OS MENINOS QUE ENGANAVAM NAZISTAS

SINOPSE: Paris, 1941. O país é ocupado pelo exército nazista e o medo invade as casas e as ruas francesas. O poder de Hitler se mostra absoluto e brutal na França… É durante um dos períodos mais turbulentos da História que a emocionante narrativa de Joseph e Maurice se desenrola. Irmãos judeus de 10 e 12 anos de idade, eles perambulam sozinhos pelas estradas, vivendo experiências surpreendentes, tentando escapar da morte e em busca da zona livre para ganhar a liberdade - Joseph JOFFO - Editora VESTÍGIO - 2017 - 288 páginas.

Consegue imaginar uma realidade onde você tem uma família grande e precisa se separar de todos para poder sobreviver? Ser caçado por não ter feito nada? Relatos sobre o período da Segunda Guerra Mundial existem aos montes, aqui teremos mais um, desta vez pelos olhos de uma criança.

Depois que a França se rendeu para Alemanha Nazista, a vida dos judeus no território francês foi piorando a cada dia. O país foi dividido entre a zona ocupada, basicamente o norte, que englobava Paris e a parte litorânea, e a zona livre, que consistia em grande parte do sul, incluindo cidades como Cannes e Nice. Em Paris viviam os Joffo, uma família judia dona de uma barbearia. Com receio da eminente prisão, a família decide se separar e planeja se encontrar na zona livre, conhecida como França de Vichy. Os irmãos mais velhos foram os primeiros a partirem, em seguida seriam Joseph e Maurice, caçulas de 10 e 12 anos. O plano é pegarem um trem sozinhos, acharem um jeito de passar para a zona livre e encontrarem os irmãos mais velhos do outro lado do país. Os meninos embarcam nessa jornada rumo ao desconhecido, fugindo sem cessar dos nazistas.

E a trama segue cada passo dos meninos. O livro autobiográfico é narrado pelo irmão mais novo e é dele que extraímos todos os receios dessa jornada. Conseguiria pedir isso para seus filhos? Cruzarem todo o Brasil com apenas uma mochila e dinheiro para conduções? É algo inimaginável para nós hoje em dia e, naquela época, com uma guerra acontecendo, a situação era três vezes pior e desesperadora. 

Os meninos precisam sempre lidar com imprevistos, já que sempre o plano dá errado. Estão viajando sem documentos e precisam a todo momento esconderem suas intenções. A trama é destrinchada como se uma criança tivesse nos contando os fatos numa conversa. A leitura é leve, sem muitas descrições e bastantes representações sentimentais. Acompanhamos de perto os medos e receios dos jovens e todo seu encanto também. Querendo ou não, estão cruzando todo o país e acabam conhecendo belas cidades e tendo experiências únicas.

O preço de tudo isso é a destruição de toda sua infância, já que os meninos precisam se virar sozinhos se quiserem sobreviver. Trabalhando para conseguirem seus alimentos e roupas, mentindo para conseguirem chegar ao próximo destino, sonhando com uma liberdade que nem entendem porque perderam. Claro que ainda existem pessoas boas. Em meio a tanto mal, sempre tem aqueles com o desejo de ajudar e, felizmente, os meninos cruzam com tais anjos. Recebem ajuda até mesmo de pessoas que pareciam inimigos declarados, tal ajuda causa muita dúvida no leitor, dúvida que o próprio narrador realça ter.

A trama descreve pouco a guerra, até porque os meninos não tinham muitas informações sobre o conflito. Mas não existe falta de informação em nenhum momento. Um dos questionamentos mais tocantes do livro acontece logo nos primeiros capítulos. O irmão mais novo não entende porque está sendo caçado e acaba perguntando ao pai: afinal, pai, o que é ser um judeu? O que nós fizermos? Uma pergunta que talvez nem o leitor consiga responder. Pessoas sendo perseguidas e mortas, que não praticavam o judaísmo e nem sabiam nada sobre essa fé. Parece coisa da idade média, de séculos atrás, mas ocorreu a menos de oitenta anos atrás.

É uma extrema agonia acompanhar os meninos chegando a um lugar e precisando fugir, a cada momento o destino seguro se torna um perigo. A família é separada, unida novamente, separada, unida parcialmente e isso se prolonga por mais de três anos. Para o leitor só fica o sentimento de esperança, de que tudo isso terá um fim, já que conhecemos o desfecho da guerra. Ao final do livro não temos mais os dois meninos, temos dois homens que viram os horrores da guerra e que foram obrigados a crescerem rapidamente para sobreviver. Uma leitura tocante e necessária, a prosa é fácil o bastante até mesmo para uma criança ler. A edição brasileira tem alguns capítulos grandes e outros pequenos, mas fica impossível parar no meio sem saber se os meninos chegaram em segurança a seu destino temporário.

O livro já foi adaptado duas vezes para o cinema. A versão mais recente é uma produção europeia de 2017. A edição nacional tem o pôster do filme como capa. O filme é muito bonito e fácil de ser achado, já que foi lançado oficialmente no Brasil. Publicado originalmente em 1973, já vendeu mais de 20 milhões de cópias em todo o mundo. Nos anos 90 foi relançado e tal edição veio com um posfácio onde o autor explica várias questões do livro que possam ter causado dúvidas, além é claro de nos emocionar ainda mais com alguns discursos. Um belo livro, necessário e impossível de ser largado.

Compartilhe este post:

Rafael Yagami

Cinéfilo compulsivo, amante de livros e musica. A leitura e os filmes sempre me ensinaram a confiar em mim e ter sonhos grandes e é com isso que me armo todos os dias para lutar pelos meus objetivos.

32 COMENTÁRIOS

  1. Oi, Rafael.

    Ao mesmo tempo, em que a família do Joseph e do Maurice tomaram a decisão de se separem e partirem e com a esperança de se reencontrarem, com certeza houve também a indecisão, pois muita coisa poderia acontecer no meio do caminho e eles nunca mais se reencontrar.

    A separação já é algo muito doloroso, em meio a guerra, é mais difícil ainda, porém foi algo preciso. Eu me coloquei no lugar deles e pude sentir pelo menos metade do que eles sentiram tendo que fazer isso.

    Essas histórias reais, tem o poder de nos tocar profundamente, de nos fazer sentir o que eles passaram em busca de sobreviver a cada dia...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, essas histórias também fazem nós mesmo valorizarmos ainda mais nossa vida e nossa liberdade, um livro perfeito.

      Excluir
  2. Respondendo a sua pergunta não consigo imaginar de jeito nenhum perder a vida que conhecia me separar dos meus e fugir rumo a lugar nenhum a espera de um milagre.
    Livros baseados em fatos reais para mim são muito mais emocionantes e tocantes e ainda me fazem refletir muito.
    O livro já está na minha Wishlist e cometerei o "pecado" de assistir ao filme antes de ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É algo inimaginável nos dias atuais mesmo. O filme vai te deixar com mais vontade ainda de ler, vale muito a pena!

      Excluir
  3. Oi Rafael!!
    Que livro heim...Não conhecia, o enredo parece ser bem desenvolvido, fico feliz em saber que tem adaptações de filmes, qro conferir qqr dia.
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O filme também vale muito a pena, mesmo mudando alguns pontos da trama original, mas o foco original ta lá!

      Excluir
  4. Ainda não tive a oportunidade de conferir o livro,mas recentemente vi o filme e foi dolorido.
    Estas estórias da Segunda Guerra e essa fase negra do nosso passado são fascinantes para mim e tenho certeza que para muitos.
    Estes irmãos sofreram muito pela separação,pelas provas,mas usaram de astúcia e esperteza para trilharem sua jornada.
    Espero ler o livro em breve e recomendo demais o filme!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um dos meus tipos de livro favoritos também, concordo que são leituras extremamente fascinantes.

      Excluir
  5. Achei muito doida a escolha desse pai de mandar os filhos embora assim. Mas serve pra gente ver que na Guerra vale tudo e os tempos eram outros, era isso ou ver algo horrível acontecendo. Deu pra entender isso ao ler a trama. E nossa, foi bem interessante. Esse senhor tem uma baita história e passar pelo que passou quando era criança, sem ter aquela noção total dos perigos é fogo. Foi um livro que gostei muito de ler. Triste por ver como teve que se separar da família assim, as incertezas dos tempos, os medos de serem pegos e como a infância dele acabou tão rápido. Dá mesmo um agonia ver esses dois fugindo. Agonia maior quando são pegos. Mas também tem umas coisas mais leves e até engraçadinhas, tipo quando eles enganavam os outros. Mas que meninada esperta viu! Não sei se conseguiria fazem nem metade do que esses dois fizeram pra se virar.
    Vale a pena ler e agora quero ver o filme também.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, a trama tem um toque de humor, até porque é narrada por uma criança de uns 10 anos. Um livro extramente completo, sem tirar nem por!

      Excluir
  6. Amo livros que são sobre a Segunda Guerra Mundial ou ambientados nela. Mesmo que em algumas raras vezes não seja uma história real,apenas o contexto já emociona. Principalmente livros com crianças que foram as que mais sofreram e tiveram sua inocência roubada. Esse livro parece pela resenha que é real, o que já me deixou ansiosa para poder ler o livro o mais breve possível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim sim, o livro é baseado numa história real. Os fatos reais são mais intensos e interessantes para mim, claro que existe alguns fictícios bem interessantes também.!

      Excluir
  7. Depois que li "O menino do pijama listrado" fiquei muito tocada e com vontade de mais livros do tipo, porém nunca mais me aproximei de um. Há tempos vejo esse livro por aqui ou por ali, mas na oportunidade de compra acabo deixando ele lado... Mas isso mudou hoje com a rua resenha! Se tornou aquele tipo de livro "NOOSSA, EU QUERO PRA ONTEM!". Sua resenha ficou com um entendo maravilhoso e me proporcionou conhecer o fundamento do livro, afundo da sinopse (nunca tinha ido atrás para saber sobre o conteúdo profundo do livro. Com certeza ter esse livro é obrigatório!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que ficou mais animada para a leitura depois do meu texto. Procurei passar todo o meu sentimento para a resenha, é um livro muito bonito e especial. Merece muito reconhecimento e espero que goste tanto quanto eu, quando tiver a oportunidade de ler!

      Excluir
  8. Oi ..
    É inevitável, sempre que leio livros que se passam na segunda guerra mundial eu me emociono. Não imagino o que esses dois irmãos passaram, deve ter sido uma história muito triste até conseguirem estar de fato com a família.
    Gosto de histórias ambientadas na segunda guerra mundial, além de um conhecimento a mais sobre o que já aconteceu, é interessante tentar entender o que acontecia naquela época. Espero ter a oportunidade de ler.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, o livro contextua muito bem a vida do povo francês nessa época, até mesmo aqueles que não eram perseguidos pelos nazistas. Uma leitura extremante interessante e importante.

      Excluir
  9. Oiie

    Uau, que livro. Eu já quero ler. Eu não era de prestar muita atenção na aula de história e a Segunda Guerra Mundial sempre me deixou com muita coisa na cabeça, eu detesto pensar no tanto que as pessoas sofreram nessa época, crianças virando adultos de uma hora para outra, pais vendo seus filhos sendo tirados deles e vice versa. Foi sem dúvida um período de muita crueldade. Quero muito conhecer a história de Joseph e Maurice, que pelo visto é surpreendente. Eu definitivamente preciso desse livro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As guerras mundias são muito interessantes, só precisam ser ensinadas de maneiras menos agressivas em detalhes. Romances biográficos como Anne Frank e esse que estamos discutindo são excelentes exemplos que deram certo. Uma leitura fácil e ágil, recomendo muito!

      Excluir
  10. Olá Rafael,
    Gosto muito de livros que mostram a temática da Segunda Guerra, acredito que quanto mais soubermos sobre as perseguições melhor informados ficamos e mais propensos a evitar que tais atrocidades se repitam.
    Muito triste ver aqui a infância de Joseph e Maurice serem destruídas enquanto buscam escapar e conseguir se salvarem.
    Parece ser uma narrativa muito envolvente mesmo, vamos vendo a trajetória dos meninos e sentindo esperança com eles. Tristemente, vemos que os dois se tornaram homens marcados por esta infância de horrores.
    Muito bom saber também que existem duas versões do filme, vou com certeza procurar para assistir após conferir a leitura do livro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente é um fato, aqueles que não se lembram do passado, estão destinados a repeti-lo. Uma leitura importante para todos, é uma aflição sem fim.

      Excluir
  11. Preciso ler este livro. Já vi varias resenhas e fico cada vez com mais vontade de ler e descobrir o que estes meninos tiveram que passar. Recentemente assisti um filme que tem guerra e era baseado em fatos reais e aquilo me assustou bastante, lembrar que crianças ouviram e até viram aquelas cenas todas me dá até um certo arrepio. Enfim quero muito ler.

    https://garotaeraumavez.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho certeza que vai gostar da leitura, ágil e fácil de se entrosar. Vale muito a pena!

      Excluir
  12. Assisti o filme e fiquei com um aperto no peito, muito emocionante. Quero ler esse livro, se gostei do filme vou amar o livro. Esse tema sempre mexe bastante com meu emocional.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O filme é realmente muito tocante, o livro é três vezes mais intenso, tenho certeza que vai gostar!

      Excluir
  13. Rafael!
    Gosto muito dos livros ambientados na 2ª guerra e na época do naxismo e achei bem interessante o entrosamento deles e como faziam para se disfarçarem e não serem judeus...
    Não sabia que o livro já tinha duas adaptações cinematográficas e fiquei ainda mais interessada.
    Desejo uma semana mais que abençoada e Novo Ano repleto de realizações!!
    “Meta para o Ano Novo? Ser feliz!” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy
    1º TOP COMENTARISTA do ano 3 livros + Kit de papelaria, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, como os filmes são produções estrangeiras, as vezes são novidades pra muita gente, vale a pena conferir os filmes depois do livro.

      Excluir
  14. parece ser um livro muito triste, com uma carga emocional muito forte :'( quando vejo filmes ou livros sobre esse assunto me lembro muito de O menino do pijama listrado, e pelo jeito esse livro me parece ser mais triste que O menino do pijama listrado, o que ja aperta meu coração :'( . É tão triste quando as crianças têm que crescer antes da hora, que perdem toda a sua inocência por causa do ódio da humanidade. Eu n sabia que tinha um filme, mas com certeza vou assistir!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Felizmente esse consegue ser menos trágico do que O Menino do pijama listrado, que é um tiro no coração.

      Excluir
  15. Sempre fui apaixonada por livros que se passam durante a segunda guerra mundial a maioria das vezes e romance Eu acho que um drama sempre cai bem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, um bom drama nos faz acreditar em coisas boas novamente, vale muito a pena!

      Excluir
  16. Fico imaginando em quantas crianças que perderam a infância nesse período turbulento e triste. É um livro triste e ao mesmo tempo de reflexão. Quero assisti ao filme primeiro, e ver meu grau de emoção, se for muita e eu chorar horrores, nem tento o livro.

    ResponderExcluir
  17. Oi, Rafael!!
    Não conhecia essa história achei bem interessante pois gosto de livros que tenha a ver com o a Segunda Guerra e também não conhecia o filme baseado na história. Adorei a indicação.
    Bjoss

    ResponderExcluir