UMA IRMÃ

SINOPSE: Ao ter suas férias pacatas transformadas por Hélène, o jovem Antoine passa a viver os dias mais intensos de sua vida, repletos de emoção e receios. De forma sutil, ainda que forte, ele vai descobrindo um universo feminino tão gracioso quanto perturbador. E o que poderia ser apenas mais uma história de verão, se transforma, pelas mãos de Vivés, em uma narrativa apaixonante. Um conto delicado e sensual sobre o despertar de um adolescente que provoca um turbilhão de sentimentos - Bastien VIVÈS - Editora NEMO - 2018 - 212 páginas.

O básico, qualquer um pode fazer, mas quando você quer alguém que seja acima da média, você precisa procurar os detalhes. UMA IRMÃ, a nova HQ do francês Bastien Vives, está cheia de detalhes, que emocionam e se comunicam com o leitor sem ele sequer perceber. E essa é outra característica que identifica um grande artista: a capacidade de se comunicar de forma natural.

Antoine, de treze anos de idade, e sua família estão passando as férias de verão na praia. Tudo parecia igual a todos os anos anteriores, até que uma amiga de sua mãe precisa de apoio depois de sofrer um aborto espontâneo. A mulher se hospeda na casa da família de Antoine, bem como a filha dela, a jovem Hélène, de dezesseis anos de idade. A partir de então, o leitor acompanha a descoberta e o desenvolvimento da sexualidade entre Hélène e Antoine.


Os desenhos de Bastien possuem traços arredondados, cores em tons pastéis e são em alguns pontos inacabados. Apesar da simplicidade, além de bonitos, eles conseguem expressar aquilo que o autor quer transmitir, como a sensualidade de Hélène, cujo desenho do corpo tem apenas o necessário para o leitor visualizar o quanto ela é bonita e provocante. Vale o destaque para quando Hélène e Antoine se tocam, realçando sempre as partes que eles mais desejam, mas com delicadeza, com sensibilidade, como se o leitor acompanhasse o olhar de ambos.

Entretanto, o que mais chama atenção na arte de Bastien é a alternância na composição dos olhos dos personagens, que aparecem e desaparecem de quadro para quadro. É uma formas mais criativas e eficientes que já vi em direcionar a atenção do leitor para aquilo que o artista deseja destacar. Funciona assim: quando ele quer destacar uma reação, ou uma fala, ou uma ação de algum personagem, ele o desenha com olhos, enquanto deixa os demais sem olhos. Isso faz com que o leitor foque sua atenção imediatamente naquele personagem que tem os olhos desenhados, manipulando o interesse do leitor naquilo que o autor quer mais destaque. É brilhante e extremamente eficaz! Repare como isso funciona nas imagens abaixo.


Lindo demais, não é?

Hélène é a representação da garota que conhece a força que possui diante do sexo oposto, que não encontra mais seu lugar em casa e que procura uma forma de se apresentar para o mundo adulto. Ela não quer se prender a um relacionamento, ela quer viver, quer experimentar, quer se sentir desejada, quer desejar. Nas mãos de um artista menos experiente, ou competente, a personagem poderia ser confundida com uma garota esnobe, metida. Mas Bastien sabe bem o que faz e como faz, e Hélène fica bem distante de alguém assim. Ela é adorável! O relacionamento dela com Antoine começa com curiosidade, passa pela amizade e se completa como amantes, apesar da diferença de idade. Três anos é pouco para os adultos, mas na fase em que eles se encontram, é quase um abismo.


Antoine é representado como aquele garoto que está saindo da inocência para descobrir, de forma tímida, como é o sexo oposto. Ele se refugia nos desenhos que faz e na convivência com o Titi, o irmão três anos mais novo, como forma de passar o tempo e tentar compreender as mudanças do seu corpo, dos seus sentimentos e dos seus desejos. Hélène entra na vida dele como a representação de tudo o que ele anseia, mesmo sem conhecer. A forma como Bastien desenha os quadros onde ficam em evidência os atributos físicos de Hélène e os olhares de Antoine, são tão discretos quanto encantadores.

Inclusive, os olhares de Antoine para Hélène são perfeitos para ilustrar como os garotos dessa idade ficam hipnotizados pela presença feminina. É como admirar uma obra de arte magnífica pela primeira vez: você fica estático, sem piscar, sem conseguir pensar com clareza, totalmente absorto pela imagem que está na sua frente, que faz seu coração bater mais depressa, mais forte, e que é substituído, aos poucos, por um desejo que consome o pouco raciocínio que resta. E tudo isso é desenhado em apenas um quadrinho, apenas com um olhar do personagem. Essa é a beleza e a plenitude de uma HQ.


Hélène sabe perfeitamente a fascinação que Antoine sente por ela, mas ela não se aproveita disso. Ela deixa que Antoine se aproxime e aflore sua sexualidade, deixa que ele a toque, exatamente como quando você toca a tal obra de arte, com aquele medo de que o toque estrague, mas se deixando levar pelo desejo de ver até onde consegue ir. Hélène mostra a Antoine que ele não precisa ter medo quando se ama e se respeita.


Mas o relacionamento de Hélène e Antoine são fica apenas na descoberta sexual, eles criam um laço de amizade e respeito, mesmo sem um compromisso. Antoine sabe quais são suas limitações e sabe que Hélène está além dele, não apenas pela idade, mas pela vida que cada um deles leva, e pela dependência familiar. Quando Hélène se envolve com garotos da idade dela, ou mais velhos, Antoine se mantém afastado, não por medo ou para esconder ciúme, mas porque ele não é dono dela, ele sabe que ela precisa do espaço dela. E ele sabe que ela voltará com ele para casa. A mensagem que Bastien passa sobre essa liberdade de relacionamentos é importante nos dias de hoje.

No início da resenha, eu falei sobre detalhes. Tão importante quanto um detalhe, é a mensagem que cada um transmite. Quando Antoine conhece Hélène, e ela vê os desenhos dele, Hélène pede para que ele faça um retrato dela. Durante toda a história, Antoine tenta, mas sempre joga fora, porque ele não consegue criar a perfeição da imagem que ele vê em Hélène. Ela é sua musa, e é difícil você reproduzir, mesmo que em desenho, a pessoa que você mais deseja. Esse passa a ser o trabalho dele, uma forma de mostrar para Hélène como ele a vê. E no fim da HQ, na última página, ele consegue e entrega o desenho para ela. Mas apenas para ela. O leitor não vê o desenho. Você pode ficar desapontado, mas apenas se não compreender o porquê. Nós não vemos o desenho, porque ele é algo pessoal entre Hélène e Antoine, é algo íntimo, que só interessa aos dois. E quando você compreende isso, percebe o nível de sensibilidade que o autor quis passar. Simplesmente apaixonante!

Compartilhe este post:

Carl

Tenho várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamento o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco ;>) -, e não saber desenhar O.O

14 COMENTÁRIOS

  1. Pelo visto é uma HQ francesa não é? Tudo relacionado a França me fascina.
    Realmente os traços de Bastien são bem característicos e funcionam bem. Muito interessante alternância na ilustração de em um quadro apenas o personagem em destaque possuir os traços completos, os tons pasteis e a forma arredondada faz que a sutileza e leveza se tornem presentes na HQ.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Carl.

    Bom, com certeza para o Antoine, as férias para ele aconteceu de forma imaginável, mas que trouxe algo fundamental para a sua fase de vida, que é a exploração e descoberta sexual... Algo bastante típico.

    ResponderExcluir
  3. Como não conhecia a Hq, estou aqui fascinada com tudo que li e vi acima! Não é apenas a beleza do enredo, mas a riqueza e ao mesmo tempo, simplicidade dos desenhos. Tipo, foram feitos realmente para dar esta sensação de tranquilidade ao leitor que está ali, imerso nas descobertas destes dois personagens.
    Não só a parte sexual, mas todo o envolvimento, conhecimento e crescimento!
    Me lembrou o enredo de Me Chame Pelo Seu Nome, não pelo conteúdo, mas pela forma singela que apresenta esta fase mais arrebatadora da juventude.
    Se tiver oportunidade, quero muito poder ler, sentir e ver!
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Olá, o autor realmente chama atenção por tratar com delicadeza um assunto, que, de qualquer forma, precisa exceder os pudores para se mostrar crível. Simplesmente estou apaixonado pelos traços harmoniosos da obra, enriquecendo-a tanto visual quando conceitualmente. Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Interessante esse tema da sexualidade na história, das descobertas e como a gente acompanha isso. A personagem da Hélène chamou minha atenção pelo jeito. Gostei, ela parece uma pessoa bem curiosa e aberta, achei interessante o envolvimento dos dois por isso. E nossa, essa jogada dos olhos chama atenção mesmo e fica bem interessante de ver porque além de passar os sentimentos te prende naquele personagem de uma forma mais chamativa. Legal essa ideia. Parece ter uma história bem interessante e boa de ver e ler.

    ResponderExcluir
  6. Oi Carl.
    Essa HQ é maravilhosa. Fiquei com muita vontade de conhecer melhor a história.
    Achei brilhante a forma como o autor direciona o olhar do leitor para aquilo que ele considera mais importante. Um artifício muito inteligente.
    A HQ passa uma mensagem bem interessante e importante. Temos que dar liberdade as pessoas e respeitar as suas decisões. Ninguém é dono de ninguém.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Olá Carl!
    Já gostei logo de cara, eu ainda não tive oportunidade começar ler HQ´S mas assim que eu conseguir qro embarcar nesse gênero que tem me deixado fascinada, assim como este me chamou atenção.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  8. Carl!
    Acredito que rudo está nos detalhes.
    Achei impressionante uma HQ trazer a sensibilidade das descobertas adolescentes e ainda tornar uma leitura que poderia ser simples, cheia de ensinamentos nas entrelinhas.
    “Jamais sofra antecipadamente. Pense positivo. Acredite nos seus sonhos. Nunca desista de lutar. A vida é generosa para aqueles que acreditam nela.” (Vitoria Cirilo)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA MARÇO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  9. Olá! Uma HQ bem diferente das que eu normalmente acompanho. Gostei dos traços do autor ele realmente soube valorizar bem os desenhos e a história em si é bem interessante e rotineira, afinal todo menino/adolescente já passou ou vai passar por uma situação parecida.

    ResponderExcluir
  10. Adoro HQ's, a história parecer ser muito boa!

    ResponderExcluir
  11. Primeiro de tudo, que resenha encantadora Carl (e por favor não fique pabo), adorei ler e conhecer um pouco mais sobre essa Hq, e quero ela pra ontem eu gosto muito da maneira com que os Franceses colocam a sexualidade de forma tão natural e real, sem expor as dinâmicas de proibições e tabus que nós vivenciamos diariamente

    ResponderExcluir
  12. Achei o livro bem delicado e eu adoro essa Editora justamente por abordar questões simples mas que não são tão comentados como desabrochar da adolescência e eu adoro Nisso porque o quadrinho é francês e os franceses veem a Sexualidade como algo natural para outros povos a coisa complica

    ResponderExcluir
  13. Oi, Carl!!
    Adorei essa HQ realmente é fascinante a forma que foi colocada essa história nas ilustrações e como assuntos tão importantes são abordados.
    Bjos

    ResponderExcluir
  14. Nunca li um HQ, não me matem ,acho que ilustrações me incomoda,apesar de ter amado a história,achei bem interessante a resenha, amo clichês, não sei se com o desenrolar da história vou amar tudo ,mas até onde minha imaginação me levou com a resenha eu amei

    ResponderExcluir