 1980.

Will Smith mantém a atuação dentro do seu padrão de qualidade, e seu carisma é suficiente para convencer e conquistar. Joel Edgerton está excelente como orc. A maquiagem pesada foi muito bem-feita e permite que o ator consiga se expressar perfeitamente. Até as orelhas se mexem. Fora os dois, não há qualquer outro destaque em termos de interpretação.

BRIGHT funcionaria melhor como uma série ao invés de um filme. Existe muito conteúdo que poderia ser aproveitado, melhor trabalhado e que ficou soterrado pelo limite de tempo. Mesmo assim, como diversão para uma noite sem muitas escolhas, vale assistir. Ou não.

Compartilhe este post:

Carl

Tenho várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamento o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco ;>) -, e não saber desenhar O.O

7 COMENTÁRIOS

  1. Não é o gênero que curto no cinema mas como meu ídolo Will Smith protagoniza vou dar uma chance. Além disso a campanha da Netflix com o Evaristo Costa despertou meu interesse.

    ResponderExcluir
  2. Bem, fizeram tanto estardalhaço com este lançamento e eu estava na maior expectativa até começarem a críticas..(negativas, é claro).rs
    Não entendo gastarem um orçamento exorbitante e não fazerem algo de qualidade ou ao menos com um enredo contendo pé,cabeça e membros!
    Amo o trabalho do Will e é como você escreveu, o carisma dele ganha tudo!
    Verei sim, só para passar o pouco tempo que já tenho!
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Quase assisti ontem, mas vou assistir hoje com certeza, mesmo não sendo lá essa maravilha toda haha. Gostei de saber o que esperar do filme e gostei que Will mantém o carisma, ele é o principal motivo de que quero ver o filme :)

    ResponderExcluir
  4. Pode ter lá muita coisa aí com defeito e que a gente espera mais, mas me deu vontade de assistir depois de ver tanta divulgação, não nego.
    Ahh, deve ser bom ver só por ver mesmo, um filme pra passar aquele tempo sossegado e tal. Não é lá meu gênero favorito, mas gostei da ideia. Pra entender agora se vale a pena mesmo, se tem lá seus furos e coisas que poderiam ser melhores aí só vendo. Mas pretendo assistir.

    ResponderExcluir
  5. Socorro hahahahha abaixa que lá vem bomba, NETFLIX mandando bem nas merda hein

    ResponderExcluir
  6. Eita Crl!
    Estava tão animada para assistir o filme e agora meio que deu uma brochada.
    Embora ame filmes de fantasia, não sou muito adepta da violência, embora goste de filme de ação mais comedida.
    Um domingo abençoado na paz do Senhor e FELIZ NATAL!
    “Celebrar o Natal é crer na força do amor, é isto que transforma o homem e o mundo. Feliz Natal!” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA dezembro 3 livros + 2 Kits papelaria, 4 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  7. Sinceramente além da falta de explicação, para muitos assuntos e temas abordados no filme, ao meu ver faltou ação, pois não e só carisma e uma boa trama que me prende, mas sim como isto tudo de forma conjunta se desenvolve. Outro ponto que me incomodou, e que tudo isto aconteceu em apenas uma noite, e eu fiquei pasma, por fim, só queria que o filme acabasse, pois esperava muito mais ação, briga, tira, e não foi isto que se ocorreu. Por mim poderia virar uma série, que talvez conseguiria manter um ponto alto.

    ResponderExcluir