PARA FRANCISCO

SINOPSE: Cris Guerra transforma a experiência da perda em poesia e reencontro. Edição com fotos inéditas e conteúdo adicional. “A morte é a única certeza da vida, embora a gente passe a vida inteira fingindo que ela não existe.” Esta é uma das várias reflexões que Cris Guerra deixou para seu filho, Francisco, após a morte do pai do menino, dois meses antes de seu nascimento. Inicialmente concebido como um blog, Para Francisco foi a forma que a autora encontrou para lidar com a sua perda e contar ao filho sobre seu falecido pai. De maneira poética e comovente, Cris discorre sobre a vida e sua rotina como viúva e mãe, trazendo fotos de família e e-mails trocados com o pai de seu filho, ao mesmo tempo em que aborda saudade, luto, força e superação. Sua história é profundamente inspiradora e este é um livro que mostra aos leitores como o amor tem forte poder de cura e capacidade de nos ajudar até nos momentos mais difíceis - Cris GUERRA - Editora BEST SELLER - 2017 - 240 páginas.

Apesar de gostar bastante, eu não acho que escrever seja uma tarefa fácil. Agora pense você como deve ser difícil escrever sobre uma história tão triste e, ainda por cima, real. É justamente isso que eu estou passando agora. É muito difícil imaginar que os "personagens" deste livro existem e viveram situações tão difíceis. Se alguém me perguntar qual o livro mais lindo que eu li na minha vida, eu responderei que é este. Mas se me perguntarem qual o livro mais triste que eu li na minha vida, infelizmente também é este.

PARA FRANCISCO nos conta um pouco da vida de Cristiana Guerra, mãe e viúva. É bastante trágico, apesar de ficar mil vezes pior quando a gente descobre que o amor da vida dela morreu repentinamente dois meses antes de Francisco vir ao mundo. Nos textos presentes no livro, que são como cartas endereçadas ao filho, a autora tenta nos mostrar os seus sentimentos, que transbordam ao mesmo tempo em que tenta entendê-los. Posso dizer que Francisco nasceu na dor e no amor.
20 de julho de 2007
CALENDÁRIO
Tem dias que são o seu pai, Francisco. Amanhece, o sol lá fora diz o nome dele, o silêncio do sábado chora a sua ausência. E de repente tudo que era alegria vira um buraco. Tem dia que tudo o que eu andei se desfaz. E volta uma tristeza aguda, a maior do mundo. Em dias como esses, só você faz sentido. Porque você é a continuação da nossa história. Tem dia que o sol pode brilhar lindo lá fora, mas é um brilho triste. Tem dia que nem chove, mas é dia de choro. Mas tem sempre um outro dia, filho. Foi você que me ensinou isso. 
O livro surgiu do blog PARA FRANCISCO, o lugar que Cris "achou" para preencher a ausência de Guilherme, não só da sua vida, mas também da vida do único filho. Pouco tempo depois, Cris transformou em livro todas as fotos, e-mails, textos e histórias para que Francisco pudesse saber o quão incrível era o pai. Para falar a verdade, desde o início, acredito que o verdadeiro intuito de Cris era criar lembranças maravilhosas para o filho, que nunca teria a chance de conhecer o pai. E, para mim, é uma das coisas mais lindas que uma pessoa pode fazer. 

Eu queria, de verdade, ter palavras para descrever a grandiosidade desse livro, desse amor todo, mas eu não tenho. Eu costumo ter vontade de que todas as histórias dos livros que eu leio sejam reais. Enquanto eu lia PARA FRANCISCO, o que eu mais queria é que tudo fosse uma história de ficção, daquelas que a gente se emociona, mas fica tudo bem no final, porque sabemos que não é de verdade. Queria que Francisco pudesse ter conhecido o pai e vice-versa. Queria que a Cris continuasse a viver essa linda história de amor, que pudesse continuar recebendo e-mails de bom dia lotados de beijos e carinhos. Queria... 
28 de julho de 2007
MONTANHA-RUSSA
Ele me existiu intensamente por dois anos que pareceram uma vida. Continuar sem ele era como começar de novo, de outro chão, como se acabasse de descer do carrinho depois de uma volta assustadora na montanha-russa. De repente, o que era rápido e intenso parou num segundo. Na minha cabeça, tudo continuou rodando. O perigo maior não estava no movimento do brinquedo. O perigo maior era seguir tonta, no silêncio, com o mundo balançando em volta. 
Gente, que livro incrível! Cristiana conseguiu expor sua dor de uma maneira tão suave e delicada que, apesar de ser muito triste, torna as coisas muito bonitas - acredito que seja pelo fato de o conteúdo ser endereçado a Francisco. Eu falo, falo, falo, mas não consigo expressar tudo o que eu senti enquanto lia. Consegui chorar, rir e chorar de novo. Provavelmente foi o livro que eu mais chorei na vida. Não conseguia parar de me imaginar no lugar dela, que eu não conseguiria suportar essa situação de forma alguma. Mas aí eu penso no poder que um filho tem de manter as coisas estáveis.

É uma história tão maravilhosa que chamou a atenção da escritora Martha Medeiros: "Além de um belo livro, Cris Guerra nos deixou um recado valioso: a vida não apenas continua, ela sempre recomeça”. A edição especial, que é uma comemoração de dez anos do lançamento do livro, consegue deixar tudo ainda mais fantástico. Possui várias fotos que a edição anterior não tinha, além de novas cartas e cenas super divertidas do Francisco. 

A única coisa que eu tenho para dizer é que vocês leiam esse livro. Que se emocionem também. Que percebam o quanto um amor verdadeiro pode transformar a mais terrível dor em uma forma de consolo. Que passem a valorizar as pessoas, os pequenos detalhes, todos os "tudos". Porque no final, só o que nos resta são as lembranças de tudo o que queríamos que fosse eterno.

Compartilhe este post:

Ana Clara

Nasci em uma cidade do interior de Minas Gerais, chamada São Domingos do Prata. Já rodei todos os cantos do estado, até que surgiu a oportunidade de eu vir estudar em Diamantina. Amante de livros desde pequena - devo agradecer à minha mãe por isso -, sonho em ter uma biblioteca pessoal.

19 COMENTÁRIOS

  1. Aí Meu Deus!Só de ver a sinopse e ver os trechos do livro já estou com lágrimas nos olhos.
    Realmente transformar a dor em amor e em algo que será útil não só ao filho mas a todas as pessoas é uma dádiva.
    Pena que não é muito reconhecido.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Ana Clara.
    Com certeza não foi fácil para a autora, após sofrer uma grande perda ter que relembrar e contar tudo para o filho através de cartas, mostrar fotos, e-mails e tudo mais... Mas, que estavam transbordados de sentimentos. Deve ter sido muito doloroso para ela, e também para seu filho, que não pôde conhecer seu pai, crescer com ele.

    ResponderExcluir
  3. Pelo pouco que pude ver lendo a sinopse e a resenha já tenho certeza que é um livro tocante. E por ser uma história real torna a experiência do leitor ainda mais profunda. Ansiosa pra ler.

    ResponderExcluir
  4. Já tinha visto este livro pelo mundo literário, mas não havia parado de fato, para ler sobre o que trazia. E agora estou aqui me perguntando os motivos de não ter visto e lido tudo isso antes!
    O amor retratado em sua forma mais intensa e sim, com certeza absoluta a única coisa que a autora desejou, foi deixar a imagem viva na vida do filho.
    Lista de desejados com certeza!
    Beijo

    ResponderExcluir
  5. Não vou mentir: pulei os trechos do livro pq, pela primeira vez, não quero ter um spoiler. Eu fiquei arrepiada do início da sua resenha até o último ponto final e sim, já me emocionei bastante. Chorona do jeito que sou, vou me desidratar bem fácil lendo esse livro que parece ser incrível!

    ResponderExcluir
  6. Oi Ana!
    Segunda vez que leio uma resenha do livro e novamente me emociono...
    Enredo lindo e triste ao msm tempo, já está anotado na minha lista, ainda mais por ser um dos gêneros que eu amo ler...
    Bjs e parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir
  7. É de partir o coração quando a gente lê algo assim na ficção, na vida real então, sabendo que aconteceu dá ainda mais tristeza. Aquela vontade que tudo desse certo e tivesse um final feliz é que é pior porque a gente sabe que não vai ser como espera. Mas parece bonito mesmo pelas lições que passa, pelo gesto dela de fazer algo assim para o filho poder conhecer o pai. Achei isso muito bonito. Tem aí bastante emoção mesmo e torna o livro algo especial. Parece legal.

    ResponderExcluir
  8. É preciso de muita coragem e garra fazer um blog para o filho conhecer o pai.
    É preciso de muita coragem pra ler esse livro, principalmente pra mim, que chorei com a resenha.
    Transformar a dor em algo bom já é difícil quando é algo só para você e conseguir transformar a dor e passar uma mensagem de forma simples para várias pessoas sem dúvida é algo muito complicado. Mas é algo extraordinário, pois mostra que com amor da para superar.
    Quero ler esse livro , mas acho que vou trabalhar meu psicológico primeiro pq eu definitivamente não tenho psicológico pra isso tudo.

    ResponderExcluir
  9. A Resenha é de chorar ein, o livro parece ser muito lindo mesmo, e muito triste, eu geralmente não gosto de não-ficção, mas esse me interessou muito, esses trechos que você colocou é de partir o coração, sei que eu iria chorar horrores lendo esse livro, principalmente por que sei muito bem a dor de se perder alguém que ama, principalmente um pai, então o livro cairia como uma luva em minhas mãos. se muitas das vezes lemos livros triste mas de ficção já queremos que isso n aconteça, imagina lermos um livro triste mas com fatos reais, é um livr que quero muito ler !! Obrigada por nos apresentar um livro tão lindo desses.

    ResponderExcluir
  10. Ana!
    Nossa! Que história enternecedora.
    Deve mesmo ser um livro carregado de amor e...de dor.
    O mais importante é que a Cris não deixou que o filho não conhecesse o pai, ela conseguiu através de seu relato e das fotos, cartas, emails, etc em seu blog que Francisco pudesse conhecer o pai de alguma forma e do amor que eles tinham.
    Amei e quero ler.
    Desejo uma semana mais que abençoada e Novo Ano repleto de realizações!!
    “Chega de velhas desculpas e velhas atitudes! Que o ano novo traga vida nova, como o rio que sai lavando e levando tudo por onde passa.” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy
    1º TOP COMENTARISTA do ano 3 livros + Kit de papelaria, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  11. Oi Ana :)
    De fato o livro parece lindo, não sei se iria ler, acho tão pessoal, tão íntimo... Admiro muito a Cris ter tido forças para criar algo tão incrível para o filho mesmo em momentos de dor, e acredito também que as lembranças sejam ao mesmo tempo que dolorosas, um conforto para ela; não sei se eu teria estrutura para tal feito.
    Bjs

    ResponderExcluir
  12. Oie Ana 💖
    Adorei a resenha, simplesmente me deixou com muita vontade de ler (e me fez chorar hahahaha), ainda mais por que nunca li um livro com uma história real! Ansiosa e me preparando para as lágrimas que irei derramar!

    ResponderExcluir
  13. Olá Ana Clara,
    Que livro triste! Mas com certeza uma leitura linda que vai despedaçar corações!
    Ainda não conhecia o livro, e achei muito muito forte! Só de ler o quote já fiquei emocionada. A autora tem uma forma muito direta e poética para expressar sua dor.
    Não sei se teria "coragem" de ler o livro, ele parece ser o tipo de leitura que pode te colocar para baixo e te envolver completamente na estória. Saber que se trata de uma estória real com certeza torna tudo mais difícil!

    ResponderExcluir
  14. Aja coração para ler este livro pelo visto.
    Fiquei muito curiosa para ler este livro deve ser muito emocionante, alem disso parece que a mulher escreve muito bem e com palavras que emocionam. Só sei que se eu ler vou chorar rios pois sou muito chorona.
    Escrever para o filho dela e para ela tambem foi uma forma de esvaziar o que estava carregando dentro de si e isso é ser forte.

    https://garotaeraumavez.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Se só esses trechinhos apertaram meu coração imagina o livro! Não tinha ouvido falar desse livro antes, muito obrigada por apresentar. Vou ler ainda nesse ano.

    ResponderExcluir
  16. A história é linda de certa forma mas eu não sou muito dada a poesias mas esse trecho do livro é simplesmente muito fofo Prevejo muitas lágrimas

    ResponderExcluir
  17. Olá! Nossa só de ler essa sinopse já me deu vontade de chorar, deve ter sido bem difícil para Cristiana, passar pela perda de alguém tão querido, tão próximo de um momento tão importante, quanto o nascimento de um filho, mas acredito que ela demonstrou muita coragem ao decidir fazer o blog para que o filho pudesse conhecer o pai, com certeza é um livro que nos faz refletir.

    ResponderExcluir
  18. Que mulher guerreira. Depois que li pela primeira vez a resenha desse livro fui pesquisar sobre a Cris Guerra e gostei muito da história de vida que ela tem. Com certeza vou ler esse livro quando tiver oportunidade.

    ResponderExcluir
  19. Oi, Ana!!
    Essa é a primeira vez que vejo algo sobre esse livro e fiquei muito curiosa para fazer esse leitura emocionante!!
    Bjoss

    ResponderExcluir