MARADA

SINOPSE: De Chris Claremont, autor best-seller do NY Times, grande arquiteto do mundo mutante da Marvel, responsável pela popularização dos X-Men, e aclamado roteirista de heróis como Wolverine e Quarteto Fantástico, e John Bolton, o celebrado artista de Livros da Magia, Sandman, Morcego Humano e Drácula, chega uma verdadeira obra-prima da fantasia, Marada: a Mulher-Lobo! Marada, a maior guerreira que o Império Romano já conheceu, cuja menção do nome faz até mesmo os homens mais corajosos tremerem, uma mulher capaz de derrubar impérios, jaz alquebrada, derrotada, entregue e indefesa. Quem ou o quê teria sido capaz de dobrar os joelhos da espadachim dos cabelos prateados? Acompanhe os aliados da heroína desvendando as respostas para essa indagação, em meio a uma jornada épica de feitiçaria, barbarismo, guerras e traição - Chris CLAREMONT e John BOLTON - Editora PIPOCA E NANQUIM - 2018 - 112 páginas.

Espada e Magia é um subgênero da fantasia, com histórias épicas sobre personagens espadachins, muitas batalhas violentas, conflitos entre reinos e, claro, bruxas e feiticeiros. É a esse gênero que pertencem figuras conhecidas nos quadrinhos, como Conan e Red Sonja. Em 1982, Chris Claremont, dono das mais famosas histórias dos X-Men, criou, ao lado de John Bolton, um dos mais talentosos desenhistas de todos os tempos, a personagem Marada, a guerreira de cabelos prateados.
Na verdade, a criação de Marada se deve ao sucesso do filme de Conan, que estreou em 1982, e ao anúncio de um filme de Red Sonja. As histórias de Marada escritas por Claremont, seriam para a bárbara de camelos ruivos, mas devido aos filmes, ele resolveu apostar em uma personagem nova e própria. Ele mudou a época e a região das aventuras de Marada para o império romano, criou uma origem e desenvolveu algumas outras diferenças. Mas, mesmo assim, é bastante evidente o quanto Marada foi baseada em Red Sonja.

Um outro ponto de diferença entre as personagens, e as histórias, é que Marada, apesar de sua força e habilidade nas lutas, acaba sucumbindo aos inimigos em todos os três contos que compõem o álbum lançado pela Pipoca e Nanquim (inclusive, só existem essas três histórias, a personagem acabou sendo descartada e ficou apenas como item de colecionador para os amantes do gênero). E essa fraqueza da personagem, acabou por me incomodar um pouco.
Explico: a personagem Red Sonja tem como base a força da mulher diante de homens bárbaros em uma época onde a mulher sequer sabia ler. Inclusive, ela avisava a todos os homens que a desejavam, que apenas se deitaria com quem a vencesse em duelo. Isso nunca acontecia, exatamente por causa de sua convicção, de seu nojo pelo sexo masculino e por suas incríveis habilidades no manuseio da espada. Ela é uma personagem que foi construída para fazer frente ao preconceito e ao machismo presente na época, e até hoje em dia.

Entretanto, Marada não segue esse mesmo caminho. Já na primeira história do álbum, ela fica prisioneira de um demônio em outra dimensão e é estuprada até quase morrer. Liberta, ela se recupera, parte para suas aventuras e para sua vingança. Nos dois contos seguintes, ela é presa por inimigos diferentes e nas duas vezes quase sofre o mesmo que sofreu nas mãos do demônio. Isso acabou me passando uma sensação ruim, tipo aquelas fantasias que muitos homens têm de posse, de dominação sobre o sexo feminino, sobre se apossar de uma guerreira para mostrar sua masculinidade.
Claro que não tenho a menor ideia se foi isso que o autor quis passar, ou apenas tentou retratar coisas que aconteciam com as mulheres, guerreiras ou não, na época, mas, mesmo assim, não tenho essa sensação ao ler as histórias de Red Sonja, onde não conheço nenhuma que não enalteça a força da personagem e das mulheres de forma geral. Talvez por isso, e por ser uma espécie de cópia de Red Sonja, a personagem não conquistou o público e foi abandonada.

Eu poderia dizer que MARADA não teria qualquer destaque que incentivasse sua leitura, e nem a publicação luxuosíssima produzida pela editora, que enche os olhos e dá um orgulho de mostrar na estante, tendo, inclusive páginas com bordas douradas (quem acompanha os stories do GETTUB no Instagram, conheceu a obra), se não fossem os desenhos de John Bolton! Caraca! Que arte linda! A cada quadro, a cada página, eu me perdia nos traços, nas pinturas do artista. São desenhos tão bem concebidos, tão cheios de talento, que, se eu pudesse, fazia de quadro várias páginas e pendurava na parede.
Apesar de eu ser fã de Chris Claremont, realmente não vejo qualquer coisa nova ou diferente no enredo de MARADA, além daquele problema quanto a empoderamento, mas a compra do álbum vale a pena, com toda a certeza, apenas pela qualidade da produção do álbum e pela arte do John Bolton. Se você quiser, nem precisa ler a narrativa, basta apenas admirar os desenhos. Acredite, compre e babe! Ah, e eu só estou dando quatro estrelas por causa dos desenhos ;)


Compartilhe este post:

Carl

Tenho várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamento o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco ;>) -, e não saber desenhar O.O

13 COMENTÁRIOS

  1. Vi a edição nos stories e é realmente lindíssima! Que tudo essas bordas douradas!
    Gostei muito também das ilustrações!
    Quanto a história em si num primeiro momento não me atrai ou desperta a vontade de ler.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Carl.

    Com certeza a Marada não é uma personagem nada sútil, e que é um exemplo de mulher forte, não fisicamente falando.

    ResponderExcluir
  3. Como é um universo que eu não entendo muito, fiquei aqui babando nas imagens. Parece ser uma obra muito bem feita, desenhada a dedo realmente. E fiquei boiando nos nomes..rs mas mesmo assim, entendi que não preciso entender, apenas admirar e vou procurar a obra só para ver toda essa beleza citada.
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Eu vi os detalhes da obra no stories, é linda. Adorei as ilustrações

    ResponderExcluir
  5. Achei interessante pela personagem ser uma guerreira forte e pelas lutas dela, mas um tanto estranho e horrível ver que ela sofre nas mãos dos inimigos assim. É triste demais pensar nas porcarias que fazem com ela, em como é humilhante,horrível e ainda mais por ela ser uma guerreira e ter essa força da luta dentro de si. Não sei se iria gostar de ler, a sensação que deve deixar não é l[a uma que me agrada só de pensar.
    Talvez seja bom por mostrar uma personagem que bata de frente com os preconceitos e machismo como disse, mas ver ela sendo derrotada dessas formas....ai gente =/
    A edição tá parecendo linda mesmo, muitos detalhes bonitos e confesso que se fosse só olhar por esse lado adoraria ter na estante. Mas a história me deixou pé atrás.

    ResponderExcluir
  6. Oi Carl,
    Uma pena não ter sido inovador, eu mesmo não curtindo hq's achei a edição belíssima, e tendo uma protagonista como heroína conquista ainda mais. Não é algo que pegaria para ler, mas pela beleza gostaria de ter na estante.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oi Carl.
    Que pena que a história de Marada é uma cópia de Red Sonja. Fiquei um pouco chocada por ela sucumbir aos inimigos nas suas três aparições. Não era para ela ser uma super-heroína?
    A arte realmente é muito bonita.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Annyeong(Olá) Carl!!
    A capa em si realmente são lindas assim como os desenhos, mas só de ver o que a personagem passa eu também não leria. Sou muito fraca a esse tipo de história, pena que o enredo é fraco e o assunto da HQs é forte.

    ResponderExcluir
  9. Olá Carl!
    Amei a ilustração, estão demais msm, a capa tbm, tá linda!
    Não conheço obras do autor, seria uma experiência e tanto ler essa HQ...
    Vai pra minha listinha.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  10. Amei as ilustrações, porém não me interessei muito na história.

    ResponderExcluir
  11. Oi Carl,
    Nunca tinha ouvido falar de red sonja também porque não é dos meus maiores interesses, mas gostei bastante das ilustrações de fato.
    Bjs

    ResponderExcluir
  12. O que mais gosto nos mangás são as ilustrações sempre criativas, verdadeiras obras de arte. Muitos eu nem leio, mas gosto de apreciar os desenhos.

    ResponderExcluir
  13. Oi, Carl!!
    Nossa essas ilustrações realmente chamam muito atenção!! Não conhecia esse HQ mais fiquei emprisionada com as cores vibrantes!
    Bjoss

    ResponderExcluir