THE END OF THE F***KING WORLD

SINOPSE: A série segue James, um jovem de 17 anos que acredita ser um psicopata e mata animais regularmente, e Alyssa, uma colega de classe rebelde que vê em James uma chance de escapar de sua vida doméstica tumultuada.
TEMPORADAS: 1
EPISÓDIOS: 8
GÊNERO: Comédia/Drama
DURAÇÃO: 22 minutos
ANO DE LANÇAMENTO: 2017
CANAL: Netflix

Você identifica quando uma história é bem escrita, quando os personagens são construídos de uma forma que conseguem evoluir com o decorrer dos acontecimentos, mas sem perderem a essência, sem parecer que viraram outras pessoas, mas apenas se descobrem, vencem seus traumas ou encontram uma saída para os problemas que vivenciam.

Alyssa e James começam pensando, e dando a pensar, que são um determinado tipo de pessoa: ela, doida; ele, um serial killer. Alyssa se aproxima de James porque ele é o garoto diferente de todos, introvertido, calado, isolado. James se deixa levar por Alyssa porque vê nela sua primeira vítima. E até um terço da série, assistimos a acontecimentos que parecem comprovar cada vez mais que os dois realmente são isso mesmo.

Mas, aos poucos, somos apresentados ao que Alyssa e James realmente são. Essa descoberta é o que melhor há na série e faz com que o casal de adolescentes saia da condição de esquisitos para uma total paixão com quem compreende o que cada um deles viveu e que causou a transformação do que eles eram até o momento da quebra, da constatação de que um só precisa do outro para continuar vivendo. O amor dos dois não nasce pela identificação, ou pela aproximação, ou mesmo pela necessidade, mas pelo sofrimento individual.

Alyssa vive no meio de uma família que a ignora, sob os olhares de cobiça do padrasto e sem poder contar com a ajuda da mãe, que vira o rosto para essa situação. Ela quer ser notada, ela quer que alguém se importe com ela, porque ela se sente um fantasma, uma garota sem importância e sem alguém que lhe faça companhia. Então o que ela faz? Ela se rebela, ela fala palavrões, ela afronta e confronta, ela age sem pensar e por instinto, porque isso faz com que a notem, cria um conflito que serve de grito por atenção.

Na infância, James presenciou algo que o traumatizou. A partir desse momento, ele deixa de sentir. Nada. Ele não sente nada. Por isso, ele enfia a mão em óleo fervendo, porque quer sentir algo, qualquer coisa, mesmo que seja dor. Por isso ele pega animais mortos e os disseca, porque ele procura pelo que as criaturas vivas sentem, ele tenta compreender o que faz o sentimento existir. Por isso, ele quer se transformar em um assassino, ele pensa que matando alguém, ele poderá sentir algo.

Quando Alyssa decide fugir e procurar por seu pai biológico, e levar James junto, aos poucos, cada um em seu momento, conseguem compreender aquilo que sentem, ou que não sentem, e descobrem que estão errados sobre o que pensam deles próprios. Quando os dois vencem seus traumas, quando Alyssa se torna uma garota normal, que sabe ser carinhosa, receptiva, compreensiva, e James descobre que jamais conseguiria matar uma pessoa a sangue frio, quando ele supera aquilo que presenciou e volta a sentir, e o que ele sente é amor por Alyssa, os dois transbordam de cumplicidade e amor.

Mas, nesse ponto, pode ser tarde demais.

THE END OF THE F***KING WORLD é uma série britânica com uma direção e um humor negro que divide o público entre aqueles com sensibilidade para compreender o que são e o que serão os personagens, e aqueles que acham tudo muito esquisito, que não conseguem ver além da normalidade das séries americanas sem profundidade dramática. Todas as sequências, algumas com cortes rápidos e situações bizarras, entregam uma montagem perfeita e que combina com tudo o que é apresentado.

Jessica Barden e Alex Lawther combinam como os melhores casais da TV e do cinema, e atuam de acordo com a excelência de seus personagens. É impossível não se apaixonar pelos dois até o fim da série, torcer por eles.

A série é baseada em uma HQ homônima e quase que totalmente desconhecida, por isso é muito, muito, difícil você, aqui no Brasil, conseguir ler. THE END OF THE F***KING WORLD é uma das melhores surpresas que a NETFLIX trouxe nos últimos meses, uma obra diferente, com personagens diferentes, com uma direção diferente e que deixa o expectador perplexo com sua conclusão. E sobre essa conclusão, vale frisar que é uma série, que haverá uma segunda temporada, então não se desespere. Calma.

Compartilhe este post:

Carl

Tenho várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamento o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco ;>) -, e não saber desenhar O.O

10 COMENTÁRIOS

  1. Estou vendo muitas resenhas e comentários sobre essa série, muitos adoraram e muitos odiaram. Eu estou com vontade de assistir, mas fico com aquele desconfiança ¯\_(ツ)_/¯

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito. Já tinha visto sobre a série mas não sabia que era baseada em um HQ!
    Vou procurar tanto a série quanto a HQ.
    Muito obrigada pela dica e parabéns pela crítica

    ResponderExcluir
  3. Já li alguma coisa a respeito da série,mas ainda não sabia ao certo do que se tratava. Ando com minha fila meio enorme..rs mas mesmo assim, vou caçar esta.
    Adoro enredos assim, que dividem opiniões e trazem questões bem humanas a serem discutidas e ainda por cima, por personagens tão jovens!
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Oi Carl!
    Eu já ouvi flar da série mas não conheço mto sobre, é bom saber que é baseada em um HQ, vou procurar conhecer mais...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. ouço tanto falar dessa série que estou super curiosa para assistir, e fico muito feliz que tenha gostado, pela forma que você falou ela parece ser boa mesma, e aborda temas muito importantes, como é possivel se conectar com alguem pela dor e fico muito feliz que os romances que os dois tem não é meio nada a ver, quero muito assistir e ainda bem que por enquanto a série está bem curtinha!

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. No começo da série eu achei ela bem esquisita estranha na verdade tentei terminar ela umas duas vezes por a série mas me esforcei assistir até o último episódio e a perceber que a senhora não é tão ruim assim eu entendi as mensagens que quiseram passar nela e entendi o dilema que os personagens estavam vivendo Mas acho que isso poderia ser bem melhorada na segunda temporada Caso seja Renovada para segunda temporada Mas enfim não foi uma das melhores séries para mim

    ResponderExcluir
  8. Gente, mas eu adorei essa série. Fui ver pelo humor negro e a doideira de um adolescente querendo matar uma menina assim. Chamou atenção. E é bem louco quando a gente começa a assistir e vai descobrindo aos poucos que o que pensava deles não é lá como são na verdade. Tem mais por trás do serial Killer e da doida. Essa bravata da garota e o jeito rebelde que esconde uma dor por ser excluída da família, não compreendida, largada de lado...O garoto e a história de infância terrível....meu Deus, aquela cena do carro foi a que me deixou mais besta na série inteira. Horrível. Aquilo foi horrível.
    É interessante poder ir descobrindo essas coisas neles, os sentimentos por trás de cada um e ver que a série mesmo sendo bem doida tem uns dramas e umas coisas que te fazem simpatizar com os personagens, torcer por eles e tal.
    Vi gente falando que era uma droga, que não viu graça. Mas acho é que não entenderam bem as coisas que a história pode passar. É diferente, não é uma daquelas séries de humor padrão ou de drama padrão. Achei isso demais nela, muito bom.

    ResponderExcluir
  9. Não gostei, não faz o tipo que gosto e fiquei até um pouco assustada. Sei lá não quero ver...

    ResponderExcluir
  10. Carl!
    É um tipo de humor diferenciado do que estamos acostumados, mas parece uma séri interessante no sentido de desvendar o verdadeiro caráter das personagens e provar que basta que encontremos alguém que nos compreenda e que nos valorize, para que mostremos quem realmente somos. Amo quando o lado psicológico é mostrado.
    Desejo uma ótima semana, cheia de luz e paz!
    “Que o novo ano que se inicia seja repleto de felicidades e conquistas. Feliz ano novo!” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy
    1º TOP COMENTARISTA do ano 3 livros + Kit de papelaria, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir