BEM ATRÁS DE VOCÊ

SINOPSE: Após uma tragédia que o separou por oito anos de sua irmã mais nova, Sharlah, o jovem Telly ressurge como o principal suspeito de uma onda de assassinatos. Só uma pessoa é capaz de desenhar o perfil do criminoso: o hábil ex-agente do FBI Pierce Quincy, que é convocado para colaborar no caso. Mas seu envolvimento como pai adotivo de Sharlah pode obscurecer sua linha de raciocínio ou levá-lo para um emaranhado de pistas desconexas, mostrando que o caso pode ir muito além do que parece ser - Lisa GARDNER - Editora GUTENBERG - 2018 - 352 páginas.

É uma triste realidade quando crianças estão envolvidas em tragédias ou crimes hediondos. Seja participando do ato ou sendo apenas uma vítima, tudo fica pior quando nem o governo cuida bem dos jovens depois de tais acontecimentos. E é nesse pensamento que BEM ATRÁS DE VOCÊ desenvolve sua história.

Telly e Sharlah são filhos de um casal viciados em drogas e álcool. Vivem em meio à violência e discussões de seus pais e precisam se virar sozinhos, mesmo ambos com menos de dez anos. A situação explode quando o pai, muito alcoolizado, mata a esposa a facadas e, em seguida, avança para cima dos filhos com toda a fúria. Num movimento rápido, Telly acerta seu pai na cabeça com um bastão de beisebol, salvando sua irmã e a si mesmo. Os anos passam, e ambos ainda vivem com graves traumas daquela noite fatídica. Não tendo parentes próximos, os irmãos foram mandados para lares adotivos separados a pedido do governo. Acabaram perdendo contato um com o outro, até que uma série de assassinatos ocorrem na cidade e Telly é apontado como o principal suspeito. Sua irmã menor, Sharlah, agora vivendo com uma família provisória, composta por policiais aposentados, teme que o irmão venha atrás de si ao mesmo tempo em que não entende suas motivações.

A trama se revela logo nos primeiros capítulos e boa parte dos fatos é apresentada em seguida e o livro para por ai. Ao longo de quase quatrocentas páginas, acompanhamos os personagens analisando cada detalhe desses fatos, enquanto tentam estruturar a anatomia desse crime. Não preciso nem dizer que a inercia é muito presente nesta trama, não espere ação ou grandes movimentos, tudo aqui se resume a diálogos e, na maioria das vezes, diálogos redundantes. Os capítulos se alternam entre a detetive responsável pelo caso, os policiais aposentados pais da menina, a própria menina Sharlah, voluntários presentes na equipe de rastreamento da policia e uma infinidade de “flashbacks” envolvendo Telly, o grande suspeito.

A maior e única qualidade da trama é ser bem distribuída e capaz de deixar o leitor visualizar tudo de vários lugares ao mesmo tempo. Esse tanto de informação é passada para de forma convincente, tanto que, apesar de longo, o livro não é cansativo. De longe os melhores pontos de vista são os dos policiais, que transmitem muito bem seus medos internos e traumas do passado, enquanto precisam solucionar mais um crime a cada dia.

A leitura lembra muito qualquer filme/série/livro policial, seja novo ou antigo, não tem um pingo de novidade e nem usa seus clichês de forma convincente. O livro não chega a ser ruim, só que esse tanto de familiaridade tira o foco do leitor, que acabando pensando "eu poderia está usando meu tempo para ler algo mais interessante". E o mais estranho disso tudo é que o livro é o sétimo volume de uma serie de romances policiais que tem o casal de policiais aposentados como protagonistas e que, por incrível que pareça, os outros volumes não estão disponíveis no Brasil. Claro que não é necessário ter lido os anteriores para entender esse, mas é um tanto estranho parar e pensar o porquê da editora querer lançar esse livro agora sem os anteriores.

E o desfecho da trama não poderia ser menos previsível, todas as reviravoltas e artimanhas da escrita presentes aqui já foram usadas antes de forma muito melhor em outros projetos. O sentimento final para o leitor é que a escritora pensou em desfechos rápidos e sem inspiração só para poder encerrar o livro. Depois de encher muita linguiça, em vinte páginas, tudo é resolvido, todas as pontas são unidas, porém o resultado é frustrante e decepcionante. E para piorar, o epílogo é composto de uma explicação da autora sobre todos os fatos que já presenciamos nas páginas anteriores. Não poderia ter encerrado o livro de forma pior, achando que o leitor é ignorante ao ponto de não entender como tudo se finalizou. O saldo final se resume a algo insosso e esquecível.

Compartilhe este post:

Rafael Yagami

Cinéfilo compulsivo, amante de livros e musica. A leitura e os filmes sempre me ensinaram a confiar em mim e ter sonhos grandes e é com isso que me armo todos os dias para lutar pelos meus objetivos.

26 COMENTÁRIOS

  1. Oi, Rafael.

    Eu acho que esse possível envolvimento do irmão da Sharlah com esses assassinatos, poderia ter alguma relação, visto que os motivos poderiam ser o mesmo, tendo relação com seu possível primeiro assassinato. Ou, a própria Sharlah, por ter um trauma do passado, assim como seu irmão... Mesmo sendo muito óbvio.

    Gosto quando o detetive está à frente dos casos, quando vai nos dando pistas e dicas, mas detesto lembranças do passado!


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, tanto que os capitulos dos policiais são os melhores. Esse tanto de lembranças é bem tedioso, mesmo sendo um pouco necessário para a trama se finalizar sem deixar pontas soltas.

      Excluir
  2. Já li coisa dela que gostei bastante, mas nossa, esse não parece tão bom quanto os outros que peguei. O drama das crianças é algo forte e chamou atenção pela premissa. Passar por uma situação onde a família é tão quebrada assim, ter de se virar e até chegar ao ponto de uma tragédia maior é triste e fácil de simpatizar. Mas o tom mais parado e analítico da trama me desanimou um pouco. Gosto quando esse estilo de livro deixa a gente curioso do começo ao fim, não sei se ficaria tão presa com ele. Mas aí só lendo mesmo pra ver se a mistura da autora vale apena. Por já ter lido coisas dela acho que talvez gostasse, a escrita dela já me prendeu. Mas o medo de muito encher linguiça e nada de trama tá algo viu.. ..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A escrita do livro ela até prende o leitor, o problema mesmo é que a trama problemática e clichê afasta um pouco o interesse no livro. Primeiro livro que leio dessa autora, espero um dia ler mais um, um melhor de preferencia kk

      Excluir
  3. Desde o ano passado tenho me aventurado nos Thrillers policiais. Já li alguns muito bons que fizeram a Xeroque Rolmes dentro de mim entrar em ação.
    Porém esse livro além de não me atrair me incomoda o número excessivo de páginas que pelo visto são desnecessárias.
    Concordo com você já que é uma série por que não publicar desde o livro 1? Sei que como em outros livros de séries policiais pode seR lido separadamente sem prejuízo mas gosto de acompanhar a série completa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que para alguém que acompanhou desde o inicio e se importa com os personagem, a leitura desse livro pode ser bem melhor. Realmente da pra ler de boa sem os outros, mas achei estranho mesmo assim eu não poder conferir os anteriores antes.

      Excluir
  4. Sempre li coisas muitos boas sobre esta escritora, eu leio muitos suspenses e policiais mas realmente me incomoda quando a escritora subestima a inteligência do leitor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi uma das coisas que me deixou bastante decepcionado, para quem explicar de novo tudo o que o leitor já leu? Além de ser desnecessário esse epílogo, é uma perca de tempo.

      Excluir
  5. Olha que eu adoro o trabalho da autora, mas fazia um tempo que não lia ou via algum livro dela. Se minha memória não estiver falha, li três livros da autora e gostei demais da maneira rápida que ela nos apresenta a estória e já a solução.rs
    É realmente sempre um livro de entretenimento,mas eu gosto muito.
    Ainda não conhecia este novo livro e se não me engano, é o sétimo de uma série, mas podem ser lidos separados sem problema algum.
    Mesmo com estes pontos negativos, espero poder conferir.
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mesmo com alguns pontos negativos a leitura não é massacrante e nem torturante, até que dá para passar o tempo, caso a pessoa queria um livro com trama ágil e sem muitas novidades.

      Excluir
  6. Olá! Eita que a história não me empolgou, e depois de ler a resenha tenho certeza que vou deixar essa leitura passar. Não entendo o que se passa na cabeça das editoras para lançar um livro que faz parte de uma série fora de ordem (alôooo, cadê o respeito com nós leitores).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho isso péssimo mesmo, até quando o livro pode ser separadamente. Se eu estou dedicando meu tempo a algum livro, eu deveria escolher a forma de leitura e não a editora.

      Excluir
  7. Oi Rafael!
    Também não entendo porque uma editora se dá o trabalho de lançar séries fora de ordem, mesmo que os livros não precisem necessariamente serem lidos assim. Fora isso, eu imaginei que o livro surpreenderia, até porque gostei do enredo que foi apresentado, uma pena ter se tornado "mais do mesmo", vem acontecendo muito isso com os livros do gênero!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, a trama se desenvolve bem, mas acaba que no final todos os caminhos levam aos desfechos mais clichês possíveis. Se você gosta de leituras com um pingo de charme e originalidade, passe longe desse livro rsrsrsrs

      Excluir
  8. Oi Rafael!
    Não conhecia o livro, msm sendo um enredo bom, eu não consegui me interessar mto pelo livro, talvez seja pq ando mto na minha zona de conforto, qdo puder vou dar uma chance, quem sabe mudo de ideia.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O enredo é meio mais do mesmo, difícil chamar a atenção para quem não gosta muito de ler livros com esse tema, tenho certeza que você vai achar títulos melhores do que esse.

      Excluir
  9. Rafael!
    Dessa autora já tive oportunidade de ler uns três livros e gosto muito da forma como ela cria seus enredos.
    Esse ainda não li, mas por sua resenha, vejo que é carregado de suspense e mistério que nos prende, embora o final seja previsível e você ter achado que é apenas mais entre tantos no mesmo estilo...
    Preciso ler.
    “Eu escolho um homem que não duvide de minha coragem, que não me acredite inocente, que tenha a coragem de me tratar como uma mulher.” (Anaïs Nin)
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O livro realmente prende o leitor até o meio, mas depois disso o caminho vai se deteriorando, difícil ter interesse em algo tão familiar e sem vida.

      Excluir
  10. Olá, achei bem aleatório a editora resolver publicar essa obra, visto que a série possui outros livros. Enfim, percebe-se que a autora consegue entregar uma trama consistente, mas que não entrega nada de inovador e deve agradar quem procura um romance policial efêmero. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, quem gosta apenas de um suspense policial bem estruturado, mas sem novidades, esse livro pode ser que agrade.

      Excluir
  11. Boa noite!!
    Já me decepcionou 100% de saber que a história se baseia mais em conversas e pouca ação.
    Livros assim costumo não dar continuação a leitura.
    Beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando a trama se foca nas conversas entre os detetives o texto é até muito interessante, mas quando foca nos mimimi e nas crianças, ai a coisa fica realmente bem tediosa.

      Excluir
  12. Patrícia Walléria28 fevereiro, 2018

    Que pena! Só de ler a resenha já me decepcionei com o livro. Pela sinopse, até parecia ser interessante, mas livro policial sem ação não flui mesmo.
    Também achei super estranho o fato de este ser o sétimo livro de uma série e os outros não serem publicados no Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poderia até não ter ação no livro, porém era necessário ter pelo menos um crime bem estruturado e sem clichês bobos, mas infelizmente originalidade é algo que não existe nesse livro.

      Excluir
  13. Pela capa o livro parece ser meio diferente do que é, mas fica a lição: não julgue pela capa. A sinopse é boa, mas nada daquilo que prende desde já. Sua resenha ficou ótima, muito bem explicada e já satisfez meu desejo de saber mais do livro. Não sei se leria, mas fica em aberto nesse ponto.

    ResponderExcluir
  14. Oi, Rafael!!
    Gosto muito de thrillers policiais e de suspenses mas acho que a história tem que ser bem amarrada e desenvolvida. E que pena que isso não aconteceu nesse livro.
    Bjos

    ResponderExcluir