A FOGUEIRA

SINOPSE: Com lançamento simultâneo no Brasil e nos EUA, A fogueira é o livro de estreia da atriz Krysten Ritter, protagonista do premiado seriado da Netflix Jessica Jones e conhecida também por seus papéis em Os defensores e Breaking Bad, entre outros filmes e séries. Na trama, Abby Williams é uma advogada de 28 anos especializada em questões ambientais. Hoje uma mulher independente vivendo em Chicago, Abby teve uma adolescência problemática numa cidadezinha no estado de Indiana que até hoje ela luta para esquecer. Mas um caso de contaminação envolvendo uma grande empresa obriga Abby a voltar à pequena Barrens e confrontar seu próprio passado. Quanto mais sua equipe avança nas investigações sobre a Optimal Plastics, mais Abby se aproxima também da verdade sobre o misterioso desaparecimento de sua antiga melhor amiga anos atrás e de outros acontecimentos até então sem resposta - Krysten RITTER - Editora FÁBRICA231 - 2017 - 288 páginas.

Krysten Ritter, para quem não sabe, é a atriz de JESSICA JONES, seriado da NETFLIX. A FOGUEIRA é seu primeiro livro, e ela foi esperta na história que concebeu. Por quê? Bem, porque ela não correu riscos, ela usou várias partes de outras obras de sucesso, fez uma boa amarração entre essas partes, adicionou uma narrativa intimista, mas sem ser piegas, e entregou uma história consistente, interessante, mas que não possui nada que seja realmente original.

Vamos analisar: garota que abandona cidade depois de uma trauma e volta anos depois para se vingar, ou para resolver os problemas pendentes; empresa poderosa que afeta o meio-ambiente e compra todos para não ser processada; triangulo amoroso, onde um é bonzinho e o outro um canalha; bullyng feito por um trio de garotas bonitas e ricas; abuso de menores; um desaparecimento misterioso, que pode ter sido um assassinato, na verdade. Você, se lê ou assiste filmes regularmente, vai sentir que já viu cada uma dessas partes em outros lugares.

Por serem temas de certa forma diferentes, o resultado dessa mistura poderia ser desastroso. Mas é necessário elogiar Ritter por conseguir uni-los de forma competente, sem parecer que estão desconectados, e de uma forma que cria um suspense crescente e que culmina com uma explicação plausível e emocionante.

Abby, a personagem principal e narradora, tem um crescimento visível desde que volta para a cidade e precisa confrontar seus traumas, causados pelo bullyng que sofreu no colégio e pelos maus tratos de seu pai abusivo. Ela não apenas consegue ultrapassá-los, mas também afirmar sua convicção de justiça para conseguir resolver e punir os culpados pela intoxicação da população através da poluição das águas da represa da cidade, mesmo que, para isso, ela perca o direito de advogar.

Além de Abby, existe uma segunda personagem tão importante quanto, uma vez que é ela quem move toda a trama, mas que aparece na história apenas através de menções e lembranças: Kaycee, a garota que foi a melhor amiga de Abby na infância e que, na adolescência, se tornou seu pior pesadelo, com uma perseguição ostensiva e covarde sem qualquer motivo aparente.

Toda a complexidade de Kaycee é construída sobre a ótica de outros personagens, então o leitor nunca tem certeza de quem ela é de verdade, se ela é uma vilã, uma vítima, alguém com problemas psicológicos ou outra coisa qualquer. Nós nunca temos uma versão dela mesma, e quando chegamos ao final do livro, descobrimos que ela pode ter sido todas essas personalidades juntas, mas com um motivo doloroso e cruel, não para os outros, mas para ela própria.

Existe outros personagens no livro que possuem sua devida importância e são construídos dentro dos limites que precisam para completar a sequência de eventos. Nada é gratuito em A FOGUEIRA, cada pedaço do texto tem uma função e isso foi outra coisa que me agradou e surpreendeu. Não é comum encontrar essa segurança em obras de estreia, mesmo que elas se sustentem em temas famosos e conhecidos. E nem mesmo a capacidade de deixar cada personagem com suas características ímpares, dando oportunidade para que eles cresçam e se transformem em pessoas mais maduras.

A FOGUEIRA foi uma surpresa agradável, que eu li de curioso e por ser fã da atriz, agora também autora. É um thriller emocionante, bem amarrado, com personagens bem construídos, que abre as portas para uma escritora promissora.

Compartilhe este post:

Carl

Tenho várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamento o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco ;>) -, e não saber desenhar O.O

12 COMENTÁRIOS

  1. Oi, Carl.

    Uau... Me pergunto se a Abby tem algum envolvimento no desaparecimento da Kaycee e não se lembra de nada... Ou, se lembra e não quer lembrar do passado. Pode ter sido algo acidental, sem querer.

    Afinal, ela tinha motivos para querer que a amiga desaparecesse do mapa. O bullying que "o diga". Não que isso não justifique nada, é só uma hipótese e teoria minha...

    Ou, talvez, ela sofra com alguma doença e tenha problemas de esquecimento.

    ResponderExcluir
  2. Gosto muito do trabalho da Kristen como atriz desde Gilmore Girls.
    Quando descobri que lançara um livro fiquei com um mix de sentimentos: feliz por ela se aventurar em outras áreas e apreensiva pois poderia ser um desastre total.
    Mas só por essa resenha já criei mil teorias na minha cabeça. Agora vou ter que ler para saber se estou certa

    ResponderExcluir
  3. Só tenho contato com o trabalho da moça como atriz e isso ela faz com maestria. E mesmo sendo um pouco avessa a isso de "aquela moça que escreveu aquele livro,mas oh, ela é atriz daquele filme ou seriado..rs". Soa tão "filho do famoso cantor". Nunca consegui associar essas coisas,mas sei também que isso acaba aguçando a curiosidade não só dos leitores,mas dos fãs da atriz.
    Tenho lido coisas bem positivas sobre o trabalho dela com as letras e se tiver oportunidade, quero muito poder ler a obra.
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Achei interessante ela fazer um livro, é bem louco quando a gente vê uma atriz ou algum artista assim entrando no mundo literário, é um novo lado pra se descobrir sobre a pessoa. E parece que ela acertou com essa história. Por não tentar nada extravagante nem fora do comum e por saber interligar bem as coisas pra não deixar aquilo estar ali por estar. É legal poder ver que cada coisa tem um papel depois, só isso já me anima e muito pra ler o livro. A curiosidade pra saber como vai acabar parece ser das boas.

    ResponderExcluir
  5. Oi Carl!
    Eu tinha ouvido flar desse livro mas não tinha lido nd sobre ele ainda, eu curti bastante viu, e vindo da atriz só pode ser coisa boa, eu vou add aos desejados e tentar uma oportunidade pra conhecer logo.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  6. Tenho visto comentários sobre esse livro. Mesmo não tendo procurado antes sobre a história dele, tive interesse pelo mesmo desde o nome até a capa que tem esse jogo de luz e me encantou de primeira. É bom saber que esse livro de primeira viagem da Krysten tem um bom caminho e claro, se já tem essa desenvoltura no primeiro automaticamente tende a melhorar com os próximos.

    ResponderExcluir
  7. Boa noite!
    Eu não gosto de livros que as histórias são repetidas, e não passa ser algo original para o leitor. Eu até gosto de livros assim, com um suspense, buscando fatos que levam o desenrolar da história, mas eu não fiquei entusiasmada em ler, mas quem sabe por ela ser uma leitora nova os próximos livros possam ser melhorados! Beijos, obrigada!!

    ResponderExcluir
  8. Oi Carla!
    Conheço o trabalho da atriz e o burburinho não é atoa, ela é ótima, agora apostar em escrever eu não sei ... Fico com o pé atrás quando atores dão uma de escritor.
    Em uma coisa ela acertou, intercalar passado com presente na narração prende o leitor, e sei que esse livro é escrito dessa forma, eu mesma adoro narrativas assim, e também achei o enredo bem interessante, não sei se existe bem uma comparação entre Jessica Jones e Abby como alguns comentários dozem, a personagem do seriado é uma mulher bem forte e determinada, teria que ler para ver essas semelhanças... Bom saber que a leitura te agradou.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. *Carl!!!
      Corretor as vezes só atrapalha, rsrs

      Excluir
  9. Olá! Com certeza foi uma estréia ótima e um dos melhores thrillers que li há algum tempo, toda essa mistura de lembranças pessoais, traumas, investigação, os fantasmas que voltaram para assombrar a Abby, negócios inacabados, velhos amigos que não eram amigos, mas agora parecem querer ser, e o mistério, enfim, tive que ler o livro de uma vez, porque o enredo me prendeu do início ao fim.

    ResponderExcluir
  10. Olá, realmente para um livro de estreia Krysten Ritter se saiu muito bem, entregando ao leitor uma trama coerente e bem explorada, ainda que peque por não entregar nada muito marcante. Também é possível ver algumas características da Jessica Jones na protagonista, deixando claro que a autora se inspirou no seu próprio personagem. Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Carl!
    Já acompanhei o trabalho de atriz da autora em Breaking Bad, mas nem sabia que ela tinha escrito um livro, ainda mais um thriller psicológico, um dos estilos favoritos de minha parte.
    Mesmo sendo um tanto preisível em certa parte, gosto quando há trechos em flash back e pelo que falou, a escrita da autora ´pe muito boa.
    Acredito que valha a pena ler.
    “Acredite na justiça, mas não a que emana dos demais e sim na tua própria.” (Código Samurai)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA FEVEREIRO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir