CINQUENTA TONS DE LIBERDADE

SINOPSE: Superados os principais problemas, Anastasia e Christian agora têm amor, intimidade, dinheiro, sexo, relacionamento estável e um promissor futuro. A vida, no entanto, ainda reserva surpresas para os dois e fantasmas do passado como Jack Hyde e Elena Lincoln voltam a impedir a paz do casal.
DIREÇÃO: James FOLEY
DISTUIBUIÇÃO: Universal Pictures
DURAÇÃO: 1H49
ELENCO: Jamie DORNAN, Dakota JOHNSON, Rita ORA, Luke GRIMES, Arielle KEBBEL e Eric JOHNSON.

A série de filmes que prometiam apimentar os romances dramáticos finalmente chega a seu capítulo final. E agradecemos por isso, porque esses três filmes se provaram uma enorme decepção e perda de tempo, não conseguindo nem serem eróticos, como prometeram desde as primeiras notícias da produção. Para contextualizar, 50 TONS DE CINZA acompanha uma jovem tímida que de forma inesperada embarca num tórrido romance com um bilionário. O diferencial de tal relacionamento é que o homem tem gostos peculiares, é praticante de sadomasoquismo, além de ser extremamente misterioso. Mesmo sendo uma furada, a garota mergulha nesse mundo, até os problemas começarem a aparecer. Depois de um rompimento, a garota decide dar uma nova chance para o homem e em 50 TONS MAIS ESCUROS, acompanhamos o reinicio desse relacionamento com novas regras ditadas pela garota. Mas estranhos do passado do homem começam a surgir e ameaçam quebrar a harmonia do casal.

Já em 50 TONS DE LIBERDADE, os problemas aparentemente foram resolvidos e o tão esperado casamento de Anastásia e Christian Grey finalmente acontece. Mas como de costume, um atrito começa a crescer no casal nessa nova vida e novamente estranhos do passado querem lhes fazer mal. Meus resumos podem ter parecido sem conteúdo, mas é bem difícil comentar um filme sobre nada. Roteiro aqui não existe, muito menos uma trama. O que o filme oferece são intermináveis sequências belíssimas de viagens e cenas de sexo apelativas. A cada vinte minutos de projeção, o casal viaja para um novo país; a cada dez minutos, eles transam; a cada cinco minutos, o homem é um babaca com sua esposa; e a cada dois minutos, eles gastam dinheiro inutilmente.

Além do casal não ter um pingo de química, o filme não consegue deixar claro o porquê de a garota aceitar toda essa vida de privamentos e luxos desnecessários. Eles compram tudo do bom e do melhor, não aproveitam nada e nem conversam. É uma relação movida apenas por sexo e correntes. Obviamente, isso é o problema que vem desde o primeiro filme, é algo que seria impossível de ser corrigido agora, mas a produção ainda continua a romantizar um relacionamento abusivo e machista. A garota não pode usar a roupa que ela quer, a garota não pode sair com amigos, a garota não pode ter atitudes próprias, senão o cara fica com raivinha e desconta sua frustração na hora do sexo, isso quando ele simplesmente não para de falar com ela e some. É um romance fútil e tóxico que é sustentado apenas pelo dinheiro. Se o homem fosse pobre, fora de forma ou feio, teria 100% chances de ninguém apoiar esse relacionamento.

Mas o filme poderia falar desses mesmos temas e ser competente, porém nada aqui tem propósito, nada aqui tem uma mensagem e tudo leva a lugar nenhum. Não existe redenção para ninguém e nenhum personagem evolui, uma perda de tempo sem fim. Quase uma hora de projeção que só é composta de sexo e viagens. De fato, as cenas são belíssimas, todas carregadas com sua trilha sonora cheia de hits pop. O filme poderia ser editado como vários clipes musicais sem falas e o resultado seria muito mais tragável. E depois disso, o filme se lembra de que fato é um filme e que precisa de uma trama. E num passe de mágica, temos um vilão, temos um perigo e um jogo de gato e rato. Seria redundante eu falar que nada disso cola e o desfecho desse circo só leva ao absurdo, a justificativa vai além do patético.

A única coisa boa é que provavelmente nunca mais veremos Jamie Dornan na pele do Grey. O ator cria de forma incrível uma cortina de aço entre si e o espectador, desenvolvendo um personagem machista, repugnante e sem vida. Aposto uma grana de que na verdade ele está morto, mas de alguma forma vivo. Já Dakota Johnson está pedindo socorro com os olhos, a atriz é competente e tenta passar um pouco de carisma para sua personagem. Mas seu esforço é esmagado por um roteiro que deprecia sua feminilidade e a despacha ao papel de ser apenas objeto de obsessão de um homem louco. O resto do elenco é todo desperdiçado e não vale nem uma nota de rodapé.

Se fizermos um balanço, o resultado seria que desses três filmes, apenas suas respectivas trilhas sonoras valeram a pena. A proposta era ser um romance erótico, mas, na verdade, os filmes falam nada e são sobre nada. Futilidades e erotismo barato, que essa serie de filmes caia no vácuo eterno do esquecimento.

OBS: Texto desenvolvido sem conhecimento prévio dos livros.

Compartilhe este post:

Rafael Yagami

Cinéfilo compulsivo, amante de livros e musica. A leitura e os filmes sempre me ensinaram a confiar em mim e ter sonhos grandes e é com isso que me armo todos os dias para lutar pelos meus objetivos.

14 COMENTÁRIOS

  1. Olá Rafael,
    Dos filmes eu só assisti o primeiro e fiquei meu decepcionada depois de todo o barulho que foi feito em cima do filme. Ainda não consegui assistir os outros e nem sei se vou.
    Eu tbm não li os livros, e depois de assistir o primeiro filme acabei me desanimando para ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A trama já chama a atenção por si só mesmo, porém desde o primeiro filme os produtores divulgam uma qualidade que não existe nesses filme. Infelizmente eles só pioram conforme o tempo passa.

      Excluir
  2. Gosto tanto dos livros quanto dos filmes.
    É perceptível o amadurecimento como atores de Jamie e Dakota em 50 tons de liberdade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não consegui sentir esse amadurecimento em nenhum dos filmes, mas cada um com sua opinião né.

      Excluir
  3. Se for procurar alguma coisa que salve esse filme tá ferrado xD
    É aquele negócio, coisa ruim que faz fama fácil. Bom de ver por ver só pra saber porque tanto báfáfá, mas não vale gastar dinheiro no cinema. Não vi nenhum por lá e nem pretendo. Tem muita coisa errada nisso, o pessoal não tem graça, mas ainda vejo cada filme que sai na esperança de algo melhor xD
    Fico só na esperança mesmo... mas daqui há uns meses assisto pra ver como isso ficou.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A gente sempre espera que os erros sejam corrigidos nas sequencias né, mas parece que os produtores querem é fazer mais porcarias, ao invés de entregar um filme descente para o espectador, triste isso.

      Excluir
  4. Rafael!
    Quem quiser que fale, pode ser brega, , piegas, cheio de clichês e falhas, mas amo essa série de paixão…
    E claro que como fã, quero ir assistir o filme. Vi na TV hoje uma crítica, dizendo que o filme perdeu totalmente a característica dos anteriores e criou uma história trivial de amor, simplesmente… Acho que é bem o que você sentiu...
    Pois que seja, mas quero assistir de todo jeito.
    Um carnaval de alegria e moderação e bom final de semana!
    “Quer você acredite que consiga fazer uma coisa ou não, você está certo.” (Henry Ford)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA FEVEREIRO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todo o filme tem seu público né, com certeza vai agradar alguns. Mas o problema dessa serie não é nem ser brega ou piegas, é só ser uma romantização de um relacionamento abusivo, isso é bem perigoso e o publico acaba aplaudindo uma trama dessas sem se dar conta de tão horrivel que ela é.

      Excluir
  5. Bem...eu li o primeiro livro e desisti dos demais. Depois com o tempo, fui meio que obrigada a ler os demais e também a ver os filmes.
    Não consigo ficar alienada aos assuntos do momento e tanto livros quanto filmes, são o assunto do momento quando lançados.
    Ainda não fechei essa desastrosa trilogia,mas sei que verei em breve.
    Ruim? Ainda assim é elogio.
    Não funcionou, os personagens não tiveram química, o enredo não tem nada a ver com coisa nenhuma.
    Mas...povo gosta é de porcaria.
    Dito!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, o problema mesmo é gostar de uma porcaria dessas que fica enaltecendo um relacionamento abusivo, triste ver que o grande publico desse filme é de mulheres, logo elas que deveriam lutar pelo fim da romantização de relacionamentos assim.

      Excluir
  6. Oi!
    Não li os livros ainda mas vi os filmes, e msm com tantas negatividades lidas por aí eu qro ver msm assim, fá que é fã só enxerga o lado bom ....
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente todo o filme tem o seu publico e não tenho duvidas que esse filme fará muito dinheiro. Mas é importante saber que ele ta longe de ser um filme bom, tem erros gritantes que até os fãs vão se incomodar acredito.

      Excluir
  7. Eu não tenho um pingo de vontade de assistir. Só pelo trailer e pelas resenhas (isso sem influenciar minha opinião) dá para ver que a historia é nada em nada. Gosto de uma boa historia, cheia de verdade e que tenha sentimentos bons e que ensinem algo. Deste tipo de filme sem nada com nada quero distancia.

    http://garotaeraumavez.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, o filme aqui se resume a uma incrível sopa de água: incolor, inodora e insipida.

      Excluir