JOGADOR NÚMERO 1

SINOPSE: Cinco estranhos e uma coisa em comum: a caça ao tesouro. Achar as pistas nesta guerra definirá o destino da humanidade. Em um futuro não muito distante, as pessoas abriram mão da vida real para viver em uma plataforma chamada Oasis. Neste mundo distópico, pistas são deixadas pelo criador do programa e quem achá-las herdará toda a sua fortuna. Como a maior parte da humanidade, o jovem Wade Watts escapa de sua miséria em Oasis. Mas ter achado a primeira pista para o tesouro deixou sua vida bastante complicada. De repente, parece que o mundo inteiro acompanha seus passos, e outros competidores se juntam à caçada. Só ele sabe onde encontrar as outras pistas: filmes, séries e músicas de uma época que o mundo era um bom lugar para viver. Para Wade, o que resta é vencer – pois esta é a única chance de sobrevivência - Ernest CLINE - Editora LEYA - 2012 - 464 páginas.

Esta resenha foi publicada láaaaaa em 2015, mas com a chegada, hoje, da adaptação do livro para o cinema, eu tive que voltar ao passado e resgatar o texto para vocês lerem. Aproveitem e depois corram para ver o filme, porque vale muito!

Mesmo vivendo no ano de 2044, Wade Watts é um garoto como qualquer outro de hoje em dia: ama vídeo-games. No caso dele, o objeto de sua afeição é o OASIS, um console onde cada pessoa tem um avatar, que pode ter ou não a sua aparência, e participa de um universo de planetas com suas próprias características e funções.

Por exemplo, existem planetas de séries, de jogos, de desenhos ou educacionais, com escolas e universidades. Todos os integrantes são virtuais e é necessário um Tardis (a cabine telefónica que serve de nave do tempo para o Dr. Who), para viajar de um lugar para o outro. Wade é pobre, mora no trailer dos tios e se refugia no OASIS para fugir de seus problemas. Lá ele é popular, tem dinheiro e, dentro do possível, possui as coisas que nunca poderia ter na vida real.

Mas tudo muda quando o dono do OASIS, Halliday, morre e não deixa herdeiros. Deixa, sim, um desafio: quem encontrar os cinco ovos de Páscoa (são trechos de código que não fazem parte do jogo, mas executam alguma brincadeira), que ele escondeu dentro do OASIS, vira o dono de sua empresa.

Então, a corrida começa, uma vez que qualquer jogador do planeta tem chances de encontrar as pistas para os 5 ovos.

JOGADOR NÚMERO 1 é um livro de extremos opostos. Quem tiver menos de 30 anos, não vai entender ou aproveitar a maioria das referências que o livro faz, uma vez que elas se concentram na cultura pop dos anos 80. Quem tiver mais do que 30 anos, vai amar.

E como essas referências ocorrem?

Nesse ponto, o leitor terá que usar bastante de sua imaginação. Quem faz parte do primeiro grupo, recomendo que pesquise na Internet pelas referências, porque todas valem muito a pena. Como as pistas estão dentro do OASIS, e este é um mundo virtual, Wade precisa entrar nos episódios de séries e interagir com a ação, como se fizesse parte daquela série.

Você lerá sobre os Caça-Fantasmas, Curtindo a Vida Adoidado, Caras e Caretas, Clube dos Cinco, Gatinhas e Gatões, Mulher Nota Mil, Star Wars, O Senhor dos Anéis, Matrix, De Volta para o Futuro, Indiana Jones, Mad Max, jogos do Atari, MegaDrive, entre muitas outras referências. O final do livro é uma batalha de cultura pop. Você verá desde naves de Star Wars, até monstros de Ultraman e Jaspion. Tudo em uma batalha para conseguir o último ovo de Páscoa.

De qualquer forma, mesmo se você tiver menos de 30 anos (e sei que 90% dos leitores fazem parte desse grupo), recomendo a leitura e a pesquisa paralela. Você vai conhecer um mundo pop do qual não participou, para seu azar. Os anos 80 foram uma máquina de cultura, tanto de filmes, jogos, livros, músicas e séries. Muita coisa de hoje em dia é reciclada dos sucessos dessa época. E a seleção feita por Ernest Cline só faz referência ao que de melhor existia e que deixou muita saudade.

Compartilhe este post:

Carl

Tenho várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamento o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco ;>) -, e não saber desenhar O.O

17 COMENTÁRIOS

  1. Distopia já me traz brilhos nos olhos, coloquei na minha lista de leitura pro ano que vem.

    ResponderExcluir
  2. Carl do céu! Que resenha foi essa!!!! Perfeitaaa!
    Me fez correr pro Skoob e adicionar a lista de desejados. A
    Adoro tudo que faz referência aos anos 80!
    Curiosa para ler o livro e assistir ao filme.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Carl.

    Bom, é uma época onde as pessoas são totalmente introduzidas ao mundo dos games...

    E a corrida e disputa pela fortuna, acredito eu que não será nada fácil, e terão que enfrentar obstáculos dentro dos jogos.

    ResponderExcluir
  4. Primeiro a gente coloca o livro na lista de desejados, depois a gente comenta!rs
    Estou aguardando a adaptação faz um bom tempo,desde que começaram a rodar o filme.
    Faço parte da turminha pequena dos que estão acima dos 30 e só de ler as referências de tudo que é citado no filme/livro, não vejo a hora de poder conferir.
    Distopias sempre são bem-vindas!
    Verei e lerei com certeza.
    Beijo

    ResponderExcluir
  5. Ah essa faixa de idade está quase morta, ainda mais com a extrema valorização dos anos 80 em filmes e series atualmente. E acabou que você nem falou se a trama é bem estrutura, se tem deslizes ou não, ou se os personagens são bons. Espero ler o livro em breve, depois do hype do filme porque agora ele está muito caro kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na resenha original, eu falo dessas coisas. Nesta, cortei. Por quê? Vai ficar sem saber...

      Excluir
  6. Oii Carl!
    É a primeira resenha que leio do livro, fo film,e acabei mde ler um post sobre e confesso que curti bastante, não sei se irei conseguir ler o livro antes de ver o filme smas espero que sim, será uma oportunidade e tanto.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  7. Adorei tanto esse livro quando li. Tinha muita referência bacana, coisa que me fez lembrar da infância, dos tios jogando ou vendo algum filme citado, desenhos e coisas assim. E o jeito de jogo deixa a narrativa muito interessante, o mistério e a aventura te envolvem muito bem. Com a ideia desse livro virando filme deu até vontade de reler e depois ir ver. Espero que o filme tenha pegado essa essência boa da história. É um livro bem legal.

    ResponderExcluir
  8. Olá! Ahhhh, esse livro já está na minha lista há algum tempo, pois trás muitos elementos que eu adoro. Aquela distopia que você respeita, as referencias dos anos 80 só deixa a leitura ainda mais empolgante, preciso e muito conferir a história toda e de quebra assistir ao filme. Apesar de ter menos de 30 anos eu não vou precisar recorrer a pesquisa não (risos).

    ResponderExcluir
  9. Eu não entenderia as referências, infelizmente. Mas parece ser um ótimo livro!

    ResponderExcluir
  10. Oi Carl.
    Eu li esse livro em 2012 e adorei. Estou super animada com o lançamento do filme!
    Espero que os produtores tenham mantido a essência do livro e que apareça alguns jogos e referência que há no livro.
    Teve muitas referências e jogos que eu não conhecia, mas não prejudicou a leitura. Só foi necessário procurar no google depois rs
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Carl!
    Embora não seja muito aficionada pelos games, gostei de ver a resenha do livro, principalmente pelas referências dos anos 80, época da minha adolescência e que vivi com intensidade, por isso, fiquei interessada em ler.
    “Não cruze os braços diante de uma dificuldade, pois o maior homem do mundo morreu de braços abertos!” (Desconhecido)
    BOA PÁSCOA!
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA MARÇO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  12. Olá, eu tenho somente 17 anos e simplesmente amei essa obra, apesar de estar consciente de que poderia aproveitá-la muito mais se conhecesse melhor a cultura oitentista. Enfim, Cline criou uma história extremamente singular com a qual é impossível não se envolver e amar. Beijos.

    ResponderExcluir
  13. Tô muito tempo querendo ler esse livro mas agora que eu vou ver ele mesmo porque eu quero assistir o filme que acabou de lançar dirigindo pelo Spielberg e apesar de eu não ser muito fã de livros do gênero esse conseguiu chamar minha atenção

    ResponderExcluir
  14. Oi Carl, achei curioso você trazer de volta uma resenha anteriormente postada mas com algumas coisas não ditas, como exemplo: você gostou? o que tem de ruim? hihihi, gosto quando você nos apresenta todas as suas impressões, quero poder ler depois com mais calma tenho algumas leituras atrasadas e de prioridade maior nesse momento, mas adorei ler essa perspectiva!

    ResponderExcluir
  15. Oi, Carl!!
    Nossa minha curiosidade sobre esse livro só aumentou desde que vi o trailer da adaptação desse livro em filme, estou bem empolgada para ir ao cinema e conferir esse filme e também para ler essa história.
    Bjoss

    ResponderExcluir
  16. Estou com uma dúvida cruel,leio o livro primeiro ou vou ao cinema?adorei o trailer e a resenha o que me deixou dividida...

    ResponderExcluir