FILHOS DE NAZISTAS

SINOPSE: Até 1945, seus pais eram considerados heróis. Depois da derrota alemã, ficou claro que eram carrascos. Gudrun, Edda, Niklas e os outros retratados neste livro são os filhos de Himmler, Göring, Hess, Frank, Bormann, Höss, Speer e Mengele, alguns dos principais responsáveis pelo horror nazista. Crianças ou adolescentes durante a guerra, eles a viveram sob a proteção de seus pais afetuosos e poderosos. Para eles, a queda do Reich foi um verdadeiro choque de realidade. Inocentes, inconscientes dos crimes de seus pais, descobriram então toda a sua extensão. Alguns julgaram e condenaram. Outros continuaram reverenciando esses homens execrados por toda a humanidade - Tania CRASNIANSKI - Editora VESTÍGIO - 2018 - 240 páginas.

A Segunda Guerra Mundial foi uma das maiores atrocidades já cometidas pela raça humana. E se eu te perguntasse quem é o culpado, provavelmente você diria Hitler, não é? Tal resposta não estaria incorreta, estaria apenas incompleta. Várias outras pessoas foram fundamentais no andamento da guerra, outras até mais demoníacas. O desfecho disso, você conhece, a guerra acabou, a Alemanha perdeu e foi trucidada e os culpados ou foram mortos ou presos. Mas esses culpados tinham famílias? O que aconteceu com elas? Neste livro, nós vamos analisar os descendentes de homens extremamente cruéis e sádicos, com a esperança de que esses filhos não sejam espelhos dos pais.

Esses homens entraram para a história da pior forma possível, mas é fato que, pelo menos aqui no Brasil, não é todo mundo que os reconhece pelo nome. FILHOS DE NAZISTAS traz oito relatos dos filhos desses chefes do alto comando da SS e seus destinos no pós-guerra. A Segunda Guerra percorreu a década de 1940 e muitos desses descendentes eram crianças e não entendiam o que estava acontecendo. Muitas dessas crianças sequer viram os horrores dessa época, ficando refugiadas em mansões de luxo, isoladas. É importante frisar que muitos descendentes só descobriram os crimes dos pais anos depois, e muitos sequer acreditaram, pois só conheceram a face paterna do homem que as colocou neste mundo. O livro não é apelativo ao ponto de odiarmos alguns descendentes e gostarmos de outros. O texto é rico o suficiente para mostrar os dois lados da história e apresentar uma justificativa para o sentimento que permaneceu nas crianças. E você? Como agiria se descobrisse, anos depois, que seu pai foi um dos responsáveis pelo Holocausto, o genocídio judeu?

Dentre os descendentes temos os filhos do homem que foi o chefe de Auschwitz, o maior campo de extermínio da guerra. Também temos o filho do homem que foi o secretário particular de Hitler, responsável por fazer as vontades do líder nazista em realidade. E também os filhos do homem que foi o responsável pela “Solução Final”, o plano para o início do holocausto, e o filho do “Anjo da Morte”, o médico que atuou em Auschwitz e que ficou conhecido por fazer experiências macabras com seres humanos e que, por incrível que pareça, conseguiu fugir da perseguição no pós-guerra e veio se esconder aqui, na América Latina, incluindo o Brasil.

Quase todos os filhos retratados no livro eram crianças durante a guerra e, sendo filhos de poderosos nazistas, tiveram tudo do bom e do melhor. Tiveram carinho e até um amor especial vindo do pai, então é compreensível entender que nem todos aceitaram bem as verdades sobre o passado deles. Dois sobreviventes em específico jamais aceitaram acreditar que seus pais foram esses monstros que a história afirmou. Passaram a vida tentando livrar o pai de tais “calúnias”, acreditando que tudo não passou de difamações dos inimigos, uns até chegam ao ponto de negar que o holocausto aconteceu. Para o leitor só fica o sentimento de pena, é triste ver como um pai, não apenas destruiu sua própria vida, destruiu seus filhos involuntariamente. Esses descendentes se tornaram amargos, sem desejo de ter uma vida produtiva e feliz, e a leitura realça que essa herança negra, felizmente, pode ser rompida quando o assunto é os filhos dos filhos desses criminosos nazistas. Uma ou até duas gerações depois conseguiram seguir em frente, a compreensão finalmente chegou para eles. De forma breve, o livro nos conta sobre os netos e bisnetos dessas pessoas e como eles vivem com esse passado negro. Aceitam que, neste caso, não é questão de opinião, e sim de fatos.

Alguns odeiam seus pais e cultivam um rancor tão forte que prejudica suas vidas, não sendo diferente daqueles que não acreditam no passado dos pais. Outros sentem vergonha de terem alguma ligação com assassinos, e outros preferem ignorar e reprimir todo esse passado, que não cansa de segui-los. São oito rápidos relatos cheio de detalhes sobre os descendentes e o passado de seus pais, então não é necessário ter um profundo conhecimento prévio da guerra, o livro pega na sua mão e te guia da melhor forma possível. A escrita só se perde quando tenta novelizar demais os relatos. No começo de cada capítulo, a autora tenta criar uma pequena história em forma de aventura, algo que destoa completamente da leitura e que, felizmente, dura apenas poucas páginas, não interferindo no saldo final do livro.

Uma das crianças era filha de um homem que era chefe de um campo de concentração, sendo assim morava perto da instalação. A criança sentia um cheiro horrível de queimado e via fumaças negras de longe. A criança era de uma família rica e poderosa, sendo assim tinha muitos criados em casa. Essas pessoas faziam de tudo, desde limpeza, até jardinagem. Usavam macacões listrados numerados. A criança achava essa roupa incrível e pediu para a sua mãe lhe comprar uma igual. Quando seu pai ouviu isso, não demorou em dar uma surra na criança, ordenando que ela nunca mais falasse aquilo. A criança só foi entender o motivo da surra anos depois e nunca mais viu seu pai como via antigamente.

Quando se tem um filho, quando se cria um ser humano, você passa um pouco da sua alma para ele, seja ela boa ou ruim. Seja qual for a pessoa que faça algo horrível e desumano, anos atrás ou hoje mesmo, essa pessoa não está apenas destruindo sua vida. As marcas dos seus atos permanecerão nos que a rodeiam e é triste notar que não pensamos muito nesse fato. O livro conta sobre os horrores da guerra, mas o tema é tão atual, quanto qualquer outro, o que eu quero passar para meus descendentes? Como eu quero moldar o caráter do meu filho?

Compartilhe este post:

Rafael Yagami

Cinéfilo compulsivo, amante de livros e musica. A leitura e os filmes sempre me ensinaram a confiar em mim e ter sonhos grandes e é com isso que me armo todos os dias para lutar pelos meus objetivos.

24 COMENTÁRIOS

  1. Oi, Rafael.

    Eu imagino que para os descendentes desses homens responsáveis por algo que afetou milhares e milhares de pessoas, não deve ser fácil ter que lidar com o passado nazista, o histórico familiar de suas famílias.

    Uma descoberta tão forte e tão cruel, é difícil de digerir, de aceitar. Chega até a ser inacreditável. Para alguns, acho que com certeza a imagem de seus pais, que eles tinham antes, mudaram drasticamente, foi desfeita, diante de algo tão decepcionante!
    Dá pra imaginar como eles se sentiram. E, olha, se eu estivesse no lugar deles, eu me sentiria bastante decepcionada com meu pai ou avô!

    Há alguns, li uma matéria sobre a filha (se eu não me engano) de um desses homens cruéis... E infelizmente, ela simplesmente defende seu pai, defende o nazismo. Isso é muito inacreditável, difícil de aceitar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É triste mesmo pensar que alguns descendentes defendem o pai, além dele se destruir, levou seu filho junto.

      Excluir
  2. Que história pesada e forte!
    Não conheço nenhum livro que mostre o outro lado do nazismo. O lado mal.
    Bem diferente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, a trama por si só já é bem diferente e arriscada, só por isso vale uma conferida.

      Excluir
  3. Se tem, um negócio que nunca parei pra pensar era em quem era filho desse povo cruel que fez tanta coisa ruim naquela época. Quando vi o livro mas já me veio tanta ideia na cabeça... Imaginando se sabiam o que os pais fizeram, se entendiam, se concordavam, se viam alguma coisa sendo feita...imagino depois de crescidos, o fardo que não é saber que os pais delas participaram de tanta coisa ruim assim. Essa filha que achava legal a coisa dos macacões e sentia o cheiro no ar até me lembrou da história do menino de pijama listrado. É pra gente ver que aquele tipo de situação pode muito bem ter existido mesmo, a inocência da criança em não entender o lugar, as pessoas e toda a situação. Bizarro. Só de ver falando assim já dá um aperto no peito =/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma aflição sem fim mesmo e realmente lembra muito o filme do "Menino do Pijama Listrado" que foi baseado em fatos reais né. É um livro riquíssimo que choca, mas nos faz pensar de uma forma muito diferente.

      Excluir
  4. Oi Rafael
    Canso de dizer que me interesso muitos por livros que retratam a realidade da Segunda Guerra Mundial, e que todos deveriam ler esses livros para entenderem como o ser humano pode ser cruel, é como você mesmo citou, Hitler é só a ponta do iceberg, ele não faria nada do que fez se não tivesse companheiros.
    Imagino que não deve ser fácil acompanhar o que essas pessoas relataram, e pior, imaginar como eram enganadas quando crianças para acreditarem que tudo aquilo era normal, dá para entender como muitas não vivem mais suas vidas tranquilamente depois da descoberta sobre seus descendentes. Gostei mto da resenha, e achei o livro mais do que interessante, pretendo ler!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deveria ser um livro quase obrigatório em escolas, precisamos conhecer muito nosso passado para no repeti-lo. De fato é um livro bem difícil de ser digerido, mas que vale a pena.

      Excluir
  5. Admito que não conhecia este livro e por isso, já estou indo colocar ele na lista de desejados do Skoob.
    Sou fascinada por livros que trazem algo desta época negra da nossa história.
    Mas é algo que nunca havia pensado de fato: quem eram os filhos destes homens e mulheres que cometeram tantas atrocidades? O que pensavam? O que sentiam?
    Quero e preciso muito ler o livro!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um assunto interessante e pouco abordado né, os descendentes de monstros, vale muito a leitura!

      Excluir
  6. Sempre me interessei por livros com o tema,. apesar de triste trazem mtas informações aos eleitores, espero conseguir ler um dia pois tenho mto interesse em conhecer.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É triste mesmo, até difícil de ser digerido, mas vale muito uma conferida!

      Excluir
  7. Olá, nunca parei para pensar sobre como ficou a vida dos familiares de quem era simpatizante da doutrina, logo é inegável que essa obra chama muito a atenção e desperta curiosidade. Além disso, a mesma também é mais um do milhares documentos referentes ao período, imortal no seu conceito do que jamais deve ser repetido. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, o livro mal lançou e já é um dos mais importantes para quem gosta de se aprofundar no tema, alias a leitura deveria ser obrigatória para todos, devemos sempre lembrar do passado e nunca repetir tais atos repugnantes.

      Excluir
  8. Rafael!
    Interessante ver que apesar de tantos livros voltados para o Holocausto, sempre tem lugar para mais um e com uma visão diferenciada.
    Esse mesmo achei mais que interessante, porque a autora é neta de um dos protagonistas e resolveu fazer sua própria pesquisa para saber como andam os descendentes daquele povo tão cruel.
    Bacana!
    Um feriado de alegria e moderação e desejo uma ótima semana!
    “Ninguém é assim tão velho que não acredite que poderá viver por mais um ano.” (Cícero)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA FEVEREIRO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, a autora realmente tem um pé nessa trama, o que só enriquece ainda mais seu próprio livro.

      Excluir
  9. Boa noite!!
    Esse livro é importante porque retrata o que as pessoas passaram, além disso é importante para deixar claro que havias muitas outras pessoas cruéis envolvidas não apenas o Hitler, é importante essa história ficar viva em nossa mente para que enxergamos o quanto os seres humanos podem cometer atos hediondos uns com os outros, sendo algo considerando não humano e como que a segunda guerra mundial impactou a humanidade.
    Valeu, beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, hitler não foi o único, o livro serve de alerta também para tomarmos cuidado em quem estamos apoiando, acima de tudo, ditadores e pessoas ruins precisam de grande apoio das massas, apoio que vem na gente.

      Excluir
  10. Primeiramente, QUE RESENHA FOI ESSA?! Meu Deus, maravilhosa, linda e tocante demais! Sempre gostei de livros desse assunto e até já tinha ouvido falar desse, mas nunca procurei afundo dele, mas agora só tenho a dizer que esse livro desse ser maravilhoso e extremamente profundo por envolver vidas vindo de vidas que causaram tudo aquilo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário e de fato é um livro que lançou tem pouco tempo e já chegou causando. Um texto importantíssimo para quem gosta de se aprofundar no tema!

      Excluir
  11. Olá! O livro é realmente ótimo, descreve como foi para esses filhos e filhas descobrir que seus pais foram responsáveis por tantas crueldades, e também, como eles processaram a transição de uma vida cercada de privilégios para ter que viver como filhos de pais que foram considerados criminosos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, mesmo pequeno é uma leitura rica em detalhes e com vários pontos de vista. A transição da criança para a vida adulta é sensacional mesmo.

      Excluir
  12. Patrícia Walléria25 fevereiro, 2018

    Nunca tinha imaginado a história por trás dos olhos das famílias dos nazistas, especialmente das crianças, também vítimas. Fiquei curiosa pra ler Os Filhos dos Nazistas e entender o que se passou com eles. Deve ser no mínimo interessante.

    ResponderExcluir
  13. Oi, Rafael!!
    Nossa que livro mais forte!! Deve ser horrível descobrir filho desses carrascos que foram responsáveis pela morte de milhares de pessoas. Não sei se teria coragem de ler agora esse livro mas sem dúvida quero fazer essa leitura.
    Bjos

    ResponderExcluir