NÃO ERA VOCÊ QUE EU ESPERAVA

SINOPSE: Esta é a história de um encontro. O encontro de um pai com sua filhinha que não é quem ele esperava. Para Fabien, o anúncio da síndrome de Down de sua filha Julia foi um verdadeiro soco no estômago. Como encarar o fato de ter uma criança com necessidades especiais? Como aprender a amá-la? Indo da fúria à rejeição, da aceitação ao amor, o autor conta o difícil caminho do aprendizado que o levará até sua filha. Uma história de amor, ao mesmo tempo comovente e engraçada, terna e sincera, sobre o tema universal da diferença - Fabien TOULMÉ - Editora NEMO - 2017 - 256 páginas.

Fabien Toulmé é um francês formado em engenharia civil e urbanismo, apaixonado por quadrinhos, que ama viajar e já morou em diversos países. Criou a gaphic novel autobiográfica NÃO ERA VOCÊ QUE EU ESPERAVA para relatar sua própria história familiar de um pai que descobre que sua filha recém-nascida tem trissomia 21, ou seja, síndrome de Down.

Fabien mora em João Pessoa, no Brasil, com sua esposa Patrícia e a filha mais velha, Louise. Após a descoberta de que teriam um segundo filho, o casal fica bem empolgado e ansioso, porém o marido começa a se preocupar muito com as chances de terem um bebê trissômico. Mas por que ele tem medo disso? Nas primeiras páginas do livro, o autor nos mostra parte de sua infância e evidencia o quanto o preconceito foi fixado em sua vida em relação às pessoas com síndrome de Down. Isso fez com que ele crescesse temendo muito ter um filho com tal "problema", e esse medo só aumentou quando sua esposa ficou grávida.


Através do ponto de vista de Fabien, acompanhamos a rotina da família desde que descobriram a gravidez, e isso faz com que a história seja bem lenta e chatinha até quase metade da obra, mas depois fica bem legal. Ele nos conta sobre a mudança para a França com a esposa grávida e a filha mais velha, o processo de adaptação, a ajuda que recebem da família, as consultas médicas para o pré-natal, os exames feitos e para que servem, explica termos técnicos necessários, o que é síndrome de Down e o que a ocasiona, etc. Tudo isso para garantir a compreensão do leitor, o que facilita muito o entendimento da síndrome.


Patrícia fez todos os exames necessários no pré-natal, pelos quais descobriram que teriam uma menina, Julia, e tudo indicava que nasceria forte e saudável. No entanto, após o parto, foi diagnosticada a trissomia 21, o que deu um susto muito grande nos pais. Patrícia soube lidar melhor com a situação e cuidou da filha com todo o carinho, mas Fabien, por outro lado, perdeu o chão e não conseguia aceitar a criança.

Algo muito surpreendente nesta HQ é a forma sincera como o autor relata tudo que viveu, se sujeitando a várias críticas sociais: ele fica frustrado, sente raiva de outros pais que tiveram filhos "normais" e diz ser uma grande injustiça, rejeita a filha ao ponto de nem segurá-la no colo, é bem direto ao dizer que não sente nenhuma afeição por ela, chegando a dizer que queria que ela morresse. É muito triste ver os pensamentos ruins que ele tem em relação a Julia, e isso me despertou muita raiva e tristeza por ela ser um bebê inocente e estar sendo alvo de tanta exasperação.


Após algum tempo, a família procura apoio de profissionais da saúde e outros pais com filhos sindrômicos para tentar entender melhor a situação e oferecer maior assistência à filha.Vemos o crescimento e evolução de Julia, juntamente com a mudança de Fabien: ele é cativado pela filha que tanto rejeitou e começa a amá-la incondicionalmente. É incrível ver a mudança desse homem, como ele amadurece e abre os olhos para enxergar além do próprio preconceito. A trajetória dessa família é muito tocante: eles enfrentam várias dificuldades para se adaptar à nova vida, lidam com seus altos e baixos, sentem medo pelo futuro de Julia, lutam contra o preconceito social... tudo isso com muito amor e força de vontade. Muitas pessoas tem uma visão terrível (e fora da realidade) sobre a síndrome de Down, o que gera um tratamento muito inadequado e preconceituoso, tanto com os pais, quanto com a criança; a adaptação da família já é bastante complicada, o que só piora com o julgamento alheio.


Nesta obra, vemos como o amor é transformador e o quanto a sociedade ainda precisa evoluir para que as pessoas se tornem melhores e menos preconceituosas. Acredito que todos deveriam ler NÃO ERA VOCÊ QUE EU ESPERAVA a fim de conhecer melhor a síndrome de Down, entender tudo que essas famílias enfrentam e perceber como o preconceito pode influenciar vidas. Garanto que vai ser uma leitura emocionante.

Compartilhe este post:

Sara

Mineira, bookaholic e futura fisioterapeuta. Sou apaixonada pela vida e por tudo que ela nos oferece. Ler, viajar, conversar, dançar, comer e dormir são algumas das coisas que mais amo.

32 COMENTÁRIOS

  1. Que história tocante e emocionante.
    Mesmo sem ler do pela resenha fiquei muito triste pela atitude do pai ao rejeitar a bebê.
    Mas fiquei feliz ao ler que ele foi tocado por essa filha e hoje a ama.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chelle. A história é linda, cheia de aprendizado. Vale a pena ler. Beijos.

      Excluir
  2. Oi, Sara.

    O livro relata a grande realidade vivida por muitos pais, e que chegam ao extremo como o Fabien chegou.

    Também nos mostra quão difícil é a aceitação, quando consideramos algo diferente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Daiane. Sim, infelizmente ainda vemos muito preconceito fora e dentro de casa. Beijos.

      Excluir
  3. Antes de tudo, já quero muito ter em mãos este livro! Não conhecia,mas se já foi lindo ler a resenha e ver as ilustrações, imagina ter ele em mãos e poder sentir tudo que foi passado?
    Ainda mais sabendo que tudo é real, que foi vivido e está sendo vivido. Isso é muito lindo.
    E o assunto ainda precisa ser batido e debatido sim, afinal tantas famílias ainda lutam contra o preconceito que muitas vezes, elas mesmas criam.
    Vai para a lista de desejados com certeza!
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. Infelizmente o preconceito ainda está muito presente na sociedade; mas a história é linda e mostra a força do amor superando várias barreiras. Boa leitura. Beijos.

      Excluir
  4. Nossa Sara esse HQ deve ser lindo, só de ler sua resenha já me emocionei com a história, o enredo e as ilustrações me chamaram bastante atenção, já vou add aos desejados e torcer pra conseguir uma oportunidade de ler em breve.
    Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Aline. A HQ é muito bacana, vale a pena conferir. Boa leitura. Beijos.

      Excluir
  5. Fiquei muito arrepiada lendo sua resenha. Parede ser uma HQ que te faz pensar tanto no assunto até mesmo depois do final da história. Fiquei meio sem rumo lendo isso e com certeza é assim que ficarei se ler a HQ, afinal, é um assunto tão importante, mas tão fechado para todo mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Giovana. A HQ mostra uma realidade que, para muitos, é desconhecida; as famílias passam por muitas coisas ruins devido ao preconceito que ainda existe. A história é linda e te faz refletir muito mesmo. Beijos.

      Excluir
  6. Tá aí uma história que não parece poupar a gente mesmo. Nossa, deve ser uma situação muito complicada pra um pai que não esperava algo assim na criança dele. Mas caramba, toda essa rejeição me deu um aperto no peito. Achei interessante por não tentar poupar a gente dos sentimentos ruins e tudo isso, de mostrar que não é fácil e como algumas pessoas conseguem chegar ao ponto de rejeitar tanto um filho assim por algo que nenhum deles tem controle. Fica uma alerta, uma forma de ter uma visão da coisa toda, mas é triste viu =/
    Preconceito e a ignorância e como a síndrome é vista pelos outros, como parece mostrar de uma forma que a gente entenda um pouco melhor... achei esses fatores bons na história, leria fácil por isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cristiane. Inicialmente, ver a rejeição do pai deixa o leitor com raiva, indignado, como eu me senti. Mas ao mesmo tempo, a gente entende o quão delicada é toda essa situação; as coisas vão se ajeitando aos poucos. A HQ esclarece muitas coisas sobre a síndrome de Down. Vale a pena ler. Beijos.

      Excluir
  7. Olá! A história é realmente incrível e sem dúvida vai emocionar a todos que lerem. Tudo no livro emociona, desde o título, aos desenhos e diálogos. Impressionante, mas muito triste saber que ainda há muito preconceito em relação à síndrome de Down. Mais um para a listinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Elizete. Concordo plenamente com o que diz sobre tudo no livro emocionar, só o título já quebra nosso coração hahaha. Infelizmente, há muito preconceito ainda. Boa leitura. Beijos.

      Excluir
  8. QUE LINDO! Já quero comprar <3
    Amei a história, os traços, tudo! Sem dúvida deve ser maravilhosa =D

    ResponderExcluir
  9. Que quadrinho maravilhoso, além do tema sensível e pertinente os traços são encantadores. Parece ser um livro muito emocionante, fico muito triste em saber como situações de preconceito são recorrentes por causa de tanta ignorância e desamor. Um livro necessário, já está na minha lista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Julia. História super tocante, vale a pena ler. Infelizmente, o preconceito ainda é muito presente no cotidiano de muitas pessoas. Beijos.

      Excluir
  10. Oi Sara!
    Sei que a história tem um lado horrível e triste, e é impossível não sentir raiva do Fabien em certos momentos, mas também achei linda, o pai descobrindo como aceitar a própria filha, entendo também o lado dele, de como foi criado, e por isso o preconceito. Fora que por ser em hq tem um ar mais leve.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vitória. Com certeza; conhecemos os personagens e vemos como eles se adaptam a cada situação difícil. Muito bacana! Mesmo sendo HQ, não deixa tudo tão leve assim, a tristeza e frustração nos atingem como soco no estômago hahaha. Beijos.

      Excluir
  11. Sara!
    Fico bem triste em ver o preconceito contra os diferentes ser tão evidente ainda em pleno século XXI.
    Lembro que quando comecei a estudar psicologia, há um pouo mais de 30 anos atrás, as pessoas que tinham síndrome de Down, morriam cedo e não conseguiam se desenvolver emocionalmente. Hoje em dia, conseguem trabalhar, namorar, casar, ter uma vida quase que igual as outras e ainda assim, há o preconceito.
    Não sabia que eles moravam aqui em João Pessoa e achei o pai bem corajoso em expor seus sentimentos e depois, em ver a transformação por causa do amor incondicional.
    Uma semana abençoada!
    “Acredite na justiça, mas não a que emana dos demais e sim na tua própria.” (Código Samurai)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA FEVEREIRO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rudynalva. É bem triste ver o preconceito ainda existente hoje em dia, esperamos que um dia isso acabe. Boa semana! Beijos.

      Excluir
  12. Oi SARA!!
    Ótima história, é fundamental que as pessoas percebam que todos possuem direitos de serem tratados com respeito e carinho, e que uma pessoa com alguma necessidade especial merece ser amada e feliz da mesma forma que uma criança que não possua deficiência!!
    obrigada, beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana. Com certeza! A conscientização é essencial. Beijos.

      Excluir
  13. Olá, é realmente muito triste saber que situações como a dessa obra não são raridade, e figuram a vida de muitos pais que possuem um filho, não só como essa síndrome, mas com outras condições que exigem da sociedade uma adaptação para lidar e entender os portadores. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alison. Muito triste mesmo! Infelizmente, muitas pessoas sofrem com as atitudes medíocres de vários ignorantes. Beijos.

      Excluir
  14. Patrícia Walléria25 fevereiro, 2018

    Que arraso!
    Lidar com as diferenças é realmente um desafio, e com certeza o processo de adaptação deve ser difícil e dolorido, especialmente porque a sociedade como um todo não tem nenhuma preparação para lidar com pessoas portadoras de necessidades especiais.
    Com certeza um livro muito necessário, adorei! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Patrícia. Concordo plenamente! Esse tipo de livro é muito importante para a conscientização. Beijos.

      Excluir
  15. Este livro deveria ser lido para as crianças.
    Preconceito seja ele qual for é muito feio e desnecessário, só acho que os pais deveriam ensinar os filhos a olharem para seja quem for com bons olhos sem preconceito.
    Achei muito lindinha a historia e quero um dia te-lo na minha estante.

    http://garotaeraumavez.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jady. Com toda a certeza; a educação é fundamental para a formação de caráter de todos, mas muitos pais passam seus próprios preconceitos para os filhos por pura ignorância. Esperamos que isso mude nas próximas gerações. Beijos.

      Excluir
  16. Oi, Sara!!
    Certamente todos deveria ler essa gaphic novel, realmente ainda existe muito preconceitos com as pessoas que tem síndrome de Down. Sem dúvida essa história vai emocionar a todos que a lerem!!
    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Marta. Sim, vale a pena conhecer e entender melhor sobre a síndrome. Beijos.

      Excluir