LOCK & MORI

SINOPSE: Uma pessoa foi assassinada no Regent’s Park, a polícia não tem pistas. Sherlock Holmes, um adolescente brilhante, desafia a jovem James Moriarty a resolver o crime antes que ele mesmo o faça. Existe uma única regra: devem compartilhar todas as informações que encontrarem. O que começou como um jogo divertido logo se torna assustador. À medida que se aproxima da solução do caso, Mori descobre que o assassinato está conectado ao próprio passado. Agora, a garota está guardando segredos de Sherlock, de sua família e da melhor amiga... E esses segredos podem trazer severas consequências. Para salvar aqueles que ama, Mori está disposta a acabar com tudo com as próprias mãos. Será que Lock ainda estará ao seu lado quando tudo estiver resolvido? Esse é um mistério que Mori não pode solucionar - Heather W. PETTY - Editora GALERA - 2017 - 256 páginas.

Existem várias e várias obras literárias, cinematográficas e séries de televisão sobre Sherlock Holmes. Muitas são adaptações fidedignas, outras são apenas inspirações. Assim é com LOCK E MORI, que traz uma versão de Sherlock aos dezessete anos de idade nos dias de hoje, com o Google, celulares e toda a modernidade que preenche nosso cotidiano. Mas a originalidade desta versão não reside nele, mas em seu algoz, Professor Moriarty. Na obra, ele não é ele, mas, sim, ela, uma garota da mesma idade de Sherlock que tem o apelido de Mori, bem como Sherlock tem o apelido de Lock. O casal improvável estuda na mesma escola e, devido a uma série de assassinatos em um parque de Londres, acaba se unindo para descobrir quem é o assassino.

O livro é narrado por Mori, que é a personagem principal. Ela mora junto com o pai policial, extremamente violento, abusivo, e tenta proteger os três irmãos menores de surras diárias. Quando ela se envolve com Lock e os misteriosos assassinatos, fica dividida em se abrir para o garoto e revelar todas as torturas a que é submetida, ou manter o silêncio para evitar que ela e os irmãos sejam tirados do pai e separados por uma vida em orfanatos.

Lock apresenta a genialidade e a frieza do futuro detetive, mas com características mais humanas e mais próximas de um adolescente cheio de hormônios. Ele se interessa quase imediatamente por Mori, porque reconhece nela uma inteligência que rivaliza com a sua própria, algo que ele não esperava encontrar, principalmente no meio dos colegas de escola. A relação dos dois é conflituosa, mas ambos se entregam a um romance que, a princípio, parece um pouco desnecessário, ou que só acontece para tentar agradar aquele público jovem que anseia por beijos e conflitos amorosos. Bem, aos poucos, o leitor vai perceber que o romance tem um outro propósito.

Qual o sentimento que se iguala em intensidade ao amor? O sentimento que é o antagonista do amor, da mesma forma que Moriarty é de Sherlock? Sim, claro, o ódio. E que forma mais verídica de criar um ódio mortal se não através do amor? Então, sim, o objetivo da paixão que acontece entre Mori e Lock tem um objetivo muito claro, mas a longo prazo, uma vez que este é o primeiro volume de uma série de três, que já foram publicados lá fora, mas que ainda não têm prazo para chegar aqui.

LOCK E MORI é uma grata surpresa que aconteceu este ano. O mistério em volta dos assassinatos, que afeta diretamente Mori e toda a sua família, é simples e está ao alcance da inteligência de qualquer leitor, ao contrário das histórias originais de Conan Doyle. Toda a trama consegue dar uma prévia de como se constrói um vilão, ou, nesta caso, uma vilã, que não tem objetivos megalomaníacos, mas apenas tenta manter uma vida digna e tranquila para os irmãos, para si mesma, independentemente dos meios que ela precise utilizar para esse fim.

E é exatamente nessa moral de qualquer ato possa ser justificável se tiver como objetivo o bem de alguém, que divide o mocinho do vilão. Sherlock também quer salvar as pessoas ameaçadas na história, mas ele quer que o vilão seja preso, que seja feita justiça dentro das leis do homem, enquanto Mori que fazer justiça dentro das suas próprias leis. Os dois tem um plano, mas é quando o plano de um se sobrepõe ao plano do outro, que começa a rachadura do relacionamento, mesmo que o plano que vence seja para salvar a vida de um deles.

Essa dualidade, essa existência de uma área cinza na moral de Mori, não cria uma antipatia, pelo contrário, é totalmente compreensível existir uma aproximação e uma compreensão do leitor pela situação que Mori vive e a forma como ela encontra para ficar a salvo, bem como seus irmãos. Aí cabe ao leitor decidir se os fins justificam os meios, ou se uma pessoa, para se manter dentro dos padrões estabelecidos pela sociedade, precisa continuar a viver pelo medo, pela vergonha, sem esperanças de dias melhores. E se um amor consegue sobreviver a tudo isso.

Se você gosta de uma aventura inteligente, de um romance juvenil que tem tudo para dar errado, mas que, mesmo assim, é cheio de momentos fofos e, por isso mesmo, causa um aperto no coração, de um mistério passível de solução por mentes normais, de personagens secundários cheios de referências e donos de atitudes que apoiam de forma convincente os principais, enfim, de um livro bem construído e que dá um prazer enorme ao término da leitura, não deixe de ler LOCK E MORI. É daqueles livros que não se pode deixar fora da estante.

Compartilhe este post:

Carl

Tenho várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamento o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco ;>) -, e não saber desenhar O.O

18 COMENTÁRIOS

  1. O tipo de história que prende o leitor. Gosto muito de adaptações. Neste caso, inspiração. Acho interessante criar histórias atuais, que tragam como referência, um clássico da literatura. Isso faz com que os jovens leitores acabem se interessando pela obra original, e tenham contato com os clássicos. Ainda não tive a oportunidade de apreciar esse livro, mas após essa resenha, esse é mais um ar entra para minha extensa lista de livros que quero ler. Lock e Mori parece ser um grande livro, daqueles que vale muito a pena ter e ler, é claro. O mais interessante é o conflito abordado, o fato de Mori e seus irmãos serem agredidos pelo o pai e o medo que ela tem de acabar sendo afastada deles. Muito interessante e com certeza muito prazeroso de ler.

    ResponderExcluir
  2. Sherlock Holmes sempre me fascinou na literatura. E também na série de TV. Minha adaptação preferida é Elementary onde temos não um John Watson mas uma Joan e de origem nipônica. Holmes e Watson contemporâneos e vivendo em Nova York pra mim já ultrapassavva os limites da ousadia.
    Agora umA Moriarty que é o Crush do adolescente Holmes é simplesmente maravilhoso.
    Trazê-los para a modernidade tecnologica dos dias atuais mais os hormônios da juventude mais a dualidade do ser humano é fantástico.
    Adorei a resenha Carl! Com certeza irá para a Wishlist

    ResponderExcluir
  3. Realmente há tantas versões sobre Sherlock que a gente poderia ficar falando(escrevendo) disso por horas e horas. Eu gosto demais da série que aliás, foi cancelada recentemente para tristeza de muitos fãs,como eu.
    Mas admito que ainda não conhecia este livro,mas ao ler a resenha acima, já quero e muito poder conhecer. Mesmo ainda tendo os dois pés atrás com isso de colocar modernidade demais nas estórias que já trazem essa pegada do "antigo",gostei demais do enredo. Isso de segredos, mentiras, omissões e uma pitada de romance e investigação, é certeza de "tô ferrada pra terminar isso logo".
    Vai para a lista de desejados, com certeza.
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Acho que sou a diferetona, não gosto de Sherlock Holmes,nem livros,nem séries nem filmes,tentei gostar mas não dá,livros investigativos não são minha paixão,adorei a resenha, parabéns 👏

    ResponderExcluir
  5. Nunca li nenhuma história de Sherlock, então quanto a escrita não tenho muita experiência com o personagem. Mas de filme e série sou viciada xD
    Gostei dessa ideia de mudar tanto dos personagens e desse jeito. Imaginar eles jovens, imaginar o inimigo como um antigo amor, ver como tudo virou o que virou... deve ser bem interessante. E a personagem da Mori e como ela tem uma vida difícil já é uma bela de uma surpresa e chama atenção. Acho que fica fácil simpatizar com ela porque ela só quer proteger os que ama, tá tentando não destruir a família mesmo estando num ambiente tão destrutivo. Essa premissa chama atenção.
    Ver os planos dos dois e como o relacionamento vai começando a se destruir pra virar aquela coisa toda que a gente espera então é outra coisa que iria adorar acompanhar. Tem aquela trama de descobrir o assassino, uma pegada mais jovem e a promessa do que a gente espera desses personagens. Essas coisas me deram vontade de ler e tomara que tenham mais livros vindo por aí. Gostei dele.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Carl.

    Acho que há uma controvérsia nessa investigação do casal, em relação a capturar o assassino, que poderia até mesmo atrapalhar as investigações.

    ResponderExcluir
  7. Nossa!!!

    Eu não conhecia e já to correndo pra comprar!!! Amei!!!

    Bjksss

    ResponderExcluir
  8. Olá Carl!
    Primeira resenha que leio sobre o livro, já conhecia por nome, mas agora conhecendo um pouco mais eu já qro ler, vou inclui-lo na listinha que já está gigante rsrsrs...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  9. Olaa!!!
    Sou fã de Sherlock Holmes e livros investigativos. <3
    Fiquei morrendo de vontade de ler por se passar na adolescencia isso me deixou super curiosa de como vai ser e como vai desenrolar a historia.
    Já está na minha lista! ;)

    ResponderExcluir
  10. Olá, a obra chama atenção pela releitura contemporânea de Sherlock Holmes, a qual é capaz de formar uma nova geração de fans. Além disso, esses momentos descontraídos corroboram para que trama seja digerível e agradável. Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Oi Carl!
    Não me julgue, mas nunca li (nem vi) nada do Sherlock Holmes, então ler a sinopse do livro foi até uma surpresa pra mim.
    Apesar de você comentar que a ideia do livro não é tão original, eu nunca li nada nesse estilo, e gostei dessa investigação entre dois adolescentes.
    Acredito que tem alguns livros que o romance nem é essencial ter, e - julgando sem ler - depois de algumas resenhas classificaria esse romance como desnecessário, talvez por achar o enredo por traz mais interessante.
    Gostei bastante dessa capa, bem diferente.
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Eu não gostei da capa, não. Mas não esperaria por uma história envolvendo assassinatos e investigações se fosse julgar somente pela capa. Eu gosto de tentar descobrir algumas coisas pelas capas, porque são elas que de inicial nos apresentam a história. Acredita que pelo nome achei que tinha algo a ver com aquele filme antigo Bonnie E Clayde? Tomara que o segundo volume seja tão bom quanto o primeiro e mostre o porquê da necessidade de uma continuação!

    ResponderExcluir
  13. Carl!
    Bom ver que fizeram uma adaptação mais adolescente do Sherlock e que foi boa, trazendo elementos novos e facilitando a leitura.
    Gostei.
    Bom final de semana!
    “Os lírios não bastam. As leis não nascem das flores. Meu nome é luta, e escreve-se na história.” (Luciana Maria Tico-tico)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA MARÇO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  14. Oi Carl.
    Não me interessei por esse livro, apesar da sua resenha positiva. Não sou muito fã de livros de detetives, mesmo tendo uma vibe um pouco mais juvenil.
    Mori parece um personagem que irá trazer diversos sentimentos ao leitor, uns controversos, mas ao mesmo tempo parece que nos simpatizamos com ela.
    Não gostei dessa capa. Achei feia.
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Olá! Não conhecia o livro, mas gostei da proposta que ele trás em trazer um Sherlock mais jovem e de quebra com toda ajuda da tecnologia atual. Gostei também do mistério ser fácil (quer dizer, que eu tenho mais chances de não ser surpreendida), não que não curta aquele mistério que quebra minha cabeça (na verdade, adoro), mas é bom, às vezes, achar que eu sou inteligente (risos). A personagem Moriarty chamou muito minha atenção, apesar das suas escolhas controversas, fiquei bem curiosa em conferir toda história.

    ResponderExcluir
  16. Parece ser um ótimo livro, ainda não conhecia mas fiquei interessada

    ResponderExcluir
  17. UOL esse livro tem cara de ser muito bom eu adoro essas histórias que fazem alusões a Sherlock Holmes E pelo que eu vi esse livro é uma releitura jovem da história original então é impossível isso não ter chamado minha atenção

    ResponderExcluir
  18. Oi, Carl!!
    Realmente parece ser um livro bem interessante, principalmente quem é fã do Sherlock Holmes e para quem gosta de livros de mistérios e de detetives!! Amei a indicação, pois não conhecia esse livro.
    Bjoss

    ResponderExcluir