TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME

SINOPSE: Inconformada com a ineficácia da polícia em encontrar o culpado pelo brutal assassinato de sua filha, Mildred Hayes decide chamar atenção para o caso não solucionado alugando três outdoors em uma estrada raramente usada. A inesperada atitude repercute em toda a cidade e suas consequências afetam várias pessoas, especialmente a própria Mildred e o Delegado Willoughby, responsável pela investigação.
DIREÇÃO: Martin MCDONAGH
DISTRIBUIÇÃO: Fox Filme do Brasil
DURAÇÃO: 1H56
ELENCO: Frances MCDORMAND, Sam ROCHWELL, Woody HARRELSON, Peter DINKLAGE

É muito ruim se sentir impotente ou extremamente dependente de outras pessoas. É horrível se deparar com uma situação de desgraça e não poder fazer nada. Em TRÊS ANÚNCIOS PARA UM CRIME, teremos essa situação pelos olhos de uma mãe em luto.

Numa cidadezinha do interior dos Estados Unidos, Mildred acaba de perder sua filha, vítima de estupro seguido de morte. O caso chocou a cidade, devido à sua brutalidade, e a policia sai à caça de suspeitos. O problema é que o tempo passa e nada no caso avança, e a polícia não tem nenhum suspeito ou pista que possa levar ao criminoso. Com a certeza de que a polícia não está fazendo seu trabalho direito, Mildred aluga três outdoors na cidade e fixa neles várias mensagens para o xerife responsável pelo caso. “Como pode não fazer nada?”, “Por que não estão fazendo seu trabalho?”, e apenas isso é suficiente para nascer, na pequena cidade, uma revolta gigante contra Mildred, a mãe da jovem morta. Sendo o xerife muito querido, todos são contra Mildred, atacando a mesma de todas as formas. Porém, Mildred não se vê intimidada e revida toda e qualquer palavra/hostilidade com o mesmo grau de raiva e desprezo.

Já deu pra ver que o roteiro não brinca em serviço e aborda temas muito pesados sem sentimentalismo barato. O tema principal são as aparências, quando eu não consigo enxergar no próximo tudo o que ele está passando, tudo que ele está tentando fazer. E quando eu não consigo ter essa empatia, sempre tem consequências e o caos é sempre uma delas. Não é uma história sobre vingança ou ajuste de contas, é sobre a dor real da perda e do descaso. O filme se desenvolve de forma não linear, mostrando a relação de mãe e filha antes da catástrofe e aborda a perda de maneira dura e realista. Quando um filho morre, um pouco da mãe, um pouco de toda a sua família, vai junto. E para piorar, um dos policias da equipe é um patife que todos na cidade associam a um caso de brutalidade contra negros, uma desgraça que, infelizmente, parece rotina nos Estados Unidos. Tal racista se vê no direito de confrontar a todos que apoiam a mãe da vitima. A interação entre Mildred e esse policial racista é uma das coisas mais incríveis da produção, são sequências que transbordam ódio e revolta. Um roteiro bem amarrado e inteligente do início ao fim.

Preciso nem dizer que para viver Mildred era necessário uma atriz de fibra, e o que temos no filme é literalmente uma deusa da atuação. Frances McDormand estrela a produção com nervos de aço e a fúria de um dragão. A atriz encarna uma mãe forte, cheia de dores e cicatrizes no coração, que resultam em uma sede de justiça e um perdão para a alma. Talvez uma das melhores atuações em muitos anos e que, felizmente, foi reconhecida. Frances ganhou o Oscar de melhor atriz em 2018 pela segunda vez, a primeira foi nos anos 90 pelo filme FARGO, outra obra prima irretocável.

Sam Rockwell é um rosto bastante conhecido, com certeza você se lembra dele em filmes como HOMEM DE FERRO 2 ou À ESPERA DE UM MILAGRE. Aqui, ele vive aquele policial racista e nojento, o antagonista da produção. Seu personagem emana desprezo por negros ou mulheres e é um péssimo policial, faz apenas o que quer e quando quer. Porém, seu desenvolvimento ajuda o público a compreender a origem de todo esse racismo e problemas internos. Ao mesmo tempo em que é um semi-vilão do filme, ele se torna um importante centro de reflexão e critica social. De longe seu melhor trabalho e que foi merecidamente agraciado com o Oscar de melhor ator coadjuvante em 2018.

No elenco ainda temos uma pequena participação sensacional de Woody Harrelson na pele do xerife, também foi indicado ao Oscar, e seu personagem é um bom tapa na cara da sociedade. Toda a vez que você for julgar alguém sobre estar ou não fazendo seu trabalho, esse personagem vai mudar o jeito que você pensa. Peter Dinklage, o Tyrion de GAME OF THRONES, também está no filme. Aliás, ótimo como sempre. Por último, mas não menos importante, Caleb Landry Jones e Lucas Hedges são os destaques jovens, dois excelentes atores com um grande futuro a frente.

O saldo final disso tudo é um filme visceral e imersivo, feito para mexer com as estruturas dos seus pensamentos e de seus preconceitos. E se depois disso tudo você não ter se animado para conferir esse filmaço, eu vou apelar um pouco mais. A produção ganhou 2 Oscars, 4 Globos de ouro, 5 Baftas (Oscar Britânico) e 3 Sags Awards e vários outros. Vale muito, muito apena!


Compartilhe este post:

Rafael Yagami

Cinéfilo compulsivo, amante de livros e musica. A leitura e os filmes sempre me ensinaram a confiar em mim e ter sonhos grandes e é com isso que me armo todos os dias para lutar pelos meus objetivos.

7 COMENTÁRIOS

  1. Ouso afirmar que este filme é um dos melhores que já vi na vida! Vi ele duas vezes, uma na época do Oscar e outra, um tempo depois.
    É visceral. Esta é a única palavra que consegue definir o enredo inteiro.
    Não só pelo time de atores(aliás, amei ver Peter no longa, pois na época não sabia que ele estava ali),mas por todo o sentimento colocado na trama.
    Do começo ao fim é puro sentimento. A dor chega a ser passada pela tela e meio que nos atinge direto na alma.
    Mais do que recomendado!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ludmila, Ludmila, como você me conta o final do filme no comentário? Isso dá morte, pessoas começarão a caçar você, sua cabeça será colocada a prêmio, virão assassinos do ocidente apenas para capturar você e torturar! Cuidado!!!!!

      Excluir
  3. Gostei muito da ideia desse filme e mais pela personagem forte e determinada do que por todos os temas horríveis que acaba abordando. Parece mesmo que não tem isso de filme sentimental e essas coisas, ali a trama é forte e verdadeira, passa uma coisa que parece bem real e a luta dessa mãe é o que mais impressiona. A atriz, por tudo que se esperaria passar com essa personagem, pelo visto entregou um baita trabalho mesmo porque só vi elogio quando esse filme foi parar nas premiações. Quero assistir alguma hora.

    ResponderExcluir
  4. Rafael!
    Não assisti ainda e deve ser um filme fenomenal, afinal, a protagonista é destemida e enfrenta todos e tudo para desvendar a morte.
    Desejo uma semana repleta de realizações!
    “O que eu sinto eu não ajo. O que ajo não penso. O que penso não sinto. Do que sei sou ignorante. Do que sinto não ignoro. Não me entendo e ajo como se entendesse.” (Clarice Lispector)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA JUNHO - 5 GANHADORES
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  5. Oi Rafael!
    Esse filme parece ser mto bom, vi que ganhou prêmio tbm, dei uma olhadinha no trailer e já me interessei, a personagem parece ter uma personalidade marcante, o que me chamou atenção, espero assistir em breve.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  6. Tenho interesse em ver esse filme antes mesmo de saber o elenco, os prêmios e até o trailer. Adoro filmes assim e estou ansiosa para assisti-lo!

    ResponderExcluir