O REI DO SHOW

SINOPSE: De origem humilde e desde a infância sonhando com um mundo mágico, P.T. Barnum desafia as barreiras sociais se casando com a filha do patrão do pai e dá o pontapé inicial na realização de seu maior desejo abrindo uma espécie de museu de curiosidades. O empreendimento fracassa, mas ele logo vislumbra uma ousada saída: produzir um grande show estrelado por freaks, fraudes, bizarrices e rejeitados de todos os tipos.
DIREÇÃO: Michael GRACEY
DISTRIBUIÇÃO: Fox Filme do Brasil
DURAÇÃO: 1H45
ELENCO: Hugh JACKMAN, Michelle WILLIAMS, Zac EFRON, Zendaya, Rebecca FERGUSON e Paul SPARKS.

É muito fácil se perder no meio do caminho, deixar de lado quem você realmente é para ir buscar algo que você não precisa. É basicamente isso que vamos encontrar em O REI DO SHOW, mas será que o final reserva alguma redenção? Vamos descobrir!

O filme acompanha a vida de um pobre menino, filho de um humilde alfaiate que sonha em ser bem sucedido e casar com uma menina rica. Os anos se passaram e o menino se tornou um grande empreendedor, dono de um circo diferente de tudo que existe nos Estados Unidos. O espetáculo é composto por muita música, coreografias e pessoas exóticas. Tem anões, homens peludos, tatuados, mulheres com barbas e pessoas negras, algo que, para a época, era um ultraje. O show se torna um incrível sucesso entre o povo simples, mas o dono sonha em conquistar o público burguês e não medirá esforços para alcançar esse objetivo.

Uma das coisas que mais causa estranhamento no espectador é que, depois de uns 30 minuto de projeção, parece que tudo que era pra ser contado, foi contado. O protagonista se dá bem na vida, o show é um sucesso e tudo está indo as mil maravilhas. O roteiro brinca com as expectativas do público, que nem imagina o que mais pode acontecer. O caminho em seguida fica menos fantasioso e mais real. O filme é corajoso em mostrar que seu protagonista não é tão legal quanto parece ser. Dá as costas para seus amigos, a trupe do circo exótico, esquece da família, tudo em sua busca louca pelo reconhecimento das pessoas ricas. A mensagem que o filme passa é tão atual, que podemos usar em nossas vidas, mesmo que a trama se passe há quase 100 anos. Temos que abrir os olhos e dar valor a tudo que temos e sermos gratos por isso. Do que adianta querer buscar novos horizontes, quando o preço pra isso é a destruição de tudo que você construiu?

Sendo um musical é primordial que tenha uma atmosfera artística, e aqui o que não falta é talento. A direção lembra um pouco filmes como MOULIN ROUGE e MAMMA MIA, são enormes sequencias de canto e dança, uma alternando com a outra, uma casando com a outra. A base de uma edição precisa ser ágil. A fotografia leva o espectador para dentro do espetáculo, os efeitos visuais e figurinos são deslumbrantes e as coreografias são contagiantes.

As canções são todas originais, compostas pela mesma equipe do maravilhoso LA LA LAND, e o resultado disso não poderia ser melhor. As músicas são enérgicas e com um toque muito atual, refrão chiclete e batidas dançantes. As letras também são muito bonitas e reflexivas, às vezes servindo como diálogo do filme. O destaque vai para as canções: “This is Me”, um relato tocante sobre auto aceitação; e “A Million Dreams” toca duas vezes no filme, e uma versão é melhor do que a outra. Ela é a mais emocionante e a que representa melhor a mensagem da produção.

O grande astro do filme é Hugh Jackman, o nosso Wolverine ama cantar e se sai muito bem nessa função. Tem experiência em musicais e domina muito bem toda e qualquer performance onde aparece. Quase levou o Oscar de melhor ator pelo também musical OS MISERÁVEIS, e aqui seu desempenho está igualmente impecável. O espectador é guiado pelas suas emoções e olhares. Com certeza, você vai dar um sorriso quando seu personagem estiver em cena. Outro que tem extensa experiência com musicais é Zac Efron, mundialmente conhecido depois da série de filmes HIGH SCHOOL MUSICAL. Ele tem um personagem que não é muito interessante e nem tem muito o que fazer, mas seu minúsculo arco é convincente e sua sequência musical ao lado de Hugh num bar é uma das melhores do filme.

A jovem Zendaya também não tem muito o que fazer e sua personagem acaba sendo engolida pelo protagonista. Mas sua presença em cena, postura e flexibilidade são incríveis. Sua personagem é uma trapezista, e a atriz dispensou dublês em todas as sequências no alto. Michelle Williams está excelente como sempre, canta, dança e ainda emociona o espectador. Rebecca Ferguson tem uma personagem pequena, porém seu desempenho exala riqueza e luxúria. Keala Settle interpreta a mulher com barba e sua personagem é apaixonante, dona de uma voz potente e uma presença de palco poderosíssima.

Sua trama pode ser realmente um pouco pobre, mas quando casada com a direção, elenco e trilha sonora, faz o público ir às alturas e acreditar no impossível. É um filme para te deixar feliz e realizado, uma grata surpresa!

Compartilhe este post:

Rafael Yagami

Cinéfilo compulsivo, amante de livros e musica. A leitura e os filmes sempre me ensinaram a confiar em mim e ter sonhos grandes e é com isso que me armo todos os dias para lutar pelos meus objetivos.

14 COMENTÁRIOS

  1. Ainda não fui assistir mas tenho visto nos stories da vida muitos elogios e pessoas saindo do cinema bem emocionadas.
    Hugh é muito talentoso! Espero que tenha o reconhecimento que merece!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hugh é maravilhoso mesmo, um dos atores mais versáteis em atividade!

      Excluir
  2. Por tudo que já li e andei vendo nos blogs de cinema que frequento, este filme é maravilhoso! Não só por ter o Hugh(amo),mas também por trazer a realidade em forma de sonhos, cores e realizações!
    Engraçado que eu sempre fui meio pé atrás com musicais, achava tedioso, mas depois de Os Miseráveis, acabei me apaixonando pela forma como a música pode nos conduzir para dentro das histórias.
    Verei em breve!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os musicais realmente tomaram uma roupagem diferente nos dias atuais para trazer o grande público de volta. Os Miseráveis é um dos meus musicas favoritos também :)

      Excluir
    2. Que bom que não sou a única a amar o filme por completo. Entendi tudo e não achei nada cansativo ou sei lá, pra mim é um dos melhores filmes que já vi.

      Excluir
  3. Confesso que musicais não me atraem tanto para as salas de cinema Rafael, mas tenho visto muitas criticas positivas dessa história e ver o Hugh interpretando um papel diferente de Wolverine deve ser interessante, principalmente pra mim que ainda não vi Os miseráveis. Eu gostei do post de um modo geral, os atores, mesmo aqueles com papeis menores parecem conseguir se sair bem e entregam um bom filme ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O filme vale muito a pena mesmo e não é tão pesado, mesmo pra quem não gosta muito do gênero musical, então vale a pena e quem sabe você passe a gostar mais desse gênero tão bonito :)

      Excluir
  4. Achei bem interessante a ideia da história e ver o Hugh em musical de novo depois de tanto tempo com aquele personagem do Wolverine na cabeça é uma mudança e tanto. Já tinha até me acostumado a ver ele como só esse personagem xD
    Achei legal que consiga até passar essa mensagem forte de valorizar o que se tem, não esquecer disso. A gente acaba querendo sempre mais e pra pisar no que se tem não é difícil. Gostei da crítica encima disso.
    E ah, é musical. Adoro musical. Tem uns temas legais ali e gostei desse estilo retrô, uma coisa mais antiga e meio perdida. Parece um bom filme.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale muito a pena para quem gosta de um filme extremamente glamouroso e rico esteticamente. No começo é estranho mesmo ver o Hugh cantando e dançando, mas depois a gente acostuma!

      Excluir
  5. Rafael!
    Gosto dos filmes baseados em fatos reais.
    Amo o Hugh Jackman, acho ele fenomenal, e, o resto do elenco também está fabuloso.
    Musicais são filmes agradáveis e de entretenimento delicioso.
    Preciso ir assistir.
    Um Novo Ano repleto de realizações!!
    “Para ganhar um ano novo que mereça este nome, você, meu caro, tem de merecê-lo, tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente. É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre.” (Carlos Drummond de Andrade)
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, esse filme é levemente baseado em uma história real. Musicais realmente animam e alegram bastante. ainda mais nessa época do ano das festas, não poderia ser uma escolha melhor de filme!

      Excluir
  6. O que realmente me atraiu neste filme foi a questão do desenvolvimento da obra, que de uma forma geral foi muito bem elaborado, desde questões como as músicas, atores,e atrizes, como o fato de ser uma estória baseada em fatos reais. Claro que pretendo assistir, até pelo cenário em que se passa o filme, que me deixou ainda mais curiosa e interessada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Visualmente é perfeição para ninguém botar defeito mesmo, um espetáculo em todos os quesitos!

      Excluir
  7. E como cantei. Amei as musicas do filme, serio quem não assistiu assista é muito divertido e emocionante e maravilhoso. Amei cada cena, cada musica que tenho a trilha sonora toda no celular.
    Um filme muito bom mesmo não sendo perfeito para os especialistas.
    A resenha do filme expressou bem o que senti quando vi o filme.

    http://garotaeraumavez.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir